Abrir menu principal

Filipe IV de Espanha

Rei de Espanha entre 1621 e 1665, e de Portugal entre 1621 e 1640
(Redirecionado de Filipe IV da Espanha)
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde novembro de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Filipe IV
Retrato por Diego Velázquez, c. 1644
Rei da Espanha, Nápoles, Sardenha e Sicília
Reinado 31 de março de 1621
a 17 de setembro de 1665
Antecessor(a) Filipe III
Sucessor(a) Carlos II
Rei de Portugal e Algarves
Reinado 31 de março de 1621
a 1 de dezembro de 1640
Predecessor Filipe II
Sucessor João IV
 
Esposas Isabel da França
Maria Ana da Áustria
Descendência Baltasar Carlos, Príncipe das Astúrias
Maria Teresa
Margarida Teresa de Áustria
Filipe Próspero, Príncipe das Astúrias
Carlos II de Espanha
Casa Habsburgo
Nome completo
Filipe Domingo Vítor da Cruz
Nascimento 8 de abril de 1605
  Valladolid, Espanha
Morte 17 de setembro de 1665 (60 anos)
  Madrid, Espanha
Enterro Mosteiro e Sítio do Escorial, San Lorenzo de El Escorial, Espanha
Pai Filipe III de Espanha
Mãe Margarida da Áustria
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Filipe IV

Filipe IV (Valladolid, 8 de abril de 1605Madrid, 17 de setembro de 1665) Cognominado "O Grande" foi o Rei da Espanha de 1621 até sua morte, e também Rei de Portugal e Algarves como Filipe III até o início da Guerra da Restauração em 1640. Filipe é lembrado por seu patrocínio das artes, principalmente do pintor Diego Velázquez, e por governar o Império Espanhol durante o período da Guerra dos Trinta Anos.

VidaEditar

Nasceu em Valladolid e morreu em Madrid e teve os cognomes de o Gordo, El Grande, o Rei Planeta. Foi, como Filipe III, rei de Portugal, de Nápoles, da Sicília, rei titular de Jerusalém, rei da Sardenha. Príncipe das Astúrias, aclamado rei de Espanha em 31 de março de 1621 aos 16 anos. Rei dos Países Baixos, foi Duque de Milão, Conde da Borgonha e Conde de Charolais, Conde de Artois.

Reinou 44 anos. Envolvida em guerras, a Espanha teve momentos difíceis. No Brasil, em 1621, favoreceu a divisão em dois Estados: o Estado do Brasil, com as capitanias ao sul do Rio Grande do Norte atual, e o Estado do Maranhão, do cabo São Roque à Amazónia.

Entregue aos dez anos ao homem forte do reino, D. Gaspar Filipe de Guzmán, conde-duque de Olivares, cuja queda aconteceria em 17 de janeiro de 1643. Adepto de política centralizadora e de submissão das províncias espanholas ao governo de Madrid, com Olivares aumentou o descontentamento de Portugal[carece de fontes?]. Depois, seu valido até 1661 foi Luís de Haro, sobrinho de Olivares.

Em 14 de julho de 1619 foi jurado príncipe de Portugal. No começo do reinado, chamou D. Gaspar de Guzmán, fez dele conde-duque de Olivares, seu Ministro e homem forte, em que depositava a maior confiança e a quem encomendou a administração. Os portugueses aceitaram de bom grado a demissão do marquês de Alenquer, vice-rei de Portugal, substituindo-o por uma junta de três membros, composta do Conde de Basto, D. Nuno Álvares Portugal e o bispo de Coimbra. Promulgou decretos sobre bens da Coroa, sobre a fiscalização financeira, que feriam os interesses do povo e provocaram indignação; arrancou tributos, a título de subsídios voluntários, ameaçou fechar outra vez os Portos do Reino aos holandeses, medidas que contribuíram para a ruína de Portugal, que esperara lucrar com a atividade do novo ministro.

A trégua com as Províncias Unidas estava concluída, e a luta recomeçava, não muito desvantajosa, na Europa, onde Spínola mantinha o prestígio das armas da Espanha.

