Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: ""Anaconda"" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Anaconda (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSucuri
Eunectes murinus
Eunectes murinus
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Boidae
Género: Eunectes
Espécies
E. murinus

E. notaeus
E. beniensis
E. deschauenseei

As sucuris, também conhecida como anacondas, arigboias, boiaçus, boiçus, boiguaçus, boioçus, boitiapoias, boiuçus, boiunas, sucurijus, sucurijubas, sucuriús, sucurujus, sucurujubas ou viborões, é um gênero de boinae encontradas na América do Sul. Eles são um grupo semiaquático de cobras e incluem uma das maiores cobras do mundo, E. murinus, a sucuri-verde. O nome Eunectes é derivado da palavra grega Eυνήκτης, que significa "bom nadador". Quatro espécies são reconhecidas atualmente.

Existem quatro espécies, das quais as três primeiras ocorrem no Brasil:

Anatomia interna da sucuri-amarela (Eunectes notaeus)

Distribuição e habitatEditar

Encontrado na América do Sul do Equador, Bolívia, Brasil, Colômbia, Venezuela ao norte da Argentina.[1]

AlimentaçãoEditar

Todas as quatro espécies são cobras aquáticas que atacam outros animais aquáticos, incluindo peixes, aves aquáticas, jacarés e capivaras. Alguns relatos existem de anacondas que predam animais domésticos, como cabras e em algum momento até mesmo Jaguar,[2] que se aventuram muito perto da água.

Relação com os seres humanosEditar

Enquanto encontros entre pessoas e anacondas podem ser perigosos, eles não caçam regularmente humanos. No entanto, ameaça de anacondas é um tropo familiar em histórias em quadrinhos, filmes e histórias de aventura na selva amazônica. Anacondas também figuraram proeminentemente no folclore sul-americano, onde às vezes são descritas como criaturas míticas transformadas em formas chamadas de Encantados. As comunidades locais e alguns exploradores europeus deram conta de anacondas gigantes, cobras lendárias de muito maior proporção do que qualquer espécime confirmada.

Embora estudado, pouco se conhece sobre a biologia das anacondas silvestres. A maior parte do nosso conhecimento vem do trabalho do Dr. Jesus Rivas e sua equipe trabalhando nas florestas venezuelanas.[3]

EtimologiaEditar

"Sucuri", "sucuriú", "sucuriju" e "sucuruju" provêm do tupi suku'ri.[4] "Sucurijuba" e "sucurujuba" provêm do termo tupi para "sucuri amarela".[4] "Boiaçu", "boiguaçu", "boiuçu", "boioçu" e "boiçu" provêm da contração dos termos tupis mboîa, "cobra" e gûasu, "grande".[5] "Boiuna" provém do termo tupi para "cobra preta": mboîuna.[5] "Arigboia" possui origem tupi.[6] "Anaconda" é proveniente do tâmil anai-kondra ("matadora de elefante") [7] ou do cingalês හෙනකඳයා (henakan̆dayā, "tronco relâmpago").[8][9] "Viborão" é o aumentativo de víbora.[10]

"Eunectes" vem do grego εὐνήκτης, significando "boa nadadora",

CaracterísticasEditar

A sucuri-verde divide com a píton-reticulada (Python reticulatus), o título de maior serpente do mundo, alcançando 6 metros ou mais de comprimento, muito embora seus indivíduos adultos, em média, alcancem em torno de 3 ou 4 metros. Uma sucuri pode viver com tranquilidade por até 30 anos. As fêmeas são maiores que os machos, atingindo a maturidade sexual por volta dos seis anos de idade. Há muitas narrativas sobre ataques destas serpentes a seres humanos; no entanto, na sua maioria, os casos são fictícios, principalmente no que diz respeito ao tamanho real do animal. Por ter tamanho acentuado, a sucuri ou anaconda tem vértebras.

