Estado mental

Um estado mental, ou uma propriedade mental, é uma característica da mente de uma pessoa. Os estados mentais formam uma classe diversa, incluindo percepção, experiência de dor, crença, desejo, intenção, emoção e memória. Há controvérsia a respeito da definição exata do termo. Segundo as abordagens epistêmicas, a marca essencial dos estados mentais é que seu sujeito tem acesso epistêmico privilegiado, enquanto outros só podem inferir sua existência a partir de signos externos. As abordagens baseadas na consciência sustentam que todos os estados mentais ou são conscientes por si mesmos ou têm a relação correta com os estados conscientes. As abordagens baseadas na intencionalidade, por outro lado, veem o poder das mentes de se referir a objetos e representar o mundo como a marca do mental. Segundo as abordagens funcionalistas, os estados mentais são definidos em termos de seu papel na rede causal independente de suas propriedades intrínsecas. Alguns filósofos negam todas as abordagens mencionadas acima, sustentando que o termo "mental" se refere a um agrupamento de ideias vagamente relacionadas sem uma característica unificadora subjacente compartilhada por todas. Várias classificações sobrepostas de estados mentais foram propostas. Distinções importantes agrupam fenômenos mentais de acordo com se são sensoriais, proposicionais, intencionais, conscientes ou ocorrentes. Os estados sensoriais envolvem impressões sensoriais como percepções visuais ou dores corporais. Atitudes proposicionais, como crenças e desejos, são relações que um sujeito tem com uma proposição. A característica dos estados intencionais é que eles se referem a objetos ou estados de coisas. Os estados conscientes fazem parte da experiência fenomênica, enquanto os estados ocorrentes são causalmente eficazes dentro da mente do dono, com ou sem consciência. Uma classificação influente dos estados mentais deve-se a Franz Brentano, que argumenta que existem apenas três tipos básicos: apresentações, julgamentos e fenômenos de amor e ódio.

Os estados mentais são geralmente contrastados com aspectos físicos ou materiais. Para os fisicalistas (não eliminativos), são um tipo de propriedade de alto nível que pode ser entendida em termos de atividade neural de grãos finos. Os dualistas de propriedades, por outro lado, afirmam que tal explicação redutora não é possível. Os eliminativistas podem rejeitar a existência de propriedades mentais, ou pelo menos daquelas correspondentes a categorias psicológicas populares, como o pensamento e a memória. Os estados mentais desempenham um papel importante em vários campos, incluindo a filosofia da mente, a epistemologia e a ciência cognitiva. Na psicologia, o termo é usado não apenas para se referir aos estados mentais individuais listados acima, mas também para uma avaliação mais global da saúde mental de uma pessoa.[1]

DefiniçãoEditar

Várias teorias concorrentes foram propostas sobre quais são as características essenciais de todos os estados mentais, às vezes referidas como a busca da "marca do mental".[2][3][4] Estas teorias podem ser divididas em abordagens epistêmicas, abordagens baseadas na consciência, abordagens baseadas na intencionalidade e funcionalismo. Estas abordagens discordam não apenas sobre como a mentalidade deve ser definida, mas também sobre quais estados contam como mentais.[5][3][4] Os estados mentais abrangem um grupo diverso de aspectos de uma entidade, como as crenças, desejos, intenções ou experiências de dor desta entidade. As diferentes abordagens frequentemente resultam em uma caracterização satisfatória de apenas alguns deles. Isto levou alguns filósofos a duvidar de que haja uma marca unificadora do mental e, em vez disso, veem o termo "mental" como se referindo a um agrupamento de ideias vagamente relacionadas.[4][3][6] Os estados mentais são geralmente contrastados com aspectos físicos ou materiais. Este contraste é geralmente baseado na ideia de que certas características dos fenômenos mentais não estão presentes no universo material como descrito pelas ciências naturais e podem até ser incompatíveis com ele.[3][4]

Central para abordagens epistêmicas é a ideia de que o sujeito tem acesso epistêmico privilegiado aos seus estados mentais. Nesta visão, um estado de um sujeito constitui um estado mental se e somente se o sujeito tiver acesso privilegiado a ele.[4][7][8] Argumentou-se que esse acesso é não inferencial, infalível e privado. O acesso não inferencial é insuficiente como marca do mental se for aceito que temos conhecimento não inferencial de coisas não mentais, por exemplo, na percepção regular ou na experiência corporal.[4] Às vezes, se sustenta que o conhecimento dos próprios estados mentais é infalível, ou seja, que o sujeito não pode estar errado sobre tê-los. Mas embora isto possa ser verdade para alguns estados mentais conscientes, existem vários contra-exemplos, como estados mentais inconscientes ou emoções conscientes que não sabemos como categorizar.[4] A caracterização mais influente do acesso privilegiado é que ele é privado, ou seja, que os estados mentais são conhecidos principalmente apenas pelo sujeito e somente através de seus sintomas, como atos de fala ou outras expressões, por outras pessoas.[4][8] Um argumento influente, mas não universalmente aceito, contra essa tradição é o argumento da linguagem privada devido a Ludwig Wittgenstein. Ele argumenta que os estados mentais não podem ser privados porque, se fossem, não seríamos capazes de nos referir a eles usando a linguagem pública.[9][10]

