Forte de Burgau

Forte de Burgau
081006 05 Forte do Burgau.jpg
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção (Século XVII)
Estilo
Conservação Mau
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 129/77 de 29 de Setembro)
Aberto ao público Sim
Site IHRU, SIPA2832
Site IGESPAR72857

O Forte de Burgau é um monumento militar, situado perto da aldeia de Burgau, parte do concelho de Vila do Bispo, no Distrito de Faro, em Portugal.

Forte de Burgau
Localização do Castelo

DescriçãoEditar

Situa-se no alto de um cabeço junto ao mar, a uma cota de 81 m, a Sul da localidade de Burgau.[1] Tem acesso pela Rua da Fortaleza.[2]

Apresentava uma planta de forma quadrangular, que nunca chegou a receber modificações.[1] Uma planta da fortaleza, feita no âmbito de uma inspecção em 1754, representa uma bateria com duas peças de ferro prontas, de calibre 6, viradas para o oceano, com um edifício a Norte que servia para alojamento do presídio.[1] Este edifício possuía uma abóbada em forma de canhão.[1] A bateria estava orientada de forma a cruzar fogo com o Forte de São Luís de Almádena.[1] Foi construído utilizado pedra e alvenaria, tendo no período moderno sido modificado com cimento e tijolos.[3]

Foi classificada como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 129/77, de 29 de Setembro.[1]

HistóriaEditar

De acordo com a tradição, esta fortaleza terá sido construída no Século XVII, no reinado de D. João IV, sendo parte do programa de construção das estruturas militares na sequência da Guerra da Restauração.[1][4] No entanto, a primeira referência à sua existência só surgiu em 1754, durante o reinado de D. João V, como parte do relatório de uma inspecção feita às fortalezas na região do Algarve.[1] Terá sido instalado para defender a povoação do Burgau, então um núcleo piscatório.[1] Nas proximidades do forte estão situados os vestígio de uma torre de vigia, provavelmente construída durante o período manuelino.[5]

Foi danificada pelo Sismo de 1755, embora tenha sido logo alvo de obras de reconstrução e remodelação, como apontado por um relatório de 1763, onde se concluiu que a estrutura não precisava de mais intervenções.[1] Em 1798, o presídio era formado por um cabo e seis soldados, e contava com duas peças de artilharia.[1] Segundo um relatório de 1821, já se encontrava num avançado estado de ruína, tendo sido descrita pelo autor, o primeiro tenente do Real Corpo de Engenheiros Gregório António Pereira de Sousa, como «A altura dos parapeitos é de 3 palmos e meio e a grossura 4 e meio. Tem 2 peças de bronze desmontadas e 4 cobertas de abóbada em menos mau estado que poderão servir de paiol e alojamento. Está bastante arruinada e só merece consertos passageiros. Está abolida.».[1] Durante a Guerra Civil Portuguesa entre 1832 e 1834, as forças nacionalistas equiparam o forte com duas peças de artilharia, de forma a evitar um possível desembarque liberal.[1] No entanto, o forte foi desactivado em 1834, após o final daquele conflicto, situação semelhante à ocorrida com outras estruturas de defesa marítimas da região.[2] Em 1840 já estava arruinado, e em 1849 já tinha sido parcialmente recuperado por um veterano e uma família, que habitavam nas antigas dependências do forte, mas em 1861 já estava novamente em mau estado de conservação.[1] Em 1881, os edifícios onde antes se situavam os quartéis estavam a ser ocupados por um invisual.[1] O edifício foi alienado pelo estado em 1943, tendo sido vendido ao capitão Pedro do Carmo Forçado, residente em Lagos.[1]

Posteriormente, o forte foi deixado ao abandono, sendo apenas utilizado pelos habitantes locais como armazém ou dependência agrícola, tendo acabado por chegar a um avançado estado de degradação.[1]

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Forte de Burgau

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q MAGALHÃES, 2008:126-131
  2. a b «Património Militar». Câmara Municipal de Vila do Bispo. Consultado em 2 de Janeiro de 2010 
  3. «Forte de Burgau». Sistema de Informação para o Património Arquitectónico. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 11 de Dezembro de 2019 
  4. Vilas e Aldeias do Algarve Rural, 2003:41
  5. «Forte do Burgau». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 11 de Dezembro de 2019 

BibliografiaEditar

  • Vilas e Aldeias do Algarve Rural 2ª ed. Faro: Globalgarve/Alcance/In Loco/Vicentina. 2003. 171 páginas. ISBN 972-8152-27-2 
  • MAGALHÃES, Natércia (2008). Algarve: Castelos, Cercas e Fortalezas. Faro: Letras Várias, Edições e Arte. 301 páginas. ISBN 978-989-95974-0-2 

Leitura recomendadaEditar

  • ALMEIDA, João de (1948). Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses. Volume III. Lisboa: [s.n.] 
  • COUTINHO, Valdemar (1997). Castelos, Fortalezas e Torres do Algarve. Faro: Algarve em Foco Editora 
  • NASCIMENTO, André; GARCIA, Nuno; DELGADO, Carlos (2004). Relatório Preliminar dos Trabalhos Arqueológicos - Sondagens Arqueológicas da Bateria do Burgau, Budens. [S.l.]: Empatia - Arqueologia, Lda. 
  • PARREIRA, Rui (2005). Fortalezas Marítimas en el Occidente del Algarve, Portugal. Poliorcética Fortificación y Plazas Fuertes. Valencia: Editorial Universidad Politécnica de Valencia 


  Este artigo sobre uma fortaleza é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.