Abrir menu principal

Flor da Mina do Andaraí

Unidos da Flor da Mina do Andaraí
Bandeira do CCES Flor da Mina do Andaraí.png
Fundação 12 de dezembro de 1962 (56 anos) [1] [2]
Escola-madrinha Salgueiro
Cores
Símbolo Uma rosa com uma coroa em cima
Bairro Andaraí [1] [2]
Desfile de 2020
Enredo O clamor de Mandela

Clube Carnavalesco Escola de Samba Unidos da Flor da Mina do Andaraí ou simplesmente Flor da Mina do Andaraí é uma escola de samba brasileira, sediada no bairro do Andaraí, na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. Foi fundada em 12 de dezembro de 1962, oriunda do bloco Flor da Mina do Andaraí, tetracampeão do Grupo A dos Blocos. [3]

HistóriaEditar

A Flor da Mina teve sue primeira participação como Escola de Samba nos desfiles Oficiais no ano de 1993, consagrando-se a vitoriosa com o enredo Alô seu Garcia: De Conversa em Conversa, Desce outra Garçom.

O sucesso veio novamente em 1995, ocasião do enredo Verde e Rosa, Porque não?

Em 1996 a escola conquistou o bicampeonato com o enredo Deus Baco – O Vinho Nosso de Cada Dia. No entanto, a ascensão meteórica da escola do Andaraí seria barrada por uma série de eventos dignos das bandas de rock americanas.

No mesmo ano de 1996, o fundador Carlinhos Melodia deixa o Andaraí para retornar à Lins Imperial, passando a presidência a José Augusto Rello da Silva, homem de confiança de Miro Garcia em maio de 1996.

Em 1997, o presidente da agremiação faleceu, o que causou uma grande comoção, forçando a interrupção das participações nos desfiles oficiais. A Flor da Mina manteve suas atividade restritas à comunidade do Andaraí, sendo administrada por integrantes da própria comunidade.

Após várias tentativas de se formar uma diretoria, em meados de 2002 aconteceu o retorno do fundador Carlinhos Melodia, que logo conseguiu trazer pessoas que garantiram o retorno da Flor da Mina aos desfiles oficiais, o que aconteceu logo no carnaval seguinte, voltando a ser reintegrada à AESCRJ em 2003.

Ao retornar, foi reintegrada às competições no equivalente à Sexta Divisão do Carnaval daquele ano.

O sucesso alcançado foi além das expectativas, já que a Escola havia interrompido suas atividades por seis longos anos. No primeiro desfile, sagrou-se Campeã, com nota máxima em todos os quesitos, desenvolvendo o Enredo: São Gonçalo Visita São Sebastião e Conta sua História.

Grande sinal de que a Escola estava no caminho certo, foi o desfile do ano seguinte (2004) com o Enredo: O Carnaval Ganhou Mais Vida com a Influencia Africana Através do Salgueiro, alcançando o bicampeonato e quarto título como Escola de Samba sob a Direção de Carlinhos Melodia, também conquistando a pontuação máxima em todos os quesitos!!

O ano de 2005 marca a grande vitória da Escola, pois, ao desfilar pelo Grupo C da AESCRJ, sagra-se Vice-Campeã do Grupo, conquistando o direito de retorno ao palco máximo do Carnaval Carioca com o Enredo: Andira-y, contando a história do bairro onde a Escola nasceu e homenageando o grande empresário dos transportes que vinha acolhendo a Escola, o Sr. Jacob Barata, pela sua importância no desenvolvimento sócio-econômico do bairro.

No carnaval seguinte, a Flor da Mina recebeu força total da Família Barata e de vários empresários que não mediram esforços para manter a escola na Marquês de Sapucaí.[carece de fontes?] Com o Enredo: Da Cadeirinha ao Metro eu também vou... de autoria de Eurico Galhardi e Rosane Barata, a Escola obteve a 8ª colocação e permaneceu no Grupo de Acesso B (3ª Divisão).

Em 2007 obteve somente a 14ª colocação, fazendo-a retornar para o Grupo de Acesso C (4ª Divisão), devido à falta de compromissos de profissionais que não entregaram fantasias para o desfile.[carece de fontes?]

Em 2008, a escola foi para a Estrada Intendente Magalhães com um enredo de autoria da mesma dupla, que abordava a ideologia do negro na Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro. Para confeccionar o Carnaval, a Flor da Mina contratou o experiente carnavalesco Rodrigo Sampaio que em parceria com o debutante Diangelo Fernandes, conquistam a 4ª colocação.

