Abrir menu principal
Flávio Rocha
Deputado Federal pelo Rio Grande do Norte
Período 1° de fevereiro de 1987
até 1° de fevereiro de 1995
(2 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nome completo Flávio Gurgel Rocha
Nascimento 14 de fevereiro de 1958 (61 anos)
Recife, Pernambuco
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Eliete Gurgel Rocha
Pai: Nevaldo Rocha
Partido PRB (2018-atualmente) [1]
Religião Evangélico (Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra)[carece de fontes?]
Profissão Empresário

Flávio Gurgel Rocha (Recife, 14 de fevereiro de 1958)[2] é um empresário e político brasileiro, filiado ao Partido Republicano Brasileiro (PRB).

Foi presidente das Lojas Riachuelo[3][4], terceira maior rede de moda do país.[5], integrante do conselho do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) e vice-presidente de relações com investidores do Grupo Guararapes, empresa familiar que detém o controle da Midway Financeira, Confecções Guararapes Transportadora, Casa Verde e Shopping Midway Mall, maior shopping center do Rio Grande do Norte. Na carreira política, Rocha foi eleito por dois mandatos como deputado federal - o primeiro pelo PFL (atual DEM), transferindo-se na sequência para o PL; e o segundo via PRN pelo Rio Grande do Norte.

Em março de 2018, anunciou sua filiação ao PRB, para disputar a Presidência da República,[6] e com isso deixou o comando da Riachuelo.[7] Posteriormente, retirou a pré-candidatura.

BiografiaEditar

Nascido em 14 de fevereiro de 1958, Flávio Rocha exerceu a função de CEO da rede de Lojas Riachuelo e da Midway Financeira entre os anos de 2008 e 2018, período do maior crescimento da história da empresa, onde passou de 100 para mais de 300 lojas em todo o Brasil[8][9]. Sua família é proprietária do Grupo Guararapes, do qual fazem parte também o Shopping Midway Mall, além de negócios no setor logístico[10]. As Lojas Riachuelo são um dos 15 maiores empregadores do País, com 40 mil colaboradores (2018[11])[12]. A família, com uma fortuna avaliada em 1,3 bilhão de dólares, aparece na 1.567ª posição na Lista Forbes de maiores bilionários do mundo e 39º lugar entre os bilionários brasileiros.[13][14][15]

Perfil político e carreiraEditar

Em 1986, foi eleito deputado federal pelo Rio Grande do Norte, sendo reeleito em 1990. Em 1994, chegou a se pré candidatar à presidência da república pelo PL, desistindo por conta do apoio de seu partido à candidatura de Fernando Henrique Cardoso[13]. Na ocasião, acusou o partido de boicotá-lo para que não pudesse expor sua ideia de imposto único, o que, segundo o próprio, fortaleceria o valor do salário mínimo. Disse ainda que tal medida, desagradaria os banqueiros comprometidos com a candidatura de FHC[16].

Rocha defende o livre mercado como ferramenta natural para combater a corrupção[17], sendo um dos principais defensores do liberalismo econômico e de um Estado menor e mais eficiente[18].

Em 2016, recebeu o prêmio de "empreendedor do ano", da revista IstoÉ Dinheiro, na categoria Varejo. Ex-deputado federal entre 1987 e 1995, foi um dos primeiros empresários a apoiar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e a candidatura de João Doria à Prefeitura de São Paulo.[19]

Foi escolhido em 2017 pela Business Of Fashion como uma das personalidades mais influentes da moda mundial[20] e pela Revista Forbes como um dos 25 maiores CEOs do Brasil.

Em janeiro de 2018, Rocha lançou o manifesto "Brasil 200" defendendo uma agenda liberal no campo econômico e valores conservadores nos costumes. O nome é uma referência aos 200 anos da independência do Brasil[3][21][22].

Em março de 2018, Flávio Rocha anunciou ser pré-candidato a presidência da república pelo PRB.[23]

Em maio de 2018, recebeu, em 2018, o prêmio de CEO do ano da revista Consumidor Moderno, pelo seu trabalho ainda a frente da Riachuelo.[24]

Em junho, Flávio decide desistir de sua pré-candidatura por entender que o Brasil passava por um momento turbulento, que não podia flertar com os extremos e convicto de que inspirou aqueles que produzem ou que desejam produzir a ser protagonistas dessa luta política que não se esgota nas eleições de 2018.[25]

