Extrema-direita

(Redirecionado de Extrema direita)

A política de extrema-direita, também referida como extrema-direita ou extremismo de direita, é a política mais à direita do espectro político de esquerda-direita do que a direita padrão, particularmente em termos de ideologias e tendências anticomunistas, autoritárias, nacionalistas extremas e nativistas.[1]

Historicamente utilizada para descrever as experiências do fascismo e do nazifascismo, hoje a política de extrema-direita inclui o neofascismo, o neonazismo, a Terceira Posição, a direita alternativa, a supremacia branca, o nacionalismo branco e outras ideologias ou organizações que apresentam aspectos de visões ultranacionalistas, chauvinistas, xenófobas, teocráticas, racistas, homofóbicas, transfóbicas, ou reacionárias.[2]

A política de extrema-direita pode levar à opressão, violência política, assimilação forçada, limpeza étnica e mesmo genocídio contra grupos de pessoas com base na sua suposta inferioridade, ou na sua percepção de ameaça ao grupo étnico nativo, nação, estado, religião nacional, cultura dominante, ou instituições sociais tradicionais ultraconservadoras.[3]

Visão geralEditar

Conceito e visão do mundoEditar

 
Benito Mussolini, ditador e fundador do Fascismo italiano, uma ideologia de extrema-direita

O núcleo da visão do mundo da extrema-direita é o organicismo, a ideia de que a sociedade funciona como um ser vivo completo, organizado e homogéneo. Adaptado à comunidade que desejam constituir ou reconstituir (seja com base na etnicidade, nacionalidade, religião ou raça), o conceito leva-os a rejeitar qualquer forma de universalismo em favor da autofilia e da alterofobia, ou por outras palavras, a idealização de um "nós" excluindo um "eles".[4] A extrema-direita tende a absolutizar as diferenças entre nações, raças, indivíduos ou culturas, uma vez que estas perturbam os seus esforços em direcção ao sonho utópico da sociedade "fechada" e naturalmente organizada, entendida como a condição para assegurar o renascimento de uma comunidade finalmente reconectada com a sua natureza quase eterna e restabelecida sobre bases metafísicas firmes.[5][6]

Ao verem a sua comunidade num estado de decadência facilitado pelas elites governantes, os membros de extrema-direita apresentam-se como uma elite natural, sã e alternativa, com a missão redentora de salvar a sociedade da sua prometida desgraça. Rejeitam tanto o seu sistema político nacional como a ordem geopolítica global (incluindo as suas instituições e valores, por exemplo, o liberalismo político e o humanismo igualitário) que são apresentados como necessitando de ser abandonados ou expurgados das suas impurezas, para que a "comunidade redentora" possa eventualmente deixar a actual fase de crise liminar para inaugurar a nova era.[4][6] A própria comunidade é idealizada através de grandes figuras arquetípicas (a Idade de Ouro, o salvador, a decadência e as teorias da conspiração global), pois elas glorificam valores irracionalistas e não-materialistas como a juventude ou o culto dos mortos.[4]

O cientista político Cas Mudde argumenta que a extrema-direita pode ser vista como uma combinação de quatro conceitos amplamente definidos, nomeadamente exclusivismo (por exemplo, racismo, xenofobia, etnocentrismo, etnopluralismo, chauvinismo, ou chauvinismo do bem-estar social), traços anti-democráticos e não-individualistas (e. por exemplo, culto à personalidade, hierarquização, monismo, populismo, antipartidarismo, uma visão organicista do Estado), um sistema de valores tradicionalista que lamenta o desaparecimento de quadros históricos de referência (e. g. lei e ordem, a família, a comunidade e nação étnica, linguística e religiosa, bem como o ambiente natural) e um programa socioeconómico que associa corporativismo, controlo estatal de certos sectores, agrarianismo e um grau variável de crença no livre jogo das forças de mercado socialmente darwinistas. Mudde propõe então uma subdivisão da nebulosa de extrema-direita em inclinações moderadas e radicais, de acordo com o seu grau de exclusivismo e essencialismo.[7][8]

Definição e análise comparativaEditar

A Enciclopédia da Política: A Esquerda e a Direita afirma que a política de extrema-direita inclui "pessoas ou grupos que defendem opiniões extremas nacionalistas, xenófobas, racistas, fundamentalistas religiosas, ou outras opiniões reacionárias". Embora o termo extrema-direita seja tipicamente aplicado a fascistas e neonazis, também tem sido utilizado para se referir àqueles à direita da política de direita.[9]

Segundo o cientista político Lubomír Kopeček, "[a] melhor definição funcional da extrema-direita contemporânea pode ser a combinação de quatro elementos de nacionalismo, xenofobia, lei e ordem, e chauvinismo do bem-estar social proposto para o ambiente da Europa Ocidental por Cas Mudde".[10] Confiando nesses conceitos, a política de extrema-direita inclui ainda não se limita a aspectos de autoritarismo, anticomunismo[10] e nativismo.[11] As reivindicações de que as pessoas superiores deveriam ter mais direitos do que as pessoas inferiores são frequentemente associadas à extrema-direita, uma vez que historicamente favoreceram uma hierarquia social darwinista ou elitista baseada na crença na legitimidade do governo de uma suposta minoria superior sobre as massas inferiores.[12] Relativamente à dimensão sociocultural da nacionalidade, cultura e migração, uma posição de extrema-direita é a de que certos grupos étnicos, raciais ou religiosos devem permanecer separados, com base na crença de que os interesses do seu próprio grupo devem ser priorizados.[13]

