Fangues

(Redirecionado de Etnia fang)

Os fangues[1] são um grupo étnico bantu originário do interior da área continental da Guiné Equatorial, na região do rio Muni, encontrando-se também no Gabão e nos Camarões, e sendo atualmente o grupo étnico mais numeroso na Guiné Equatorial[2] e um dos mais no Gabão.

Uma máscara Fang no museu do Louvre

HistoriaEditar

O povo Fang é um migrante relativamente recente na Guiné Equatorial, e muitos deles se mudaram do centro dos Camarões no século XIX.[3]

Os primeiros etnólogos conjeturaram que fossem povos nilóticos da área do alto do rio Nilo, mas uma combinação de evidências o colocaram como sendo de origem bantu, que começaram a se mover por volta do século sétimo ou oitavo, possivelmente por causa das invasões do norte e das guerras de África Ocidental e África Subsaariana.

O povo Fang foi vítima do grande comércio de escravos transatlântico e transsaariano entre os séculos 16 e 19. Eles foram estereotipados como canibais por comerciantes de escravos e missionários, em parte porque crânios e ossos humanos foram encontrados abertos ou em caixas de madeira perto de suas aldeias, uma alegação usada para justificar a violência contra eles e sua escravidão.[4]

LínguaEditar

O povo Fang fala a língua Fang, também conhecida como Pahouin, Pamue ou Pangwe. A língua é uma língua bantu pertencente à família de línguas Níger-Congo.[5]

SociedadeEditar

Os Fang têm uma estrutura social de parentesco patrilinear. As aldeias estão tradicionalmente ligadas por linhagem. Eles são exogâmicos, principalmente do lado paterno.[6] A poligamia era aceita e a independência das aldeias entre si é notável. Eles são tradicionalmente agricultores e caçadores, mas se tornaram grandes produtores de cacau durante a era colonial. [3]

Sob o domínio colonial francês, eles se converteram ao cristianismo. No entanto, após a independência, seu interesse em sua própria religião, chamada Biere, também soletrada Byeri.

Outras etnias da Guiné Equatorial são: Bubis, Edowes, combes e Bisio.

Referências