Francisco Heráclio do Rego

Tumulo coronel francisco heraclio do rego.jpg

Francisco Heráclio do Rêgo, o coronel Chico Heráclio, (3 de outubro de 188517 de dezembro de 1974) foi um proprietário rural brasileiro de destacada influência política na cidade pernambucana de Limoeiro.[1] [2]

O Leão das Varjadas, como também era conhecido, foi um dos ícones do coronelismo brasileiro. Figura do coronelismo no Brasil, ficou conhecido nacionalmente quando o humorista Chico Anysio fez um personagem em sua homenagem, o "Coronel Limoeiro".[carece de fontes?]

Ao contrário de outros coronéis tardios, que não sobreviveram à modernização do país, Francisco Heráclio do Rego, o Coronel Chico Heráclio, soube usar as mudanças vividas pelo país entre as décadas de 1930 a 1960 (abertura de canais de comunicação e transporte com a capital, decadência da importância do setor agrário, aumento da importância do setor de serviços e desenvolvimento industrial) para manter seu poder. Alguns de seus métodos eram coação, adulteração de documentos, favorecimento pessoal aos eleitores.

Na sua época, Limoeiro foi município de prestígio econômico. Chegou a ser uma das maiores economias de Pernambuco (hoje tem o 32º PIB do Estado), tendo produzido muito algodão – cultura que foi destruída pela praga do bicudo. Além de ter perdido importância econômica, a infra-estrutura urbana de Limoeiro se tornou muito carente.

A desigualdade social é visível: bairros muito pobres convivem com um bairro muito rico, cujas casas não perdem em nada para as grandes mansões dos bairros ricos das metrópoles.

Sob o mando de Chico Heráclio, Limoeiro também viveu o auge de seu prestígio político. Além de eleger prefeitos em Limoeiro e região e de fazer a carreira política dos filhos Francisquinho e Heráclio (deputado estadual e federal, respectivamente, por diversos mandatos), o Coronel exerceu influência decisiva na política pernambucana e chegou até a receber a visita de Juscelino Kubitschek (o primeiro presidenciável a visitar Limoeiro; o segundo foi Aécio Neves).

Para garantir a eleição dos seus candidatos “o processo é muito simples”, disse o próprio coronel à Revista Manchete, resumindo as estratégias de coação, fraude e favor:

“Eu e mais alguns amigos damos transporte aos eleitores. Mando um boi para cada seção eleitoral e às vezes mando cachaça para depois das eleições. Não admito fiscal de nenhum partido. Eleição em Limoeiro tem que ser feita por mim. Sempre fiz e nunca me dei mal”¹.

Outra arma política de Chico Heráclio era propaganda e difamação em formato impresso: os famosos panfletos do Coronel. Quase sempre o conteúdo desses panfletos eram ofensas a rivais – com muito palavrão – ou exaltação de si e dos seus candidatos.

Como Chico Heráclio era analfabeto, o texto era ditado. Ora os panfletos eram anônimos, ora tinham foto de Chico Heráclio e firma reconhecida. Eram distribuídos pelo próprio Coronel pela janela de seus carros ou entregue por correligionários.

Referências

  1. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «HERACLIO MORAIS DO REGO». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 28 de julho de 2019 
  2. «O coronel reencontrado». Tribuna do Norte. Consultado em 28 de julho de 2019 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.