Segundo Kopeček, ao comparar a extrema-direita da Europa Ocidental e da Europa Central pós-Comunista, "[a] extrema-direita da Europa Central foi também tipificada por um forte anti-comunismo, muito mais marcadamente do que na Europa Ocidental", permitindo "uma classificação ideológica básica dentro de uma família partidária unificada, apesar da heterogeneidade dos partidos de extrema-direita". Kopeček conclui que uma comparação dos partidos de extrema-direita da Europa Central com os da Europa Ocidental mostra que "estes quatro elementos estão presentes também na Europa Central, embora de uma forma algo modificada, apesar das diferentes influências políticas, económicas e sociais".[10]

No ambiente americano e mais geral anglo-saxónico, o termo mais comum é direito radical. Kopeček escreve que "tem um significado muito mais amplo e diferente do que no ambiente alemão. É influenciado pela tradição mais antiga do nativismo americano (sentimento anti-imigração), populismo, e hostilidade ao governo central combinado com ultra-nacionalismo, anti-comunismo, fundamentalismo cristão, e orientação militarista".[10] Jodi Dean defende que "a ascensão do anti-comunismo de extrema-direita em muitas partes do mundo" deve ser interpretada "como uma política de medo, que utiliza o desinteresse e a raiva gerados pelo capitalismo. [...] Os partidários das organizações de extrema-direita, por sua vez, usam o anticomunismo para desafiar todas as correntes políticas que não estão inseridas numa agenda nacionalista e racista claramente exposta. Para eles, tanto a URSS como a União Europeia, liberais de esquerda, ecologistas e corporações supranacionais - todos estes podem ser chamados de 'comunistas' em nome da sua conveniência"[14]

Debates modernosEditar

Membros da Ku Klux Klan reunidos em Chicago, Estados Unidos, em 1920
Nazistas e membros do partido de extrema-direita monarquista DNVP, na Alemanha, em 1931.
As forças voluntárias falangistas espanholas da Divisão Azul entraram em San Sebastián, 1942
Segundo congresso da organização de extrema-direita "Patriotas da Ucrânia" em Kharkiv, Ucrânia, 2008.
Defensores do movimento de extrema-direita húngaro Jobbik em 2011.
Manifestantes da marcha de extrema-direita em Charlottesville, 2017, carregando bandeiras dos Estados Confederados da América, uma de Gadsden e também uma suástica nazista.
Militante neonazista dos Estados Unidos a segurar um rifle

TerminologiaEditar

Segundo Jean-Yves Camus e Nicolas Lebourg, as ambiguidades modernas na definição da política de extrema-direita residem no facto de o conceito ser geralmente utilizado pelos adversários políticos para "desqualificar e estigmatizar todas as formas de nacionalismo partidário, reduzindo-as às experiências históricas do fascismo italiano [e] do nazismo alemão".[15] Embora a existência de uma tal posição política seja amplamente aceite entre os estudiosos, figuras associadas à extrema-direita raramente aceitam esta denominação, preferindo termos como "movimento nacional" ou "direita nacional".[16] Há também debate sobre o quão apropriados são os rótulos neo-fascistas ou neo-nazis. Nas palavras de Mudde, "os rótulos Neo-Nazi e, em menor medida, Neo-Fascismo são agora utilizados exclusivamente para partidos e grupos que declaram explicitamente um desejo de restaurar o Terceiro Reich ou citam o nacional-socialismo histórico como a sua influência ideológica".[17]

Uma questão é se os partidos devem ser rotulados como radicais ou extremos, uma distinção que é feita pelo Tribunal Constitucional Federal da Alemanha ao determinar se um partido deve ou não ser banido. Um partido extremista opõe-se à democracia liberal e à ordem constitucional, enquanto um partido radical aceita eleições livres e o parlamento como estruturas legítimas.[nb 1] Após uma pesquisa da literatura académica, Mudde concluiu em 2002 que os termos "extremismo de direita", "populismo de direita", "populismo nacional", ou "neo-populismo" eram frequentemente utilizados como sinónimos por estudiosos, em qualquer caso com "semelhanças impressionantes", excepto nomeadamente entre alguns autores que estudam a tradição teórica extremista.[nb 2] O rótulo "direita radical" é também utilizado na tradição americana, embora tenha um significado mais amplo na direita radical dos Estados Unidos do que a direita radical da Europa.[nb 3]

Relação com a política de direitaEditar

Outra questão é o que o rótulo "direita" implica quando é aplicado à extrema direita, dado que muitos partidos que eram originalmente rotulados como extremistas de direita tendiam a avançar com as agendas neoliberais e de mercado livre já nos anos 80, mas agora defendem políticas económicas que estão mais tradicionalmente associadas à esquerda, como a anti-globalização, nacionalização e protecionismo. Uma abordagem, com base nos escritos de Norberto Bobbio, argumenta que são as atitudes em relação à igualdade que distinguem a esquerda da direita e permitem que estes partidos se posicionem à direita do espectro político.[18]