As colónias portuguesas eram menos protegidas que as de Espanha. Em 1623, Ormuz caiu em poder dos persas auxiliados pelos ingleses; em 1624, os holandeses tomaram a Bahia; Macau e a Mina repeliram os holandeses, e a Bahia foi reconquistada em 1625 por uma forte esquadra que Olivares mandou aprestar. A França, porém, aliara-se aos protestantes da Alemanha, à Dinamarca e à Holanda, e um dos planos dos aliados era o enfraquecimento da Espanha pelos repetidos assaltos às suas colónias pelas esquadras holandesas. Olivares aumentou os impostos aos diversos reinos. Olivares de tal forma o oprimiu que o povo se revolucionou. Os governadores do reino, o Conde de Basto e D. Afonso Furtado de Mendonça protestaram contra os tributos e vexações. As ordens de Olivares tinham executores em Diogo, secretário do conselho de Portugal em Madrid, e no seu parente, Miguel de Vasconcelos, nomeado escrivão de fazenda e secretário de Estado de Portugal, quando a Duquesa de Mântua, parenta do rei, foi nomeada em 1631 vice-rainha de Portugal.

A política europeia estava marcada pela influência dos cardeais Mazarino e Richelieu, que procuraram quebrar a hegemonia de Espanha na Europa. Neste período se reacendeu a guerra da Espanha com as Províncias Unidas. Apesar de todas as medidas de Filipe IV, o poderio da Holanda tornava-se cada vez maior, como o demonstra a criação da Companhia das Índias Ocidentais em 1621. Não é de estranhar, portanto, o interesse dos holandeses pelo Brasil, que levou à conquista da Bahia em 1624 e de Pernambuco em 1630. Um pouco mais tarde, os Ingleses apoderaram-se também da ilha da Jamaica.

Vasconcelos tornou-se impopular aos portugueses. Os impostos eram cada vez maiores. Olivares tivera a ideia de obrigar os portadores de títulos de divida publica a um empréstimo forçado, mandando que os tesoureiros das alfândegas retivessem um trimestre de juros aos portadores, a quem os pagavam. Com esta simplicidade entendia também Vasconcelos que se deviam cobrar os tributos. Em Évora ocorreram tumultos. O movimento propagou-se no Alentejo, Algarve, Porto e em alguns pontos do Minho.

Restauração de PortugalEditar

 
Filipe IV enquanto caçador
Por Diego Velásquez
c.1633-1636, Museu do Prado

Em 1640, Portugal restaurou a independência de Espanha através de um golpe organizado por parte da nobreza do reino, descontente com o domínio espanhol. Seria posta no trono outra dinastia, iniciada por D.João IV, o duque de Bragança.

A tirania do governo do duque de Olivares foi uma das causas das revoltas na Catalunha e em Portugal[carece de fontes?]. O descontentamento dos portugueses tinha levado o duque a colocar à frente do governo de Portugal a duquesa de Mântua, sendo secretário desta Miguel de Vasconcelos. Em 1 de dezembro de 1640 estalou a revolta em Lisboa, tendo rapidamente alastrado ao resto do reino. A 15 do mesmo mês de dezembro foi coroado D. João como rei de Portugal. Filipe IV procurou ainda impedir a revolução, entrando numa guerra com Portugal que terminou em 1668.

Portugal encontrava-se descontente, no reino atribuía-se-lhe o cognome de O Opressor[carece de fontes?]. As frotas eram atacadas no mar por piratas e corsários, causando grande prejuízo e registaram-se ataques às colónias em África, na Ásia e também no Brasil.

A Companhia das Índias Ocidentais, criada pelos holandeses, invadiu o Brasil em 1624 conquistando a cidade de Salvador e por lá permanecendo durante quase um ano, até à reconquista levada a cabo por uma armada ibérica em 1625. Em 1630, Pernambuco caiu nas mãos da mesma Companhia e, no ano seguinte, Recife e Olinda, que passaram a ser administrados por Maurício de Nassau. Goa, Macau, Angola e Guiné eram sítios onde se sentia a pressão dos holandeses.

Para sustentar as guerras no Brasil, na Índia e na costa africana, à par das demais contendas em que o império estava envolvido, Olivares fez aumentar os impostos e os portugueses se sentiam explorados. A revolta cresceu, sobretudo com os rumores de que o dinheiro desaparecia na construção do Palácio do Bom Retiro, nos arredores de Madrid. Surgem tumultos. Em Évora, a 21 de agosto de 1637, o povo amotinou-se contra os aumentos dos impostos e, para ocultar os impulsionadores da revolta, as ordens aparecem assinadas pelo "Manuelinho". Noutros pontos do reino, o motim de Évora fez eco do descontentamento geral e levantaram-se tumultos.

