Abrir menu principal

Outros esportes praticados pelo Fluminense Football Club

Fluminense Football Club é uma agremiação poliesportiva e cultural sediada na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, fundada em 21 de julho de 1902. É uma sociedade civil de caráter desportivo que tem como principal atividade o futebol. Essa página destina-se a agregar os demais esportes praticados pela agremiação.

Vista parcial da área de esportes olímpicos e amadores, contemplando uma parte da quadra de tênis e ao longe o parque aquático.

Índice

Olympic rings without rims.svg Esportes olímpicos e amadoresEditar

 
Placa oferecida pelo COI.

A Taça Olímpica[1] é o mais alto e cobiçado troféu do desporto mundial. Também chamada de "Taça de Honra", tem como finalidade reconhecer anualmente, aquele que, no juízo do Comitê Olímpico Internacional, mais fez em prol do olimpismo e do esporte. Este reconhecimento é considerado o Prêmio Nobel dos esportes. A concessão do título é feita pelo COI após rigoroso e detalhado exame dos dossiês apresentados pelos candidatos.

Para receber a honraria, o pleiteador deve ser exemplo de organização administrativa e um vitorioso nos setores esportivos, sociais, artísticos e cívicos. Um complexo de perfeição durante um ano inteiro, e escolhido como o melhor dentre os demais clubes, instituições esportivas e mesmo países do mundo, através de suas federações. O Fluminense Football Club é o único clube de futebol no mundo e única instituição brasileira que já recebeu a Taça Olímpica.

A Taça Olímpica (Coupe Olympique) foi instituída em 1906 pelo Barão Pierre de Coubertin, o criador dos Jogos Olímpicos da era moderna e foi atribuída pela primeira vez, ainda em 1906, ao Touring Club da França.

Honrarias
Competição Títulos Temporadas
    Taça Olímpica 1 1949

Além do futebol, esporte mais popular do país, o Fluminense tem em suas raízes outras modalidades esportivas que fizeram parte da história do clube. Diversos atletas se destacaram no decorrer dos anos e suas conquistas foram traçadas desde o início nos campos e quadras do clube das Laranjeiras, defendendo as cores do Fluminense. O clube obteve sucesso em muitas modalidades, tendo um total de 1.407 títulos do Fluminense no esporte amador e no olímpico, até 2002.[2]

 
Taça AMEA de Atletismo, destinada ao campeão carioca por 3 vezes consecutivas (1924-25-26).

O Fluminense em 21 de julho de 2011, anunciou que tinha em sua sala de troféus principal, então nomeada de Afonso Teixeira de Castro, 2.030 troféus e 1.020 taças, um total de 7.000 objetos de todas as modalidades esportivas.[3][4]

 
Taça Adhemar de Barros de Atletismo (Rio-SP) 1942, ao campeão por três vezes seguidas.
 
Troféu Brasil de Natação 1976.
 
Alguns troféus destacados nos esportes olímpicos.
 
Taça Afrânio Costa de Tiro, por vencer o Carioca por três vezes seguidas (1928-29-31, não houve em 1930).
 
Taça Brasil de Esgrima 1970.
 
Troféu Brasil de Saltos Ornamentais 1966.
 
Taça Park Royal, destinada ao campeão carioca de tênis por três anos consecutivos (1919-20-21).
 
Medalhas importantes conquistadas por atletas tricolores, inclusive olímpicas.

Menos de um mês depois de fundado, no dia 15 de agosto de 1902 o Fluminense apresentou em público a sua primeira equipe de atletismo, em homenagem à coroação do Rei Eduardo VII do Reino Unido, em competição promovida pelo Rio Cricket, na cidade de Niterói. Nesse dia, antes de sua primeira partida de futebol, que se daria em 19 de outubro, o Fluminense obteve a primeira vitória de sua História esportiva por meio do atleta Víctor Etchegaray, que venceu a prova das 100 jardas.[5] Em 1919 conquistaria o primeiro campeonato carioca de atletismo da História, disputado no campo de jogo do Flamengo, na Rua Paysandu, sob os auspícios da LMDT-Liga Metropolitana de Desportos Terrestres.[6]

Em 1907 o Fluminense construiu a sua primeira quadra de tênis, ampliando para três em 1909 e quatro em 1911, inaugurando em 1919 a sua quadra principal ou "estádio", com a realização do 9º Campeonato Sul-Americano, em disputa da Taça Mitre, quadra que se tornaria palco de inúmeras competições internacionais, entre elas partidas pela Copa Davis de 1972.[7] Somente o Fluminense tinha quadras de tênis no Rio de janeiro e apenas em 1916, o Country Club inauguraria as suas quadras. No Triênio 1919-20-21, os jogadores do Fluminense disputaram 149 partidas e venceram todas, conquistando 140 campeonatos e torneios até o ano de 1952.[8][9]

Sessões de patinação já se realizavam no clube às quartas feiras, das 21 às 23 horas, ainda em 1915.[10]

Em 21 de janeiro de 1919, o clube inaugurou a sua primeira piscina, então coberta, remodelando e a reinaugurando no dia 22 de novembro de 1931.[11]

Foi no Stand de Tiro do Fluminense, inaugurado também em 1919, que a equipe olímpica brasileira se preparou para conquistar as primeiras medalhas brasileiras em Olimpíadas, nos Jogos Olímpicos de Verão de 1920,[12] oportunidade na qual os atletas tricolores Guilherme Paraense e Afrânio da Costa conquistaram três medalhas – ouro (Paraense) e prata (Afrânio) individuais, e bronze por equipes.[13][14][15]

Nesse mesmo ano de 1920, no dia 8 de fevereiro, o Fluminense iniciou as suas participações nas provas de natação com a realização de um concurso interno, filiando-se em 13 de janeiro de 1931 à Federação Brasileira das Sociedades de Remo, entidade dirigente dos esportes aquáticos nas cidades do Rio de janeiro e de Niterói nessa época.[16]