Aspectos da ideologia de extrema-direita podem ser identificados na agenda de alguns partidos de direita contemporâneos, em particular a ideia de que pessoas superiores devem dominar a sociedade enquanto elementos indesejáveis devem ser purgados, o que em casos extremos resultou em genocídios.[19] Charles Grant, director do Centre for European Reform em Londres, distingue entre fascismo e partidos nacionalistas de direita que são frequentemente descritos como de extrema-direita, como o Reagrupamento Nacional em França.[20] Mudde observa que os partidos de extrema-direita europeus mais bem sucedidos em 2019 foram "os antigos partidos de extrema-direita mainstream que se transformaram em partidos populistas de direita radical".[21] Segundo o historiador Mark Sedgwick, "[a]qui não há acordo geral sobre onde termina o mainstream e começa o extremo, e se alguma vez tivesse havido acordo sobre isto, a recente mudança no mainstream iria desafiá-lo".[22]

Os defensores da interpretação da teoria da ferradura do espectro esquerda-direita identificam a extrema esquerda e a extrema direita como tendo mais em comum como extremistas do que cada uma delas tem com os centristas ou moderados.[23] Contudo, a teoria da ferradura não goza de nenhum apoio dentro dos círculos académicos[24] e tem recebido críticas,[24][25][26] incluindo a opinião de que têm sido os centristas a apoiar regimes de extrema-direita e fascistas, que eles preferem no poder, aos socialistas.[27]

Natureza do apoioEditar

Jens Rydgren descreve uma série de teorias sobre a razão pela qual os indivíduos apoiam partidos políticos de extrema-direita e a literatura académica sobre este tópico distingue entre teorias do lado da procura que mudaram os "interesses, emoções, atitudes e preferências dos eleitores" e teorias do lado da oferta que se concentram nos programas dos partidos, na sua organização e nas estruturas de oportunidade dentro dos sistemas políticos individuais.[28] As teorias mais comuns do lado da procura são a tese da ruptura social, a tese da privação relativa, a tese dos perdedores da modernização e a tese da competição étnica.[29]

Um estudo argumenta que os indivíduos que aderem a partidos de extrema-direita determinam se esses partidos se desenvolvem em grandes actores políticos ou permanecem marginalizados.[30]

Os primeiros estudos académicos adoptaram explicações psicanalíticas para o apoio da extrema-direita. A publicação de 1933 Die Massenpsychologie des Faschismus de Wilhelm Reich argumentava a teoria de que os fascistas chegaram ao poder na Alemanha como resultado da repressão sexual. Para alguns partidos de extrema-direita na Europa Ocidental, a questão da imigração tornou-se a questão dominante entre eles, de tal forma que alguns estudiosos se referem a estes partidos como partidos "anti-imigrantes".[31]

História intelectualEditar

ContextoEditar

A Revolução Francesa de 1789 criou uma grande mudança no pensamento político ao desafiar as ideias estabelecidas de apoio à hierarquia com novas ideias sobre igualdade universal e liberdade.[32] O espectro político moderno esquerda-direita também emergiu durante este período. Os democratas e proponentes do sufrágio universal situavam-se do lado esquerdo da Assembleia francesa eleita, enquanto os monarquistas se sentavam mais à direita.[16]

Os opositores mais fortes do liberalismo e da democracia durante o século XIX, como Joseph de Maistre e Friedrich Nietzsche, foram altamente críticos da Revolução Francesa.[32] Aqueles que defendiam um regresso à monarquia absoluta durante o século XIX autodenominaram-se "ultra-monarquistas" e abraçaram uma visão "mística" e "providencialista" do mundo onde as dinastias reais eram vistas como os "repositórios da vontade divina". A oposição à modernidade liberal baseava-se na crença de que a hierarquia e o enraizamento são mais importantes do que a igualdade e a liberdade, sendo as duas últimas desumanizantes.[33]

SurgimentoEditar

No debate público francês que se seguiu à Revolução Bolchevique, a extrema-direita foi utilizada para descrever os mais fortes opositores da extrema-esquerda, ou seja, aqueles que apoiaram os acontecimentos que ocorriam na Rússia.[5] No entanto, alguns pensadores da extrema-direita reivindicaram uma influência de uma definição anti-marxista e anti-egalitária de socialismo, baseada numa camaradagem militar que rejeitava a análise de classe marxista, ou o que Oswald Spengler tinha chamado um "socialismo do sangue", por vezes descrito por estudiosos como uma forma de "revisionismo socialista".[34] Entre eles, Charles Maurras, Benito Mussolini, Arthur Moeller van den Bruck e Ernst Niekisch.[35][36][37] Esses pensadores acabaram por se dividir segundo linhas nacionalistas do movimento comunista, Karl Marx e Friedrich Engels, contradizendo as teorias nacionalistas com a ideia de que "os homens trabalhadores [não tinham] nenhum país".[38] A principal razão para essa confusão ideológica pode ser encontrada nas consequências da Guerra Franco-Prussiana de 1870, que segundo o historiador suíço Philippe Burrin, tinha redesenhado completamente a paisagem política na Europa, difundindo a ideia de um conceito anti-individualista de "unidade nacional" elevando-se acima da divisão entre direita e esquerda.[37]

