Fadrique de Toledo Osório

Militar e político espanhol

Fradique de Toledo Osório ou Fadrique Álvarez de Toledo y Mendoza, 1º Marquês de Valdueza (Nápoles, 30 de maio de 1580Madrid, 11 de dezembro de 1634), foi um nobre e almirante espanhol. Foi Cavaleiro da Ordem de Santiago e Capitão-General da Marinha Espanhola aos 37 anos.[1]

Fadrique de Toledo Osório
Nascimento Fadrique Álvarez de Toledo y Mendoza
30 de maio de 1580
Nápoles
Morte 11 de dezembro de 1634 (54 anos)
Madrid
Cidadania Espanha
Progenitores
  • Pedro de Toledo Osorio
Filho(s) Fadrique Álvarez de Toledo y Ponce de León
Ocupação político, militar,
Escudo de los Álvarez de Toledo.svg

VidaEditar

Ele nasceu em Nápoles como filho de Pedro de Toledo Osorio, 5º Marquês de Villafranca, então comandante em chefe do Exército Espanhol no Reino de Nápoles, e de Dona Elvira de Mendoza.

Serviu na frota espanhola sob o comando de seu pai e subiu rapidamente na hierarquia, assim como seu irmão mais velho García de Toledo Osorio, 6º Marquês de Villafranca. Em 1617, ele se tornou capitão-geral da Marinha do Mar Oceano, substituindo o falecido almirante Luis Fajardo.

Ele obteve várias vitórias contra os holandeses, em 1621 perto de Gibraltar e em 1623 no Canal da Mancha, bloqueando a costa holandesa. No mesmo ano, ele derrotou uma incursão moura perto de Gibraltar.

Em 1625 foi nomeado General de Portugal (na então união ibérica com a Espanha) e Capitão Geral do Exército do Brasil. Ele partiu para o Brasil à frente de uma frota composta por 34 navios espanhóis, 22 navios portugueses e 12 566 homens (três quartos eram espanhóis e o resto portugueses). Lá, ele reconquistou a estrategicamente importante cidade de Salvador da Bahia dos holandeses em 30 de abril de 1625.

Esta vitória seria decisivamente importante na Guerra Luso-Holandesa para expulsar os holandeses do Brasil nas próximas duas décadas.

Em 1629, ele comandou uma expedição espanhola que expulsou os colonizadores ingleses e franceses das ilhas de Saint Kitts e Nevis.

Por todas as suas vitórias, ele recebeu o título de Marquês de Villanueva de Valdueza em 17 de janeiro de 1624.[1]

 
A recuperação de 1 de maio de 1625 da cidade portuguesa de Salvador da Bahia pelas tropas espanholas e portuguesas comandadas pelo Capitão Geral da Frota Fadrique II de Toledo Osorio y Mendoza, uma pintura de Frei Juan Bautista Maíno para o Rei Filipe IV da Espanha ou Filipe III de Portugal. Museu do Prado, Madrid, Espanha. Don Fadrique II é o grande nobre "en bonpoint" que o apresenta ao rei Filipe IV e ao primeiro-ministro Gaspar de Guzmán, conde-duque de Olivares.

Casamento e filhosEditar

Don Fadrique casou-se em Madrid, em 12 de agosto de 1627, com sua prima Doña Elvira Ponce de León, filha de Don Luis Ponce de León, VI Marqués de Zahara e Doña Victoria Álvarez de Toledo.

Eles tiveram três filhos:

  • Dona Elvira de Toledo, casou-se com Dom Juan Gaspar Enríquez de Cabrera, 6º Duque de Medina de Rioseco;
  • Dona Victoria de Toledo, casou-se com seu primo Dom Francisco Ponce de León, 5º Duque de Arcos;
  • Don Fadrique Álvarez de Toledo Ponce de León, 2º Marquês de Valdueza, 7º Marquês de Villafranca e Grande de Espanha.

Don Fadrique também teve dois filhos ilegítimos:

  • Pedro Álvarez de Toledo, Abade do Real Mosteiro de Alcalá la Real, Jaén;
  • Íñigo de Toledo, que se casou com Leonor de Velasco, XI Condessa de Siruela.

ReferênciasEditar

  1. a b Hubbard, Vincent (2002). Uma História de São Cristóvão . Macmillan Caribbean. pp.  19–23 . ISBN 9780333747605

BibliografiaEditar

  • Bartolomeu Guerreiro, Jornada dos vassalos da coroa de Portugal, (1625)
  • Charles Ralph Boxer, Salvador de Sá e a luta pelo Brasil e Angola, 1602-1686, Companhia Editora Nacional, Editora da Universidade de São Paulo, 1973
  • Charles Ralph Boxer, Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602-1686, Greenwood Press, 1975, ISBN 0-8371-7411-2
  • JAQUES, TONY, Dictionary of Battles And Sieges, Greenwood Publishing Group, 2006, ISBN 0-313-33536-2