Estratovulcão

vulcão cuja estrutura consiste no acúmulo de fluxos de lava, tefras e / ou piroclásticos

Um estratovulcão, também conhecido como vulcão composto, é um vulcão cônico construído por muitas camadas (estratos) de lava endurecida e tefra.[1] Os estratovulcões são caracterizados por um perfil íngreme com uma cratera no cume e intervalos periódicos de erupções explosivas e erupções efusivas, embora alguns tenham colapsado crateras no cume chamadas caldeiras. A lava que flui dos estratovulcões normalmente esfria e endurece antes de se espalhar para longe, devido à alta viscosidade. O magma que forma esta lava é frequentemente félsico, com níveis altos a intermediários de sílica (como em riolito, dacito ou andesito), com quantidades menores de magma máfico menos viscoso.[2] Extensos fluxos de lava félsica são incomuns, mas viajaram até 15 km (9 milhas).[3]

Vulcão da ilha do Pico, Açores
Estrutura interna exposta de camadas alternadas de lava e rocha piroclástica no estratovulcão Broken Top erodido no Oregon

Os estratovulcões às vezes são chamados de vulcões compostos por causa de sua estrutura estratificada composta, construída a partir de erupções sequenciais de materiais em erupção. Eles estão entre os tipos mais comuns de vulcões, em contraste com os vulcões de escudo menos comuns.[4] Dois exemplos famosos de estratovulcões são o Krakatoa na Indonésia, conhecido por sua erupção catastrófica em 1883, e o Vesúvio na Itália, cuja erupção catastrófica em 79 DC enterrou as cidades romanas de Pompeia e Herculano. Ambas as erupções ceifaram milhares de vidas. Nos tempos modernos, o Monte Santa Helena no estado de Washington, EUA e o Monte Pinatubo nas Filipinas entraram em erupção catastroficamente, mas com menos mortes.

A existência de estratovulcões em outros corpos do Sistema Solar não foi demonstrada de forma conclusiva.[5] Uma possível exceção é a existência de alguns maciços isolados em Marte, por exemplo o Zephyria Tholus.[6]

ReferênciasEditar

  1.   Este artigo incorpora material em domínio público do sítio eletrônico ou documento de {{{agência}}}.
  2. Carracedo, Juan Carlos; Troll, Valentin R., eds. (2013). Teide Volcano: Geology and Eruptions of a Highly Differentiated Oceanic Stratovolcano. Col: Active Volcanoes of the World (em inglês). Berlin Heidelberg: Springer-Verlag. ISBN 978-3-642-25892-3 
  3. «Garibaldi volcanic belt: Garibaldi Lake volcanic field». Catalogue of Canadian volcanoes. Geological Survey of Canada. 1 de abril de 2009. Consultado em 27 de junho de 2010. Cópia arquivada em 26 de junho de 2009 
  4. Schmincke, Hans-Ulrich (2003). Volcanism. Berlin: Springer. p. 71. ISBN 9783540436508 
  5. Barlow, Nadine (2008). Mars : an introduction to its interior, surface and atmosphere. Cambridge, UK: Cambridge University Press. ISBN 9780521852265 
  6. Stewart, Emily M.; Head, James W. (1 de agosto de 2001). «Ancient Martian volcanoes in the Aeolis region: New evidence from MOLA data». Journal of Geophysical Research. 106 (E8). 17505 páginas. Bibcode:2001JGR...10617505S. doi:10.1029/2000JE001322  

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons


  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.