Estrada Perdida

(Redirecionado de Estrada Perdida (livro))
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre um romance brasileiro. Para o longa-metragem com Bill Pullman e Patricia Arquette, veja Lost Highway (filme).

Estrada Perdida é um romance escrito por Telmo Vergara, publicado em 1939. Principal romance do autor, foi considerado por escritores como Mário de Andrade como a mais importante de suas obras, desenvolvendo e definindo algumas das características marcantes de seu estilo literário, tais como a análise psicológica das personagens e o retrato da modernização urbana a partir do contraste entre o campo e a cidade.[1][2]

Estrada Perdida
Autor(es) Telmo Vergara
Idioma português
País Brasil
Género Romance
Editora José Olympio
Lançamento 1939

Sobre o livroEditar

Dividida em quatro partes, a história de A Estrada Perdida se passa em Porto Alegre, num período de duas décadas que vai de 1918 a 1938, isto é, do final da Primeira Guerra Mundial às vésperas da Segunda.[3] É um momento de fortes transformações na cidade gaúcha, decorrentes do processo de urbanização.[4] As paisagens construídas pelo livro, de acordo com o próprio autor, são as mesmas de sua infância, situadas numa Porto Alegre que deixava de existir, conferindo um forte tom nostálgico à obra.[5] As personagens que compõem o enredo têm suas vidas transformadas em compasso com as alterações sofridas pela cidade.[6]

Dentre a variedade de personagens, o autor privilegiou o retrato de indivíduos das camadas populares, sendo um dos primeiros escritores a representar o cotidiano da população negra de Porto Alegre.[7] Alguns dos temas centrais de Estrada Perdida são a inevitabilidade da morte - representada por fenômenos como a Gripe Hespanhola, que vitimiza a maioria das personagens - e a aproximação iminente da Segunda Guerra Mundial.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Andrade 1946, p. 85.
  2. Steyer 2006, p. 18-19.
  3. Matos 2015, p. 81.
  4. Steyer 2006, p. 239.
  5. Steyer 2006, p. 242.
  6. Steyer 2011, p. 173.
  7. Matos 2015, p. 46.
  8. Matos 2015, p. 82.

BibliografiaEditar