O clube criou em 1921, a sua seção de xadrez, estimulando ainda mais a sua trajetória vitoriosa sendo campeão carioca em 1928, no primeiro campeonato realizado de acordo com as regras e concordância da Federação Brasileira de Xadrez. Em 1930 o Fluminense empatou por 3 a 3, com o Círculo Argentino de Ajedrez, equipe mais forte de xadrez da Argentina, então.[17]

Em 1936 inaugurou a sua seção de esgrima, sagrando-se vice campeão carioca em 1938 e conquistando o primeiro título de campeão carioca já no ano seguinte.[18]

Em 1942 o Fluminense começou a participar de competições de tênis de mesa, quando as suas equipes conquistaram o torneio comemorativo "Dia do Tênis de Mesa", promovido pela Associação Cristã de Moços, com a participação de 23 clubes, tendo se sagrado campeão carioca por 16 vezes no masculino e 4 no feminino até o ano de 1968.[19]

Até o final de 1951, período compreendendo os seus primeiros 50 anos, o Fluminense conquistou 531 campeonatos e torneios diversos em todos os esportes praticados até então.[20]

Até 1959, o Fluminense foi o clube carioca que mais campeonatos conquistou nas seguintes modalidades: atletismo, basquetebol, esgrima, hoquei, levantamento de pêso, tênis, tênis de mesa, natação, pólo aquático, saltos, tiro, voleibol, e xadrez, ganhando mais de 50% dos 452 campeonatos realizados até o final desse ano. Entre os muito feitos, sua seção de pólo aquático permanecia invicta desde 1952 até esse ano de 1959, com 89 partidas tendo sido disputadas, várias delas contra equipes internacionais, apresentando em seu cartel, 83 vitórias e 6 empates, e placar médio de 7 a 1 nessas partidas.[21]

Além dos esportes que fizeram parte da estatística de Adolpho Shermann, o Fluminense praticava nesta época pelo menos mais 2 esportes, arco e flecha e futebol de salão (futsal). Após 1960 o Fluminense praticou também, os seguintes esportes: futebol de mesa, ginástica olímpica, ginástica rítmica desportiva, handebol, hockey, nado sincronizado, patinação, patinação artística, showbol, taekwondo, além de ter sido representado em autobol, beach soccer, body boarding, futebol americano, futebol americano de praia, futebol de praia e futevôlei.[22]

Em 2018 o Fluminense, uma potência nesse esporte, conquistou o Troféu Brasil de Saltos Ornamentais pela décima primeira vez consecutiva em sua 48ª edição.[23][24] Além dessas ocasiões, o Fluminense foi campeão pelo menos em 1968, 1979, 1982, 1983, 1984, 1985, 1995 e 1996, sendo esses os títulos disponíveis nesse momento.[25][26][27] Em natação ostentava 116 títulos até 2002, sendo 37 deles estaduais pela equipe principal, foi cinco vezes campeão do Troféu Maria Lenk e uma do Troféu José Finkel, os dos dois principais torneios de natação no Brasil na atualidade,[28] e em pólo aquático tem mais do que o dobro de títulos estaduais do que o segundo colocado em conquistas e é o clube que tem mais conquistas em todas as competições nacionais masculinas. A equipe de tiro foi campeã por 7 anos consecutivos entre 1952 e 1958, a equipe de esgrima tinha 133 títulos, a de tênis 145 e a de tiro 200, até 2002.[29] Nos Jogos Pan-Americanos de 2019, ao competir pela sexta vez consecutiva, a atleta tricolor de saltos ornamentais Juliana Veloso tornou-se a atleta brasileira com mais participações nos Jogos Pan-Americanos, ela que conquistou medalha de prata e medalha de bronze em Santo Domingo e bronze nos Jogos Pan-Americanos de 2007 no Rio de Janeiro ao competir pela sexta vez consecutiva, a atleta tricolor de saltos ornamentais Juliana Veloso tornou-se a atleta brasileira com mais participações nos Jogos Pan-Americanos, ela que conquistou medalha de prata e medalha de bronze em Santo Domingo e bronze nos Jogos Pan-Americanos de 2007 no Rio de Janeiro e que já era a atleta com mais participações em olimpíadas, cinco no total,[30] tendo sido campeã sul-americana em várias ocasiões, considerando apenas os seus títulos mais importantes.[31][32]

Esportes coletivosEditar

  BasquetebolEditar

O Fluminense Basquete é o departamento de basquetebol do Fluminense Football Club, sediado no estado do Rio de Janeiro. O masculino, atualmente, disputa apenas competições de base.

MasculinoEditar

 
Campeão do Torneio Internacional de 1952.

No período de 1920 a 1927, o Fluminense ganhou oito títulos cariocas consecutivos (quatro da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres, além das quatro primeiras edições do Campeonato Carioca).[33] Nas décadas de 1950 e 1960 o Fluminense alcançou vários títulos incluindo o Carioca de 1961, que contou com Marechal, o tricampeão brasileiro de lance livre. Na década de 1970, destacaram-se Luizinho, Marquinho, Alberto Bial e Fioravante. Entre 2001 e 2002, o Tricolor contou com o atleta Marcelinho Machado, hoje no Flamengo.

Desde 2010, a diretoria vem se esforçando para trazer novos títulos para o tricolor e, com isso, anunciou os patrocínios da Unimed e do BNY Mellon.

 
Time campeão carioca de basquete de 1961.

Em 2013, com a formação de uma nova equipe adulta masculina, o clube inicia a disputa nas competições de acesso por uma vaga para voltar à elite do basquete nacional no NBB. Ficou em segundo lugar na Copa Brasil Sudeste, garantindo a vaga para Super Copa Brasil de Basquete. Sagrou-se campeão da Super Copa Brasil e garantiu vaga para a disputa de um triangular que dará duas vagas para participar da temporada 2013-14 do NBB, desde que atendam a todos os pré-requisitos exigidos pela Liga Nacional de Basquete.