As abordagens baseadas na consciência sustentam que todos os estados mentais ou são conscientes por si mesmos ou têm a relação correta com os estados conscientes. Há controvérsia sobre como esta relação deve ser caracterizada.[3][8][11] Uma das primeiras versões proeminentes, devida a John Searle, afirma que os estados não conscientes são mentais se constituem disposições para produzir estados conscientes.[12][13] Isto geralmente leva a um modelo hierárquico da mente vendo apenas os estados conscientes como fenômenos mentais independentes, o que muitas vezes é um ponto de disputa para os oponentes das abordagens baseadas na consciência. Segundo sua linha de pensamento, alguns estados mentais inconscientes existem independentemente das suas contrapartes conscientes. Eles são chamados de "inconsciente profundo" (deep unconscious) e figuram nas ciências cognitivas e na psicanálise.[14][15] Mas o sucesso deste contra-argumento depende tanto de permitir que o inconsciente profundo seja realmente mental quanto de como a relação de dependência negada pelo inconsciente profundo deve ser concebida.[11][15]

As abordagens baseadas na intencionalidade identificam a intencionalidade, ou seja, que os estados mentais se referem a objetos e representam como é o mundo, com a marca do mental.[3][7][16][17][18] Isto contorna vários problemas enfrentados pelas abordagens baseadas na consciência, já que atribuímos conteúdos representacionais tanto aos estados conscientes quanto aos inconscientes.[19] Dois argumentos principais foram apresentados contra esta abordagem: que algumas representações, como mapas, não são mentais e que alguns estados mentais, como a dor, não são representacionais. Os defensores das abordagens baseadas na intencionalidade responderam a estes argumentos dando uma explicação hierárquica de como as representações não mentais dependem das representações mentais, semelhante à relação entre os estados inconscientes e conscientes sugerida no último parágrafo, e tentando mostrar como estados mentais aparentemente não representacionais podem ser caracterizados como representacionais afinal de contas.[20][19][21][22][23]

As abordagens funcionalistas definem os estados mentais em termos de seu papel na rede causal. Por exemplo, um estado de dor pode ser caracterizado como o que tende a ser causado por lesões corporais e a causar expressões de dor como gemidos.[24][7] O behaviorismo é uma forma de funcionalismo que restringe essas caracterizações a reações corporais a situações externas, muitas vezes motivadas por uma tentativa de evitar referências a estados internos ou privados.[25][26] Outras formas de funcionalismo são mais tolerantes ao permitir que tanto os estados externos quanto os internos caracterizem o papel causal dos estados mentais.[27][28][6] A consciência fenomênica constitui uma dificuldade para abordagens funcionalistas, já que seus aspectos intrínsecos não são captados por papéis causais. Por exemplo, as causas e efeitos da dor omitem o fato de que a dor em si se sente desagradável.[7][24]

Classificações de estados mentaisEditar

Há uma grande variedade de tipos de estados mentais, que podem ser classificados de acordo com várias distinções. Estes tipos incluem percepção, crença, desejo, intenção, emoção e memória. Muitas das distinções propostas para estes tipos têm sobreposições significativas e algumas podem até ser idênticas. Os estados sensoriais envolvem impressões sensoriais, que estão ausentes em estados não sensoriais. As atitudes proposicionais são estados mentais que têm conteúdos proposicionais, em contraste com estados não proposicionais. Os estados intencionais referem-se a objetos ou estados de coisas, uma característica que falta nos estados não intencionais. Um estado mental é consciente se pertence à experiência fenomênica. Os estados mentais inconscientes também fazem parte da mente, mas carecem dessa dimensão fenomênica. Os estados mentais ocorrentes são ativos ou causalmente eficazes dentro da mente do dono, enquanto os estados não ocorrentes ou parados existem em algum lugar no fundo da mente, mas atualmente não desempenham um papel ativo em nenhum processo mental. Certos estados mentais são racionalmente avaliáveis: são racionais ou irracionais, dependendo se obedecem às normas de racionalidade. Mas outros estados são arracionais: estão fora do domínio da racionalidade. Uma classificação bem conhecida se deve a Franz Brentano, que distingue três categorias básicas de estados mentais: apresentações, julgamentos e fenômenos de amor e ódio.

