Evangelhos judaico-cristãos

Os evangelhos judaico-cristãos eram evangelhos de caráter cristão judaico, citados por Clemente de Alexandria, Orígenes, Eusébio, Epifânio, Jerônimo e provavelmente Dídimo, o Cego.[1] A maioria dos estudiosos modernos concluiu que havia um evangelho em aramaico/hebraico e pelo menos dois em grego, embora uma minoria argumentasse que havia apenas dois, aramaico/hebraico e grego.[2]

Visão geralEditar

Os evangelhos judaico-cristãos são conhecidos através de citações nas obras dos primeiros pais da Igreja, Clemente de Alexandria, Orígenes, Eusébio, Epifânio, Jerônimo e provavelmente Dídimo, o Cego.[1] Todos assumiram que existia apenas um evangelho cristão judeu, embora em várias versões e idiomas, que eles atribuíam a seitas conhecidas como os ebionitas e os nazarenos. A maioria dos estudiosos críticos rejeitou essa visão e identificou pelo menos dois e possivelmente três evangelhos judeus-cristãos separados.[1] A coleção padrão dos evangelhos judaico-cristãos é encontrada nos Apócrifos do Novo Testamento de Wilhelm Schneemelcher; o qual, seguindo Hans Waitz, agrupa os ditos existentes em três evangelhos perdidos:[3]

O Evangelho dos EbionitasEditar

O evangelho dos ebionitas é o nome dado pelos estudiosos modernos a um evangelho perdido que se acredita estar por trás de fragmentos citados por Epifânio (310-403) em seu Panarion. Epifânio cita um fragmento que afirma que o evangelho é narrado pelos doze apóstolos. Este evangelho teria sido composto em grego com base O evangelho começa com o batismo de Jesus (presumivelmente porque os ebionitas negavam o nascimento virginal) e incluiu uma narrativa da Última Ceia. Pensa-se que tenha sido uma harmonia do evangelho baseada nos Evangelhos Sinópticos compostos em grego na primeira metade do século II, e possivelmente se originou na região da Transjordânia (a onde viviam os ebionitas). É possível que seja o mesmo que o Evangelho perdido dos Doze, ou Evangelho dos Apóstolos, referido por Orígenes e Jerônimo, respectivamente.[7]

O Evangelho dos HebreusEditar

O Evangelho dos Hebreus apresentou tradições da preexistência de Cristo, vindo ao mundo, batismo e tentação, com algumas de suas palavras.[8] Provavelmente foi composta em grego na primeira metade do século II e usada entre judeus-cristãos de língua grega no Egito.[9] É conhecido por fragmentos preservados principalmente por Clemente, Orígenes e Jerônimo, e mostra uma grande consideração por Tiago, o justo e chefe da igreja cristã judaica em Jerusalém.[9]

O Evangelho dos NazarenosEditar

O Evangelho dos Nazarenos (um nome acadêmico moderno) foi deduzido das referências em Jerônimo e Orígenes. Parece ter muito em comum com o evangelho canônico de Mateus, e teria sido escrito em aramaico palestino na primeira metade do século II para ser usado pelos nazarenos no bairro de Bereia, perto de Alepo, na Síria.[2]

História dos estudos dos evangelho judaico-cristãoEditar

As fontes para os evangelhos judaico-cristãos são os pais da igreja primitiva do final do século II ao início do século V - Clemente de Alexandria, Orígenes, Eusébio, Dídimo, o Cego, Epifânio e Jerônimo. Nem todos eles estavam cientes de que havia diferentes comunidades cristãs judaicas com diferentes teologias, ou que algumas delas (ou pelo menos uma) falasse aramaico, enquanto outras sabiam apenas grego; como resultado, frequentemente confundiam um evangelho com outro, e todos com uma suposta versão hebraica do evangelho de Mateus.[10]

Essa confusão criou incerteza para os estudiosos modernos. Há um consenso de que os fragmentos não podem ser rastreados até uma versão hebraica/aramaica ou uma revisão do evangelho de Mateus, pois a maioria deles não tem paralelo nos evangelhos canônicos. Há boas razões para pensar que deve haver pelo menos dois evangelhos judaico-cristãos, uma vez que existem dois relatos diferentes do batismo e boas evidências de que alguns fragmentos estavam originalmente em aramaico e outros em grego. A maioria dos estudiosos modernos concluiu que havia um evangelho judaico-cristão em aramaico/hebraico e pelo menos outro em grego. Alguns argumentaram que o número total era três (Bauer, Vielhauer e Strecker, Klijn), outros que havia apenas dois (Schlarb e Luhrmann).[2][11]

Referências

  1. a b c Elliott 2005, p. 3.
  2. a b c Ehrman & Pleše 2011, p. 199.
  3. Vielhauer & Strecker 1991, pp. 134–53.
  4. Vielhauer & Strecker 1991, pp. 166–71.
  5. Vielhauer & Strecker 1991, pp. 172–78.
  6. Vielhauer & Strecker 1991, pp. 154–65.
  7. Elliott 2005, pp. 5–6.
  8. Cameron 1982, p. 83.
  9. a b Yamauchi 1979, p. 184.
  10. Ehrman & Pleše 2011, p. 198.
  11. Schlarb & Lührmann 2000, pp. 40–55.

BibliografiaEditar

Leitura adicionalEditar