Estação Javel - André Citroën

estação do Metropolitano de Paris

Javel - André Citroën é uma estação da Linha 10 do Metrô de Paris, localizada no 15.º arrondissement de Paris.

Javel - André Citroën
Um trem MF 67 na plataforma.
Uso atual Estação de metropolitano
Administração RATP Metrô de Paris
Linhas Linha 9
Código 1614
Tipo de estação Subterrânea
Plataforma 2
Informações históricas
Inauguração Paris transit icons - Métro 8.svg 30 de setembro de 1913
Paris transit icons - Métro 10.svg 27 de julho de 1937
Próxima estação
Sentido Boulogne
Paris transit icons - Métro 10.svg
Sentido Gare d'Austerlitz
Mirabeau (depois de Boulogne)
Église d'Auteuil (para Boulogne)
Javel - André Citroën

LocalizaçãoEditar

A estação está estabelecida no extremo oeste da avenue Émile-Zola. Na direção de Boulogne - Pont de Saint-Cloud, esta é a última estação da linha clássica; precede o circuito de Auteuil, do qual é separado por uma travessia sob o Sena. Orientado ao longo de um eixo leste-oeste, é interposto entre Mirabeau (vindo de Boulogne) ou Église d'Auteuil (em direção a Boulogne), por um lado, e Charles Michels por outro.

HistóriaEditar

A estação foi aberta em 30 de setembro de 1913 com a abertura da extensão da linha 8 de Beaugrenelle (atual Charles Michels) a Porte d'Auteuil.[1]

Tem o nome original de Javel pela sua localização noroeste do bairro de Javel, que corresponde a uma aldeia que originado no século XV com um pequeno porto e uma garagem para barcos, conhecido em 1485 sob o nome de Javetz. Em 1777, uma fábrica de produtos químicos foi criada; dessa fábrica veio o hipoclorito de sódio que é chamado Eau de Javel (Água de Javel). Originalmente pertencente ao território da comuna de Issy, o bairro foi anexado a Paris em 1860.

Durante a noite de 26 a 27 de julho de 1937, a estação foi transferida para a linha 10 como parte do redesenho das linhas 8, 10 e da antiga linha 14. O serviço entre Porte d'Auteuil e Jussieu foi prestado apenas dois dias depois, em 29 de julho, inicialmente limitado a La Motte-Picquet - Grenelle a leste.

Em 8 de junho de 1959, a estação foi renomeada Javel - André Citroën, um ano após a mudança de nome do quai André Citroën em homenagem a André Citroën (1878-1935), engenheiro politécnico francês pioneiro da indústria automotiva e fundador do império industrial automotivo de mesmo nome em 1919.

Até os anos 2000, as plataformas apresentavam sua vida e seus negócios através de cartazes e fotos colocadas nos pés-direitos, enquanto que os assentos usavam as cores do famoso logotipo em chevrons, inspirado nas engrenagens fabricadas em 1905. Essa decoração foi removida após a reforma da estação, operada pela RATP como parte do programa “Renovação do Metrô”.

Em 2011, 2 473 278 passageiros entraram nesta estação.[2] Ela viu entrar 2 565 099 passageiros em 2013, o que a coloca na 213ª posição das estações de metrô por sua frequência em 302.[3][4]

Em junho de 2018, a estação teve uma exposição dedicada à marca Citroën, incluindo um friso refazendo sua história e telas sensíveis ao toque, permitindo que os passageiros acessem seu site diretamente nas plataformas.[5]

Serviços aos passageirosEditar

AcessosEditar

A estação tem três acessos que se abrem em ambos os lados da avenue Émile-Zola, cada um decorado com uma balaustrada de tipo Dervaux:

  • O acesso 1 "Quai André-Citroën" composto por uma escada fixa decorada com um candelabro Val d'Osne, próximo à esquina da avenida com o quai André-Citroën;
  • O acesso 2 "Rue de la Convention" composto de uma escada fixa à direita do no 2 da avenida;
  • O acesso 3 "Avenue Émile-Zola" compreendendo uma escada rolante ascendente que permite apenas a saída depois da plataforma em direção a Boulogne, na contra-passarela da calçada ímpar da avenida.

PlataformasEditar

Javel - André Citroën é uma estação de configuração padrão: ela possui duas plataformas separadas pelas vias do metrô e a abóbada é elíptica. A decoração, complementada pelo cenário cultural dedicado à Citroën, é do estilo utilizado pela maioria das estações de metrô: as faixas de iluminação são brancas e arredondadas no estilo "Gaudin" da renovação do metrô da década de 2000, e as telhas em cerâmica brancas biseladas recobrem os pés-direitos, a abóbada, os tímpanos e as saídas dos corredores. Os quadros publicitários são metálicos e o nome da estação é inscrito na fonte Parisine em placas esmaltadas. Os assentos de estilo "Motte" têm a distinção de ser prateados (substituindo os assentos vermelhos do mesmo modelo) para harmonizar com a cor do logotipo da Citroën, quando a nova decoração foi colocada no lugar colocando a marca e seu fundador em destaque.

IntermodalidadeEditar

A estação é servida pelas linhas 30, 62 e 88 da rede de ônibus RATP. Também é conectado à estação Javel do RER C por via pública, simplesmente atravessando a plataforma André-Citroën.

Pontos turísticosEditar

CulturaEditar

A estação de Javel foi mencionada em 1936 na música de Charles Trenet, Y'a d'la joie.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Jean Tricoire (1999). Un siècle de métro en 14 lignes. De Bienvenüe à Météor. [S.l.: s.n.] .
  2. Entradas anuais provenientes de fora da estação (via pública, correspondências de ônibus, rede SNCF, etc.), no site data.ratp.fr (consultado em 5 de novembro de 2012).
  3. Tráfego anual de entradas por estação (2013), no site data.ratp.fr (consultado em 31 de agosto de 2014).
  4. O número de 302 estações não inclui a estação fictícia Funicular de Montmartre. Esta última é de fato considerada como uma estação de metrô (e dois pontos de parada) pela RATP e anexada estatisticamente à linha 2, razão pela qual a RATP anuncia 303 estações e não 302.
  5. «Un nouveau décor pour le métro Javel - André Citroën». www.leparisien.fr. 10 de junho de 2018 .
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Estação Javel - André Citroën