Eu (Augusto dos Anjos)

livro de poesias do escritor Augusto dos Anjos
Eu e outras poesias
Autor(es) Augusto dos Anjos
Idioma Português
País Brasil
Lançamento 1912

Eu e outras poesias é o único livro de poesia de Augusto dos Anjos,[1] publicado no Rio de Janeiro no ano de 1912.

A obra se destaca pela visão da vida, numa espécie de réplica à idealização dos temas praticados pelo Parnasianismo. Nessa obra, o autor exprime melancolia, ao mesmo tempo em que desafia os parnasianos, utilizando palavras não-poéticas como verme, cuspe, vômito, entre outras. A obra só possuiu grande vendagem após a morte do poeta. Alguns a consideram uma obra expressionista, outros vêem nela características impressionistas, sendo comumente classificada como pertencente ao pré-modernismo brasileiro. Ele também foi considerado romântico por muitos dos seus críticos brasileiros pois sua poesia parlamentarista não agradou a todos os intelectuais negligentes da época. Do ponto de vista da linguagem, destacam-se as imagens estranhas, que se aproximam do expressionismo (“Como uma pele de rinoceronte / Estendida por toda a minha vida!”, em “As cismas do destino”), a exploração da sonoridade (“Eu e o esqueleto esquálido de Ésquilo”, em “Sonho de um monista”) e o recurso aos superlativos (“Misericordiosíssimo”, em “A um carneiro morto”). É notável ainda como o poeta consegue fazer conviver o rigor formal da regularidade métrica e da recorrência a rimas raras com o coloquialismo que marcaria a poesia modernista posterior (“Porque o madapolão para a mortalha / Custa 1$200 ao lojista!”, em “Os doentes”).

Referências

  1. «Eu». Resumo de Livros. Consultado em 17 de Abril de 2013 
 
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Eu (Augusto dos Anjos)
  Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.