Fortaleza de São João Batista de Ajudá

A Fortaleza de São João Baptista de Ajudá, também conhecida como Feitoria de Ajudá ou simplesmente Ajudá, localiza-se na cidade de Uidá, na costa ocidental africana, atual República de Benim.

Fortaleza de São João Batista de Ajudá ou de Fidá
Fortaleza de Ajudá em 1890
Tipo Forte
Estilo dominante Renascimento
Função inicial Militar
Proprietário atual República de Benim
Património Mundial
Critérios (iv)
Património Nacional
SIPA 24603
Geografia
País Benim
Cidade Uidá
Coordenadas 6° 21' 33.1" N 2° 5' 25" E

HistóriaEditar

 
Bartholomew Roberts captura embarcações no porto de Ajudá (1722)
 
Planta do forte francês de Ajudá (1747)
 
Francisco Félix de Sousa (antes de 1849)

Construído em 1721, foi o último dos três fortes europeus construídos naquela cidade para explorar o tráfico de escravos da Costa dos Escravos. Após a abolição legal do tráfico de escravos no início do século XIX, o forte português permaneceu abandonado a maior parte do tempo até ser definitivamente reocupado em 1865.

No rescaldo da criação da colônia francesa de Dahomey na década de 1890, as autoridades francesas reconheceram a soberania portuguesa sobre o forte devido à inflexível insistência de Portugal. O forte foi guarnecido por um pequeno destacamento de tropas portuguesas de São Tomé e Príncipe até 1911. Depois disso, apenas o residente (governador), seu assistente e suas famílias habitaram o forte. A soberania portuguesa foi mantida sobre o minúsculo enclave inteiramente cercado pelo Daomé francês até ser tomado pelas autoridades da recém-independente República do Daomé (agora Bénin) em agosto de 1961. Até então o enclave havia se tornado uma estranheza internacional.[1][2][3][4][5]

Hoje, o forte faz parte do Museu de História Ouidah.

A edição de 1958 do Guinness World Records afirmava: "A menor colônia do mundo é o enclave português no território francês da África Ocidental de Dahomey, constituído pelo Forte de São João Batista (São João Baptista de Ajudá). ocupado desde 1680 e está guarnecido por um oficial e alguns homens".[6]

BibliografiaEditar

  • LOPES, Edmundo Correia. S. João Baptista de Ajudá. Lisboa : Edições Cosmos, 1939. Cadernos Coloniais, n.º 58.
  • MENDONÇA, João de. Colónias e Possessões Portuguesas. Lisboa, 1877.
  • TAVARES, António José Chrystêllo. Portugal no Golfo da Guiné: Breve Escorço. Lisboa, 1995.[7].
  • TAVARES, António José Chrystêllo. Ensino e Religião em São João Baptista de Ajudá na Costa da Mina. Ancara, 1996.
  • TAVARES, António José Chrystêllo. África Equatorial Portuguesa : Assunção e Efectivação do Protectorado Daomeano e dos Novos Domínios da Coroa-Zomai. Ancara, 1996.
  • TAVARES, António José Chrystêllo. São João Baptista de Ajudá Face ao Conflito Franco-Daomeano de 1892. Ancara, 1998.
  • TAVARES, António José Chrystêllo. Queda da residência de São João Baptista de Ajudá. Ancara, 1998.
  • TAVARES, António José Chrystêllo. Marcos Fundamentais da Presença Portuguesa no Daomé. Lisboa : Universitária, 1999.[8]
  • TAVARES, António José Chrystêllo. Singularidade de São João Baptista de Ajudá e do Protector na Faixa Litorânea do Daomé no Contexto do Ultramar Português. Lisboa, 2008.[9]
  • Fortress of Saint John the Baptist of Whydah

Ver tambémEditar

Referências

  1. Daniele Santos de Souza, Tráfico, escravidão e liberdade na Bahia nos 'anos de ouro' do comércio negreiro (c.1680-c.1790), Salvador, 2018, p. 58–61
  2. Luis Felipe de Alencastro, "Continental drift: the independence of Brazil (1822)", in From Slave Trade to Empire. Europe and the Colonisation of Black Africa. 1780s–1880s, edited by Olivier Pétré-Grenouilleau, Routledge, New York and London, 2004, p. 105–106
  3. Robin Law, "Trade and Politics behind the Slave Coast: The Lagoon Traffic and the Rise of Lagos, 1500-1800", The Journal of African History, Vol. 24, No. 3 (1983), p. 344.
  4. Fearing that the Portuguese might stop trading with him and wishing to restore the profitability of the fort, the King began the reconstruction of the fort, and even requested the captain of a Portuguese ship to supply a flag to fly over the ruins. Ryder, p. 171–172.
  5. P. E. Isert (1785) quoted in Alain Sinou, Le comptoir de Ouidah. Une ville africaine singulière, Éditions Karthala, Paris, 1995, p. 91.
  6. «fortaleza». fortalezas.org. Consultado em 2 de julho de 2022 
  7. Tese de mestrado em Estudos Africanos, Universidade Técnica de Lisboa, 1995.
  8. Prefácio de Pedro Soares Martínez.
  9. Tese de doutoramento em História Institucional e Política Contemporânea, Universidade Nova de Lisboa, 2008.