No triangular, Tijuca e Macaé ascenderam ao NBB, e o Fluminense acabou perdendo a chance de se classificar para o NBB 2013-14. Entretanto, no início de junho, a LNB decidiu convidar o Fluminense, juntamente com o Universo/Goiânia, para disputar a sexta edição do NBB, desde que apresentassem os pré-requisitos necessários. Sem verbas e patrocínio suficientes, por conta de questões políticas e com um elenco tecnicamente fraco à nível do NBB, o Fluminense acabou desistindo da vaga.[34][35]

Algumas fontes da internet dão conta de que um novo treinador e um novo armador já estariam pré-contratados para auxiliar o Fluminense na disputa da sexta edição do NBB.[36] Entretanto, o gaúcho Walter Roese, que seria o novo técnico da equipe, acabou desistindo do cargo após a eliminação tricolor da disputa campeonato;[34] o mesmo ocorreu com o experiente armador Luiz Felipe Lemes, que já teria acertado verbalmente sua contratação por parte do Fluminense.[37]

Principais títulosEditar
 
Taça Fidelcino Leitão, destinada ao clube que se sagrasse campeão carioca por três anos consecutivos (1920-21-22).
 
Taça AMEA de basquete, destinada ao clube que se sagrasse campeão carioca por 3 vezes consecutivas a partir de 1924.
Outras títulos
  •   Campeonato Estadual de Segundos Quadros: 6 (1921, 1922, 1923, 1924, 1926 e 1931)
  •   Campeonato Estadual Aspirantes: 5 (1960, 1961, 1967, 1969 e 2008)
  •   Taça Gerdal Bôscoli: 4 (1970, 1972, 1973 e 1974)
  •   Taça Ivan Raposo: 2 (1971 e 1972)
  •   Taça Kanela: 2 (1992 e 1995)
  •   Torneio G. Guinle: 1 (1944)
  •   Taça Rio de Janeiro: 1 (1981)
  •   Torneio Carioca: 1 (2010)
Grandes atletasEditar
Grandes treinadoresEditar
  •   Fred Brown (1920)
  •   Alberto Bial (década de 1990 / 2001–2002)
  •   Márcio Andrade (2012–atualmente)
  •   Walter Roese (*)

(*) Não chegou a atuar no comando da equipe (2013).

Material esportivoEditar

FemininoEditar

 
Campeão carioca de 1952.

Na conquista do Campeonato Brasileiro de Basquetebol de 1998, comandado por Hortência, o elenco continha com um elenco com grandes estrelas como Marta, Silvinha, Vic Bullet, Vendrana e cia, com o Ginásio do Tijuca Tênis Clube lotado, ginásio que tem capacidade para receber 4.000 espectadores,[41] e mais 3.000 pessoas que não conseguiram entrar no recinto, dirigido pelo técnico Antônio Carlos Vendramini. A modalidade de basquetebol feminina foi também 6 vezes campeão carioca entre as suas principais conquistas.

Principais títulosEditar
Material esportivoEditar

  FutsalEditar

É o departamento de futebol de salão do Fluminense Football Club. Campeão carioca de futsal em 1959, competição criada em 1956 e amplamente dominada por clubes da Zona Norte do Rio de Janeiro, o Fluminense tem desempenho muito destacado nas categorias de base, campeão sub-20 em 2 ocasiões, sub-17 em 9, sub-17 em 7, sub-15 em 14 (carioca e estadual), sub-13 em 16 (carioca e estadual), sub-11 em 14 (carioca e estadual), sub-9 em 12 (carioca e estadual) e sub-7 em 8 (carioca e estadual) até o ano de 2017. O Fluminense utiliza o futsal prioritariamente como revelador de jogadores para o futebol de campo, tendo 10 profissionais e 100 jogadores da Base que passaram pelo Futsal em 2018.[42]

Principais títulosEditar

PatrocinadoresEditar

Material esportivoEditar

ParceriasEditar

  Futebol americanoEditar

Fluminense Guerreiros é uma equipe de futebol americano brasileira, sediada na cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, filiado à Federação de Futebol Americano do Rio de Janeiro. A equipe foi fundada em 2017, sendo a segunda equipe apoiada pelo Fluminense, tendo apoiado o Rio de Janeiro Imperadores de 2010 a 2013.[45]

Principais títulosEditar

Campanhas de destaqueEditar

Estadual Adulto Masculino
  • 2012 (vice-campeão)[46]
Copa Volta Redonda de Futsal (Adulto Masculino)
  • 2012 (vice-campeão)[47]

UniformeEditar

 

  Futebol de areiaEditar

O Fluminense Football Club de Futebol de Areia, é uma equipe do departamento esportivo do Fluminense Football Club desde 1999. O clube retornou em 2013 com a parceria do site da FutRio.net.[48]

Até o fim de 2013, prazo da parceria, os atletas treinaram no Centro de Treinamento Guerreiros da Praia, localizado em frente ao hotel Copacabana Palace, tendo realizado algumas campanhas de destaque. O local, que tem condição de receber uma Arena Fifa, poderá ser usado por outras modalidades do Fluminense, inclusivo o futebol profissional.[49][50][51][52][53][54]

Campanhas de destaqueEditar

Fluminense Football Club de Futebol de Areia
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
  Mundialito de Clubes 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2015)
  Campeonato Brasileiro 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
  Circuito Brasileiro 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
  Campeonato Carioca 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (1999) 0 (não possui)

  Futebol de 7Editar

É o departamento de futebol de 7 do Fluminense Football Club. Atualmente, a equipe da categoria disputa competições como a Liga Fut 7 e a Liga das Américas de Futebol 7, nas quais sagrou-se campeão nacional e continental de 2014, respectivamente e[55] o Campeonato Carioca, Campeonato Brasileiro, atual vice campeão, além da Liga Mundial, que ocorrerá em Agosto de 2015 em Barcelona, na Espanha.