Em 2009, aproveitou seu melhor momento em termos de organização, e, ao contar o Enredo: Eu Era Feliz e Não Sabia… comandada pelos carnavalescos Rodrigo Sampaio e Diangelo Fernandes, sobre a influência da infância nas brincadeiras adultas, conseguiu o Vice-Campeonato do Grupo de Acesso C (4ª Divisão), e conquistou o grande sonho de retornar ao carnaval da Marquês de Sapucaí.

Em 2010, a escola escolheu o enredo Vela, ainda sob a orientação carnavalesca de Rodrigo Sampaio. Voltou com vontade para o Grupo de Acesso B (3ª Divisão), mas novamente prejudicada pelas fantasias, terminou apenas na 12ª posição, sendo assim rebaixada para a 4ª divisão.

Em 2011, a Escola viu o moral cair após o rebaixamento. A Escola acostumada com títulos em sequência fez um desfile irreconhecível e terminou o carnaval deste ano na 15ª colocação, sendo relegada ao Grupo de Acesso D (5ª Divisão).

Em 2012, homenageou a ex-baluarte da Mangueira Dona Zica, com o Enredo: Eternamente, Tia Zica da Mangueira, comandada novamente pelo carnavalesco Rodrigo Sampaio. A Flor da Mina do Andaraí abriu a noite de desfiles, mas teve graves problemas e só conseguiu iniciar seu desfile com mais de dez minutos de cronômetro rolando. Sua alegoria estava inacabada, a bateria desfilou sem fantasias e não houve ala de baianas. Como resultado, ficou no final da tabela.

Em 2013, a Flor da Mina desfilou após um incêndio no barracão em outubro de 2012. O desfile apresentou diversos problemas, principalmente com as fantasias, valendo a penúltima colocação. Entretanto, conseguiu ganhar na Justiça o direito de permanecer no Grupo de Acesso D (5ª Divisão) com as outras duas escolas que terminaram nas três últimas posições.

Em 2014, não desfilou por conta de um imbróglio jurídico com a AESCRJ.

Em 2015, foi a penúltima a desfilar pela Série D (5ª Divisão).[4] Contou a história dos Bandeirantes em busca de riquezas nas nossas terras e terminou na 10º posição dentre 12 escolas, livrando-se do rebaixamento para a nova Série E (6ª Divisão).

Em 2016, a Flor da Mina teve sua administração completamente renovada e trouxe de volta o carnavalesco Clóvis Costha. O desfile teve um nível mais elevado e sem dúvidas foi o melhor dos últimos 5 anos, o que lhe garantiu o título.

Em 2017, a Flor da Mina foi a décima a entrar na Avenida e se apresentou com 600 componentes. O intérprete Eduardo Dias soltou a voz com emoção ao apresentar o samba-enredo de 2017. Com a força do samba dos compositores Fabio de Deus, Erivelto Silva e Edu Casa Leme, a escola passou com muita alegria, animação e evolução. Outro ponto alto do desfile foi a comissão de frente comandada pelo coreógrafo Márcio Elias, a qual representou a “Super mãe brasileira” e as “tarefas do dia a dia de uma super mãe solteira”. A Flor da Mina mostrou bom gosto nas fantasias de várias alas, com destaque para as dos casais de mestre-sala e porta-bandeira, Gerson Anjos/Grazy Alves; Francisco Alves/Estefanny. Os figurinos dos destaques do abre-alas também mereceram menção positiva. A rainha de bateria usou luz de neon no figurino dourado, abrilhantando a bateria do mestre George Ferreira, a qual manteve o ritmo durante o andamento do desfile. Infelizmente a Flor da Mina estourou o tempo de desfile em dois minutos e acabou perdendo 2,2 pontos. Ao final da apuração, a Flor da Mina amargou a última posição (14º lugar). Mesmo se não tivesse perdido pontos, terminaria no 11º lugar e, ainda assim, seria rebaixada.

Em 2018, levou o enredo sobre os irmãos santos Cosme e Damião à Intendente, mesmo com um samba animado e com a escola apresentando uma harmonia não vista em anos foi rebaixada novamente. Em 2019 após não querer se licenciar a ACAS, nova entidade que rege os desfiles da Série E, comprou a vaga da Unidos das Vargens e assim, passou a desfilar na Série C com o nome de Unidos da Flor da Mina do Andaraí. [5]

SegmentosEditar

 
Imagem do desfile de 2015.

PresidênciaEditar

Presidente Mandato Referência
Renato Rodrigues 1997 - 2002 [6]
Carlinhos Melodia 2002 - 2012 [6]
Pedrinho da Flor 2016 - 2018 [7]
Eduardo Casa Leme 2018 - atualidade 5

IntérpretesEditar

Período Intérprete oficial Ref.
1993-2004 Bello do Andaraí
2005 David do Pandeiro [8]
2006–2013 Carlos Júnior
2015 Carlinhos Aniceto
2016-2019 Eduardo Dias
2020–presente Niu Souza
 
Carro abre-alas da escola, no desfile de 2011.

