Abrir menu principal

Wikipédia β

Translation arrow.svg
Este artigo ou secção resulta, no todo ou em parte, de uma tradução do artigo «Sons of God» na Wikipédia em inglês, na versão original. Você pode incluir conceitos culturais lusófonos de fontes em português com referências e inseri-las corretamente no texto ou no rodapé. Também pode continuar traduzindo ou colaborar em outras traduções. Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Existem várias teorias relativas à identidade dos Filhos de Deus (benei ha elohim, בני האלהים, contrastando com "filhas dos homens") identificadas no livro de Gênesis.

"Quando os homens começaram a aumentar em número na terra e filhas nasceram para eles, os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram bonitas, e eles casaram algum deles que escolheram."(Genesis 6:1)

Índice

TeoriasEditar

Uma teoria é que os filhos de Deus são os descendentes de Seth, a descendência abençoada de Adão. As filhas de homens, em seguida, são vistas como os descendentes de Caim. Esta é a opinião dada pelo livro pseudepigrafo: Conflito de Adão e Eva com Satanás.

Uma segunda teoria é que os filhos de Deus são anjos, que vieram à terra e tiveram filhos com as filhas dos homens. Esta opinião é corroborada pela epístola de Judas:

E os anjos que não mantiveram as suas posições de autoridade mas abandonaram a sua própria casa. Ele tem esses mantidos no escuro, vinculados com eterna cadeias de julgamento sobre o grande dia.(Judas 1:6)

Este ponto de vista é também baseado no Livro de Enoque.

Uma terceira teoria gira em torno do fato de que "elohim" literalmente significa "poder" e é, por vezes, utilizado na Bíblia para se referir a governantes humanos.

Uma quarta teoria diz respeito a "filhos de Deus" para os 70 filhos de El e Atirate na tradição cananeia do Ugarite, a partir de cujo casamento com as titânides (as filhas do homem), as 70 nações da terra nasceram. Cada cidade ou pessoas tiveram, portanto, a sua própria divindade, com quem tinha um pacto especiai (isto é Baal Berite = Senhor do Pacto). Este casamento da divindade com as cidades que parece ter paralelos bíblicos também com as histórias da ligação entre Melcarte e Tiro, Javé e Jerusalém; Chemoche e Moabe, Tanit e Baal com Cartago, e pode ter sido celebrada anualmente após o ano novo com um hieros gamos ou Sagrado casamento, em que um Qadeshtu (Holy One) assumiu o papel de consorte do Deus, representando a cidade.[1][2][3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. [1]
  2. Moscati, Sabatino (2000), "Os fenícios" (Rizzoli International)
  3. Delcor, Matthias (1976), "Religião D'Israël Et Proche Orient Ancien: Des Phéniciens Aux Esséniens" (Brill Internacional Publicações)

Ligações externasEditar