À medida que o conceito de "as massas" foi introduzido no debate político através da industrialização e do sufrágio universal, uma nova direita fundada em ideias nacionais e sociais começou a emergir, o que Zeev Sternhell chamou de "direita revolucionária" e um prenúncio do fascismo. A fenda entre a esquerda e os nacionalistas foi ainda acentuada pela emergência de movimentos anti-militaristas e anti-patrióticos como o anarquismo ou o sindicalismo, que partilhavam ainda menos semelhanças com a extrema-direita.[38] Esta última começou a desenvolver um "misticismo nacionalista" totalmente diferente do da esquerda, e o antisemitismo transformou-se num credo da extrema-direita, marcando uma ruptura com o tradicional "anti-judaísmo" económico defendido por partes da extrema-esquerda, em favor de uma noção racial e pseudocientífica de alteridade. Várias ligas nacionalistas começaram a formar-se em toda a Europa, como a Liga Pan-Alemã ou a Ligue des Patriotes, com o objectivo comum de unir as massas para além das divisões sociais.[39][40]

Völkisch e a direita revolucionáriaEditar

O movimento Völkisch surgiu no final do século XIX, inspirando-se no Romantismo alemão e no seu fascínio por um Reich medieval supostamente organizado numa ordem hierárquica harmoniosa. Erguido sobre a ideia de "sangue e solo", foi um movimento racialista, populista, agrário, nacionalista romântico e anti-semita a partir do século XIX, como consequência de uma crescente conotação exclusiva e racial.[41] Idealizaram o mito de uma "nação original", que ainda podia ser encontrada na sua época nas regiões rurais da Alemanha, uma forma de "democracia primitiva livremente sujeita às suas elites naturais".[42] Os pensadores liderados por Arthur de Gobineau, Houston Stewart Chamberlain, Alexis Carrel e Georges Vacher de Lapouge distorceram a teoria da evolução de Darwin para defender uma "luta racial" e uma visão higienista do mundo. A pureza da nação bio-mística e primordial teorizada pelo Völkischen começou então a ser vista como corrompida por elementos estrangeiros, judeus em particular.[41]

Traduzidas no conceito de Maurice Barrès de "a terra e os mortos", estas ideias influenciaram a "direita revolucionária" pré-fascista em toda a Europa. Este último teve a sua origem na crise intelectual fin de siècle e foi, nas palavras de Fritz Stern, o profundo "desespero cultural" dos pensadores que se sentiam desenraizados dentro do racionalismo e do cientismo do mundo moderno.[43] Caracterizava-se por uma rejeição da ordem social estabelecida, com tendências revolucionárias e posições anti-capitalistas, uma dimensão populista e plebiscitária, a defesa da violência como meio de acção e um apelo à palingenesis individual e colectiva.[44]

Pensamento contemporâneoEditar

Os principais pensadores da política contemporânea de extrema-direita, segundo por Mark Sedgwick, partilham quatro elementos-chave, nomeadamente o apocaliptismo, o medo das elites globais, a crença na distinção amigos-inimigos de Carl Schmitt e a ideia de metapolítica.[45] A tensão apocalíptica do pensamento começa em The Decline of the West de Oswald Spengler e é partilhada por Julius Evola e Alain de Benoist. Continua em The Death of the West por Pat Buchanan, bem como nos medos da islamização da Europa.[45] Relacionado com ela está o medo das elites globais, que são vistas como responsáveis pelo declínio.[45] Ernst Jünger estava preocupado com as elites cosmopolitas sem raízes, enquanto de Benoist e Buchanan se opõem ao estado de gestão e Curtis Yarvin é contra "a Catedral".[45] A distinção amigos-inimigos de Schmitt inspirou a ideia francesa da Nouvelle Droite do etnopluralismo, que se tornou altamente influente na direita alternativa quando combinada com o racismo americano.[45]

 
Rally do CasaPound em Nápoles

Num livro de 1961 considerado influente na extrema-direita europeia em geral, o escritor neo-fascista francês Maurice Bardèche introduziu a ideia de que o fascismo poderia sobreviver ao século XX sob um novo disfarce metapolítico adaptado às mudanças da época. Em vez de tentar reavivar regimes condenados com o seu partido único, polícia secreta ou exibição pública do Cesarismo, Bardèche argumentou que os seus teóricos deveriam promover a ideia filosófica central do fascismo independentemente do seu enquadramento,[6] ou seja, o conceito de que apenas uma minoria, "a mais sã fisicamente, a mais pura moralmente, a mais consciente dos interesses nacionais", pode representar melhor a comunidade e servir os menos dotados no que Bardèche chama um novo "contrato feudal".[46]