Comissão de frenteEditar

Coreógrafo(a) Período Ref.
Fábio Batista 2013 [9]
Marcio Elias 2016-2017
Hayane Larissa 2018-presente

Mestre-sala e Porta-bandeiraEditar

Casal Período Ref.
Bianca e Wagner 2013 [9]
Paulo Marcelo e Gleyce 2015
Gerson Anjos e Grazy Santos 2016-2017
Francisco Alves e Grazy Santos 2018
Gerson Anjos e Claudinha Martins 2019

BateriaEditar

MestresEditar

Diretor de bateria Período Ref.
Ivanzinho 2013 [9]
Jorge Bode 2015 [7]
George 2016
Marquinhos 2017-2018
Jorge Bode 2019

RainhasEditar

Rainha de bateria Período Ref.
Dani 2008-2009 [10]
Luana Herdy 2010-2013
Mery Pires 2016
Joyce Elias 2017-presente

DireçãoEditar

CarnavalEditar

Diretores de carnaval Período Ref.
Célio Gouvêia 2013 [9]
Fábio Batista 2015-2017
Fábio de Deus 2018-presente

HarmoniaEditar

Diretores de harmonia Período Ref.
Jorge Justino 2013 [9]
Ransey Ribeiro e Magno Alexandre 2016
Ransey Ribeiro 2017-2018
Luciana Correa 2019

CarnavaisEditar

Carnavais da Unidos da Flor da Mina do Andaraí
Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco Ref.
1993 Campeã Desfile de Avaliação "Alô alô seu Garcia, de conversa em conversa, desce outra, garçom" Comissão de Carnaval [11]
1994 6.º Lugar Grupo C "Parabéns pra você" Comissão de Carnaval [12]
1995 Campeã Grupo 1 "Verde e rosa, por que não?" Comissão de Carnaval [13]
1996 7.º Lugar Grupo C "De Baco para os homens, o vinho nosso de cada dia" Comissão de Carnaval
A escola não desfilou entre 1997 e 2002
2003 Campeã Grupo E "São Gonçalo visita São Sebastião e conta sua história" Comissão de Carnaval
2004 Campeã Grupo D "O carnaval ganhou mais vida com a influência africana através do Salgueiro" Clóvis Sant'ana
2005 Vice-campeã Grupo C "Andara-Y, uma celebridade adocicada com 400 anos de história"
(Samba-enredo composto por Totonho, David, Silvão e Carlos Aniceto)
Clóvis Costha
2006 8.º Lugar Grupo B "O direito de ir e vir. Da aldeia do Andira-Y, da Cadeirinha ao Metrô, eu também vou..."
(Samba-enredo composto por Totonho, David, Carlinhos Aniceto, Evaristo e Márcio Silva)
Clóvis Costha
2007 14.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo B "João Maria José Francisco Xavier de Paula Luis Antônio Domingos Rafael - O grande estadista do Brasil"
(Samba-enredo composto por Joel Simpatia, Jorge Macumba, Paulinho do Táxi, Pierrot e Paulinho da Área)
Clóvis Costha e Marcello Portela
2008 4.º Lugar Grupo C "O sonho não vai sucumbir, sou Costa do Sol, herança de Zumbi" Diangelo Fernandes
2009 Vice-campeã Grupo RJ-2 "Eu era feliz e não sabia..." Rodrigo Sampaio e Diangelo Fernandes
2010 12.º Lugar Grupo RJ-1 "Vela"
(Samba-enredo composto por Sarito da Mallet, Lalai, Charlinho, Zezinho, Madalena, Pedro Miranda, Beléu e Danilo Maciel)
Rodrigo Sampaio
2011 15.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo C "Brasil coração de todos. Viva o povo brasileiro" Comissão de Carnaval
2012 13.º Lugar Grupo D "Eternamente, Tia Zica da Mangueira" Rodrigo Sampaio
2013 11.º Lugar Grupo D "Centro cultural africano"
(Samba-enredo composto por Mario da Ponte, Sarito da Malet, Lalai de Manguariba, Nelinho, Condongo do Lins e Sapo da Ribeira)
Rodrigo Sampaio [14]
2014 A escola não desfilou
2015 10.º Lugar Série D "Os bandeirantes e as pedras verdes"
(Samba-enredo composto por Pedrinho da Flor, Djalma Rodrigues e Ricardo Neves)
Clóvis Costha [15][7]
2016 Campeã Série D "A Flor da Mina se veste nas sete cores do arco-íris para Oxumarê passar" Clóvis Costha [16]
2017 14.º Lugar
(Rebaixada)
Série C "Mães do Brasil... Histórias de luta, esperança e amor... Na passarela do carnaval a vocês... uma flor!" Clóvis Costha
2018 11º Lugar

