Leiomioma do útero

(Redirecionado de Fibromioma uterino)
Leiomioma do útero
Leiomiomas do útero observados durante uma laparoscopia
Sinónimos Mioma do útero, fibromioma do útero
Especialidade Ginecologia
Sintomas Períodos menstruais dolorosos ou abundantes[1]
Complicações Infertilidade[1]
Início habitual De meados ao fim da idade fértil[1]
Causas Desconhecidas[1]
Fatores de risco Antecedentes familiares, obesidade, consumo de carne vermelha[1]
Método de diagnóstico Toque vaginal, exames imagiológicos[1]
Condições semelhantes Leiomiossarcoma, gravidez, quisto do ovário, cancro do ovário[2]
Tratamento Medicação, cirurgia, embolização das artérias uterinas[1]
Medicação Ibuprofeno, paracetamol, suplementos de ferro, agonistas da hormona libertadora de gonadotrofina[1]
Prognóstico Melhoria após a menopausa[1]
Frequência ~50% das mulheres por volta dos 50 anos[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 D25
CID-9 218.9
OMIM 150699
DiseasesDB 4806
MedlinePlus 000914
eMedicine radio/777
MeSH D007889
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Leiomiomas do útero são tumores benignos do músculo liso do útero.[1] A maior parte das mulheres não manifesta sintomas, enquanto em outras podem ocorrer períodos menstruais dolorosos ou abundantes.[1] Os leiomiomas de maior dimensão podem exercer pressão na bexiga, causando vontade de urinar frequente.[1] Podem também causar dor durante o sexo ou dor na parte inferior das costas.[1][3] É possível ter um ou mais leiomiomas.[1] Em alguns casos, os leiomiomas podem tornar dificultar engravidar, embora seja pouco comum.[1]

Não é clara a causa exata dos leiomiomas uterinos.[1] No entanto, são comuns os casos entre famílias e são parcial determinados pelos níveis hormonais.[1] Os fatores de risco incluem obesidade e o consumo de carne vermelha.[1] O diagnóstico pode ser feito mediante toque vaginal ou exames imagiológicos.[1]

Quando não se manifestam sintomas geralmente não é necessário tratamento.[1] A dor pode ser aliviada com paracetamol e as hemorragias com anti-inflamatórios não esteroides como o ibuprofeno.[1][4] Em mulheres com períodos abundantes podem ser necessários suplementos de ferro.[1] Os medicamentos da classe dos agonistas da hormona libertadora de gonadotrofina podem diminuir o tamanho dos leiomiomas, embora sejam caros e estejam associados a efeitos adversos.[1] Nos casos de sintomas mais graves, pode ser considerada cirurgia para remover os leiomiomas ou o útero[1] ou cirurgia para embolização das artérias uterinas.[1] Os leiomiomas malignos denominam-se leiomiossarcomas, embora sejam muito raros e não aparentem formar-se a partir de leiomiomas benignos.[1][5]

Cerca de 20% a 80% das mulheres por volta dos 50 anos de idade desenvolvem leiomiomas do útero.[1] Estima-se que em 2013 a condição afetasse 171 milhões de mulheres em todo o mundo.[6] Os leiomiomas são mais comuns entre meados e o fim da idade fértil.[1] Geralmente diminuem de tamanho após a menopausa.[1] A condição é uma das mais frequentes causas de remoção cirúrgica do útero.[7]

Sinais e sintomasEditar

Miomas pequenos não causam sintomas, porém os grandes e numerosos podem causar, dependendo do local onde estão[8]:

  • Longos períodos menstruais com muito sangramento e às vezes com coágulos de sangue;
  • Dor e pressão na pélvis;
  • Dor nas costas e nas pernas;
  • Dor durante a relação sexual;
  • Compressão da bexiga levando a uma necessidade freqüente de urinar;
  • Compressão de um ou ambos ureteres, causando hidronefrose;
  • Compressão sobre o intestino, levando a constipação e distensão abdominal.