Tipos de estados mentaisEditar

Há uma grande variedade de tipos de estados mentais incluindo percepção, consciência corporal, pensamento, crença, desejo, motivação, intenção, deliberação, decisão, prazer, emoção, ânimo, imaginação e memória. Alguns destes tipos são precisamente contrastados uns com os outros, enquanto outros tipos podem se sobrepor. A percepção envolve o uso de sentidos, como visão, tato, audição, olfato e gosto, para adquirir informações sobre objetos materiais e eventos no mundo externo.[29] Contrasta com a consciência corporal neste sentido, que trata dos acontecimentos internos de nosso corpo e não apresenta seus conteúdos como objetos independentes.[30] Os objetos dados na percepção, por outro lado, são apresentados diretamente (ou seja, não inferencialmente) como existentes lá fora, independentemente do percebedor. A percepção é geralmente considerada confiável, mas nossas experiências perceptivas podem apresentar informações falsas às vezes e, portanto, podem nos enganar.[31] A informação recebida na percepção é muitas vezes considerada mais no pensamento, no qual a informação é mentalmente representada e processada.[32] Tanto as percepções quanto os pensamentos frequentemente resultam na formação de novas crenças ou na mudança de crenças existentes. As crenças podem constituir conhecimento se são justificadas e verdadeiras. São atitudes proposicionais cognitivas não sensoriais que têm uma direção de ajuste mente-a-mundo (mind-to-world direction of fit): representam o mundo como sendo de uma certa maneira e visam a verdade.[33][34] Contrastam com os desejos, que são atitudes proposicionais conativas que têm uma direção de ajuste mundo-a-mente e visam mudar o mundo, representando como deveria ser.[35][36] Os desejos estão intimamente relacionados com a agência: motivam o agente e, portanto, estão envolvidos na formação de intenções. As intenções são planos com os quais o agente está comprometido e que podem guiar as ações.[37][38] A formação de intenções é às vezes precedida por deliberação e decisão, nas quais as vantagens e desvantagens de diferentes cursos de ação são consideradas antes de se comprometer com um deles. É comumente aceito que o prazer desempenha um papel central nessas considerações. "Prazer" refere-se à experiência que se sente bem, que envolve o gozo de algo.[39][40] O tema das emoções está intimamente ligado com o da agência e do prazer. As emoções são respostas avaliativas a estímulos externos ou internos que estão associados a um sentimento de prazer ou desprazer e motivam várias reações comportamentais.[41][42] As emoções são bastante semelhantes aos estados de ânimo, com a diferença de que os estados de ânimo tendem a surgir por períodos mais longos de cada vez e que os estados de ânimo geralmente não são claramente desencadeados por ou direcionados a um evento ou objeto específico.[41][42] A imaginação está ainda mais distante do mundo real, pois representa coisas sem o objetivo de mostrar como elas realmente são.[43] Todos os estados acima mencionados podem deixar traços na memória que tornam possível revivê-los posteriormente na forma de memória episódica.[44][45]

Sensação, atitudes proposicionais e intencionalidadeEditar

Uma distinção importante entre estados mentais é entre estados sensoriais e não sensoriais.[46] Os estados sensoriais envolvem alguma forma de impressões sensoriais, como percepções visuais, impressões auditivas ou dores corporais. Os estados não sensoriais, como o pensamento, a intuição racional ou o sentimento de familiaridade, carecem de conteúdos sensoriais.[47] Os estados sensoriais às vezes são equiparados a estados qualitativos e contrastados com estados de atitude proposicional.[7][8] Os estados qualitativos envolvem qualia, que constituem o sentimento subjetivo de ter o estado em questão ou de como é estar nele.[7] As atitudes proposicionais, por outro lado, são relações que um sujeito tem com uma proposição. Geralmente são expressas por verbos como crer, desejar, temer ou esperar junto com uma frase usando "que".[48][49][8] Assim, crer que vai chover hoje, por exemplo, é uma atitude proposicional. Argumenta-se que o contraste entre estados qualitativos e atitudes proposicionais é enganoso, já que há alguma forma de sentimento subjetivo em certos estados proposicionais, como compreender uma sentença ou pensar de repente em algo.[50] Isto sugeriria que também há estados qualitativos não sensoriais e algumas atitudes proposicionais podem estar entre eles.[50][51] Outro problema com este contraste é que alguns estados são tanto sensoriais quanto proposicionais. Isto é o caso da percepção, por exemplo, que envolve impressões sensoriais que representam como o mundo é. Este aspecto representacional é geralmente entendido como envolvendo uma atitude proposicional.[52][53]