Outra influência no pensamento contemporâneo de extrema-direita tem sido a Escola Tradicionalista que incluiu Julius Evola e influenciou Steve Bannon e Aleksandr Dugin, conselheiros de Donald Trump e Vladimir Putin, bem como o partido Jobbik na Hungria.[47][48][49]

HistóriaEditar

A extrema-direita original, que surgiu na França após a Revolução Francesa, se recusou a aceitar a República Francesa e apoiou uma contrarrevolução para restaurar a monarquia francesa e a aristocracia.[50]

Pós-Segunda Guerra MundialEditar

O cientista político alemão Klaus von Beyne descreve três fases históricas do desenvolvimento de partidos de extrema-direita na Europa Ocidental após a Segunda Guerra Mundial.[51][52]

De 1945 a meados dos anos 1950, os partidos de extrema-direita foram marginalizados e suas ideologias desacreditadas devido à recente existência e derrota do nazismo. Assim, nos anos imediatamente seguintes à Segunda Guerra Mundial, o objetivo principal dos partidos de extrema-direita era sobreviver; alcançar qualquer impacto político relevante, em grande parte, não era algo esperado.

A partir de meados dos anos 1950 a 1970, a chamada "fase de protesto populista" surgiu com o sucesso eleitoral esporádico. Partidos de extrema-direita durante esse período criou líderes carismáticos, cuja profunda desconfiança do establishment político levou a uma mentalidade de "nós-contra-eles": "nós" seriam os cidadãos da nação, enquanto "eles" os políticos e burocratas, atualmente no cargo; após o relativo sucesso eleitoral na década de 1980, candidatos políticos de extrema-direita revitalizaram o discurso anti-imigração como uma questão mainstream. Em outubro de 2019, o Jornal de Notícias publicou um artigo que mostra como a extrema-direita usa símbolos comuns para promover suas ideologias. Algo que é feito ao longo de décadas ao redor do mundo.[53]

No BrasilEditar

 Ver artigo principal: Ameaça comunista no Brasil

Em abril de 2018, Cristina Tardáguila da Revista Época, disse que "há ao menos um ponto que aproxima [os manifestantes da] extrema-esquerda e a extrema-direita do Brasil: o repúdio aos fatos e aos jornalistas que tentam relatá-los."[54] Um levantamento feito pelo The Intercept e Manual do Usuário, mostrou que cinco dos dez canais que cresceram no YouTube, na época das eleições do Brasil de 2018, eram de extrema-direita e pró-Bolsonaro. Os canais cresceram com base em um algoritimo do YouTube que ajuda a impulsionar a popularidades de determinados canais, o "em alta".[55]

O presidente Jair Bolsonaro foi apontado como extrema-direita em outubro de 2018.[56] Em janeiro de 2019, o Movimento Brasil Livre (MBL) e os portais da direita política brasileira, Renova Mídia, Conexão Política e Terça Livre, promoveram a rede social Gab, ao usarem a #MeSegueNoGab, que teria sido iniciada pelo Movimento Brasil Conservador, o que foi negado pelo movimento.[57] A rede social Gab tem sido descrita como uma plataforma de supremacistas brancos e de pessoas da direita alternativa. Um pesquisa feita antes das eleições de 2018 no Brasil, apontou que os brasileiros eram a segunda maior nacionalidade no Gab.[57] Nos protestos de 26 de maio de 2019, os manifestantes da direita política tentaram separar os da extrema-direita que compareceram no dia sem serem convocados.[58] Os extremistas usavam o Telegram e promoviam ilegalidades.[58]

Em junho de 2019, Oliver Stuenkel, do El País disse que "é preciso resgatar da extrema-direita os símbolos nacionais", se referindo a grupo radicais brasileiros que se apoderam de símbolos brasileiros para promover suas ideologias políticas.[59]

Em várias democracias ao redor do mundo radicais têm se apropriado de bandeiras nacionais para poder chamar vozes discordantes de inimigos da pátria. (…) De fato, verifica-se hoje uma tendência crescente de apropriação de símbolos nacionais por movimentos de extrema-direita tanto no Brasil quanto em outros países. Isso faz parte de uma estratégia sofisticada, pois permite uma suposta divisão da população entre patriotas de um lado e inimigos da pátria de outro.[59]
— Oliver Stuenkel

Esse comportamento da extrema-direita também foi reportado por Mariliz Pereira Jorge, da Folha de S.Paulo.[60] Em 7 de julho de 2020, foi iniciada uma campanha nas redes sociais para recuperar os símbolos do Brasil.[61]

Terrorismo de direitaEditar

 Ver artigo principal: Terrorismo de direita

O terrorismo de direita é terrorismo motivado por uma variedade de ideologias e crenças de extrema-direita, incluindo anticomunismo, neofascismo, neonazismo, racismo, xenofobia e oposição à imigração. Esse tipo de terrorismo tem sido esporádico, com pouca ou nenhuma cooperação internacional.[62] O terrorismo de direita moderno apareceu pela primeira vez na Europa Ocidental na década de 1980 e apareceu pela primeira vez na Europa Oriental após a dissolução da União Soviética.[63]