Seu jogador Henrique Wruck, foi eleito o Bola de Ouro, como o melhor jogador desta competição, assim como em janeiro de 2015 foi eleito o melhor jogador do mundo nesta categoria pela Football 7 Worldwide.[56][57]

MasculinoEditar

HistóriaEditar

Em 12 de outubro de 2014, o Fluminense conquistou a Liga das Américas de Fut7,[58] título inédito para o Fut7 do Brasil, ao vencer o Sidekicks, do México, por 3 a 2 no Coliseu Manuel Bonilla, no Peru, classificando-se para a Liga Mundial, que aconteceu em dezembro deste ano, na cidade de Curitiba. Entretanto, por problemas com as datas das partidas do Mundial, o Fluminense acabou desistindo da vaga do torneio.[59]

Principais títulosEditar
Outros títulos
Metropolitano Adulto
  • 1959
Estadual Juvenil (atual Sub-20)
  • 1972 e 1979
Estadual Infanto-juvenil (atual Sub-17)
  • 1965, 1966, 1984, 1985, 2005, 2009, 2010, 2013 e 2015
Carioca Infanto-juvenil (atual Sub-17)
  • 2007, 2008, 2009, 2010, 2013, 2014 e 2015
Estadual Infantil (atual Sub-15)
  • 1982, 1995, 2004, 2005, 2009 e 2015
Carioca Infantil (atual Sub-15)
  • 2004, 2005, 2007, 2008, 2009, 2012, 2014 e 2015
Estadual Mirim (atual Sub-13)
  • 1971, 1980, 2004, 2006 ("Campeonato Único"), 2008, 2010, 2013 e 2015 ("Série Prata")
Carioca Mirim (atual Sub-13)
  • 2003, 2008, 2009, 2010, 2012, 2013 e 2014 ("Série Ouro")
Torneio Início Sub-13[60]
  • 2010
Estadual da Super Liga de Futsal Rio Sub-13[60]
  • 2010
Estadual Pré-Mirim (atual Sub-11)
  • 1994, 1995, 1996, 2004, 2008, 2012 e 2013
Carioca Pré-Mirim (atual Sub-11)
  • 2004, 2008, 2010, 2013 e 2014 ("Série Ouro")
Estadual Fraldinha (atual Sub-9)
  • 1994, 1995, 1996, 1997, 2003, 2004 e 2015 ("Série Prata")
Carioca Fraldinha (atual Sub-9)
  • 2003, 2004, 2013 e 2015 ("Série Ouro")
Estadual Chupetinha (atual Sub-7)
  • 2014 e 2015
Carioca Chupetinha (atual Sub-7)
Campanhas de destaqueEditar
Prêmios individuaisEditar
  • Craque da Liga Fut 7 de 2014: Henrique Wruck[63]
  • Craque da Copa do Brasil de 2014: Henrique Wruck
  • Craque da Liga das Américas de 2014: Henrique Wruck
  • Melhor goleiro da Liga Fut 7 de 2014: Igor Pereira
  • Melhor goleiro do Campeonato Brasileiro de 2014: Igor Pereira
  • Melhor goleiro do Campeonato Carioca de 2014: Igor Pereira
  • Melhor treinador da Liga Fut 7 de 2014: Marco Fialho
  • Bola de Ouro (Melhor Jogador do Mundo) do Fut 7 em 2014: Henrique Wruck[64]
  • Luva de ouro ( Melhor Goleiro do Mundo) do Fut 7 em 2014: Igor Pereira
Comissão TécnicaEditar

Comissão técnica de 2013:[65]

  • Técnico: Marco Antonio Fialho
  • Assistente Técnico: Bruno Touret
  • Preparador Físico:
  • Auxiliar de Preparação: Thiago Rodrigues
  • Preparador de Goleiros: Ricardo Herrera
  • Fisioterapeuta: Rodrigo Veiga

FemininoEditar

Principais títulosEditar
Estadual Adulto
  • 2011 e 2012

  Polo aquáticoEditar

O departamento de polo aquático masculino do Fluminense Football Club é uma das principais modalidades praticadas no clube carioca. A equipe da categoria chama-se Fluminense/BNY Mellon, por motivos de patrocínio.

MasculinoEditar

HistóriaEditar

O polo aquático foi implantado em 1922 no clube. Em 20 de janeiro de 1922 o Fluminense promoveu uma competição aquática, inciando nesse dia a sua participação no pólo aquático. O Fluminense entre 1952 e 1961 disputou 104 partidas estaduais, interestaduais e internacionais sem derrotas.[66] Os primeiros campeonatos cariocas foram conquistados entre 1953 e 1956. Nesta época, os atletas campeões foram Everardo L.A. da Cruz e Sylvio Kelly. O Tricolor venceu ainda em 1958, 1960, 1962, 1964, 1967 e 1968. Entre os atletas tricolores que se destacaram estão João Havelange e Márvio Kelly, além da equipe campeã brasileira em 1978, formada por Perrone, Aluízio, George, Álvaro, Jair, Eduardo, Luiz Ricardo, Schimidt e Marcos.[67]

 
Taça Brasil de Pólo Aquático de 2012.

Em 1988, o Fluminense foi bicampeão do Troféu Brasil e campeão do Torneio Municipal adulto. O Tricolor foi ainda tricampeão brasileiro (1997, 1998 e 1999) e tricampeão estadual, vencedor do Troféu João Havelange.

Em 2010, o Fluminense anunciou uma parceria com a multinacional norte-americana The Bank of New York Mellon, tornando-se o Fluminense/BNY Mellon. Com o patrocínio do banco estadunidense, o Tricolor trouxe grandes craques não só do polo aquático, como também da natação. O recordista mundial Kaio Márcio foi uma das estrelas que a nova parceria ajudou a trazer.[68]

Também durante o ano de 2010, o Fluminense anunciou uma parceria temporária com o Rari Nantes Florentia, um consagrado clube italiano de polo aquático da cidade de Florença.[69]

No fim da década de 2010, o Fluminense anunciou mais uma parceria, dessa vez com o Centro Universitário da Cidade do Rio de Janeiro, muito conhecido como UniverCidade.