Intimamente relacionado a estas distinções está o conceito de intencionalidade. A intencionalidade é geralmente definida como a característica dos estados mentais para se referir a objetos ou estados de coisas.[16][17] A crença de que a lua tem uma circunferência de 10921 km, por exemplo, é um estado mental que é intencional em virtude de se referir à lua e sua circunferência. Às vezes se sustenta que todos os estados mentais são intencionais, ou seja, que a intencionalidade é a "marca do mental". Esta tese é conhecida como intencionalismo. Mas esta visão tem vários oponentes, que distinguem entre estados intencionais e não intencionais. Exemplos putativos de estados não intencionais incluem várias experiências corporais, como dores e coceiras. Devido a esta associação, às vezes se sustenta que todos os estados sensoriais carecem de intencionalidade.[54][55] Mas tal visão ignora que certos estados sensoriais, como as percepções, podem ser intencionais ao mesmo tempo.[55] É geralmente aceito que todas as atitudes proposicionais são intencionais. Mas embora os casos paradigmáticos de intencionalidade também sejam proposicionais, pode haver algumas atitudes intencionais que não são proposicionais.[56][57] Este pode ser o caso quando uma atitude intencional é dirigida apenas a um objeto. Nesta visão, o medo de Elsie de cobras é uma atitude intencional não proposicional, enquanto o medo de Joseph de que será mordido por cobras é uma atitude intencional proposicional.[56]

Consciente e inconscienteEditar

Um estado mental é consciente se pertence à experiência fenomênica. O sujeito está ciente dos estados mentais conscientes em que se encontra: há algum sentimento subjetivo em tê-los. Os estados mentais inconscientes também fazem parte da mente, mas carecem dessa dimensão fenomênica.[58] Portanto, é possível que um sujeito esteja em um estado mental inconsciente, como um desejo reprimido, sem saber disso. Geralmente, afirma-se que alguns tipos de estados mentais, como sensações ou dores, só podem ocorrer como estados mentais conscientes.[59][60] Mas também há outros tipos, como crenças e desejos, que podem ser tanto conscientes quanto inconscientes. Por exemplo, muitas pessoas compartilham a crença de que a lua está mais perto da Terra do que do Sol. Quando considerada, esta crença se torna consciente, mas é inconsciente de outra forma a maior parte do tempo. A relação entre estados conscientes e inconscientes é um tema controverso. Frequentemente, afirma-se que os estados conscientes são, em certo sentido, mais básicos e que os estados mentais inconscientes dependem deles.[3][8][11] Uma dessas abordagens afirma que os estados inconscientes têm que ser acessíveis à consciência, que são disposições do sujeito para entrar em suas correspondentes contrapartidas conscientes.[12][13] Segundo esta posição, não pode haver um "inconsciente profundo", ou seja, estados mentais inconscientes que não podem se tornar conscientes.[15]

O termo "consciência" às vezes é usado não no sentido de consciência fenomênica, como acima, mas no sentido de consciência de acesso (access consciousness). Um estado mental é consciente neste sentido se a informação que carrega está disponível para raciocinar e guiar o comportamento, mesmo que não esteja associado a qualquer sentimento subjetivo caracterizando a experiência fenomênica simultânea.[3][61][62] Os estados conscientes de acesso são semelhantes, mas não idênticos, aos estados mentais ocurrentes, o tema da próxima seção.

Ocorrente e paradoEditar

Um estado mental é ocurrente se é ativo ou causalmente eficaz dentro da mente do dono. Os estados não ocorrentes são chamados estados parados ou disposicionais. Eles existem em algum lugar no fundo da mente, mas atualmente não desempenham um papel ativo em nenhum processo mental.[63][64] Esta distinção às vezes é identificada com a distinção entre estados mentais fenomênicamente conscientes e inconscientes.[65][66] Parece ser o caso que as duas distinções se sobrepõem, mas não coincidem totalmente, apesar do fato de que todos os estados conscientes são ocurrentes. Isto é assim porque os estados inconscientes podem se tornar causalmente ativos enquanto permanecem inconscientes. Um desejo reprimido pode afetar o comportamento do agente enquanto permanece inconsciente, o que seria um exemplo de um estado mental ocorrente inconsciente.[65][66][67] A distinção entre estados ocorrentes e parados é especialmente relevante para crenças e desejos. A qualquer momento, parece haver um grande número de coisas em que acreditamos ou coisas que queremos que não são relevantes para nossa situação atual. Estes estados permanecem inativos no fundo da mente, embora a pessoa os tem.[65][67] Por exemplo, enquanto Ann está envolvida em seu jogo de computador favorito, ela ainda acredita que os cães têm quatro pernas e deseja ter um cão de estimação em seu próximo aniversário. Mas estes dois estados não desempenham nenhum papel ativo em seu estado de mente atual.[65] Outro exemplo vem do sono sem sonhos, quando a maioria ou todos os nossos estados mentais são estados parados.[63]

