Abrir menu principal
Evelyn De Morgan
De Morgan, na maturidade
Nascimento 30 de agosto de 1855
Londres, Inglaterra
Morte 2 de maio de 1919 (63 anos)
Londres, Inglaterra
Nacionalidade britânica
Progenitores Mãe: Anna Maria Wilhelmina Spencer Stanhope
Pai: Percival Pickering
Cônjuge William De Morgan
Ocupação Pintora
Principais trabalhos The Love Potion; Aurora Triumphans
Movimento estético Pré-Rafaelista; simbolismo
Página oficial
www.demorgan.org.uk

Evelyn De Morgan (Londres, 30 de agosto de 1855 - 2 de maio de 1919) foi uma pintora britânica integrante do movimento da Irmandade Pré-Rafaelita[1] muito embora por suas características possa melhor ser definida como simbolista.[2]

Ela foi seguidora do pré-Rafaelista Burne-Jones.[3] Suas pinturas exibem espiritualidade; usa de temas da mitologia, da Bíblia e da literatura; o papel das mulheres; metáforas de luz e escuridão; vida e morte e, finalmente, alegorias da guerra.[4] Participou ativamente das lutas sufragistas e foi uma artista bastante produtiva e bem-sucedida.[2]

Índice

BiografiaEditar

 
Evelyn e seu marido, William De Morgan

Nascida como Mary Evelyn Pickering,[1] numa família de classe média alta, filha de um gravador estabelecido em Pontefract, e de Anna Maria Wilhelmina Spencer Stanhope que era irmã do artista John Roddam Spencer Stanhope, descendente de Thomas William Coke (I conde de Leicester).[5]

Evelyn foi educada em casa e começou lições de desenho quando tinha 15 anos; na manhã de seu décimo sétimo aniversário ela registrou: "A arte é eterna, mas a vida é curta (...) Eu vou começar isso agora, não tenho nenhum momento a perder"; passou então a procurar convencer seus pais da permitir que frequentasse uma escola de belas-artes, mas estes a princípio a desencorajaram até que, em 1873, finalmente foi matriculada na Slade School of Fine Art, onde foi-lhe oferecida uma bolsa que lhe permitia três anos de auxílio financeiro - mas recusou porque isto a obrigava a fazer estudos de nus a carvão, técnica que ela não apreciava, e então recusou o benefício.[3]

Ela também foi aprendiz de seu tio John Roddam Spencer Stanhope, que teve grande influência em seus trabalhos; a partir de 1875 ela o visitou muitas vezes em Florença, onde ele vivia e que lhe permitiu estudar os grandes artistas da Renascença, sendo grande apreciadora das obras de Botticelli.[6] Isto a fez afastar-se do tipo de pintura com temas clássicos praticado na escola Slade, e criar seu próprio estilo; fez sua primeira exposição em 1877, na Grosvenor Gallery de Londres e continuou a exibir seus trabalhos.[3] Evelyn foi a primeira mulher a se formar na Slade.[7]

Isso influenciou-a a afastar-se dos temas clássicos favorecidas pela escola Slade e fazer seu próprio estilo. Ela exibido pela primeira vez em 1877 na galeria de Grosvenor em Londres e continuou a mostrar suas pinturas depois.[3]

Em 1887 casou-se com o ceramista William De Morgan e passaram suas vidas na capital britânica; Evelyn, uma pacifista, expressou seu horror pela Primeira Guerra Mundial e pela guerra da África do Sul com quinze pinturas de guerra que incluem The Red Cross ("A Cruz Vermelha")[1] e S.O.S..[8]

Com relação ao sucesso como artista, o dinheiro não era importante - todos os lucros das vendas de suas pinturas eram revertidas para financiar a atividade ceramista de William, para a qual ela contribuiu ativamente com ideias para seus projetos.[1]

MorteEditar

Dois anos após a morte do esposo, em 1917, ela morreu em Londres, em 2 de maio de 1919, aos 63 anos, e foi sepultada no Cemitério de Brookwood, no condado de Surrey, Inglaterra.[5]

Espiritismo anônimoEditar

Muito embora as cartas e gravações deixadas por Evelyn De Morgan não referendem sua crença na reencarnação - tema bastante controverso na época - bem como sobre a comunicação com os espíritos, ela e o esposo fizeram publicar, anonimamente, um livro intitulado "The Result of an Experiment" (O Resultado de Um Experimento) em 1909, em que relatam seus experimentos com a escrita direta; os dois praticavam esse tipo de mediunidade pelo ao menos desde 1887, e o livro reporta muitas das mensagens que receberam ao longo desse tempo, com espíritos em variados graus de desenvolvimento; uma de suas pinturas em particular - "The Cadence of Autumn" (A cadência do outono) - reflete vários símbolos medievos, típicos dos pré-rafaelitas e simbolistas, e outros que sugerem a reencarnação.[7]

TrabalhosEditar

  • Eos (1895)
  • Undiscovered Country
  • Tobias and the Angel
  • Dryad (1877)
  • Night & Sleep (1878)
  • Goddess of Blossoms & Flowers (1880
  • Hope in a Prison of Despair (1887)
  • The Storm Spirits (1900)
  • Queen Eleanor & Fair Rosamund (1905)
  • Port after Stormy Seas (1907)
  • The worship of Mammon
  • Helen of Troy (1898)
  • The Love Potion (1903)
  • Medea
  • Earthbound
  • Ariadne in Naxos
  • The Hour-Glass
  • The Prisoner (1907)
  • The Gilded Cage (1919)
  • Death of the Dragon (1914)
  • The Red Cross (1916)
  • Love's Passing (1883-1884)
  • Deianera
  • The Kingdom of Heaven Suffereth Violence

GaleriaEditar

Referências

  1. a b c d Rachel S. Gear (2004). «'Morgan, (Mary) Evelyn De (1855–1919)'». Oxford Dictionary of National Biography, Oxford University Press, (versão digital em maio de 2006). Consultado em 7 de março de 2015 
  2. a b Institucional (2013). «The Lost Paintings of Evelyn De Morgan». The De Morgan Foundation. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  3. a b c d Joellen Secondo. «"De Morgan."». Grove Art Online. Oxford Art Online. Oxford University Press. Consultado em 7 de março de 2015 
  4. Smith, E. L.; De Morgan, M. (2002). Evelyn Pickering De Morgan and the allegorical body. [S.l.]: Fairleigh Dickinson University Press 
  5. a b Elise Smith (2002). Evelyn Pickering De Morgan and the Allegorical Body. [S.l.]: Fairleigh Dickinson University Press, Madison, NJ. ISBN 978-0-8386-3883-5 
  6. Paul Getty Trust, Union List of Artist Names (ULAN). «Evelyn De Morgan». getty.edu. Consultado em 7 de março de 2016 
  7. a b Lynda Harris (Janeiro–fevereiro 2004). «British Pre-Raphaelites and the Question of Reincarnation». Quest, Nº 92.1, pp. 20-26 (transcrição). Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  8. Institucional. «S.0.S.». The De Morgan Foundation. Consultado em 7 de maio de 2015 

Ligações externasEditar