Os terroristas de direita pretendem derrubar governos e substituí-los por governos nacionalistas ou de orientação fascista.[62] O núcleo desse movimento inclui skinheads neofascistas, hooligans de extrema-direita, e jovens simpatizantes que acreditam que o Estado deve se livrar de elementos estrangeiros para proteger os cidadãos ditos "legítimos".[63] No entanto, eles geralmente não possuem uma ideologia rígida.[63]

Principais correntesEditar

Ver tambémEditar

Notas

  1. Mudde 2002, p. 12
  2. Mudde 2002, p. 13
  3. Mudde 2002, p. 13

Referências

  1. Other names:
    • Kopeček, Lubomír (2007). «The Far Right in Europe». Central and Eastern European Online Library. Středoevropské politické studie. IX (4): 280–293. Consultado em 21 de dezembro de 2020 Nativism and authoritarianism:
    • (Camus & Lebourg 2017, p. 21)
    • Hilliard, Robert L.; Keith, Michael C. (1999). Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right. Armonk, New York: M. E. Sharpe. p. 43 
  2. Fascism and Nazism:
    • Carlisle, Rodney. The Encyclopedia of Politics: The Left and the Right, Volume 2: The Right. [S.l.]: Thousand Oaks, California, United States; London, England; New Delhi, India: Sage Publications, 2005. p. 693 
    • Phipps, Alison (1 de abril de 2019). «The Fight Against Sexual Violence». Soundings. 71 (71): 62–74. doi:10.3898/SOUN.71.05.2019 
  3. Ethnic persecution, forced assimilation, cleansing, etc.:
    • Golder, Matt (11 de maio de 2016). «Far Right Parties in Europe». Annual Review of Political Science. 19 (1): 477–497. doi:10.1146/annurev-polisci-042814-012441 
    • Hilliard, Robert L.; Keith, Michael C. (1999). Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right. Armonk, New York: M. E. Sharpe. p. 38 Traditional social institutions:
  4. a b c Camus & Lebourg 2017, p. 22.
  5. a b Camus & Lebourg 2017, p. 21.
  6. a b c Bar-On 2016, p. xiii.
  7. Camus & Lebourg 2017, pp. 44–45.
  8. Mudde, Cas. "The Extreme Right Party Family: An Ideological Approach" (PhD diss., Leiden University, 1998).
  9. Carlisle 2005, p. 694.
  10. a b c d Kopeček, Lubomír (2007). «The Far Right in Europe». International Institute of Political Science, Masaryk University in Brno. Středoevropské politické studie. IX (4): 280–293. Consultado em 21 de dezembro de 2020 – via Central and Eastern European Online Library 
  11. Hilliard, Robert L. and Michael C. Keith, Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right (Armonk, New York: M.E. Sharpe 1999, p. 43.
  12. Woshinsky 2008, pp. 154–155.
  13. Widfeldt, Anders, "A fourth phase of the extreme right? Nordic immigration-critical parties in a comparative context". In: NORDEUROPAforum (2010:1/2), 7–31, Edoc.hu
  14. Kuligowski, Piotr; Moll, Łukasz; Szadkowski, Krystian (2019). «Anti-Communisms: Discourses of Exclusion». Adam Mickiewicz University in Poznań. Praktyka teoretyczna. 1 (31): 7–13. Consultado em 21 de dezembro de 2020 – via Central and Eastern European Online Library 
  15. Camus & Lebourg 2017, pp. 1–2; Mudde 2002, p. 10 agrees and notes that "the term is not only used for scientific purposes but also for political purposes. Several authors define right-wing extremism as a sort of anti-thesis against their own beliefs [...]."
  16. a b Camus & Lebourg 2017, pp. 1–2.
  17. Mudde 2002, p. 12.
  18. Bobbio, Norberto (1997). Left and Right: The Significance of a Political Distinction. Translated by Cameron, Allan. University of Chicago Press. ISBN 0-226-06246-5.
  19. Woshinsky 2008, p. 156.
  20. Baker, Peter (28 de maio de 2016). «Rise of Donald Trump Tracks Growing Debate Over Global Fascism». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 7 de junho de 2016 
  21. Mudde 2019.
  22. Sedgwick, Mark (2019). Key Thinkers of the Radical Right: Behind the New Threat to Liberal Democracy (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. pp. xiii. ISBN 978-0-19-087760-6 
  23. William Safire. Safire's Political Dictionary. Oxford, England, UK: Oxford University Press, 2008. p. 385.
  24. a b Berlet, Chip; Lyons, Matthew N. (2000). Right-Wing Populism in America: Too Close for Comfort. New York: Guilford Press. p. 342  Verifique o valor de |url-access=limitado (ajuda)
  25. Pavlopoulos, Vassilis (20 de março de 2014). Politics, economics, and the far right in Europe: a social psychological perspective. Col: The Challenge of the Extreme Right in Europe: Past, Present, Future. Birkbeck, University of London: [s.n.] 
  26. Filipović, Miroslava; Đorić, Marija (2010). «The Left or the Right: Old Paradigms and New Governments». Serbian Political Thought. 2 (1–2): 121–144. doi:10.22182/spt.2122011.8 
  27. Choat, Simon (12 May 2017) "'Horseshoe theory' is nonsense – the far right and far left have little in common". The Conversation. Retrieved 10 June 2020.
  28. Rydgren, J. (2007) The Sociology of the Radical Right, Annual Review of Sociology, pp. 241–63
  29. Rydgren, J. (2007) The Sociology of the Radical Right, Annual Review of Sociology, p. 247
  30. Art, David (2011). Inside the Radical Right. New York: Cambridge University Press. ISBN 9781139498838 
  31. Allen, Trevor J. (8 de julho de 2015). «All in the party family? Comparing far right voters in Western and Post-Communist Europe». Party Politics (em inglês). 23 (3): 274–285. ISSN 1354-0688. doi:10.1177/1354068815593457  Parâmetro desconhecido |s2cid= ignorado (ajuda)
