Francisco Doratioto

Francisco Doratioto
Nascimento 1956 (65 anos)
Atibaia
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de São Paulo

Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (Atibaia, 1956), conhecido como Francisco Doratioto, é um historiador brasileiro, especialista em história militar e das relações do Brasil com os países da América Meridional (Cone Sul: Paraguai, Argentina, Uruguai e Chile).

Graduou-se em história (1979) e em ciências sociais (1982) pela Universidade de São Paulo. É mestre (1988) e doutor (1997) em história das relações internacionais pela Universidade de Brasília. Foi professor da Universidade Católica de Brasília e atualmente é professor da área de História da América do Departamento de História da Universidade de Brasília.

É membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; da Academia Paraguaya de la Historia, Paraguai, e da Academia Nacional de la Historia, Argentina, e do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil.

Na sua obra mais conhecida, Maldita Guerra, Doratioto apresenta detalhadamente a história da Guerra do Paraguai, contrariando explicações que situam no imperialismo inglês o elemento causal decisivo para a deflagração do conflito.[1]

Em maio de 2020 Francisco Doratioto anunciou que o livro Maldita Guerra será relançado ainda este ano, em edição revista e ampliada pela Companhia das Letras, em razão dos 150 anos do fim da Guerra do Paraguai.

Para o professor as lições que a Guerra do Paraguai deixou foi que é preciso ter Forças Armadas preparadas para exercer a soberania, o envolvimento dos militares em assuntos políticos não é bom, pois tem-se pouco tempo para se preparar profissionalmente para uma emergência.

"Se em 1862 alguém dissesse que o Paraguai ia atacar o Brasil e ficaríamos cinco anos em guerra, seria ridicularizado".[2]



Principais obrasEditar

Referências

  1. Veja. «Um historiador diz que a Guerra do Paraguai não foi bem do jeito que se tem ensinado na escola». Consultado em 22 de março de 2012 
  2. Estado', 'Agência (3 de maio de 310). «Guerra mostra que politização não é boa para Exército, diz professor da UnB». Acervo. Consultado em 25 de agosto de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)