Principais títulosEditar
Grandes atletasEditar
PatrocinadoresEditar
Material esportivoEditar

  ShowbolEditar

É o departamento de showbol do Fluminense Football Club. Atualmente, a equipe da categoria disputa competições como o Campeonato Brasileiro de Showbol e o Campeonato Carioca de Showbol, tendo se sagrado Campeão Brasileiro em 2014.[70]

Principais títulosEditar

Campanhas de destaqueEditar

PatrocinadoresEditar

Material esportivoEditar

  VoleibolEditar

As equipes de voleibol do Fluminense Football Club representam um dos mais tradicionais clubes desse esporte no Brasil.

O Fluminense introduziu o voleibol no Rio de Janeiro em 1923, organizando o primeiro torneio (Initium) entre os clubes filiados à L.M.E.T. (Liga Metropolitana de Esportes Terrestres), sagrando-se campeão da competição. Em 1943 tornou-se o primeiro campeão carioca masculino invicto nessa modalidade esportiva, ostentando seis títulos sul-americanos no vôlei feminino, quatro deles em sequência, além de um vice-campeonato, sendo o clube com mais títulos continentais no feminino.[71][72]

MasculinoEditar

 
Tricampeão carioca juvenil 1951-52-53.
 
Bruno Rezende, revelado pelo Fluminense.

Em 1924 o Fluminense foi derrotado no jogo decisivo pelo São Cristóvão, entretanto a AMEA tentou marcar nova partida alegando irregularidade cometida pelo clube cadete, mas o Fluminense saiu em defesa do adversário através de ofício enviado a AMEA, que foi aceito, mantendo o resultado original.[73]

 
Campeão carioca de volei 2ª divisão 1951.

O Tricolor disputou o Campeonato Brasileiro desde a década de 70 e várias edições da Campeonato Brasileiro de Clubes de Voleibol Masculino. Disputou também a Liga Nacional de Voleibol Masculino e a Superliga Brasileira-Série A, conquistando títulos de relevo.[72] O número de conquistas regionais, nacionais e internacionais em todas as categorias totaliza 184 (cento e oitenta e quatro) títulos neste esporte.[72]

O Fluminense registrou a passagem de jogadores importantes, como Bernard Rajzman, Bernardinho, Badalhoca, Chiquita, Paulo Maurício Guaraná “Girino”, Fernandão, João Grangeiro, Jardel, Bruno Rezende, Pedro Solberg, Everaldo Lucena, Túlio Nogueira, Bernardo Assis, Evandro, William Holden, Rodrigo Gomes, Mark Dalale, Granjeirinho e Pedro Bart.[72]

O clube também teve técnicos notórios, a saber: Abel Martins, Hélio Grynner, Marcos Lerbach, Ricardo Tabachi, Neri Tambero, Antônio Leão, Jorge Ajus, Jorjão, Marcos Freitas, Maurício Malta, Gil Carneiro de Mendonça e Bené.[72]

Atualmente o time de voleibol masculino adulto do Fluminense está desativado, com o clube mantendo apenas as categorias de base.

Principais títulosEditar
Campanhas de destaque

FemininoEditar

 
Taça NKK.

A modalidade de voleibol feminino do Fluminense Football Club é uma das mais vitoriosas desse esporte no Brasil, hexacampeão sul-Americano e bicampeão brasileiro, são os seus títulos mais destacados, com o clube tendo se sagrado campeão carioca pela primeira vez em 1941.

Suas equipes disputaram o Campeonato Brasileiro desde a década de 70, além de várias edições da Campeonato Brasileiro de Clubes de Voleibol Feminino, desativando o voleibol feminino em 1984 antes da criação da Superliga Brasileira de Voleibol Feminino, conquistando vários títulos na até o ano mencionado. De 1994 a 1997 e de 2012 a 2013, remontou a equipe feminina de voleibol, mas apenas para as disputas do Campeonato Carioca.[72][75]

O clube sediou o Campeonato Sul Americano de 1951, sagrando-se campeão. Atletas importantes que já passaram pelo clube, incluem Helenize de Freitas, Dulce Thompson, Célia Garritano, Regina Uchôa, Mônica Rodrigues, Michelle Pavão, Monique Pavão, Luiza Ungerer, Marcela Felinto, Verônica Brito, Daniele Fagundes, Marcela Correa, Renata Trevisan, Fernanda Berti e Flávia.[72] O clube também teve técnicos notórios, como: Abel Martins, Hélio Grynner, Marcos Lerbach, Ricardo Tabachi, Neri Tambero, Antônio Leão, Jorge Ajus, Jorjão, Marcos Freitas, Maurício Malta, Gil Carneiro de Mendonça e Bené.[72]

Após muitos anos voltou a investir no time adulto feminino e em 2016 disputou a Superliga Brasileira B, encerrando com o vice-campeonato, não conseguindo a promoção direta a Superliga Brasileira A, mas foi qualificado para disputar a repescagem através da edição do Torneio Seletivo Superliga Brasileira A 2016, no qual venceu todos os jogos e conquistou a promoção para disputar a Superliga Brasileira de 2016-17, marcando seu retorno a elite do voleibol nacional.[76][77]