Sistema de acasalamentoEditar

As estações de acasalamento em Eunectes variam entre espécies e dentro de espécies dependendo da localidade, embora a tendência pareça ser a estação seca.[11][12] A serprente verde (E. murinus) é a espécie de Eunectes mais bem estudada em termos de seu sistema de acasalamento, seguida pela serpente amarela (E. notaeus); infelizmente E. deschauenseei e E. beniensis são muito menos comuns, tornando os detalhes específicos de seus sistemas de acasalamento muito menos bem compreendidos.[11]

Dimorfismo sexualEditar

Dimorfismo de tamanho sexual em Eunectes é o oposto da maioria dos outros vertebrados. As fêmeas são maiores que os machos da maioria das cobras, e as anacondas verdes (E. murinus) têm uma das diferenças de tamanho mais extremas, onde as fêmeas têm em média 32 kg e os machos em média apenas 7 kg.[12][13] Essa diferença de tamanho tem vários benefícios para ambos os sexos. O tamanho grande em fêmeas leva a maior fecundidade e maior tamanho de prole; Como resultado, a escolha do parceiro masculino favorece as fêmeas maiores.[14] O tamanho grande também é favorecido nos machos porque os machos maiores tendem a ter mais sucesso na reprodução, tanto por causa de sua vantagem de tamanho na rivalidade de resistência quanto de sua vantagem na competição espermática, porque machos maiores são capazes de produzir mais esperma.[14] Um dos motivos pelos quais os machos são muito menores em Eunectes é que machos grandes podem ser confundidos com fêmeas, o que interfere em sua capacidade de acasalar quando machos menores os enrolam erroneamente em bolas reprodutoras; Como resultado, há um tamanho ideal para os machos, onde eles são grandes o suficiente para competir com sucesso, mas não grandes o suficiente para arriscar outros machos tentando acasalar com eles.[14]

Bolas de reproduçãoEditar

Durante a época de acasalamento, anacondas fêmeas liberam feromônios para atrair machos para reprodução, o que pode resultar em bolas reprodutoras poliândricas; estas bolas reprodutoras foram observadas em E. murinus, E. notaeus, e E. deschauenseei, e provavelmente também ocorrem em E. beniensis.[13][14][15][16] Na serpente verde (E. murinus), até 13 machos foram observados em uma bola reprodutora, que foi gravada para durar duas semanas em média.[13] Nas bolas reprodutoras de anaconda, vários machos enrolam em torno de uma fêmea e tentam se posicionar o mais próximo possível de sua cloaca quanto possível, onde eles usam suas esporas pélvicas para "fazer cócegas" e incentivá-la a permitir a penetração.[13] Uma vez que muitas vezes há muitos machos presentes e apenas um macho pode acasalar com a fêmea de cada vez, o sucesso de um macho muitas vezes depende de sua persistência e resistência porque o combate físico não faz parte do ritual de acasalamento Eunectes , além de firmemente empurrando contra outros machos em uma tentativa de garantir a melhor posição na fêmea.[13][14]

Canibalismo sexualEditar

O canibalismo é muito fácil em sucuris, uma vez que as fêmeas são muito maiores que os machos, mas o canibalismo sexual só foi confirmado em E. murinus.[17] As fêmeas ganham o benefício direto de uma refeição rica em proteína pós-copulatória quando consomem suas parceiras, juntamente com o benefício indireto de recursos adicionais para usar na formação da prole; O canibalismo em geral (fora da época de reprodução) foi confirmado em todos, menos em E. deschauenseei, embora seja provável que ocorra em todas as espécies de Eunectes .[11][17]

Reprodução assexuadaEditar

Embora a reprodução sexual seja de longe a mais comum em Eunectos, observa-se que E. murinus sofre partenogênese facultativa.[11][18][19]

Mitologia indígena brasileiraEditar

Segundo o mito fundador Kaxinawá, houve um homem, Yube, que, ao se apaixonar por uma mulher-sucuri, transformou-se em sucuri também e passou a viver com ela no mundo profundo das águas. Nesse mundo, Yube descobriu uma bebida alucinógena com poderes curativos e de acesso ao conhecimento. Um dia, sem avisar a esposa-sucuri, Yube decide voltar à terra dos homens e retomar a sua antiga forma humana. O mito explica também a origem do cipó ou ayahuasca - bebida alucinógena tomada ritualisticamente pelos Kaxinawá.[20][21][22]

Em 1997, foi lançado o filme de terror Anaconda, sobre a serpente, o qual foi gravado no Brasil e no Peru.

