Abrir menu principal

François Andrieux

político francês
François Andrieux
Ilustração de François Andrieux
Nascimento François Guillaume Jean Stanislaus Andrieux
6 de maio de 1759
Estrasburgo
Morte 10 de maio de 1833 (74 anos)
Paris
Nacionalidade França francês
Ocupação dramaturgo, advogado, poeta

François-Guillaume-Jean-Stanislas Andrieux (Estrasburgo, 6 de maio de 1759 - Paris, 10 de maio de 1833) foi um advogado, poeta e dramaturgo francês.

BiografiaEditar

Andrieux foi educado em Estrasburgo e se mudou para Paris para estudar Direito. Lá se tornou amigo íntimo do dramaturgo Jean-François Collin d'Harleville. Tornou-se secretário do duque de Uzès, e trabalhou como advogado, mas sua atenção ficou dividida entre sua profissão e a literatura.

Suas peças são de estilo do século XVIII, comédias de intrigas, mas elas estão, juntamente com as de Collin d'Harleville, entre as melhores do período, bem próximas às de Pierre Beaumarchais. Les Étourdis, sua melhor comédia, foi representada em 1788 e ganhou para o autor o elogio do escritor e crítico La Harpe.

Andrieux saudou o início da Revolução com prazer e recebeu um cargo do novo governo, mas no início do Terror, se retirou para Mévoisins, onde morou na propriedade de seu amigo Collin d'Harleville. No período da Convenção foi nomeado juiz civil do Tribunal de Cassação, e foi um dos membros originais do Institut de France.

Um estadista moderado, Andrieux foi eleito secretário e, finalmente, presidente da Tribunat, mas assim com alguns de seus companheiros, foi expulso por sua atitude inconciliável no processo de criação do código civil. Durante seu afastamento forçado, se dedicou a escrever para o teatro, produzindo Le Trésor e Molière avec ses amis, ou la Soirée d’Auteuil, em 1804. Tornou-se bibliotecário de José Bonaparte e do Senado, foi professor de gramática e literatura na École Polytechnique e, posteriormente, no Collège de France.

Como professor Andrieux foi extraordinariamente bem sucedido, e suas palestras, que infelizmente não foram preservadas, atraíram homens maduros, bem como os estudantes comuns. Era rigidamente clássico em seus gostos, e um oponente ardente do Romantismo, que tendia, em sua opinião para a subversão da moral. Entre suas outras peças estão: La Comédienne (1816), uma de suas melhores comédias, e uma tragédia, Lucius Junius Brutus (1830). Andrieux foi o autor de algumas excelentes histórias e fábulas: La Promenade de Fénelon, Le Bulle d'Alexandre VI. e Le Meunier Sans-Souci. Em 1829 Andrieux se tornou secretário perpétuo da Academia Francesa, e no cumprimento das suas funções, trabalhou efetivamente para a conclusão do Dictionnaire de l'Académie française.

Andrieux casou em 28 de setembro de 1784 com Marie Jude com quem teve duas filhas. Uma se casou com Saint-Albin Berville (1788-1868), advogado de renome e político, e a outra com Alexandre Labrouste, diretor do Collège Sainte-Barbe, irmão do arquiteto Henri Labrouste, construtor da Biblioteca de Sainte-Geneviève. Morreu em 10 de maio de 1833 em Paris.

Referências

Ligações externasEditar


Membro da Academia Francesa
Precedido por
Guillaume de Malesherbes
9º acadêmico da cadeira 38
1803-1833
Sucedido por
Adolphe Thiers