Principais títulosEditar
Campanhas de destaqueEditar
Internacionais
Nacionais
Elenco atualEditar
# Nome Apelido Nascimento Altura (cm) Peso (kg) Nacionalidade Posição
1 Lara Nobre Cardoso Gonçalves Filomeno Lara 11 de fevereiro de 1989 185 72   Brasil Central
2 Natasha Valente Bastos Natasha Valente 24 de setembro de 1989 183 70   Brasil Ponta
3 Juliana Odilon da Silva Drugovitch Valente Ju Odilon 25 de janeiro de 1985 180 76   Brasil Ponta
6 Renata Colombo Renatinha 25 de fevereiro de 1981 182 80   Brasil Oposto
7 Jordane de Carvalho Tolentino Jordane 23 de dezembro de 1985 178 72   Brasil Levantador
8 Arianne de Carvalho Tolentino Arianne 13 de novembro de 1989 180 79   Brasil Oposto
9 Priscila Oliveira Heldes Priscila 27 de março de 1992 176 70   Brasil Levantador
10 Wélissa de Souza Gonzaga Sassá 09 de setembro de 1982 178 73   Brasil Ponta
11 Beatriz Rezende Oliveira Bia 12 de julho de 1993 186 72   Brasil Central
12 Érica Motta Lima Kika 21 de maio de 1996 166 62   Brasil Líbero
13 Edna Bugmann Edna 19 de dezembro de 1989 189 82   Brasil Central
14 Evangelia Chantava Eva 26 de outubro de 1990 186 77   Grécia Ponta
15 Nathalia Viera Danieliczin Nathalia 26 de agosto de 1991 182 69   Brasil Levantador
16 Julia Araujo de Almeida Holanda Moura Julia Moura 21 de janeiro de 1998 180 70   Brasil Ponta
17 Juliana do Nascimento Reffatti da Costa Ju Costa 09 de maio de 1982 184 85   Brasil Ponta
18 Leticia Magnani Hage Leticia 09 de setembro de 1990 189 83   Brasil Central
20 Juliana Cardoso Perdigão Juju 05 de abril de 1991 163 58   Brasil Líbero


Treinador: Hylmer Dias

Esportes de mesaEditar

  Futebol de mesa modalidade dadinho 9 x 3Editar

Fluminense Futmesa Dadinho é uma equipe de futebol de mesa brasileira, sediada na cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, filiada à Federação de Futebol de Mesa do Estado do Rio de Janeiro. A equipe foi fundada em 2017, sendo desde então apoiada pelo Fluminense.

 
Visão da entrada da sede do Fluminense, local de treino e jogos dos atletas.

Principais títulos e campanhas de destaqueEditar

IndividuaisEditar
CAMPEONATO BRASILEIRO INDIVIDUAL
LOCAL ANO COLOCAÇÃO ATLETA
CAMPO GRANDE 2013 3° LUGAR Renan Gatto
CORITIBA 2016 3° LUGAR Paulo Quartarone
BRASÍLIA 2017 CAMPEÃO Brayner Wertmuller
FLORIANÓPOLIS 2018 2° LUGAR Paulo Quartarone
FLORIANÓPOLIS 2018 3° LUGAR Lucas Mendonça


COPA DO BRASIL INDIVIDUAL
LOCAL ANO COLOCAÇÃO ATLETA
JUIZ DE FORA 2008 CAMPEÃO Renan Gatto
JUIZ DE FORA 2013 3° LUGAR Paulo Quartarone
JUIZ DE FORA 2016 CAMPEÃO Paulo Quartarone
FORTALEZA 2017 2° LUGAR Brayner Wertmuller


CAMPEONATO BRASILEIRO POR EQUIPES
LOCAL ANO COLOCAÇÃO EQUIPE
RIO DE JANEIRO 2013 2° LUGAR FLUMINENSE
RIO DE JANEIRO 2018 2° LUGAR FLUMINENSE


CAMPEONATO CARIOCA INDIVIDUAL
LOCAL ANO COLOCAÇÃO ATLETA CATEGORIA
RIO DE JANEIRO 2006 CAMPEÃO Bruno Romar ADULTO
RIO DE JANEIRO 2007 CAMPEÃO Bruno Rafael ADULTO
RIO DE JANEIRO 2007 2° lugar Jeferson“Tabajara” ADULTO
RIO DE JANEIRO 2007 3° LUGAR José Alexandre SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2008 2° LUGAR Renan Gatto ADULTO
RIO DE JANEIRO 2008 3° LUGAR Gilberto Almeida SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2009 3° LUGAR José Alexandre SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2010 2° LUGAR José Alexandre SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2011 CAMPEÃO Gabriel Lucher SUB - 18
RIO DE JANEIRO 2011 3° LUGAR Luis Octávio SUB - 18
RIO DE JANEIRO 2012 CAMPEÃO Gabriel Lucher SUB - 18
RIO DE JANEIRO 2012 2° LUGAR Pietro SUB - 18
RIO DE JANEIRO 2013 2° LUGAR Renan Gatto ADULTO
RIO DE JANEIRO 2013 CAMPEÃO Paulo Quartarone SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2015 2° LUGAR Paulo Quartarone SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2016 2° LUGAR Bandini ADULTO
RIO DE JANEIRO 2016 CAMPEÃO Paulo Quartarone SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2016 3° LUGAR Gabriel Maximus SUB - 18
RIO DE JANEIRO 2017 CAMPEÃO Brayner Wertmuller ADULTO
RIO DE JANEIRO 2017 CAMPEÃO Paulo Quartarone SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2018 3° LUGAR Lucas Mendonça ADULTO
RIO DE JANEIRO 2018 CAMPEÃO Paulo Quartarone SÊNIOR
RIO DE JANEIRO 2018 3° LUGAR Gianluca Oliveira SUB - 18
RIO DE JANEIRO 2018 4° lugar Moises Morales MASTER
Por equipesEditar
CAMPEONATO ESTADUAL POR EQUIPES
LOCAL ANO COLOCAÇÃO EQUIPE
RIO DE JANEIRO 2007 CAMPEÃO FLUMINENSE
RIO DE JANEIRO 2009 2° LUGAR FLUMINENSE
RIO DE JANEIRO 2013 2° LUGAR FLUMINENSE
RIO DE JANEIRO 2016 3° LUGAR FLUMINENSE
RIO DE JANEIRO 2017 CAMPEÃO FLUMINENSE
2018
Outras campanhas de destaqueEditar
Estadual Adulto Masculino
  • 2012 (vice-campeão)
Copa Volta Redonda de Futsal (Adulto Masculino)
  • 2012 (vice-campeão)

Local de treinoEditar

  • Fluminense Football Club - Sala Julio César Romero Insfrán (Romerito) - Rua Álvaro Chaves, 41 Laranjeiras, Rio de Janeiro (RJ) – Brasil, CEP: 22231-220.