Racional, irracional e arracionalEditar

Certos estados mentais, como crenças e intenções, são racionalmente avaliáveis: ou são racionais ou irracionais, dependendo se obedecem às normas da racionalidade.[68] Mas outros estados, como impulsos, experiências de tontura ou fome, são arracionais: estão fora do domínio da racionalidade e não podem ser nem racionais, nem irracionais.[68] Uma distinção importante dentro da racionalidade diz respeito à diferença entre a racionalidade teórica e a prática.[69] A racionalidade teórica abrange crenças e seus graus, enquanto a racionalidade prática se concentra em desejos, intenções e ações.[70] Alguns teóricos pretendem fornecer um relato abrangente de todas as formas de racionalidade, mas é mais comum encontrar tratamentos separados de formas específicas de racionalidade que deixam aberta a relação com outras formas de racionalidade.[69]

Há várias definições concorrentes do que constitui racionalidade, mas nenhuma resposta universalmente aceita.[70] Alguns relatos enfocam a relação entre estados mentais para determinar se um estado particular é racional. Segundo um ponto de vista, um estado é racional se está bem fundamentado em outro estado que atua como sua fonte de justificação.[71] Por exemplo, a crença de Scarlet de que está chovendo em Manchester é racional porque se baseia em sua experiência perceptiva da chuva, enquanto a mesma crença seria irracional para Frank, já que carece de tal base perceptual. Uma versão diferente de tal abordagem sustenta que a racionalidade surge em virtude da coerência entre os diferentes estados mentais de um sujeito.[72][73] Isto envolve uma perspectiva holística que se preocupa menos com a racionalidade dos estados mentais individuais e mais com a racionalidade da pessoa como um todo.[74] Outros relatos se concentram não na relação entre dois ou vários estados mentais, mas em responder corretamente a razões externas.[75][76] Razões são geralmente entendidas como fatos que contam a favor ou contra algo.[77] Segundo este relato, a crença acima mencionada de Scarlet é racional porque responde corretamente ao fato externo de que está chovendo, o que constitui uma razão para manter esta crença.

Classificação segundo BrentanoEditar

Uma classificação influente dos estados mentais deve-se a Franz Brentano. Argumenta que existem três tipos básicos: apresentações, julgamentos e fenômenos de amor e ódio.[78][79][80][81] Todos os estados mentais pertencem a um desses tipos ou são constituídos por combinações deles. Estes tipos diferentes diferem não no conteúdo ou no que é apresentado, mas no modo ou como é apresentado. O tipo mais básico é a apresentação, que está envolvida em todos os estados mentais. Apresentações puras, como na imaginação, apenas mostram seu objeto sem qualquer informação adicional sobre os aspectos verídicos ou avaliativos de seu objeto. Um julgamento, por outro lado, é uma atitude dirigida a uma apresentação que afirma que sua apresentação é verdadeira ou falsa, como é o caso na percepção regular. Fenômenos de amor e ódio envolvem uma atitude avaliativa em relação a sua apresentação: mostram como as coisas deveriam ser, o objeto apresentado é visto como bom ou mau. Isto acontece, por exemplo, nos desejos.[78][79] Tipos mais complexos podem ser construídos através de combinações destes tipos básicos. Ficar decepcionado com um evento, por exemplo, pode ser interpretado como um julgamento de que este evento ocorreu juntamente com uma avaliação negativa dele.[78] A distinção de Brentano entre julgamentos, fenômenos de amor e ódio e apresentações está intimamente relacionada com a ideia mais recente de direção de ajuste entre o estado mental e o mundo, ou seja, a direção de ajuste mente-a-mundo para julgamentos, a direção de ajuste mundo-a-mente para fenômenos de amor e ódio e a direção de ajuste nula para meras apresentações.[78] O sistema tripartido de classificação de Brentano foi modificado de várias formas pelos discípulos de Brentano. Alexius Meinong, por exemplo, divide a categoria de fenômenos de amor e ódio em duas categorias distintas: sentimentos e desejos.[82] Uriah Kriegel é um defensor contemporâneo da abordagem de Brentano em relação à classificação dos fenômenos mentais.[83]

