Fluxo zonal

Esquema da circulação geral da atmosfera, mostrando os ventos latitudinais predominantes (fluxo zonal)

Fluxo zonal é um termo meteorológico que é usado para designar todos os fluxos atmosféricos (correntes de ar) associados com a grande circulação geral da atmosfera que seguem paralelamente às linhas de latitude da Terra. É o oposto de fluxo meridional, que são correntes de ar que seguem paralelamente aos meridianos. Os fluxos zonais geralmente estão associados às divisas das principais células da circulação atmosférica: as células de célula de Hadley, entre as latitudes 0° a 30° de cada hemisfério terrestre, de Ferrel, localizada entre as latitudes 30° e 60°, e a polar, localizada entre as latitudes 60° e 90°.

Na linha do Equador, na divisa entre as células de Hadley de cada hemisfério, o fluxo zonal predominante são os ventos alísios, que seguem de leste para oeste. Na divida das células de Hadley e Ferrel, o fluxo zonal predominante são os ventos do oeste, que seguem de oeste para leste. Próxima aos pólos geográficos, na divisa das células de Ferrel e polar, o fluxo zonal predominante são os ventos do leste polares.[1]

Ver tambémEditar

  Portal da
meteorologia

Referências

  1. «Glossary of Meteorology». American Meteorological Society. Consultado em 16 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 13 de março de 2007 
  Este artigo sobre Meteorologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.