Abrir menu principal
O SIG 550 tem quatro modos: seguro (no qual o rifle não pode ser disparado) (S), um disparo (1), burst de três tiros (3) e totalmente automática (obscurecida pela alavanca da chave).

Fogo seletivo significa a capacidade de uma arma ser ajustada para disparar em modo semiautomático, rajada e/ou modo de disparo totalmente automático.[1] Os modos escolhidos variam dependendo do design da arma. Algumas armas de fogo seletivo tem mecanismos de disparo de rajada para limitar o número de tiros disparados automaticamente neste modo. O mais comum são dois ou três tiros por puxada de gatilho. O fogo totalmente automático é a habilidade da arma de atirar continuamente ao apertar o mecanismo ou o gatilho. Rifles semiautomáticos se refere a habilidade da arma de disparar apenas uma vez por puxada de gatilho.[2]

A presença do modo de fogo seletivo permite a arma de fogo usar sua munição de modo eficiente ao alterar o tipo de uso da arma conforme a necessidade, maximizando o uso da munição. A maioria das armas modernas tem este tipo de mecanismo.[3]

HistóriaEditar

 
MG 34 metralhadora: gatilho duplo crescente, E=fogo semiautomático, D=fogo automático completo

As primeiras tentativas desta tecnologia foram prejudicadas por um ou ambos obstáculos, munição superpoderosa e complexidade mecânica. Este último levou a excesso de peso e falta de confiabilidade na arma de fogo.[4] Um dos primeiros desenhos data de pouco antes do final do século XIX com o desenvolvimento do Cei-Rigotti, um rifle automático adiantado criado pelo oficial do Exército italiano Amerigo Cei-Rigotti que tinha capacidade de fogo seletivo (tiros únicos ou rajada).[5]

Outro é o M1918 (BAR) desenvolvido durante a Primeira Guerra Mundial. O BAR e seus projetos subsequentes incorporaram uma variedade de funções de fogo seletivo. O primeiro design (M1918) é um rifle automático de fogo seletivo, resfriado a ar, que usava um mecanismo de gatilho com uma alavanca de seleção de fogo que permitia operar em modos de disparo semiautomático ou totalmente automático. A alavanca seletora está localizada no lado esquerdo do receptor e é simultaneamente a segurança manual (alavanca seletora na posição "S" - a arma é "segura", "F" - "Fogo", "A" - Fogo "Automático").[6]:225-226 A versão seguinte (M1918A1) tinha um mecanismo exclusivo de redutor de taxa de fogo comprado da FN Herstal com duas taxas de fogo automático. Este mecanismo redutor foi posteriormente alterado para um projetado pelo Springfield Armory. A versão final (M1918A2) forneceu duas taxas selecionáveis de fogo somente totalmente automático.[6] :131-139

Durante a Segunda Guerra Mundial os alemães começaram o desenvolvimento da função de fogo seletivo que resultou no rifle de batalha FG 42 desenvolvido em 1942 a pedido da Força Aérea Alemã (Luftwaffe) em 1941.[7] Outro desenho alemão que usou fogo seletivo foi o StG 44 (Abreviatura do Sturmgewehr 44 ou "rifle de assalto 44") que foi o primeiro de seu tipo a ver grande implantação e é considerado por muitos historiadores o primeiro rifle de assalto moderno.[8] "O princípio desta arma -- a redução do impulso do focinho para obter um fogo automático útil dentro de gamas reais de combate -- foi provavelmente o avanço mais importante em armas pequenas desde a invenção da pólvora sem fumaça".[9]

A função de fogo seletivo foi vista mais tarde no russo AK-47 (projetado em 1946), o britânico EM-2 (projetado em 1948), e o AR-15 do E.U.A (projetado em 1957) e seus derivados.[10]

