Abrir menu principal

Francisco Javier Arce Rolón, mais conhecido como Arce ou Chiqui Arce (Paraguarí, 2 de abril de 1971), é um treinador e ex-futebolista paraguaio que atuava como lateral-direito. Teve passagens notáveis pelo Cerro Porteño, pelo Grêmio e pelo Palmeiras. Atualmente está sem clube.

Arce
Chiqui Arce.jpg
Informações pessoais
Nome completo Francisco Javier Arce Rolón
Data de nasc. 2 de abril de 1971 (48 anos)
Local de nasc. Paraguarí,  Paraguai
Altura 1,79 m
Apelido Chiqui
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição Treinador (ex-lateral-direito)
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19891994
19951997
19982002
2003
20042005
2006
Cerro Porteño
Grêmio
Palmeiras
Gamba Osaka
Libertad
12 de Octubre
00162 000(26)
00134 000(25)
00242 000(57)
00016 0000(1)
00006 0000(0)
00030 0000(4)
Seleção nacional
19952004 Paraguai 00061 0000(5)
Times/Equipas que treinou
20092011
20112012
20132014
20152016
2016
20162017
2018
2018
Rubio Ñu
Paraguai
Cerro Porteño
Olimpia
Guaraní
Paraguai
General Díaz
Ohod

Como jogadorEditar

BrasilEditar

Em 1995, foi contratado pelo Grêmio, onde tornou-se multicampeão junto com sua equipe, na qual venceram a Taça Libertadores da América de 1995, o Campeonato Brasileiro de 1996, Recopa Sul-Americana 1996, a Copa do Brasil de 1997 entre os títulos regionais e o vice-campeão intercontinental de 1995, como um lateral-direito de grande destaque da equipe gaúcha, sob a orientação do treinador Luiz Felipe Scolari,

Em 1997, Scolari levou Arce junto consigo para o Palmeiras, onde também foi multicampeão: venceram a Copa do Brasil de 1998, Copa Mercosul de 1998 e a Taça Libertadores da América de 1999, sendo de novo vice-campeão intercontinental de 1999. Em 2000, Arce ainda ganhou pelo Palmeiras o Torneio Rio-São Paulo de 2000 e a Copa dos Campeões de 2000, torneio de abrangência nacional, que levou novamente o Palmeiras à Libertadores.

JapãoEditar

Em 2002, deixou a equipe do Palmeiras e foi jogar no futebol japonês, na equipe do Gamba Osaka. Jogou também pelo Club Libertad, do seu país. Em 2006, largou a carreira de jogador de futebol e tornou-se treinador. Seu jogo de despedida aconteceu em Paraguarí, a 62 quilômetros da capital paraguaia, Assunção. O jogo amistoso contou com jogadores como Bobadilla e Gamarra, entre outros.

Seleção ParaguaiaEditar

Pela seleção do Paraguai, Arce disputou a Olimpíada de Barcelona em 1992, na qual ele diz que foi um de seus melhores momentos na carreira.[1]

Disputou também duas Copas do Mundo, em 1998 e 2002. É um dos maiores ídolos do futebol paraguaio ao lado de Carlos Gamarra e José Luis Chilavert.

Como treinadorEditar

Depois de se retirar como jogador de futebol, Arce tornou-se treinador equipe paraguaia Club Rubio Ñu, levando-os à Segunda Divisão Paraguaia em 2008 e posteriormente, em 2009, à Primeira Divisão Paraguaia.[2] Depois da Copa América 2011 assumiu o comando da Seleção Paraguaia de Futebol.

Em 12 de junho, é demitido do comando do Paraguai devido à fraca campanha da equipe nas Eliminatórias Sul-americanas para a Copa do Mundo de 2014.[3]

Em 4 de Março de 2013, é apresentado como técnico do Cerro Porteño.[4]

Em 24 de Agosto de 2014, após goleada sofrida para o Guarany deixou o comando técnico do Cerro Porteño.[5]

Em 17 de Março de 2015, foi apresentado como técnico do Olimpia.[6]

Comando o modesto Guaraní[7] e em meados do 2016, reassumiu o comando da Seleção Paraguaia de Futebol[8].

TítulosEditar

PremiaçõesEditar

Referências