Delecionismo e inclusionismo na Wikipédia

Delecionismo e inclusionismo são filosofias opostas, amplamente desenvolvidas primariamente dentro da comunidade de editores da versão anglófona da enciclopédia online Wikipedia,[1] alargando-se depois a outras versões da Wikipédia, como a Wikipédia em português.[2] Os termos refletem opiniões divergentes sobre o escopo apropriado da enciclopédia e tendências correspondentes para excluir ou incluir um determinado artigo da enciclopédia.[1]

Discussão numa página para eliminar da Wikipédia anglófona

Os chamados "delecionistas" defendem a cobertura seletiva e da remoção de artigos vistos como mal defendidos. Pontos de vista delecionistas são comumente motivados por um desejo de que a Wikipédia seja focada e cubra tópicos significativos – juntamente com o desejo de colocar um limite firme na proliferação de uso promocional - muitas vezes vista como abuso do site - curiosidades e artigos que são, em sua opinião, sem interesse geral, carecem de material de origem adequado para cobertura de alta qualidade, ou são muito curtos ou de outra forma inaceitavelmente maus em qualidade.[3][4][5]

Os "inclusionistas", por outro lado, defendem uma retenção ampla, incluindo a retenção de artigos "inofensivos" e artigos considerados abaixo do padrão, esperando que existam melhorias futuras. Os pontos de vista inclusionistas são normalmente motivados pelo desejo de manter a Wikipédia com uma cobertura ampla, com uma barreira de entrada muito menor para os tópicos abordados – juntamente com a crença de que é impossível dizer qual conhecimento pode ser "útil" ou produtivo, que o conteúdo geralmente começa mau e vai sendo melhorado ao longo do tempo, se efetivamente não houver custo incremental de cobertura, se linhas arbitrárias na areia forem inúteis e puderem causar divisões, e se a boa vontade exigir que se evite a exclusão arbitrária do trabalho de outros. Alguns estendem isso por forma a incluir uma gama mais ampla de fontes, como blogs notáveis e outros sites.[6][7]

A postura oficial na Wikipédia em inglês, a partir de 2010, era que "não há limite prático para o número de tópicos que podem ser abordados", mas "há uma distinção importante entre o que pode ser feito e o que deve ser feito",[8] sendo este último objeto da política "O que a Wikipédia não é" daquela Wikipédia.[8] A política conclui que consequentemente, não é um livre passe para inclusão sem critério.[8]

AntecedentesEditar

Devido a preocupações com vandalismo e adequação do conteúdo, a maioria das wikis exige políticas relativas à inclusão.[9] A Wikipédia desenvolveu espaços para políticas e resolução de conflitos em relação a disputas de artigos individuais.[10] Esses debates, que podem ser iniciados por qualquer pessoa,[11][12] na Wikipédia em inglês ocorrem na página "Articles for Deletion"[13] (muitas vezes referida pelos editores como AfD). Muita discussão diz respeito não apenas ao conteúdo de cada artigo em questão, mas também a "diferentes perspectivas sobre como editar uma enciclopédia ideal".[14]

No processo anglófono, no final de cada debate um administrador julga a qualidade do consenso da comunidade. Artigos que não exigem debate podem ser sinalizados e excluídos sem debate pelos administradores.[15] Se a decisão do administrador for contestada, a discussão pode ser levada para "revisão de exclusão", onde a comunidade discute a decisão do administrador. Em casos controversos, é comum que os debates se espalhem para outros lugares da internet.[16][17]

Uma estimativa de 2006, relativa à Wikipédia em inglês, sugeria que as páginas sobre governança e políticas da Wikipédia eram uma das áreas de crescimento mais rápido dessa plataforma, contendo cerca de um quarto de seu conteúdo.[18]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b David E. Gumpert (5 de setembro de 2007). «A Case Study in Online Promotion». BusinessWeek. Consultado em 23 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 12 de março de 2008 
  2. Esteves, Bernardo (julho de 2012). «Cooperação conturbada». revista piauí. Consultado em 30 de janeiro de 2022 
  3. «Information Quality Work Organization in Wikipedia» (PDF). Journal of the American Society for Information Science and Technology. 59 (6): 983–1001. 2007. CiteSeerX 10.1.1.163.5109 . doi:10.1002/asi.20813. Consultado em 24 de janeiro de 2008. Cópia arquivada (PDF) em 20 de agosto de 2007 
  4. Douglas, Ian (11 de outubro de 2007). «Wikipedia: an online encyclopedia torn apart». The Telegraph. London: Telegraph Media Group. Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 12 de novembro de 2012 
  5. «Marked for Deletion». Weekend America. National Public Radio. 20 de janeiro de 2007. Consultado em 23 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 10 de março de 2014 
  6. Douglas, Ian (11 de outubro de 2007). «Wikipedia: an online encyclopedia torn apart». The Telegraph. London: Telegraph Media Group. Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 12 de novembro de 2012 
  7. Nick Farrell (26 de fevereiro de 2007). «Hack got death threats from Wikipidiots». The Inquirer. Consultado em 23 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 27 de maio de 2012 
  8. a b c «Wikipedia:What Wikipedia is not». Wikipedia. 20 de julho de 2010. Consultado em 21 de outubro de 2021. Arquivado do original em 14 de março de 2017 
  9. Bryan, Lowell (2007). Mobilizing Minds: Creating Wealth from Talent in the 21st Century Organization. [S.l.]: McGraw-Hill. ISBN 978-0-07-149082-5 
  10. Yochai Benkler, The Wealth of Networks, p. 73, Yale University Press (2006), ISBN 978-0-300-12577-1
  11. Karim R. Lakhani; Andrew P. McAfee (2007). «Debates and Controversies in Wikipedia». Harvard Business School. Consultado em 23 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2007 
  12. Baker, Nicholson (9 de abril de 2008). «How I fell in love with Wikipedia». The Guardian. Consultado em 8 de março de 2012. Arquivado do original em 4 de novembro de 2013 
  13. David Segal (3 de dezembro de 2006). «Look Me Up Under 'Missing Link': On Wikipedia, Oblivion Looms for the Non-Notable». The Washington Post. Consultado em 23 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 16 de outubro de 2008 
  14. Scott Rettberg of The Richard Stockton College of New Jersey (2005). «All Together Now: Collective Knowledge, Collective Narratives, and Architectures of Participation» (PDF). Digital Arts and Culture Conference Proceedings. p. 8. Consultado em 24 de janeiro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 21 de janeiro de 2008 
  15. Dirk Riehle (23 de agosto de 2006). «How and Why Wikipedia Works: An Interview with Angela Beesley, Elisabeth Bauer, and Kizu Naoko» (PDF). International Symposium on Wikis. Consultado em 26 de janeiro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 24 de julho de 2008 
  16. Tibbets, Janice (27 de dezembro de 2007). «Wikipedia warriors hit delete». National Post. Consultado em 23 de março de 2009 [ligação inativa] 
  17. The Letterman (19 de julho de 2006). «Let Cher Price join Everywhere Girl in the dustbin of history». The Inquirer. Consultado em 23 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 10 de março de 2008 
  18. «The battle for Wikipedia's soul». The Economist. 6 de março de 2008. Consultado em 7 de março de 2008. Arquivado do original em 10 de março de 2008