Flávio Migliaccio

ator brasileiro
Flávio Migliaccio
Migliaccio em cena do filme Aventuras com Tio Maneco (1971).
Nascimento 26 de agosto de 1934
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Morte 4 de maio de 2020 (85 anos)
Rio Bonito, RJ
Ocupação
Atividade 1953–2020
Parentesco Dirce Migliaccio (irmã)

Flávio Migliaccio (São Paulo, 26 de agosto de 1934Rio Bonito, 4 de maio de 2020) foi um ator, produtor, diretor e roteirista brasileiro.[1][2] Tornou-se conhecido pelos personagens Tio Maneco dos filmes Aventuras com Tio Maneco e Maneco, O Super Tio, e Xerife da novela O Primeiro Amor e do seriado infantil Shazan, Xerife & Cia.

BiografiaEditar

Flávio Migliaccio nasceu na cidade de São Paulo, no bairro do Brás. Foi um dos dezessete filhos de Domingos Migliaccio e Jandira Machado,[3] entre eles a atriz e comediante Dirce Migliaccio, morta em 2009.[4]

Casado com Yvonne Migliaccio, e pai do jornalista Marcelo Migliaccio , Flávio iniciou a carreira atuando em peças de teatro na periferia de São Paulo, onde logo descobriu a sua veia cômica. Participou de um grupo de teatro da igreja de Tucuruvi, onde ficou por três anos, até chegar a ator principal e diretor. Como precisava ganhar dinheiro, teve que arrumar outras ocupações, trabalhando como balconista e mecânico.[5] Em 1954, depois de fazer o curso de teatro do diretor italiano Ruggero Jacobbi, começou a carreira de ator profissional no Teatro de Arena. Seu primeiro papel foi o de um cadáver, na peça Julgue Você.[1]

Aos 25 anos, estreou no cinema em O Grande Momento, de Roberto Santos. Atuaria também em clássicos do cinema brasileiro como Cinco Vezes Favela, A Hora e a Vez de Augusto Matraga, Terra em Transe e Todas as Mulheres do Mundo. Flávio era conhecido pelo seu personagem Xerife na série de TV brasileira Shazan, Xerife e Cia., e pelo papel de Tio Maneco, na série exibida pela TVE. Na Rede Globo, destacou-se pelos trabalhos nas novelas Rainha da Sucata, Perigosas Peruas, A Próxima Vítima, Vila Madalena, Senhora do Destino, Passione entre outras.

Flávio ganhou um processo contra a TVE (sucedida pela Acerp - Associação de Comunicação Educativa Roquete Pinto), e que já tramitava na Justiça havia mais de vinte anos, pela destruição de quatrocentos capítulos da série "Tio Maneco", que estrelou. A indenização seria pela perda do acervo e por danos morais. No entanto, morreu antes de receber a indenização. Já tinha ganho a causa, mas o processo estava na fase de cálculo do valor por um perito. Segundo seu advogado, a Acerp pediu a anulação da ação, mas em havendo a apresentação de um sucessor legal no processo, este seria habilitado a receber a indenização. Esse sucessor seria o único filho do ator, Marcelo Migliaccio.[6]

MorteEditar

O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Morre o ator Flávio Migliaccio

O ator foi encontrado morto em seu sítio, na localidade da Serra do Sambê, no município fluminense de Rio Bonito.[7] A informação da morte foi confirmada pelo 35.º Batalhão da Polícia Rodoviária (BPRv) da Polícia Militar do Rio de Janeiro. O boletim de ocorrência foi registrado como suicídio.[8] Segundo o boletim, o artista teria se enforcado com uma corda.[9] Em sua residência foi encontrada uma nota de suicídio que dizia:[10]

ReaçõesEditar

O ator Lima Duarte divulgou no dia seguinte em um vídeo, que "entendia a atitude de Migliaccio", lembrando os trabalhos que fizeram juntos e dos "momentos difíceis" durante o período da ditadura militar. Lima contextualizou aquele período, o comparando à situação política atual pela qual passa o país.[11]

No vídeo, Lima Duarte também citou o trecho de uma peça do escritor alemão Bertolt Brecht: "Aqueles que lavam as mãos (...) fazem isso em uma bacia de sangue".[12]

TeatroEditar

Principais peças:[1]