  32. a b Beiner, Ronald Verfasser. (12 de março de 2018). Dangerous Minds : Nietzsche, Heidegger, and the Return of the Far Right. [S.l.: s.n.] 11 páginas. ISBN 978-0-8122-9541-2. OCLC 1148094406 
  33. Beiner, Ronald Verfasser. (12 de março de 2018). Dangerous Minds : Nietzsche, Heidegger, and the Return of the Far Right. [S.l.: s.n.] 14 páginas. ISBN 978-0-8122-9541-2. OCLC 1148094406 
  34. Bar-On, Tamir (7 de dezembro de 2011), Backes, Uwe; Moreau, Patrick, eds., «Intellectual Right – Wing Extremism – Alain de Benoist's Mazeway Resynthesis since 2000», ISBN 9783525369227 1 ed. , Vandenhoeck & Ruprecht, The Extreme Right in Europe (em inglês), pp. 333–358, doi:10.13109/9783666369223.333 
  35. Woods, Roger (25 de março de 1996). The Conservative Revolution in the Weimar Republic (em inglês). [S.l.]: Springer. pp. 1–2. ISBN 9780230375857 
  36. Stéphane François (24 de agosto de 2009). «Qu'est ce que la Révolution Conservatrice ?». Fragments sur les Temps Présents (em francês). Consultado em 23 de julho de 2019 
  37. a b Camus & Lebourg 2017, pp. 7–8.
  38. a b Camus & Lebourg 2017, pp. 9–10.
  39. Dupeux, Louis (1994). «La nouvelle droite " révolutionnaire-conservatrice " et son influence sous la république de Weimar». Revue d'Histoire Moderne & Contemporaine. 41 (3): 474–75. doi:10.3406/rhmc.1994.1732 
  40. Camus & Lebourg 2017, pp. 11–12.
  41. a b Camus & Lebourg 2017, pp. 16–18.
  42. Stéphane François (24 de agosto de 2009). «Qu'est ce que la Révolution Conservatrice ?». Fragments sur les Temps Présents (em francês). Consultado em 23 de julho de 2019 
  43. Stern, Fritz R. (1974). The Politics of Cultural Despair: A Study in the Rise of the Germanic Ideology  (em inglês). [S.l.]: University of California Press. ISBN 9780520026438 
  44. Camus & Lebourg 2017, p. 19.
  45. a b c d e Key thinkers of the radical right : behind the new threat to liberal democracy. New York, NY: [s.n.] 4 de janeiro de 2019. ISBN 978-0-19-087760-6. OCLC 1060182005 
  46. Desbuissons, Ghislaine (1990). «Maurice Bardèche, écrivain et théoricien fasciste?». Revue d'histoire moderne et contemporaine (em francês). 37 (1): 148–159. ISSN 0048-8003. JSTOR 20529642. doi:10.3406/rhmc.1990.1531 
  47. Teitelbaum, Benjamin R. (21 de abril de 2020). War for Eternity: The Return of Traditionalism and the Rise of the Populist Right (em inglês). [S.l.]: Penguin Books Limited. 11 páginas. ISBN 978-0-14-199204-4 
  48. Teitelbaum, Benjamin R. (21 de abril de 2020). War for Eternity: The Return of Traditionalism and the Rise of the Populist Right (em inglês). [S.l.]: Penguin Books Limited. 58 páginas. ISBN 978-0-14-199204-4 
  49. Teitelbaum, Benjamin R. (21 de abril de 2020). War for Eternity: The Return of Traditionalism and the Rise of the Populist Right (em inglês). [S.l.]: Penguin Books Limited. pp. 2–3. ISBN 978-0-14-199204-4 
  50. Davies, Peter, The Extreme Right in France, 1789 to the Present: From De Maistre to Le Pen. London, England; New York City, United States: Routledge, 2002. p. 40.
  51. Widfeldt, Anders, “A fourth phase of the extreme right? Nordic immigration-critical parties in a comparative context”. In: NORDEUROPAforum (2010:1/2), 7–31, http://edoc.hu-berlin.de/nordeuropaforum/2010-1/widfeldt-anders-7/XML/
  52. Klaus von Beyme: “Right-wing extremism in post-war Europe”. In: West European Politics 11 (1988:2), 2–18.
  53. «Como a extrema-direita sequestrou símbolos do dia a dia». Jornal de Notícias. 16 de outubro de 2019. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  54. Cristina Tardáguila (9 de abril de 2018). «Análise: O que une a extrema-esquerda e a extrema-direita?». Revista Época. Rede Globo. Consultado em 20 de julho de 2019. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2019 
  55. Rodrigo Ghedin (28 de agosto de 2019). «Cinco dos dez canais que explodiram no ranking do YouTube durante as eleições são de extrema direita». The Intercept. First Look Media. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  56. João Paulo Charleaux (17 de outubro de 2018). «O que é extrema direita. E por que ela se aplica a Bolsonaro». Nexo Jornal. Consultado em 19 de julho de 2019. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2019 
  57. a b Ethel Rudnitzki e Felipe Sakamoto (24 de janeiro de 2019). «Rede social de ultradireita chega ao Brasil com acenos a Bolsonaro». Observatorio da Imprensa. Consultado em 15 de julho de 2019. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2019 
  58. a b Guilherme Prímola (26 de maio de 2019). «Grupos de extrema-direita usam Telegram para atacar STF e Congresso». Metrópoles. Consultado em 21 de julho de 2019. Cópia arquivada em 2 de junho de 2019 
  59. a b Oliver Stuenkel (15 de junho de 2019). «É preciso resgatar da extrema direita os símbolos nacionais». El País. Consultado em 19 de julho de 2019. Cópia arquivada em 29 de junho de 2019 
  60. Mariliz Pereira Jorge (23 de abril de 2020). «Reféns da extrema direita». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 24 de abril de 2020. Cópia arquivada em 24 de abril de 2020 
  61. Tom Phillips (7 de julho de 2020). «Replace or reclaim: progressive Brazil divided on fate of famous yellow shirts». The Guardian (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 8 de julho de 2020 
  62. a b Aubrey, Stefan M. The New Dimension of International Terrorism. p. 45. Zurich: vdf Hochschulverlag AG, 2004. ISBN 3-7281-2949-6
  63. a b c Moghadam, Assaf. The Roots of Terrorism. pp. 57–58. New York: Infobase Publishing, 2006. ISBN 0-7910-8307-1