Referências

  1. Martin, David C. (1990). «207 The Mental Status Examination». Clinical Methods: The History, Physical, and Laboratory Examinations 3rd ed. [S.l.]: Butterworths. ISBN 978-0-409-90077-4 
  2. Tartaglia, James (2008). «Intentionality, Consciousness, and the Mark of the Mental: Rorty's Challenge». The Monist. 91 (2): 324–346. doi:10.5840/monist20089127 
  3. a b c d e f g h Pernu, Tuomas K. (2017). «The Five Marks of the Mental». Frontiers in Psychology (em English). 8: 1084. ISSN 1664-1078. PMC 5500963 . PMID 28736537. doi:10.3389/fpsyg.2017.01084 
  4. a b c d e f g h Kim, Jaegwon (2006). «1. Introduction». Philosophy of Mind Second ed. [S.l.]: Boulder: Westview Press 
  5. «Mind». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2021 
  6. a b Honderich, Ted (2005). «Mind». The Oxford Companion to Philosophy. [S.l.]: Oxford University Press 
  7. a b c d e f Honderich, Ted (2005). «mind, problems of the philosophy of». The Oxford Companion to Philosophy. [S.l.]: Oxford University Press 
  8. a b c d e f «Philosophy of mind». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2021 
  9. Goldstein, Irwin (2000). «Intersubjective Properties by Which We Specify Pain, Pleasure, and Other Kinds of Mental States». Philosophy. 75 (291): 89–104. doi:10.1017/S0031819100000073 
  10. Johnson, Joshua (2013). «The Private Language Argument and a Second-Person Approach to Mindreading». European Journal for Philosophy of Religion. 5 (4): 75–86. doi:10.24204/ejpr.v5i4.206 
  11. a b c Bourget, David; Mendelovici, Angela (2019). «Phenomenal Intentionality». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 31 de maio de 2021 
  12. a b Searle, John R. (1991). «Consciousness, Unconsciousness and Intentionality». Philosophical Issues. 1: 45–66. ISSN 1533-6077. JSTOR 1522923. doi:10.2307/1522923 
  13. a b Smith, David Livingstone (1999). «John Searle: The Dispositional Unconscious». Freud's Philosophy of the Unconscious. Col: Studies in Cognitive Systems (em inglês). 23. [S.l.]: Springer Netherlands. pp. 137–150. ISBN 978-94-017-1611-6. doi:10.1007/978-94-017-1611-6_14 
  14. Dresher, B. Elan; Hornstein, Norbert (1990). «Language and the deep unconscious mind: Aspectualities of the theory of syntax». Behavioral and Brain Sciences (em inglês). 13 (4): 602–603. ISSN 1469-1825. doi:10.1017/S0140525X00080377 
  15. a b c Gillett, Eric (1996). «Searle and the "Deep Unconscious"». Philosophy, Psychiatry, and Psychology. 3 (3): 191–200. doi:10.1353/ppp.1996.0027 
  16. a b Huemer, Wolfgang (2019). «Franz Brentano: 3.2 Intentionality». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 28 de maio de 2021 
  17. a b Crane, Tim (1998). «Intentionality as the Mark of the Mental». Cambridge University Press. Royal Institute of Philosophy Supplement. 43: 229–251. doi:10.1017/S1358246100004380 
  18. Heil, John (2004). «Introduction». Philosophy of Mind: A Contemporary Introduction (Second Edition). [S.l.]: New York: Routledge 
  19. a b Siewert, Charles (2017). «Consciousness and Intentionality». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 31 de maio de 2021 
  20. Jacob, Pierre (2019). «Intentionality». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 31 de maio de 2021 
  21. Haugeland, John (1990). «The Intentionality All-Stars». Philosophical Perspectives. 4: 383–427. ISSN 1520-8583. JSTOR 2214199. doi:10.2307/2214199 
  22. Bain, David (2003). «Intentionalism and Pain» (PDF). Philosophical Quarterly. 53 (213): 502–523. doi:10.1111/1467-9213.00328 
  23. Gozzano, Simone (2019). «Locating and Representing Pain». Philosophical Investigations. 42 (4): 313–332. doi:10.1111/phin.12238 
  24. a b Levin, Janet (2018). «Functionalism». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 31 de maio de 2021 
  25. Lazzeri, Filipe (16 de agosto de 2019). «O que é Behaviorismo sobre a mente?». Principia. 23 (2): 249–277. ISSN 1808-1711. doi:10.5007/1808-1711.2019v23n2p249 
  26. Graham, George (2019). «Behaviorism». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 31 de maio de 2021 
  27. Polger, Thomas W. «Functionalism». Internet Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 31 de maio de 2021 