(Rebaixada)

Série D Hoje tem doce! Tem Cosme! Hoje tem alegria! Tem Damião! É dia de festa e fé no Andaraí! Comissão de Carnaval [17]
2019 11° Lugar Série C Floresta da Tijuca - Onde se viu nascer a minha flor Marco Aurélio Assunção [18]
2020 Especial da Intendente O clamor de Mandela Fábio Henriques

TítulosEditar

A escola possui cinco títulos de campeã conquistados em grupos de acesso. Em seu desfile de estreia, no ano de 1993, conquistou o seu primeiro título, com o enredo "Alô alô seu Garcia, de conversa em conversa, desce outra, garçom". Desfilou algumas vezes no Grupo B - a terceira divisão do carnaval carioca - tendo seu melhor resultado em 2006, quando terminou em oitavo lugar. Nunca desfilou nos Grupos A e Especial, as primeiras divisões do carnaval do Rio de Janeiro.

Títulos da Unidos da Flor da Mina do Andaraí
Grupo / Divisão Títulos Carnavais
  Grupo 4
(Atual Série C)
1 1995
  Grupo 5
(Atual Série D)
3 1993, 2004, 2016
  Grupo 6
(Atual Série E)
1 2003

PremiaçõesEditar

Prêmios recebidos pela Escola de Samba Flor da Mina do Andaraí.

Ano Prêmio Categoria / premiados Divisão Ref.
2004 Troféu Jorge Lafond Campeã do Grupo D Grupo D [19]
2005 Troféu Jorge Lafond Samba-enredo ("Andara-Y, uma celebridade adocicada com 400 anos de história") Grupo C [20]
Porta-bandeira (Alcione Carvalho)
2006 Troféu Jorge Lafond Velha guarda Grupo B [21]
Personalidade (Carlinhos Melodia)
2008 Troféu Jorge Lafond Enredo ("O sonho não vai sucumbir, sou Costa do Sol, herança de Zumbi") Grupo C [22]
2009 Troféu Jorge Lafond Bateria (Direção: Mestre Renato Rodrigues) Grupo RJ-2 [23]
Ala das baianas
2016 Plumas & Paetês Carnavalesco (Clovis Costha) Série D [24]

Referências

  1. a b Galeria do Samba. «Dados básicos». Consultado em 19 de junho de 2016 
  2. a b Sambario.com. «Sambario». Consultado em 19 de junho de 2016 
  3. «Flor da Mina da Andaraí». Samba Rio Carnaval. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  4. 2015
  5. «Carnaval 2019». Apoteose.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  6. a b Academia do Samba. «Diretoria». Consultado em 26 de maio de 2014 
  7. a b c https://archive.is/gdBVC
  8. «David do Pandeiro». Sambario Carnaval. Consultado em 18 de março de 2017 
  9. a b c d e Galeria do Samba. «Flor da Mina». Consultado em 31 de maio de 2014. Cópia arquivada em 31 de maio de 2014 
  10. [1]
  11. «1993». Academia do Samba. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  12. «1994». Academia do Samba. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  13. «1995». Academia do Samba. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  14. Mirian Santos, Esquina do Samba (14 de fevereiro de 2013). «Desfile Flor da Mina do Andaraí 2013». Consultado em 21 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2014 
  15. http://www.galeriadosamba.com.br/carnavais/flor-da-mina-do-andarai/2015/226/
  16. http://www.radioarquibancada.com.br/?platform=hootsuite
  17. «Flor da Mina do Andaraí». Apoteose.com. Consultado em 25 de janeiro de 2018 
  18. «Flor da Mina do Andaraí 2019». Galeria do Samba. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  19. «Troféu Jorge Lafond 2004». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 16 de junho de 2016 
  20. «Troféu Jorge Lafond 2005». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 17 de junho de 2016 
  21. «Troféu Jorge Lafond 2006». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 17 de junho de 2016 
  22. «Troféu Jorge Lafond 2008». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 24 de junho de 2016 
  23. «Troféu Jorge Lafond 2009». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 27 de junho de 2016 
  24. «Confira a relação dos agraciados com Prêmio Plumas & Paetês Carnaval 2016». Manchete Online na Folia. 15 de fevereiro de 2016. Consultado em 13 de junho de 2016. Arquivado do original em 1 de março de 2016 

Ligações externasEditar