Ver tambémEditar

Referências

  1. As informações sobre a Taça Olímpica foram retiradas da "Revista do Fluminense" e do livro "História do Fluminense", de Coelho Netto, tomo I.
  2. Livro "Fluminense Football Club - Um Século de Vitrine Esportiva" , do jornalista Ricardo Souza (2003).
  3. SITE OFICIAL DO FLUMINENSE, consultado em 21 de julho de 2011.
  4. RSSSF Brasil - Principais títulos do Fluminense, página editada em 27 de outubro de 2013 e disponível em 27 de agosto de 2017.
  5. Revista Grandes Clubes Brasileiros - Fluminense, página 124, Rio Gráfica e Editora S.A. (1972).
  6. Livro História do Fluminense, página 239, por Paulo Coelho Netto (2003).
  7. Site Flunomeno - Fluminense Em 1929, página disponível em 27 de dezembro de 2018.
  8. Livro História do Fluminense, páginas 251 a 289, por Paulo Coelho Netto (2003).
  9. VON GROLL, Marcus - História do Tênis no Brasil, página editada em 10 de fevereiro de 2010 e disponível em 17 de novembro de 2018.
  10. Livro História do Fluminense, página 89, por Paulo Coelho Netto (2003).
  11. Livro História do Fluminense, páginas 70, 72 e 161, por Paulo Coelho Netto (2003).
  12. RSSSF Brasil - Principais títulos do Fluminense, página editada em 27 de outubro de 2013 e disponível em 27 de agosto de 2017.
  13. Jornal O Fluminense, página editada em 4 de março de 2016 e disponível em 23 de abril de 2018
  14. Site Deutsche Welle - Há quase um século, Brasil conquistava seu primeiro ouro olímpico, página editada em 3 de agosto de 2016 e disponível em 23 de abril de 2018
  15. Livro História do Fluminense, página 38, por Paulo Coelho Netto (2003).
  16. Livro História do Fluminense, página 269, por Paulo Coelho Netto (2003).
  17. Livro História do Fluminense, página 307, por Paulo Coelho Netto (2003).
  18. Livro História do Fluminense, páginas 265 e 266, por Paulo Coelho Netto (2003).
  19. Livro História do Fluminense, páginas 291, 292 e 490, por Paulo Coelho Netto (2003).
  20. Livro História do Fluminense, página 238, por Paulo Coelho Netto (2003).
  21. Livro "A História do Campeonato Carioca de 1905-1960", por Adolpho Schermann, página 31.
  22. Livro História do Fluminense 1902-2002, por Paulo Coelho Netto (2003).
  23. Site oficial do Fluminense Football Club - Flu é campeão do Troféu Brasil pelo décimo primeiro ano consecutivo, página editada em 7 de abril de 2018 e disponível em 8 de abril de 2018.
  24. Site BRASIL 2016 - Seleção olímpica de saltos ornamentais é definida e Fluminense campeão do Troféu Brasil, página editada em 7 de abril de 2018 e disponível em 8 de abril de 2018.
  25. ESPORTE RIO BLOGSPOT - Fluminense FC Campeão do Troféu Brasil de Saltos Ornamentais de 2009, página editada em 12 de abril de 2009 e disponível em 8 de abril de 2018.
  26. Revista Placar número 461 de 23 de fevereiro de 1979, página 21.
  27. Livro Fluminense Football Club - uma vitrine esportiva, página 212, por Ricardo Souza (2014).
  28. Livro Fluminense Football Club - Um século de uma vitrine esportiva, página 167, por Ricardo Souza (2003).
  29. Livro "Fluminense Football Club - Um Século de Vitrine Esportiva", por Ricardo Souza (2003).
  30. Site Clucrbs - Juliana Veloso garante vaga em sua quinta Olimpíada e faz história nos saltos ornamentais, página editada em 22 de fevereiro de 2016 e diponível em 18 de agosto de 2019.
  31. NETFLU, Redação (12 de agosto de 2019). «Flu parabeniza desempenho de atletas brasileiros nos Jogos Pan-Americanos». Site NETFLU. Consultado em 13 de agosto de 2019 
  32. Site Globoesporte.com, Redação (5 de agosto de 2019). «Com um 11º lugar no trampolim de 3m, Juliana Veloso se despede do Pan: "Não tem como competir"». Site Globoesporte.com. Consultado em 13 de agosto de 2019 
  33. Federação de Basquetebol do Estado do Rio de Janeiro. «FBERJ - Relatório 2013» (PDF). Consultado em 26 de outubro de 2014 
  34. a b JÚNIOR, Francisco (13 de agosto de 2013). «Flu não consegue patrocínio suficiente e desiste de disputar sexta edição do NBB». AHE!Brasil.com. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  35. MENDES, Thiago (17 de setembro de 2013). «Exclusivo: Fluminense explica desistência do NBB e revela acordo com Leandrinho». AHE!Brasil.com. Consultado em 18 de setembro de 2013 
  36. PIRES, Marcello (18 de julho de 2013). «Fluminense acerta com patrocinador e confirma Walter Roese como técnico». GloboEsporte.com. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  37. ARAÚJO, Luís (13 de agosto de 2013). «Jogador acertado com Fluminense para NBB critica "descaso enorme" do clube». IGEsporte.com. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  38. Imprensa (17 de agosto de 2001). «Entrevista - Demétrius Ferraciú». CBB.com. Consultado em 19 de novembro de 2013. Arquivado do original em 10 de junho de 2015 
  39. «Ídolo do basquete do Fluminense, Sucatsky é homenageado pela torcida». GloboEsporte.com. 2 de abril de 2013. Consultado em 2 de agosto de 2013 
  40. LEME, Fábio & PIRES, Marcello (14 de janeiro de 2015). «Com primo no BBB, ala-pivô do Fla garante "cesta de três": "É pegador"». GloboEsporte.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  41. Site do Tijuca Tênis Clube, página disponível em 22 de outubro de 2018.
  42. Site oficial do Fluminense Football Club, página editada em 1 de fevereiro de 2018 e disponível em 18 de novembro de 2018.
  43. MELLO, Jéssica (21 de janeiro de 2014). «Vida em Madri: mulher de Marcelo já sofreu até perseguição de paparazzo». GloboEsporte.com. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  44. «Filho de Caetano Veloso jogou futsal no Fluminense». UOL.com. 14 de maio de 2015. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  45. «Guerreiros! Depois de Flamengo, Vasco e Botafogo, Fluminense ganha novo time de futebol americano». globoesporte.com. 11 de fevereiro de 2017. Consultado em 23 de agosto de 2017 