BibliografiaEditar

  • Carlisle, Rodney P. (2005). The Encyclopedia of Politics: The Left and the Right, Volume 2: The Right. [S.l.]: Thousand Oaks, California, USA; London, England, UK; New Delhi, India: Sage Publications 
  • Hainsworth, Paul (2000). The Politics of the Extreme Right: From the Margins to the Mainstream. [S.l.]: Pinter 
  • Merkl, Peter H.; Weinberg, Leonard. Right-wing Extremism in the Twenty-first Century. [S.l.]: Frank Cass Publishers 
  • Hilliard, Robet L.; Keith, Michael C. (1999). Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right. [S.l.]: Armonk,New York: M.E. Sharpe Inc 
  • Parsons, Craig; Smeedling, Timothy M. (2006). Immigration and the transformation of Europe. [S.l.]: Cambridge University Press 
  • Woshinsky, Oliver H. (2008). Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior. [S.l.]: Routledge 
  • Bar-On, Tamir (2016). Where Have All The Fascists Gone?. [S.l.]: Routledge. ISBN 9781351873130 
  • Camus, Jean-Yves; Lebourg, Nicolas (2017). Far-Right Politics in Europe. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 9780674971530 
  • Carlisle, Rodney P. (2005). The Encyclopedia of Politics: The Left and the Right, Volume 2: The Right . [S.l.]: Sage Publications 
  • Davies, Peter J.; Lynch, Derek (2002). The Routledge Companion to Fascism and the Far Right. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-0-415-21495-7 
  • Hainsworth, Paul (2000). The Politics of the Extreme Right: From the Margins to the Mainstream. [S.l.]: Pinter 
  • Hilliard, Robert L.; Keith, Michael C. (1999). Waves of Rancor: Tuning in the Radical Right. [S.l.]: Armonk, New York: M.E. Sharpe Inc 
  • Ignazi, Piero (2003). Extreme Right Parties in Western Europe. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780198293255 
  • Merkl, Peter H.; Weinberg, Leonard (2003). Right-wing Extremism in the Twenty-first Century. [S.l.]: Frank Cass Publishers. ISBN 9780714651828 
  • Mudde, Cas (2002). The Ideology of the Extreme Right. [S.l.]: Manchester University Press. ISBN 978-0-7190-6446-3 
  • Mudde, Cas (2019). The Far Right Today. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-5095-3685-6 
  • Parsons, Craig; Smeedling, Timothy M. (2006). Immigration and the transformation of Europe. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9781139458801 
  • Woshinsky, Oliver H. (2008). Explaining Politics: Culture, Institutions, and Political Behavior . [S.l.]: Routledge. ISBN 9781135901349 
  • Edgren, Torsten & Manninen, Merja & Ukkonen, Jari (2003). Eepos, Suomen historian käsikirja. [S.l.]: WSOY. ISBN 951-0-27651-0 

Ligações externasEditar