Francesco Maria Brancaccio

Francesco Maria Brancaccio (Canneto, 15 de abril de 1592 - Roma, 9 de janeiro de 1675) foi um cardeal do século XVII

Francesco Maria Brancaccio
Cardeal da Santa Igreja Romana
Prefeito da Sagrada Congregação dos Ritos
Info/Prelado da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 3 de agosto de 1671
Predecessor Antonio Barberini
Sucessor Ulderico Carpegna
Mandato 1671 - 1675
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 21 de setembro de 1619
Nomeação episcopal 9 de agosto de 1627
Ordenação episcopal 8 de setembro de 1627
por Cosimo de Torres
Cardinalato
Criação 28 de novembro de 1633
por Papa Urbano VIII
Ordem Cardeal-presbítero (1634-1666)
Cardeal-bispo (1666-1675)
Título Santos Doze Apóstolos (1634-1663)
São Lourenço em Lucina (1663-1666)
Sabina-Poggio Mirteto (1666-1668)
Frascati (1668-1671)
Porto-Santa Rufina (1671-1675)
Dados pessoais
Nascimento Canneto
15 de abril de 1592
Morte Roma
9 de janeiro de 1675 (82 anos)
Nacionalidade italiano
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Nascimento

editar

Nasceu em Canneto em 15 de abril de 1592. De uma antiga e nobre família napolitana. Filho do Barão Muzio II Brancaccio, vice-rei da Puglia, e Zenobia di Costanza. Seu sobrenome também está listado como Brancacci; e como Brancati. Tio do cardeal Stefano Brancaccio (1681); e de Emmanuele Brancaccio, bispo de Ariano. Outros cinco membros da família foram criados cardeais: Landolfo Brancaccio (1294); Niccolò Brancaccio , pseudocardeal de Clemente VII (1378); Rinaldo Brancaccio (1384); Ludovico Bonito (1408); Tommaso Brancaccio , pseudocardeal de João XXIII (1411).[1]

Educação

editar

Frequentou o Colégio Jesuíta, em Nápoles, onde obteve o doutorado in utroque iure , direito canônico e civil, em 5 de novembro de 1611; e um doutorado em teologia em 30 de setembro de 1620.[1].

Sacerdócio

editar

Ordenado em 21 de setembro de 1619, Nápoles. Prelado papal no pontificado do Papa Gregório XV. Referendário dos Tribunais da Assinatura Apostólica da Justiça e da Graça. Governador de Fabriano, 2 de fevereiro de 1623; de Todi, 1626; e de Terni, 1627.[1].

Episcopado

editar

Eleito bispo de Capaccio em 9 de agosto de 1627. Consagrado, quarta-feira, 8 de setembro de 1627, igreja de S. Andrea della Valle, pelo cardeal Cosmo de Torres, auxiliado por Giuseppe Acquaviva, arcebispo titular de Tebe, e por Francesco Nappi, bispo de Polignano. Na mesma cerimônia foram consagrados Annibale Mascambruno, bispo de Castellamare di Stabi; Luis Jiménez, bispo de Urgento; e Giacobino Marenco, bispo de Saluzzo.[1].

Cardinalado

editar

Criado cardeal sacerdote no consistório de 28 de novembro de 1633; recebeu o chapéu vermelho e o título de Ss. XII Apostoli, 9 de janeiro de 1634. Renunciou ao governo da diocese de Capaccio antes de 12 de fevereiro de 1635 (1) . Transferido para a sede de Viterbo e Toscanella, em 13 de setembro de 1638. Participou do conclave de 1644 , que elegeu o Papa Inocêncio X. Participou do conclave de 1655 , que elegeu o Papa Alexandre VII. Optou pelo título de S. Lorenzo em Lucina, 2 de julho de 1663. Cardeal primo prete . Optou pela ordem dos bispos e pela sé suburbicária de Sabina, em 11 de outubro de 1666. Participou do conclave de 1667, que elegeu o Papa Clemente IX. Optou pela sede suburbicária de Frascati, em 30 de janeiro de 1668. Participou do conclave de 1669-1670 , que elegeu o Papa Clemente X; A Espanha vetou sua eleição para o papado (2) . Renunciou ao governo da diocese de Viterbo e Toscanella antes de 2 de junho de 1670. Optou pela sede suburbicária de Porto e Santa Rufina, em 18 de março de 1671. Vice-reitor do Sacro Colégio dos Cardeais. Prefeito da SC dos Bispos e Regulares de 1671 até sua morte. Prefeito da SC da Residência dos Bispos desde 1671 até à sua morte. Prefeito da SC de Ritos e Cerimônias de agosto de 1671 até sua morte. Seu acervo de livros contribuiu para a formação da Biblioteca Brancaccianade Nápoles. Publicou diversos trabalhos, entre eles um em que defendia o consumo do chocolate demonstrando que não interrompia o jejum.[1].

Morreu em Roma em 9 de janeiro de 1675, perto das 11h. Enterrado na igreja de SS. Nome di Gesù , Roma.[1].

Referências

  1. a b c d e f «Francesco Maria Brancaccio» (em inglês). cardinals. Consultado em 30 de novembro de 2022