  46. WILBERT, Marianne (21 de junho de 2012). «Imperial/Fluminense fica com o vice-campeonato Carioca de futsal e sub-20 empata o primeiro jogo da decisão». AconteceEmPetrópolis.com. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  47. SporTV.com (22 de março de 2012). «O campeão voltou: Jaraguá vence Flu e conquista a Copa Volta Redonda». SporTV.com. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  48. «Com parceria, Flu lança equipe de futebol de areia». maquinadoesporte.uol.com. 2 de Outubro de 2013. Consultado em 2 de janeiro de 2013 
  49. «Fluminense disputará Mundialito de Beach Soccer no Rio». netflu.com. 4 de Dezembro de 2015. Consultado em 4 de dezembro de 2015 
  50. «Com FutRio.net na camisa, Fluminense joga Brasileiro de Beach Soccer». FutRio.net. 1 de Abril de 2017. Consultado em 1 de abril de 2017 
  51. «Fluminense estreia no Campeonato Brasileiro de Futebol de Areia com vitória». netflu.com. 5 de Janeiro de 2017. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  52. «Fluminense enfrenta Vasco por vaga na decisão do futebol de areia». netflu.com. 6 de Janeiro de 2017. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  53. «Vasco perde para o Fluminense nos pênaltis, mas vai à final do Brasileirão». Globoesporte.com. 7 de Janeiro de 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  54. «Fluminense fica com o quinto lugar do Campeonato Brasileiro de Beach Soccer». netflu.com. 8 de Janeiro de 2017. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  55. FLUMINENSE F.C., Comunicação institucional (13 de outubro de 2014). «Flu é campeão da Liga das Américas do futebol 7, em Lima, no Peru». Site oficial do Fluminense. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  56. «Henrique Wruck é eleito o melhor jogador do mundo pela Football 7 Worldwide.». Site oficial da Lifa Fut7. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  57. «Conheça o brasileiro que é melhor jogador do mundo do futebol de 7». Globo Esporte. 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  58. Comunicação institucional FFC (13 de outubro de 2014). «Flu é campeão da Liga das Américas do futebol 7, em Lima, no Peru». Site oficial do Fluminense. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  59. FIGUEROA, Caio (5 de dezembro de 2014). «Flu dispara contra o calendário do Futebol 7 e anuncia que não disputará Liga Mundial». JornalF7.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  60. a b «Sub-13 do Fluminense participa do evento 'Futsal da Solidariedade'». JB.com. 3 de fevereiro de 2011. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  61. «Guerreiros das quadras dão show e Flu é campeão do Carioca de futsal Sub-7». Fluminense.com. 5 de julho de 2015. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  62. Comunicação institucional FFC (4 de julho de 2016). «Futsal do Fluminense vence o Vasco e é campeão do Carioca Sub-7». Fluminense.com. Consultado em 5 de novembro de 2016 
  63. «2014 (3a temporada)». LigaFut7.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  64. «Henrique Wruck é eleito o melhor jogador do mundo pela Football 7 Worldwide». LigaFut7.com. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  65. «Futebol 7: Fluminense/PCD se reapresenta cheio de novidades» 
  66. Livro História do Fluminense, páginas 279 e 475, por Paulo Coelho Netto (2003).
  67. Livro História do Fluminense, páginas 279 e 475, por Paulo Coelho Netto (2003).
  68. CORNACHI, Cássio (5 de fevereiro de 2010). «Flu contrata nadador Kaio Márcio». CanalFluminense.com. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  69. CORNACHI, Cássio (22 de junho de 2010). «Flu anuncia parceria internacional no Pólo». CanalFluminense.com. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  70. «Flu vence Palmeiras e festeja título inédito no Showbol ao lado da torcida». SporTV.com. 12 de outubro de 2014. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  71. Livro História do Fluminense, página 301, por Paulo Coelho Netto (2003).
  72. a b c d e f g h Fluminense Football Club-. «Histórico- Fluminense Football Club-Voleibol». Consultado em 24 de dezembro de 2013 
  73. Livro História do Fluminense, páginas 140 à 143, por Paulo Coelho Netto (2003).
  74. «A história do voleibol nos Jogos Pan-Americanos». 13 de julho de 2007. Consultado em 24 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  75. «Fluminense retoma equipe feminina de vôlei com miss gaúcha no elenco». globoesporte.com. Grupo Globo. 15 de setembro de 2012. Consultado em 24 de dezembro de 2013 
  76. a b Monteiro, Patrick (27 de março de 2016). «Flu vence e sobe para a elite do vôlei nacional feminino». Terra. Consultado em 4 de abril de 2016 
  77. Granette, João Pedro (27 de março de 2016). «SUPERLIGA FEMININA: Fluminense garante vaga na próxima edição». Terra. Consultado em 4 de abril de 2016 
  78. «Flu bate o San Lorenzo e conquista o bronze na Superliga Metropolitana». Fluminense.com.br. 24 de setembro de 2016. Consultado em 29 de março de 2017. Cópia arquivada em 29 de março de 2017 
  79. Garcia, Flavio (19 de março de 2016). «Nestlé Araraquara supera Fluminense e conquista Superliga Feminina B». CBV. Superligab.cbv.com.br. Consultado em 29 de março de 2017. Arquivado do original em 24 de março de 2016 
  80. Santilho, Felipe (22 de março de 2016). «Atuação impecável coroa campanha vitoriosa do Nestlé Araraquara na Superliga B». Tribuna Araraquara. Consultado em 29 de março de 2017. Arquivado do original em 24 de março de 2016 

Ligações externasEditar