Ano Título
A Revolução na América do Sul, de Augusto Boal
Eles não usam black-tie, de Gianfrancesco Guarnieri
Chapetuba Futebol Clube, de Oduvaldo Vianna Filho
1999 Os Ratos do Ano 2030
Pintando de Alegre, autoria própria
2011/2012 O Criador de Monstros, com João Gabriel Balbi

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Personagem Nota Emissora
1958–59 Grande Teatro Tupi Rede Tupi
1972 O Primeiro Amor Xerife Rede Globo
Shazan, Xerife e Cia.
1974 Corrida do Ouro Sérgio
1975 O Grito Osvaldo
1976 Duas Vidas Túlio
O Casarão Coringa
1977 O Astro Nestor da Silva (Neco)
1979 Pai Herói Genésio Camargo
1980 Chega Mais Taxista, amigo de seu Souza
1981 Viva o Gordo
1981–85 As aventuras de Tio Maneco Maneco TVE Brasil
1982 Chico Anysio Show Rede Globo
1983 Parabéns pra Você Valdir
1989 O Salvador da Pátria Nilo Assunção
1990 Rainha da Sucata Osvaldo Moreiras (Seu Moreiras)
1991 O Sorriso do Lagarto Cornélio
1992 Perigosas Peruas Venâncio Falcão
1992–99 Você Decide 5 episódios
1994 Incidente em Antares Gerônico Albuquerque (Padre Gerônico)
1995 A Próxima Vítima Vitório Giovanni (Vitinho)
Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados Piragibe Sandini (Comissário Piragibe)
1996 Quem É Você? Seu Jacinto
Caça Talentos Jazão
1997 O Amor Está no Ar Peninha
Sai de Baixo Pestana Eps: "Quem Não Tem Cão Casa com Gato"
1998 Era uma Vez... Xerife
Torre de Babel Caju
1999 Chiquinha Gonzaga Vaga-Lume
Vila Madalena Ângelo Xavier
2001 As Filhas da Mãe Barnabé
Brava Gente Anquilostom
2002 Pastores da Noite Alonso
2004 Sítio do Picapau Amarelo Iaú
Clara e o Chuveiro do Tempo Vô Teodoro
Senhora do Destino Jacques Pedreira (Seu Jacques)
2005 América Velmiro
2006 Clara e o Chuveiro do Tempo
2006 Sítio do Picapau Amarelo Eremita
2007 Sete Pecados Nino de Souza
Duas Caras Jacques Pedreira (Seu Jacques)
2008 Casos e Acasos Olavo
2009 Caminho das Índias Karan Ananda
Chico e Amigos Antônio
2010 Passione Fortunato da Silva
2011–15 Tapas & Beijos Seu Chalita Al Aragón
2016 Êta Mundo Bom! Dr. Josias da Conceição[13]
2018 Malhação: Vidas Brasileiras Roberto Santos[14] Episódios: "7–10 de junho"
2019 Órfãos da Terra Mamede Aud[15]
2020 Hebe: A Estrela do Brasil Maestro Fego[16]

CinemaEditar

Ano Título Papel
1956 O Grande Momento, de Roberto Santos[1]
1962 Cinco Vezes Favela[1]
1965 A Hora e Vez de Augusto Matraga Quim Recadeiro
1966 Todas as Mulheres do Mundo Edu
1967 Terra em Transe
1968 Como Vai, Vai Bem?
1968 O Homem que Comprou o Mundo José Guerra[17]
1969 Máscara da Traição Corrêa
1969 Pobre Príncipe Encantado
1969 A Penúltima Donzela Padre
1970 Em Busca do Susexo
1970 O Donzelo
1971 Pra Quem Fica, Tchau
1971 Aventuras com Tio Maneco Tio Maneco
1971 Roberto Carlos a 300 Quilômetros por Hora Luigi
1972 Os Machões Chuca
1975 O Caçador de Fantasma Tio Maneco
1978 Maneco, O Super Tio Tio Maneco
1989 Os Trapalhões na Terra dos Monstros diretor do videoclipe
1998 Boleiros - Era uma Vez o Futebol... Naldinho
2006 Boleiros 2 - Vencedores e Vencidos Naldinho
2007 Os Porralokinhas Tio Maneco
2009 Verônica Seu Luis
2019 Hebe: A Estrela do Brasil Maestro Fego