 
Retrato de Filipe IV
Por Diego Velásquez, 1656, National Gallery

O recrutamento de homens para auxiliar o exército espanhol na revolta da Catalunha e de parte da nobreza para acompanhar o rei nas Cortes de Aragão e Valência fora importante em Lisboa, facilitando a ação do pequeno grupo liderado pelo que seria D. João IV. Em 1 de dezembro de 1640, um grupo denominado de Os Conjurados invadiu o Palácio da Ribeira, residência da Duquesa de Mântua e matou a tiros Miguel de Vasconcelos, ao serviço dos espanhóis. É então consumada a Restauração do Reino, acabando-se o poder da dinastia Filipina em Portugal. A notícia do sucedido chegou a Madrid sete dias após a sublevação, enquanto continuava uma revolta na Catalunha. A 15 de dezembro de 1640, o Duque de Bragança foi aclamado publicamente D. João IV, rei de Portugal.

Olivares foi substituído por D. Luís de Haro. Deram-se em seguida grandes batalhas, como as das Linhas de Elvas, do Ameixial, de Castelo Rodrigo, terminando a campanha. da Independência com a de Montes Claros, em 1665. Filipe faleceu nesse mesmo ano, pouco depois desta batalha.

Casamentos e descendênciaEditar

  1. Maria Margarida de Áustria (14 de Agosto de 1621 - 15 de Agosto de 1621)
  2. Margarida Maria Catarina de Áustria (25 de Novembro de 1623 - 22 de Dezembro de 1623)
  3. Maria Eugênia de Áustria (21 de Novembro de 1625 - 21 de Julho de 1627)
  4. Isabel Maria Teresa de Áustria (31 de Outubro de 1627 - 1 de Novembro de 1627)
  5. Baltasar Carlos de Áustria, Príncipe das Astúrias (17 de Outubro de 1629 - 9 de Março de 1646)
  6. Francisco Fernando de Áustria (12 de Março de 1634 - 12 de Março de 1634)
  7. Maria Ana Antônia de Áustria (17 de Janeiro de 1636 - 5 de Dezembro de 1636)
  8. Maria Teresa de Áustria (20 de Setembro de 1638 - 30 de Julho de 1683), casada com Luís XIV, rei de França.
  • Casou-se por segunda vez em Navalcarnero no outono de 1649 com sua sobrinha carnal (30 anos mais jovem) Mariana de Áustria, filha do Imperador do Sacro Império Fernando III e da Infanta Maria Ana de Áustria, sua irmã. Tinha sido noiva de seu filho o infante Baltasar Carlos. Tiveram cinco filhos dos quais três varões:
  1. Margarida Teresa de Áustria (12 de julho de 1651 - 12 de março de 1673)
  2. Maria Ambrósia da Conceição de Áustria (7 de dezembro de 1655 - 21 de dezembro de 1655)
  3. Filipe Próspero de Áustria, Príncipe das Astúrias (28 de novembro de 1657 - 1 de novembro de 1661)
  4. Tomás de Áustria (23 de dezembro de 1658 - 22 de outubro de 1659)
  5. Carlos II de Espanha (6 de novembro de 1661 - 1 de novembro de 1700)

Filhos bastardos:

  • 1 - Fernando Francisco Isidro de Áustria (1621-1629) com a jovem filha do Conde de Chirel, que o rei enviara à Itália.
  • 2 - D. Ana Margarida de São José, encerrada em convento agostiniano, o mosteiro da Encarnação, do qual foi superiora e onde morreu aos 22 anos.
  • 3 - D. João José de Áustria.
  • 4 - Alonso Antonio de San Martin, Bispo de Oviedo; filho de uma dama da rainha, Tomasa Aldama.
  • 5 - Juan Cosío, religioso agustino;
  • 6 - Margarida de São José, descalça carmelita, superiora do Real Mosteiro da Encarnação (morta em 1682).
  • 7 - D. Alfonso Henriques de Santo Tomás (1633-30 de julho de 1692) dominicano que chegou a Bispo de Malaga e Inquisidor Geral de Espanha;
  • 8 - D. Hernando Gonzalez Baldez (morto em 6 de fevereiro de 1702) Governador de Novara, General de Artilharia do Estado de Milão.
  • 9 - Juan del Sacramento, pregador da Ordem de Santo Agostinho.
  • 10 - D. Carlos Fernando Valdés ou de Áustria, governador da Navarra.
  • 11- D. Ana Maria, também filha da atriz Maria Calderón.

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filipe IV de Espanha
Filipe IV de Espanha & III de Portugal
Casa de Habsburgo
8 de abril de 1605 – 17 de setembro de 1665
Precedido por
Filipe III & II
 
Rei da Espanha, Nápoles, Sardenha e Sicília
31 de março de 1621 – 17 de setembro de 1665
Sucedido por
Carlos II
 
Rei de Portugal e Algarves
31 de março de 1621 – 1 de dezembro de 1640
Sucedido por
João IV
  Este artigo sobre um Rei da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.