Firmamento

Na cosmologia bíblica, o firmamento é o vasto domo sólido criado por Deus no segundo dia de sua criação do mundo para dividir as águas primordiais em porções superiores e inferiores para que a terra seca pudesse aparecer.[1][2] O conceito foi adotado nos modelos clássicos e medievais subsequentes de esferas celestiais, mas foi abandonado com os avanços da astronomia durante os séculos XVI e XVII. Atualmente, permanece como um sinônimo de "céu" ou "paraíso".

Concepção hebraica primitiva do cosmos. O firmamento, Sheol e Tehom são retratados.
O sol, planetas e anjos e o firmamento. Xilogravura datada de 1475

EtimologiaEditar

Em inglês, a palavra "firmamento" é registrada já em 1250, na Middle English Story of Genesis and Exodus.

Mais tarde, apareceu na Bíblia King James. A mesma palavra é encontrada nas traduções da Bíblia em francês e alemão, todas do latim firmamentum (um objeto firme), usado na Vulgata (século IV).[3] Este por sua vez é um calque do grego στερέωμᾰ (steréōma), também significando uma estrutura sólida ou firme (grego στερεός = rígido), que aparece na Septuaginta, a tradução grega feita por estudiosos judeus por volta de 200 aC.

Todas essas palavras traduzem a palavra Hebraico Bíblico rāqīaʿ ('רָקִ֫יעַ‎), usado por exemplo em Gênesis 1.6, onde é contrastado com shamayim (שָׁמַיִם‎), traduzido como "céu" em Gênesis 1.8. Rāqīaʿ deriva da raiz rq (רָקַע), que significa "bater ou espalhar-se finamente".[4][5] Gerhard von Rad explica:

Rāqīaʿ significa aquilo que é firmemente martelado, estampado (uma palavra da mesma raiz em fenício significa "prato de lata"!). O significado do verbo rq refere-se ao martelar da abóbada do céu em firmeza (Isa. 42.5; Sl.136.6). A Vulgata traduz rāqīa como firmamentum, e essa continua sendo a melhor tradução.
— Gerhard von Rad [6]

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: Cosmologia bíblica
 
A Gravura Flammarion (1888) retrata um homem rastejando sob a borda do firmamento, representado como se fosse um hemisfério sólido, para olhar o misterioso além. A legenda abaixo da gravura (não mostrada aqui) se traduz em "Um missionário medieval conta que encontrou o ponto onde o céu e a Terra se encontram..."

Os antigos hebreus, como todos os povos antigos do Oriente Próximo, acreditavam que o céu era uma cúpula sólida com o Sol, a Lua, planetas e estrelas embutidos nele.[7] Por volta dos séculos IV a III a.C, os gregos, sob a influência de Aristóteles, que argumentavam que os céus deveriam ser perfeitos e que uma esfera era a figura geométrica perfeita, trocaram isso por uma Terra esférica cercada por esferas sólidas. Este se tornou o modelo dominante na visão de mundo clássica e medieval, e mesmo quando Copérnico colocou o Sol no centro do sistema, ele incluiu uma esfera externa que continha as estrelas (e fazendo a Terra girar diariamente em seu eixo, permitiu que o firmamento ficasse completamente estacionário). Os estudos de Tycho Brahe sobre a nova de 1572 e o Grande Cometa de 1577 foram os primeiros grandes desafios à ideia de que os orbes existiam como objetos materiais sólidos, incorruptíveis[8], e em 1584, Giordano Bruno propôs uma cosmologia sem firmamento: um universo infinito no qual as estrelas são realmente sóis com seus próprios sistemas planetários.[9] Depois que Galileu começou a usar um telescópio para examinar o céu, tornou-se mais difícil argumentar que os céus eram perfeitos, como exigia a filosofia aristotélica, e em 1630 o conceito de orbes sólidos não era mais dominante.[8]

Ver tambémEditar

CitaçõesEditar

  1. Pennington 2007, p. 42.
  2. Ringgren 1990, p. 92.
  3. «Online Etymology Dictionary – Firmament». Consultado em 25 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2012 
  4. Brown, Francis; Driver, S.R.; Briggs, Charles A. (1951). A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament. [S.l.]: Oxford University Press  p. 955.
  5. «Lexicon Results Strong's H7549 – raqiya'». Blue Letter Bible. Blue Letter Bible. Consultado em 4 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2011 
  6. von Rad 1961, p. 53.
  7. Seely, Paul H. (1991). «The Firmament and the Water Above» (PDF). Westminster Theological Journal. 53: 227–40. Consultado em 2 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 5 de março de 2009 
  8. a b Grant 1996, p. 349.
  9. Giordano Bruno, De l'infinito universo e mondi (On the Infinite Universe and Worlds), 1584.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Wikcionário tem o verbete firmamento.