Parte TécnicaEditar

Como diretorEditar

Cinema
Ano Título
1989 Os Trapalhões na Terra dos Monstros
1978 Maneco, O Super Tio
1975 O Caçador de Fantasma
1971 Assalto à Brasileira
1971 Os Caras de Pau
1962 Os Mendigos

Como roteiristaEditar

Televisão
Ano Título
1991 Estados Anysios de Chico City
Cinema
Ano Título
1978 Maneco, O Super Tio
1971 Aventuras com Tio Maneco
1971 Como Ganhar na Loteria sem Perder a Esportiva
1970 O Donzelo
1969 A Cama ao Alcance de Todos
1962 Cinco Vezes Favela (segmento: "Pedreira de São Diego")

Prêmios e indicaçõesEditar

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref
1972 Troféu Imprensa Melhor Revelação O Primeiro Amor Venceu
1995 Troféu APCA Melhor Ator Coadjuvante A Próxima Vítima Venceu
2019 Melhor Ator de Televisão Órfãos da Terra Venceu [18]

Referências

  1. a b c d e «Perfil - Flavio Migliaccio]». CARAS. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  2. Eduardo Giffoni Flórido. As grandes personagens da história do cinema brasileiro: 1970-1979. Fraiha; 2006. ISBN 978-85-85989-25-5. p. 60.
  3. Ofício de registro civil do Brás, São Paulo. (9 de setembro de 1934). «Talão de registro de nascimento de Flavio Migliaccio». Consultado em 4 de abril de 2020 
  4. Estadão.com, Morre no Rio, aos 75, a atriz Dirce Migliaccio, 22 de setembro de 2009
  5. Bozzo Junior, Carlos (4 de maio de 2020). «Ator Flávio Migliaccio é encontrado morto aos 85 anos». Folha de São Paulo. Consultado em 4 de maio de 2020 
  6. «Flávio Migliaccio morreu sem receber indenização de processo que dura 20 anos». ISTOÉ Independente. 8 de maio de 2020. Consultado em 23 de junho de 2020 
  7. «Flávio Migliaccio: de Xerife a Tio Maneco, uma carreira de sucessos na TV, no teatro e no cinema». O Globo. 4 de maio de 2020. Consultado em 4 de maio de 2020 
  8. «Ator Flávio Migliaccio morre em Rio Bonito. Artista tinha 85 anos. Seu último trabalho na Globo foi na novela 'Órfãos da Terra', exibida em 2019.». G1. 4 de maio de 2020. Consultado em 4 de maio de 2020 
  9. «Flavio Migliaccio teria cometido suicídio e deixado carta». Portal iG. 4 de maio de 2020. Consultado em 5 de maio de 2020 
  10. «Policia encontra uma carta de despedida em casa onde Flávio Migliaccio morreu em Rio Bonito». Rlagos Notícias. 4 de maio de 2020. Consultado em 4 de maio de 2020 
  11. «Lima Duarte lembra de Flavio Migliaccio em vídeo comovente: "Eu te entendo"». UOL. 5 de maio de 2020. Consultado em 7 de maio de 2020 
  12. Tom Phillips (12 de maio de 2020). «Bolsonaro's silence on artists' deaths reflects disdain for Brazilian culture». The Guardian (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2020. Cópia arquivada em 12 de maio de 2020 
  13. Gshow (27 de novembro de 2015). «Veja o elenco da nova novela das 6, 'Êta Mundo Bom!'». TV - Gshow. Consultado em 14 de dezembro de 2015 
  14. Carla Bittencourt (19 de maio de 2018). «Flávio Migliaccio fará participação em 'Malhação'». Extra. Consultado em 19 de maio de 2018 
  15. «Conheça o elenco e os personagens de 'Órfãos da Terra'». Gshow. Consultado em 20 de fevereiro de 2019 
  16. Redação (22 de outubro de 2018). «Flávio Migliaccio vai interpretar o Maestro Fego na série "Hebe Camargo"». Notícias de TV. Consultado em 22 de outubro de 2018 
  17. Marília Pera; Flávio de Souza. Vissi d'arte. Escrituras; ISBN 978-85-86303-39-5. p. 386.
  18. «APCA divulga os indicados aos melhores da Televisão em 2019». Huff Post Brasil. 14 de novembro de 2019. Consultado em 14 de novembro de 2019