  28. Gulick, Robert Van (15 de janeiro de 2009). Beckermann, Ansgar; McLaughlin, Brian P; Walter, Sven, eds. «Functionalism». The Oxford Handbook of Philosophy of Mind (em inglês). ISBN 978-0-19-926261-8. doi:10.1093/oxfordhb/9780199262618.001.0001 
  29. Craig, Edward (1996). «perception». Routledge Encyclopedia of Philosophy. [S.l.]: Routledge 
  30. de Vignemont, Frédérique (2020). «Bodily Awareness». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de junho de 2021 
  31. Borchert, Donald (2006). «perception». Macmillan Encyclopedia of Philosophy, 2nd Edition. [S.l.]: Macmillan 
  32. Kazdin, Alan E., ed. (2000). «thinking». Encyclopedia of Psychology. [S.l.]: American Psychological Association. ISBN 978-1-55798-187-5 
  33. Schwitzgebel, Eric (2019). «Belief». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2019 
  34. Borchert, Donald (2006). «Belief». Macmillan Encyclopedia of Philosophy, 2nd Edition. [S.l.]: Macmillan. Consultado em 2 de abril de 2021. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2021 
  35. Pettit, Philip. «Desire - Routledge Encyclopedia of Philosophy». www.rep.routledge.com (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2021 
  36. Schroeder, Tim (2020). «Desire». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 3 de maio de 2021 
  37. Setiya, Kieran (2018). «Intention». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de junho de 2021 
  38. Bratman, Michael (1987). Intention, Plans, and Practical Reason (em inglês). [S.l.: s.n.] JSTOR 2185304. doi:10.2307/2185304 
  39. Pallies, Daniel (2021). «An Honest Look at Hybrid Theories of Pleasure». Philosophical Studies. 178 (3): 887–907. doi:10.1007/s11098-020-01464-5 
  40. Lopez, Shane J. (2009). «Pleasure». The Encyclopedia of Positive Psychology. [S.l.]: Wiley-Blackwell 
  41. a b Johnson, Gregory. «Emotion, Theories of». Internet Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 23 de junho de 2021 
  42. a b Scarantino, Andrea; de Sousa, Ronald (2021). «Emotion». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de junho de 2021 
  43. Liao, Shen-yi; Gendler, Tamar (2020). «Imagination». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de junho de 2021 
  44. Michaelian, Kourken; Sutton, John (2017). «Memory». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de junho de 2021 
  45. Senor, Thomas D. (2019). «Epistemological Problems of Memory». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 23 de junho de 2021 
  46. «Mind». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2021 
  47. Mangan, Bruce (2001). «Sensation's Ghost: The Nonsensory Fringe of Consciousness». Psyche: An Interdisciplinary Journal of Research on Consciousness. 7. Consultado em 3 de junho de 2021 
  48. Oppy, Graham. «Propositional attitudes». Routledge Encyclopedia of Philosophy (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2021 
  49. Bäuerle, Rainer; Cresswell, M. J. (2003). «Propositional Attitudes». Handbook of Philosophical Logic (em inglês). [S.l.]: Springer Netherlands. pp. 121–141. ISBN 978-94-017-4524-6. doi:10.1007/978-94-017-4524-6_4 
  50. a b Tye, Michael (2018). «Qualia: 2. Which Mental States Possess Qualia?». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 3 de junho de 2021 
  51. Orpwood, Roger (2017). «Information and the Origin of Qualia». Frontiers in Systems Neuroscience (em English). 11: 22. PMC 5399078 . PMID 28484376. doi:10.3389/fnsys.2017.00022 
  52. Crane, Tim (2009). «Is Perception a Propositional Attitude?». Philosophical Quarterly. 59 (236): 452–469. doi:10.1111/j.1467-9213.2008.608.x 
  53. Kalpokas, Daniel E. (2020). «Perception as a Propositional Attitude». Theoria: Revista de Teoría, Historia y Fundamentos de la Ciencia. 35 (2): 155–174 
  54. Jacquette, Dale (1985). «Sensation and Intentionality». Philosophical Studies. 47 (3): 429–440. ISSN 0031-8116. JSTOR 4319760. doi:10.1007/BF00355213 
  55. a b Crane, Tim (2003). «The Intentional Structure of Consciousness». Oxford, UK: Oxford University Press. Consciousness: New Philosophical Perspectives: 33–56 
  56. a b Grzankowski, Alex (2012). «Not All Attitudes Are Propositional». European Journal of Philosophy. 23 (3): 374–391. doi:10.1111/j.1468-0378.2012.00534.x 
