Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A "bandeira negra da Jihad" é usada desde o final da década de 1990 por várias organizações islâmicas e consiste em uma chahada preta e branca.
Chahada acima de uma versão do Selo de Maomé. Esta bandeira é usada pelo al-Shabaab, também pelo Boko Haram e pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante desde 2006.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estandarte Negro

O Estandarte Negro (راية السوداء rāyat al-sawdā' , também conhecido como راية العقاب rāyat al-`uqāb, "bandeira da águia", ou simplesmente الراية al-rāya, "a bandeira") é uma das bandeiras hasteadas pelo profeta Maomé no hádice, um símbolo escatológico do Xiismo (anunciando o advento do Mádi)[1] e um símbolo usado no Islão e no Jihadismo.

Essa bandeira preta letrada em branco é a principal bandeira do Jihadismo, conhecida popularmente como "A bandeira da Jihad" ela é chamada de Ar-Rayah (الراية al-rāya - al-rayah) e é a bandeira jihad mais usada por grupos fundamentalistas islâmicos que agem no Oriente Médio.[2] Ela contém referencias a Shahadah. Na bandeira está escrito os dizeres islâmicos que não há deus sem Alá e Maomé é seu profeta (em árabe: لا إله إلا الله محمد رسول الله transl.: lā ilāha illā Allah muhammadun rasūlu-llāh - português: “Não há deus a não ser Deus, Maomé é o mensageiro de Deus”)

A bandeira branca é frequentemente associada a Al-Rayah pois ambas surgiram e ainda são usaendas em conjunção, porém ela não faz parte da Estandarte Negra e é comumente chamada de Estandarte Branca.[3] Sua cor é branca e ela é letrada em preto. Com a denominação Al-Liwa, ela é associada ao Khilafah.

Apesar de terem significados islâmicos diferentes, é comum ver as duas juntas, e esse ato simboliza um Califado e a expansão do Islamismo com o uso da força.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Cook, David (2002). Studies in Muslim apocalyptic. Princeton: Darwin Press. p. 197. ISBN 0878501428 
  2. Jhon Moore. «The Evolution of Islamic Terrorism». Frontline.org. Consultado em 11 de Novembro de 2014 
  3. Khilaf Administration (16 Setembro de 2012). «The flags and banners of the Khilafah». Khilafah. Consultado em 11 de Novembro de 2014