Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Armas do barão de Ivinheima, uma combinação das armas das famílias Pereira e Pinto.

Francisco Pereira Pinto, primeiro e único barão de Ivinheima GCA (Rio de Janeiro, 23 de maio de 1817 – Rio de Janeiro, 7 de maio de 1911) foi um militar brasileiro, tendo alcançado a patente de vice-almirante.

Filho de José Pereira Pinto e de Maria Genoveva Souto Maior. Casou-se em primeiras núpcias quando ainda não tinha o título de barão, com Francisca Eulália Gavião e em segundas, já como Barão de Ivinheima, com Rita Jacques Pereira Pinto,[1] viúva do Conselheiro e Marechal de Campo Francisco Félix da Fonseca Pereira Pinto.

Tendo-se formado na Academia da Marinha em 1834, cinco anos depois já comandaria um patacho como segundo-tenente, em força naval formada para debelar uma revolta em Laguna, Santa Catarina. Participou da esquadra que trouxe a futura imperatriz-consorte Teresa Cristina Maria de Bourbon. Durante a Guerra do Paraguai, participou da Batalha do Paiçandu. Exerceu diversos cargos administrativos da Marinha, como diretor da Escola da Marinha, diretor do Arsenal e ministro supremo do tribunal militar.

Moço fidalgo da Corte, recebeu os graus de grã-cruz da Imperial Ordem de São Bento de Avis e da Ordem Militar de Avis, de comendador da Imperial Ordem de Cristo e da Imperial Ordem de Francisco José da Áustria, entre outras.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Rodrigues Silva, 4º Oficial de Registro Civil Pedro (1892). Registro de óbitos 1892 ed. Rio de Janeiro: República Federativa do Brasil. p. 159 e 159v