Abrir menu principal
Festina
Shirt festina cyclingteam.jpg
Informações
Estatuto
Equipa pro (-)
UCI Trade Team I (d) (-)Visualizar e editar dados no Wikidata
Disciplina
Países
Fundação
Extinção
Temporadas
2Visualizar e editar dados no Wikidata
Pessoas chave
Director(s) desportivo(s)
Designações anteriores
Lotus-Zahor
-
Lotus-Festina
-
Festina-Lotus
-
Festina
Equipamento
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
título

Festina foi uma equipa ciclista profissional de estrada, patrocinado pelo fabricante de relógios Festina. Inicialmente chamado Lotus-Zahor herdou a estrutura da equipa Hueso.

Índice

CronologiaEditar

 
Equipa Festina na Paris-Nice 1993
  • Em 1989, nasceu a equipa ciclista espanhola: Lotus-Zahor (herdeira de estrutura da Heuso). Lotus é a filial espanhola do fabricante de relógios Festina.
  • Em 1990, a equipa passa a chamar-se Lotus-Festina. Esta dupla denominação manter-se-ia durante bastante tempo: Lotus para as corrida em Espanha e Festina para o resto do mundo.
  • Em 1991, a equipa contrata o corredor português Acácio da Silva. A ele unir-se-ia ao ano seguinte um jovem prometedor espanhol: Abraham Olano.
  • Em 1992, a equipa participa no seu primeiro Tour de France.
  • Em 1993, a equipa muda de nacionalidade passando a ser andorrano. A equipa pode-se permitir o luxo de contratar a grandes ciclistas, como o irlandês Sean Kelly e o holandês Steven Rooks. Se afrancesa com a chegada do diretor desportivo Bruno Roussel e com corredores como Richard Virenque, Pascal Lino ou Thierry Marie.
  • Mas não foi até 1994 quando a equipa se converteu verdadeiramente em francês. Bruno Roussel subiu em reputação e nomes de corredores franceses chegaram para reforçar a equipa, entre os quais Luc Leblanc conseguiria nesse mesmo ano o Campeonato do mundo.
  • Nos anos seguintes seriam os da Virenquemania e permitiram a Festina forjar-se uma forte notoriedade ante o grande público. Assim, Virenque obtém o título de melhor escalador do Tour de France 4 vezes consecutivas, entre 1994 e 1997, e termina no pódio em 1996 e 1997. Festina conseguiu a 'classificação por equipas' em 1994 e 1996.
  • Em 1997, Laurent Brochard consegue o Campeonato do mundo.
  • Em 1998, a equipa Festina é reconhecido como "o mais forte do mundo", com o reforço da estrela suíça Alex Zülle. Mas em pleno Tour de France, a equipa vê-se imerso num dos maiores casos de doping da história do ciclismo.
  • Em 1999, seguindo com a mesma tónica, a equipa muda de cara (Virenque, Zulle e Roussel abandonam a disciplina da equipa).
  • Em 2000, a equipa voltou a brilhar no Tour de France, graças à jovem promessa espanhola Joseba Beloki, quem precedeu a seu líder, Christophe Moreau, no terceiro lugar do pódio de Paris.
  • Em 2001, durante a última temporada de Festina no seio do pelotão profissional, a equipa ganhou a Vuelta com Ángel Casero, e Christophe Moreau levou o maillot amarelo alguns dias no Tour de France.

Corredor melhor classificado nas Grandes VoltasEditar

Classificações UCIEditar

A União Ciclista Internacional elaborava o Ranking UCI de classificação dos ciclistas e equipas profissionais.

Até o ano 1998, a classificação da equipa e de sua ciclista mais destacado foi a seguinte:[1][2]

Ano Classificação por equipas Melhor corredor na classificação individual Posição
1995 11º Richard Virenque 12º
1996 Richard Virenque
1997 Richard Virenque 14º
1998 Alex Zülle

A partir de 1999 e até 2004 a UCI estabeleceu uma classificação por equipas divididas em três categorias (primeira, segunda e terceira). A classificação da equipa e de sua ciclista mais destacado foi a seguinte:[1][2]

Ano Categoria Classificação por equipas Melhor corredor na classificação individual Posição
1999 Primeira 15º Wladimir Belli 16º
2000 Primeira 10º Christophe Moreau 21º
2001 Primeira 13º Christophe Moreau 31º

PalmarésEditar

Principais vitóriasEditar

ElencoEditar

Referências

  1. a b memoire-du-cyclisme.net (ed.). «Classificações FICP, UCI, UCI ProTour e UCI World Ranking (de 1986 a 2009)» (em francês). Consultado em 28 de março de 2012 
  2. a b UCI (ed.). «UCI Rankings» (em inglês). Consultado em 13 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 19 de agosto de 2011