Referências

  1. McDiarmid RW, Campbell JA, Touré T. 1999. Snake Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference, vol. 1. Herpetologists' League. 511 pp. ISBN 1-893777-00-6 (series). ISBN 1-893777-01-4 (volume).
  2. «Frequently Asked Questions». Jesus Rivas. Consultado em 17 de junho de 2018 
  3. «Life history and conservation of the green anaconda (Eunectes murinus)». Jesus Rivas. Consultado em 17 de junho de 2018 
  4. a b FERREIRA, A. B. H. 1986. p.1
  5. a b «CURSO DE TUPI ANTIGO». Consultado em 17 de junho de 2018. Arquivado do original em 9 de agosto de 2012 
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.163
  7. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.112
  8. Skeat, Walter W. (Walter William) (1911). A concise etymological dictionary of the English language. [S.l.]: Oxford : Clarendon Press 
  9. Robarts - University of Toronto. Notes and queries. [S.l.]: London [etc.] Oxford University Press [etc.] 
  10. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 773
  11. a b c d Reed, R.N.; and Rodda, G.H.; (eds): Giant constrictors: biological and management profiles and an establishment risk assessment for nine large species of pythons, anacondas, and the boa constrictor: U.S. Geological Survey Open-File Report 2009-1202, U.S. Geological Survey, Reston, Virginia, 2009, xviii + 302 pp
  12. a b Pizzatto, Lígia; Marques, Otavio A. V. (2007). «Reproductive ecology of boine snakes with emphasis on Brazilian species and a comparison to pythons». South American Journal of Herpetology. 2 (2): 107–122. doi:10.2994/1808-9798(2007)2[107:reobsw]2.0.co;2 
  13. a b c d e Rivas, J.A.; Muñoz, M.C.; Burghardt, G.M.; Thorbjarnarson, J.B. Sexual size dimorphism and the mating system of the green anaconda (Eunectes murinus), p.461–473. In: Biology of Boas, Pythons, and Related Taxa. 2007. R.W. Henderson and R. Powell (Eds.). Eagle Mountain Publishing, LC, Utah.
  14. a b c d e Rivas, Jesús A.; Burghardt, Gordon M. (2001). «Understanding sexual size dimorphism in snakes: wearing the snake's shoes». Animal Behaviour. 62 (3): F1–F6. doi:10.1006/anbe.2001.1755 
  15. Waller, T.; Micucci, P.A.; Alvarenga, E. Conservation biology of th yellow anaconda (Eunectes notaeus) in Northeastern Argentina. p. 340-362 In: Biology of the Boas and Pythons 2007 R. W. Henderson and R. Powell (Eds.). Eagle Mountain Publishing, LC. Utah. 438pp.
  16. Rivas, Jesús A.; Burghardt, Gordon M. (2005). «Snake mating systems, behavior, and evolution: The revisionary implications of recent findings». Journal of Comparative Psychology. 119 (4): 447–454. doi:10.1037/0735-7036.119.4.447 
  17. a b De la Quintana, P.; Pacheco, L.; Rivas, J; . Eunectes beniensis (Beni Anaconda). Diet: Cannibalism 2011. Herpetological Review. 42(4) 614.
  18. Shibata, Hiroki; Sakata, Shuichi; Hirano, Yuzo; Nitasaka, Eiji; Sakabe, Ai (2017). «Facultative parthenogenesis validated by DNA analyses in the green anaconda (Eunectes murinus. PLoS ONE. 12 (12): e0189654. PMC 5728508 . PMID 29236745. doi:10.1371/journal.pone.0189654 
  19. Female Anaconda At Safari Park Has "Virgin Birth" (2019)
  20. As visões da anaconda: a narrativa escrita indígena no Brasil. Por Lynn Mario T. Menezes de Souza. Revista Semear n°7
  21. O que nos diz a arte Kaxinawa sobre a relação entre identidade e alteridade? Por Elsje Maria Lagrou. Mana vol. 8 n°1 Rio de Janeiro abril de 2002 ISSN 0104-9313.
  22. CELIA - Centre d'Etudes des Langues Indigènes d'Amérique, CNRS, Paris. «Yube, o homem-sucuriju. Relato caxinauá. Por Eliane Camargo. Amerindia n° 24, 1999.» 🔗 (PDF). Consultado em 17 de junho de 2018 
  Este artigo sobre cobras, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.