  57. Searle, John R. (2018). «Are there Non-Propositional Intentional States?». Non-Propositional Intentionality. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-179680-7. doi:10.1093/oso/9780198732570.003.0011 
  58. Rey, Georges. «Unconscious mental states». Routledge Encyclopedia of Philosophy (em inglês). [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de junho de 2021 
  59. Stephens, Lynn (1988). «Unconscious Sensations». Topoi. 7 (1): 5–10. doi:10.1007/BF00776204 
  60. Gligorov, Nada (2008). «Unconscious Pain». American Journal of Bioethics. 8 (9): 27–28. PMID 18853379. doi:10.1080/15265160802318246 
  61. Overgaard, Morten (19 de setembro de 2018). «Phenomenal consciousness and cognitive access». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences. 373 (1755). 20170353 páginas. PMC 6074085 . PMID 30061466. doi:10.1098/rstb.2017.0353 
  62. Wu, Wayne (2018). «The Neuroscience of Consciousness: 1.3 Access Consciousness and Phenomenal Consciousness». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 3 de junho de 2021 
  63. a b Strandberg, Caj (2012). «Expressivism and Dispositional Desires: 2. a distinction in mind». American Philosophical Quarterly. 49 (1): 81–91 
  64. Schwitzgebel, Eric (2019). «Belief». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 4 de junho de 2021 
  65. a b c d Bartlett, Gary (2018). «Occurrent States». Canadian Journal of Philosophy. 48 (1): 1–17. doi:10.1080/00455091.2017.1323531. Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 4 de maio de 2021 
  66. a b Frise, Matthew (2018). «Eliminating the Problem of Stored Beliefs». American Philosophical Quarterly. 55 (1): 63–79. Consultado em 3 de abril de 2021. Cópia arquivada em 1 de junho de 2021 
  67. a b Schroeder, Tim (2020). «Desire». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 4 de junho de 2021 
  68. a b Nolfi, Kate (2015). «Which Mental States Are Rationally Evaluable, And Why?». Philosophical Issues. 25 (1): 41–63. doi:10.1111/phis.12051 
  69. a b Rysiew, Patrick. «Rationality». Oxford Bibliographies (em inglês). Consultado em 4 de junho de 2021 
  70. a b Mele, Alfred R.; Rawling, Piers (2004). «Introduction: Aspects of Rationality». The Oxford Handbook of Rationality. [S.l.]: Oxford University Press 
  71. Audi, Robert (2001). The Architecture of Reason: The Structure and Substance of Rationality. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 19, 34 
  72. Nida-Rümelin, Julian (2000). «Rationality: Coherence and Structure». Rationality, Rules, and Structure (em inglês). [S.l.]: Springer Netherlands. pp. 1–16. ISBN 978-94-015-9616-9. doi:10.1007/978-94-015-9616-9_1 
  73. Zynda, Lyle (1996). «Coherence as an Ideal of Rationality». Synthese. 109 (2): 175–216. ISSN 0039-7857. JSTOR 20117566. doi:10.1007/BF00413767 
  74. Murphy, Peter. «Coherentism in Epistemology». Internet Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 5 de junho de 2021 
  75. Kiesewetter, Benjamin. «Rationality as Reasons-Responsiveness». Australasian Philosophical Review 
  76. Lord, Errol (1 de outubro de 2017). «What You're Rationally Required to Do and What You Ought to Do (Are the Same Thing!)». Mind. 126 (504): 1109–1154. ISSN 0026-4423. doi:10.1093/mind/fzw023 
  77. Lillehammer, Hallvard (2010). «Facts, Ends, and Normative Reasons». The Journal of Ethics. 14 (1): 17–26. doi:10.1007/s10892-009-9045-3 
  78. a b c d Kriegel, Uriah (2018). «3. The Modes of Conscious Intentionality». Brentano's Philosophical System: Mind, Being, Value. [S.l.]: Oxford: Oxford University Press 
  79. a b Huemer, Wolfgang (2019). «Franz Brentano». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 24 de junho de 2021 
  80. McAlister, Linda L. (2004). «Brentano's epistemology». The Cambridge Companion to Brentano. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 149–167. ISBN 978-0-521-00765-8 
  81. Richard, Sébastien (2018). «Marty against Meinong on Assumptions». Mind and Language – On the Philosophy of Anton Marty. [S.l.]: De Gruyter. pp. 219–240. ISBN 9783110531480. doi:10.1515/9783110531480-010 
  82. Marek, Johann (2021). «Alexius Meinong». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. Consultado em 24 de junho de 2021 
  83. Kriegel, Uriah (2015). «Conclusion: The Structure of the Phenomenal Realm». The Varieties of Consciousness. [S.l.]: Oxford University Press