PolêmicaEditar

Em 2017, o grupo Guararapes envolveu-se em uma polêmica com o Ministério Público do Trabalho, o qual moveu uma ação com valor de 37 milhões de reais sobre o grupo, alegando o não cumprimento de obrigações trabalhistas com os empregados das empresas terceirizadas prestadoras de serviços para o grupo. A ação foi aberta após um levantamento envolvendo mais de 50 empresas ligadas ao programa Pró-Sertão em 12 municípios indicar que os empregados desses fornecedores recebiam menos e tinha menos direitos trabalhistas do que os contratados diretamente pela Guararapes. Do outro lado, Rocha alegou que a ação era uma perseguição do MPT contra sua indústria. Em uma carta aberta, considerou nominalmente a procuradora Ileana Neiva Mousinho como responsável por prejudicar o estado com suas ações, ao forçar a empresa transferir suas operações para outras regiões do país e exterior. Considerou ainda algumas exigências com absurdas e impostas injustamente já que não aplicadas a outros concorrentes. Em apoio à empresa, um grupo de trabalhadores, empresários e representantes de órgãos do estado protestaram com receio que a ação do MPT viesse causar prejuízos e desemprego no sertão potiguar para 62 facções e seus 2.600 empregados por conta do acréscimo de encargos, dificultando a concorrência com o mercado asiático. Em 2016, o movimento do setor na região teria sido de 100 milhões de reais.[26]

A Riachuelo alega que o programa Pró-Sertão atende uma região do semiárido do Rio Grande do Norte com 50 cidades. São 61 oficinas que prestam serviço a 15 marcas. A empresa aderiu ao programa porque as oficinas são obrigadas por lei a cumprir todas as normas trabalhistas previstas por lei. A empresa destaca: “ambiente de trabalho saudável, realização de auditorias periódicas com o objetivo de verificar o cumprimento das leis trabalhistas, tratamento igualitário a fornecedores terceirizados e contratados, além de contratos regulares de prestação de serviço com as oficinas de costura do Rio Grande do Norte”. A iniciativa gerou 5 mil empregos diretos e afetou 50 mil pessoas. Os trabalhadores tiveram carteira assinada (90% deles pela primeira vez). Antes disso, não tinham qualquer trabalho formal.[27]

LinksEditar

Referências

  1. Folha de São Paulo (27 de março de 2018). «Dono da Riachuelo se filia ao PRB para disputar Presidência» 
  2. «Flavio Gurgel Rocha». FGV CPDOC 
  3. a b «Dono da Riachuelo lança manifesto em NY». Folha de São Paulo. 18 de janeiro de 2018 
  4. «Riachuelo tem lucro maior e lança e-commerce». epocanegocios.globo.com 
  5. Estadão. «Entrevista». 5 de setembro deo 2015 
  6. Folha de São Paulo (27 de março de 2018). «Dono da Riachuelo se filia ao PRB para disputar Presidência» 
  7. «Flavio Rocha deixa a Riachuelo para disputar a Presidência». Folha de São Paulo. Uol. 23 de março de 2018. Consultado em 21 de abril de 2018 
  8. «A 300ª loja da Riachuelo é inaugurada em Natal». www.riachuelo.com.br. Consultado em 12 de junho de 2018 
  9. «Riachuelo confirma que Flavio Rocha deixa companhia para eleição | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 12 de junho de 2018 
  10. «Grupo Guararapes». Riachuelo 
  11. «Riachuelo». www.riachuelo.com.br. Consultado em 12 de junho de 2018 
  12. «Melhores e Maiores – As 500 maiores empresas do Brasil». Revista Exame. 11 de agosto de 2017 
  13. a b «Flávio Rocha lidera campanha por maior protagonismo do empresariado no Brasil – Forbes Brasil» 
  14. «Grupo Guararapes». www.riachuelo.com.br. Consultado em 25 de janeiro de 2018 
  15. «Grupo Guararapes - Midway Financeira». www.midwayfinanceira.com.br. Consultado em 25 de janeiro de 2018 
  16. «Flávio Rocha aponta boicote». Folha de São Paulo. 9 de agosto de 1994 
  17. «Flávio Rocha: "O livre mercado é o predador natural da corrupção" | Augusto Nunes». VEJA.com 
  18. «'O mito do Estado Robin Hood acabou', diz o empresário Flavio Rocha - Política - Estadão». Estadão 
  19. «Presidente da Riachuelo vê Placar da Previdência 'com profundo pesar' - ISTOÉ Independente». ISTOÉ Independente. 8 de dezembro de 2017 
  20. «Flavio Rocha is One of the 500 People Shaping the Global Fashion Industry in 2017». The Business of Fashion (em inglês) 
  21. «Flávio Rocha explica movimento "Brasil 200" e pede presidente liberal na economia e conservador nos costumes». Infomoney. 18 de janeiro de 2018 
  22. «Flávio Rocha: Por um liberal na economia e conservador nos costumes». Valor Econômico 
  23. «PRB anuncia pré-candidatura de Flávio Rocha à Presidência da República». G1 
  24. «Os 25 melhores CEOs do Brasil, segundo a Forbes | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 12 de junho de 2018 
  25. «Flávio Rocha anuncia retirada da disputa eleitoral e agradece ao MBL». UOL. Consultado em 13 de julho de 2018 
  26. «Ação trabalhista de R$ 37 milhões contra gigante têxtil gera protestos no RN». G1. 17 de setembro de 2017 
  27. «Pro Sertão». www.riachuelo.com.br. Consultado em 12 de junho de 2018