O sangramento excessivo pode causar anemia e deficiência de ferro. Pode dificultar a gravidez e causar infertilidade, especialmente quando associado a endometriose.

CausasEditar

Mutações específicas da proteína MED12 foram observados em 70% dos miomas. As hipóteses sobre a causa incluem predisposição genética, exposição hormonal pré-natal, efeitos dos hormônios e fatores de crescimentos e xenoestrógenos (estrógenos artificiais) podem causar o crescimento desses miomas.[9]

Fatores de risco incluem[9]:

DiagnósticoEditar

Enquanto um exame clínico e apalpar o local normalmente pode identificar a presença de miomas grandes, uma ultrassonografia ginecológica (ultrassom) se tornou a ferramenta padrão para avaliar os leiomiomas. A ultra-sonografia mostra os miomas como massas focais com uma textura heterogênea formando uma sombra incomum. Assim, a localização pode ser determinada e as dimensões da lesão medidas. Porém, ressonância magnética (MRI) é melhor para definir o tamanho e localização dos miomas dentro do útero, detectar comorbidades e para definir o melhor tratamento.[10]

TratamentoEditar

Nem sempre os miomas causam queixas , podendo simplesmente estarem presentes em exames de rotina ginecológicos , quando ocorrem os sintomas ,existem diversas opções de tratamento, cada uma com suas vantagens e desvantagens, indicações e contra-indicações. Os leiomiomas tendem a reduzir com a menopausa e medicamentos devem ter prioridade antes de uma cirurgia. Exemplos de tratamentos incluem[10][11]:

E como última opção, se os outros tratamentos falharem pode-se remover o útero (histerectomia).

É importante o consumo de uma dieta rica em ferro para evitar ou remediar uma anemia.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad «Uterine fibroids fact sheet». Office on Women's Health. 15 de janeiro de 2015. Consultado em 26 de junho de 2015. Cópia arquivada em 7 de julho de 2015 
  2. Ferri, Fred F. (2010). Ferri's differential diagnosis : a practical guide to the differential diagnosis of symptoms, signs, and clinical disorders 2nd ed. Philadelphia, PA: Elsevier/Mosby. p. Chapter U. ISBN 978-0323076999 
  3. «Uterine Fibroids | Fibroids | MedlinePlus» (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2018 
  4. Kashani, BN; Centini, G; Morelli, SS; Weiss, G; Petraglia, F (julho de 2016). «Role of Medical Management for Uterine Leiomyomas.». Best Practice & Research. Clinical Obstetrics & Gynaecology. 34: 85–103. PMID 26796059. doi:10.1016/j.bpobgyn.2015.11.016 
  5. Wallach EE, Vlahos NF (2004). «Uterine myomas: an overview of development, clinical features, and management». Obstet Gynecol. 104 (2): 393–406. PMID 15292018. doi:10.1097/01.AOG.0000136079.62513.39 
  6. Global Burden of Disease Study 2013, Collaborators (5 de junho de 2015). «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 301 acute and chronic diseases and injuries in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 386 (9995): 743–800. PMC 4561509 . PMID 26063472. doi:10.1016/S0140-6736(15)60692-4 
  7. Wallach EE, Vlahos NF (agosto de 2004). «Uterine myomas: an overview of development, clinical features, and management». Obstet Gynecol. 104 (2): 393–406. PMID 15292018. doi:10.1097/01.AOG.0000136079.62513.39 
  8. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/uterine-fibroids/basics/symptoms/con-20037901
  9. a b Okolo S (2008). "Incidence, aetiology and epidemiology of uterine fibroids". Best practice & research. Clinical obstetrics & gynaecology 22 (4): 571–588. doi:10.1016/j.bpobgyn.2008.04.002. PMID 18534913.
  10. a b http://www.sirweb.org/patients/uterine-fibroids/
  11. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/uterine-fibroids/basics/treatment/con-20037901