DesignEditar

As armas de fogo seletivo, por definição, têm um modo semiautomático, onde a arma recarrega automaticamente a câmara após cada rodada, mas exige que o gatilho seja solto e puxado novamente antes de disparar na próxima rodada. Isto permite uma rápida e (em teoria) fogo preciso.[4] Em algumas armas, a seleção é entre diferentes taxas de fogo automáticas e/ou variando limitadores burst (modo de rajada). A seleção é muitas vezes por um pequeno interruptor giratório, muitas vezes integrado com a trava de segurança ou um interruptor separado da segurança, como na família britânica SA80. Outro método é um gatilho ponderado, como o Steyr AUG, que irá disparar um único tiro quando 15.4 libras (6,98 kg) de peso é exercido sobre o gatilho e, em seguida, tornar-se totalmente automático quando mais 15.4 libras (6,98 kg) de peso é aplicado. Isso é útil para situações de emergência onde um lançamento rápido de tiros é mais eficaz para suprimir um inimigo próximo ao invés de um burst de um único disparo.

Algumas armas de fogo seletivo oferecem um modo de rajada (burst mode) como a segunda opção, onde cada puxada do disparador aciona automaticamente um número predeterminado de círculos (geralmente dois ou três), mas não dispara mais até que o gatilho seja puxado novamente.[4] O atual rifle de assalto padrão dos EUA, o M16A4 e a variante da carabina M4 este rifle dispara um máximo de três tiros com cada puxada do gatilho em modo de rajada.[11] Neste projeto, mantém a contagem de tiros previamente disparadas e pode disparar menos de três tiros. Outros projetos redefiniram a contagem com cada puxada do gatilho, permitindo um burst[12] uniforme de três tiros, enquanto os tiros permanecem.

Uma versão comum da submetralhadora Heckler & Koch MP5  (amplamente utilizado pela equipe da SWAT e pessoal de operações especiais militares)[13] efetua disparos únicos, burst de três tiros e automático. Uma variante especial usa um burst de dois tiros para minimizar as chances de perder com um terceiro tiro. Alguns canhões automáticos têm maiores limitadores de burst para coincidir com maiores taxas de fogo.

Referências

  1. «Selective fire | Weapons Law Encyclopedia». www.weaponslaw.org. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  2. Ezell, Virginia; Gander, Terry J (1 de dezembro de 2000). «Assault Rifles and Their Technology». Consultado em 8 de dezembro de 2014 – via HighBeam Research. (pede subscrição (ajuda)) 
  3. Daniel D. Musgrave; Thomas B. Nelson (1967). The World's Assault Rifles and Automatic Carbines. [S.l.]: T. B. N. Enterprises. p. 225 
  4. a b c Ezell, Virginia; Gander, Terry J (1 de dezembro de 2000). «Assault Rifles and Their Technology». Consultado em 8 de dezembro de 2014 – via HighBeam Research. (pede subscrição (ajuda)) 
  5. Daniel D. Musgrave; Thomas B. Nelson (1967). The World's Assault Rifles and Automatic Carbines. [S.l.]: T. B. N. Enterprises. p. 225 
  6. a b Ballou, James L., Rock in a Hard Place: The Browning Automatic Rifle, Ontario, California: Collector Grade Publications Inc., ISBN 0-88935-263-1 (2000)
  7. Dugelby, Thomas B.; R. Blake Stevens (2007) [1990]. Death from Above—The German FG42 Paratroop Rifle. Cobourg, ON: Collector Grade Publications. ISBN 0-88935-429-4 
  8. «ASSAULT RIFLES AND THEIR AMMUNITION: HISTORY AND PROSPECTS by Anthony G Williams». Consultado em 23 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 2 de junho de 2014 
  9. M16 Rifle Case Study. Prepared for the President's Blue Ribbon Defense Panel. March 16, 1970. By Richard R. Hallock, Colonel U.S. Army (Retired)
  10. Gordon, Duncan (1 de dezembro de 2000). «Beyond the assault rifle». Consultado em 8 de dezembro de 2014 – via HighBeam Research. (pede subscrição (ajuda)) 
  11. «Fuzil M16 e suas derivações». Armas On-Line. 30 de outubro de 2013 
  12. «Glossário de Armas». www.geocities.ws. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  13. «Armas usadas pelo grupo da swat | eHow Brasil». eHow Brasil