Abrir menu principal

Fábrica de Cerâmica das Devesas

Fábrica de Cerâmica das Devesas
Porto (24203320034).jpg
Instalações
Tipo de fábrica
Localização
Endereço

A Fábrica de Cerâmica das Devesas localiza-se perto da Estação Ferroviária das Devesas, na cidade e concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, em Portugal.

HistóriaEditar

Foi fundada em meados da década de 1860 e, durante décadas, foi gerida por uma sociedade constituída por António Almeida da Costa (canteiro ornatista), José Joaquim Teixeira Lopes (estatuário e ceramista) e Feliciano Rodrigues da Rocha (canteiro ornatista).

Terá sido a mais importante produtora de artefatos cerâmicos para aplicação na Arquitetura no país. Até 1915, ano da morte de António Almeida da Costa, a fábrica dominou o espectro da produção de azulejaria de fachada, de estatuária e outra ornamentação cerâmica para platibandas e jardins. Nas oficinas de Vila Nova de Gaia ou do Porto - onde ainda hoje existe o edifício da fábrica, na Rua José Falcão[1] - produziram-se ainda artefatos em ferro fundidos e em bronze, maquinaria, cantarias de mármore, túmulos, ornatos para tetos em estuque, e outros.

A fábrica dispunha ainda de uma sucursal junto à Estação Ferroviária da Pampilhosa do Botão, onde se produziam materiais de construção.

Foi premiada em várias exposições nacionais e internacionais, em finais do século XIX e inícios do século XX.

Depois da morte de António Almeida Costa, em 1915, e de José Joaquim Teixeira Lopes, em 1918, a fábrica das Devesas entra num longo processo de declínio, abdicando da produção de obras de arte e passando a dedicar-se essencialmente ao fabrico de materiais para a construção civil.

A fábrica encerra definitivamente na década de 1980.

Em 2010 um projecto do arquitecto Joaquim Massena, (ainda durante o mandato de Luís Filipe Menezes), previa para o local a construção de 137 casas, 215 lugares de estacionamento e 10 espaços comerciais não se concretizou, pois o promotor entrou em insolvência.

Em 2018, a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia quer comprar ao Millennium BCP, por 2,5 milhões de euros, parte da antiga fábrica para lá instalar um museu sobre a história da cidade, com uma sala de conferências, e um parque de estacionamento subterrâneo com 600 lugares[2].

Referências

  1. QUEIROZ, Francisco (2016). «Aspectos históricos e decorativos dos edifícios portuenses da Fábrica de Cerâmica das Devesas». Actas do II Congresso "O Porto Romântico". Universidade Católica Portuguesa. Consultado em 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. «Antiga Fábrica de Cerâmica e Fundição das Devesas vai ser transformada em museu» 

BibliografiaEditar

  • DOMINGUES, Ana Margarida Portela. "António Almeida da Costa e a Fábrica de Cerâmica das Devesas. Antecedentes, fundação e maturação de um complexo de artes industriais (1858-1888)". Dissertação de Mestrado em História da Arte em Portugal, concluída em 2003 e apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto em 2004, 2 volumes (217+148 páginas).
  • PORTELA, Ana Margarida; QUEIROZ, Francisco. "A Fábrica das Devesas e o Património Industrial Cerâmico de Vila Nova de Gaia". separata de Arqueologia Industrial, 4ª Série, Vol. IV, n.º 1-2. Famalicão, 2008. 47 p.
  • DOMINGUES, Ana Margarida Portela. "A Fábrica de Cerâmica das Devesas – percurso biográfico dos seus principais artistas". In Atas do "VII Colóquio Luso-Brasileiro de História da Arte - Artistas e Artífices e sua Mobilidade no mundo de expressão portuguesa" (Porto, Viana do Castelo, Barcelos e Póvoa de Varzim, 20 a 23 de Junho de 2005), p. 41-48.
  • PORTELA, Ana Margarida. "António Almeida da Costa e as artes industriais no século XIX". In Actas do "II Congresso Internacional de História da Arte" (Porto, 14 a 17 de Novembro de 2001), p. 287-299.
  • PORTELA, Ana Margarida. "A Fábrica de Cerâmica das Devesas – entre a Arte e a Indústria". In "Fabrikart – Arte, Tecnología, Industria, Sociedad", Bilbao, Universidad del País Vasco, 2005, p. 92-101.
  • PORTELA, Ana Margarida. "Devesas: as origens históricas da fábrica de cerâmica que mais marcou as fachadas de Ovar". In "Dunas – Temas & Perspectivas", Revista sobre Cultura e Património da Região de Ovar, n.º 4, Novembro de 2004, p. 61-72.
  • PORTELA, Ana Margarida; QUEIROZ, Francisco. "A Cerâmica das Devesas: um notável complexo fabril oitocentista". In "Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia", 8º vol., n.º 52, Junho de 2001, p. 61-70.
  • QUEIROZ, Francisco. "Devesas: de complexo fabril bem sucedido a património industrial em risco". In Actas do "III Congresso de Arqueologia Peninsular" (Vila Real, 22 a 26 de Setembro de 1999), vol. 8 – «Terrenos» da Arqueologia da Península Ibérica (secção de Arqueologia Industrial), Porto, A.D.E.C.A.P., 2000, p. 323-335.
  • QUEIROZ, Francisco. "O aproveitamento urbanístico dos quarteirões norte e sul da antiga Fábrica de Cerâmica das Devesas". In "Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia", 9º vol., n.º 56, Junho de 2003, p. 57-63.
  • PORTELA, Ana Margarida - A Fábrica de Cerâmica das Devesas – entre a Arte e a Indústria. In "Fabrikart – Arte, Tecnología, Industria, Sociedad", Bilbao, Universidad del País Vasco, 2005, p. 92-101. URL: www.ehu.es/ojs/index.php/Fabrikart/article/download/2832/2446
  • QUEIROZ, Francisco - "Os mostruários da Fábrica de Cerâmica das Devesas". Actas do II Congresso Internacional sobre Património Industrial, "Património, Museus e Turismo Industrial: uma oportunidade para o século XXI" (Porto, Universidade Católica, 22-24 de Maio de 2014).
  • QUEIROZ, José Francisco Ferreira - "Aspectos históricos e decorativos dos edifícios portuenses da Fábrica de Cerâmica das Devesas". Actas do II Congresso "O Porto Romântico", Porto, Escola das Artes da Universidade Católica, 2016, p. 202-225.
  • QUEIROZ, José Francisco Ferreira - "Os catálogos da Fábrica das Devesas". Lisboa, Chiado Editora, 2016.

Ligações externasEditar