Flepe lateral retroflexo expresso

Flepe lateral retroflexo expresso
ɭ̆
ɺ̣

O flepe lateral retroflexo expresso é um tipo de fonema consonantal, utilizado em algumas línguas faladas. Não possui um símbolo explicitamente aprovado no Alfabeto Fonético Internacional, mas pode ser representado como um ⟨ɭ̆⟩ curto, com o antigo diacrítico de ponto ⟨ɺ̣⟩, ou com uma cauda retroflexa, ⟨⟩ (= ⟨ɺ̢⟩, aceito para Unicode em julho de 2020).[1]

CaracterísticasEditar

  • Sua forma de articulação é tepe ou flepe, o que significa que é produzida com uma única contração dos músculos de forma que um articulador (geralmente a língua) é lançado contra outro.[1]
  • Seu local de articulação é retroflexo, o que significa prototipicamente que ele está articulado subapical (com a ponta da língua enrolada para cima), mas de forma mais geral, significa que é pós-alveolar sem ser palatalizado. Ou seja, além da articulação subapical prototípica, o contato da língua pode ser apical (pontiagudo) ou laminal (plano).[1]
  • Sua fonação é expressa, o que significa que as cordas vocais vibram durante a articulação.[1]
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.[1]
  • É uma consoante lateral, o que significa que é produzida direcionando o fluxo de ar para os lados da língua, em vez de para o meio.[1]
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.[1]

OcorrênciaEditar

Um flepe retroflexo lateral foi relatado em várias línguas de Sulawesi, como as línguas sangíricas, Buol e Totoli,[2] bem como Nambikwara no Brasil (simples e laringealizado), Gaagudju na Austrália, Purépecha e Rarámuri Ocidental no México, Moro em Sudão, O'odham e Mohawk nos Estados Unidos, Chaga na Tanzânia e Kanuri na Nigéria.[1]

Várias línguas dravídicas e índicas da Índia são relatadas como tendo um flepe lateral retroflexo, tanto fonêmico quanto fonético, incluindo Gujarati, Konkani, Marathi, Odia e Rajasthani.[3] Masica descreve o som como amplamente difundido nas línguas índicas da Índia:

Um /ḷ/ lateral retroflexo, contrastando com o /l/ comum, é uma característica proeminente de Odia, Marathi – Konkani, Gujarati, a maioria das variedades de Rajasthani e Bhili, Punjabi, alguns dialetos de "Lahnda", ... a maioria dos dialetos de West Pahari e Kumauni (não no dialeto do sudeste descrito por Apte e Pattanayak), bem como Hariyanvi e o subdialeto de Saharanpur de Kauravi do nordeste ("Hindustani Vernacular ") investigado por Gumperz. Está ausente da maioria das outras línguas da NIA, incluindo a maioria dos dialetos hindi, nepalês, garhwali, bengali, assamês, caxemira e outras línguas dárdicas (exceto para o dialeto Dras de Shina e possivelmente Khowar), os dialetos pahari ocidentais mais ocidentais que fazem fronteira com o dárdio (Bhalesi, Khashali, Rudhari, Padari), bem como os mais orientais (Jaunsari, Sirmauri), e de Sindi, Kacchi e Siraiki. Já esteve presente em cingalês, mas na linguagem moderna foi mesclado com /l/.[4]

Língua Palavra AFI Significado Notas
Iwaidja [ŋaɭ̆uli] Meu pé
Kannada ಕೇಳಿ/Kēḷi [keːɭ̆iː] Perguntar Pode ser uma aproximante [ɭ] no lugar.
Kobon ƚawƚ [ɭ̆awɭ̆] Atirar Subapical.
Konkani फळ/fāḷ [fəɭ̆] Fruta
Kresh[5] [exemplo necessário]
Malayalam വേളി/vēḷi [veːɭ̆iː] Casamento Pode ser uma aproximante [ɭ] no lugar.
Marathi केळी/Kēḷī [keɭ̆iː] Bananas
Tarama & Irabu[6] [paɨɭ̆] Puxar
Norueguês Trøndersk[7] glas [ˈɡɺ̠ɑːs] Vidro Apical pós-alveolar;[7] também descrito como central [ɽ].[8]
O'odham[9] [exemplo necessário] Apical pós-alveolar.[9]
Pachto[10][11] ړوند‎/llund [ɭ̆und] Cego Contrasta com flepes planos e nasalizados.[10][11] Tende a ser lateral no começo de uma unidade prosódica, e um flepe central [ɽ] ou aproximante [ɻ] em outros lugares.
Tamil குளி/Kuḷi [ˈkuɭ̆i] Banhar Alofone de /ɭ/.
Tarahumara Rarámuri ocidental [exemplo necessário] Muitas vezes transcrito como /ɺ̢/.[12]
Totoli[13] /uɭ̆aɡ/ Cobra Alofone de /ɺ/ depois de vogais traseiras.[13]
Tukang Besi[14] [exemplo necessário] Possível alofone de /l/ depois de vogais traseiras, como um alofone de /r/.[14]
Wayuu ɭ̆áɨɭ̆aa Homem velho Pós-alveolar.

Símbolo dedicadoEditar

Não existe um símbolo AFI explicitamente aprovado para o flepe lateral retroflexa. No entanto, o símbolo esperado pode ser criado combinando o símbolo para o flepe lateral alveolar com a cauda das consoantes retroflexas. Isso só foi aceito pelo Unicode em 2020 e, portanto, por enquanto, a tipografia normal requer o uso de um diacrítico de combinação, ⟨ɺ̢⟩. SIL International inclui este símbolo para as áreas de uso privado de suas fontes Gentium Plus, Charis e Doulos, como U+F269 (⟨⟩).[1]

 
Símbolos de consoantes róticas.




ReferênciasEditar

  1. a b c d e f g h i Maddieson; Ladefoged, Ian; Peter (1996). The Sounds of World's Languages. [S.l.: s.n.] 
  2. Sneddon, J. N. (1984). Proto-Sangiric & the Sangiric languages. [S.l.: s.n.] pp. 20, 23 
  3. Masica, Colin (1991). The Indo-Aryan Languages. [S.l.]: Cambridge: Cambridge University Press 
  4. Masica, Colin (1991). The Indo-Aryan Languages. [S.l.]: CUP. p. 97 
  5. D. Richard Brown, 1994, "Kresh", in Kahrel & van den Berg, eds, Typological studies in negation, p 163
  6. Aleksandra Jarosz, 2014, "Miyako-Ryukyuan and its contribution to linguistic diversity", JournaLIPP 3, p. 43.
  7. a b Grønnum, Nina (2005), Fonetik og fonologi, Almen og Dansk, ISBN 87-500-3865-6 3rd ed. , Copenhagen: Akademisk Forlag, p. 155 
  8. Heide, Eldar (2010), «Tjukk l – Retroflektert tydeleggjering av kort kvantitet. Om kvalitetskløyvinga av det gamle kvantitetssystemet.», Novus forlag, Maal og Minne, 1 (2010): 3–44 
  9. a b Predefinição:SOWL
  10. a b D.N. MacKenzie, 1990, "Pashto", in Bernard Comrie, ed, The major languages of South Asia, the Middle East and Africa, p. 103
  11. a b Herbert Penzl, 1965, A reader of Pashto, p 7
  12. Burgess 1984, p. 7.
  13. a b Nikolaus Himmelmann, 2001, Sourcebook on Tomini-Tolitoli languages, The Australian National University
  14. a b Donohue, Mark (1999), «Tukang Besi», Handbook of the International Phonetic Association, ISBN 0-521-63751-1, Cambridge University Press, p. 152