Abrir menu principal

Francisco de Paula de Portugal e Castro

Disambig grey.svg Nota: Se procura outro nobre português com o mesmo nome, veja Francisco de Portugal, 8.º conde de Vimioso.

D. Francisco de Portugal ou Francisco Luís I de Portugal (1480 - Évora, 8 de Dezembro de 1549, legitimado em 1505) foi o primeiro conde de Vimioso.

Em 1520, El-Rei D. Manuel I ao pretender estipular uma divisão mais clara das funções de cada um dos Vedores da Fazenda refere-se a ele, ao Barão de Alvito e a D. Pedro de Castro, que se manterão em funções com D. João III[1].

FamíliaEditar

Filho de D. Afonso de Portugal, Bispo de Évora (1440-1522) e de Filipa de Macedo, era neto de D. Afonso II de Portugal, Conde de Ourém e Marquês de Valença, primogénito de D. Afonso I de Bragança e de Beatriz Pereira de Alvim, portanto trineto de D. João I de Portugal e descendente direto e representante genealógico do condestável Nuno Álvares Pereira.

Casou-se a c. 1506 com Brites de Vilhena (morta em 1515), e em 1516 com D. Joana de Vilhena (1486 - 24 de Julho de 1559).

ArzilaEditar

Veio com muitos fidalgos a defensa de Arzila que tinha sido cercada pelos mouros em 1508. Aí ficou um ano, até 1510, " antre todos (os de Arzila) o que mais resplandecia em nobreza e gasto de casa", fazendo algumas "almogavérias", com outros fidalgos, como D. Álvaro de Abranches. Disso é testemunha Bernardo Rodrigues, nos seus Anais de Arzila, capítulos X & XI. Numa surtida ao campo onde prendeu alguns mouros, foi ferido : Afonso da Silva, escudeiro do seu pai ( Bispo de Évora ), "foi pasado de uma lança de arremeso (...) não lhe valendo couraças, nem as laminas d'aço de que eram fortificadas, que a mortal lança não lançase o ferro da outra parte. Fazendo Dom francisco alguma detença, em tanto que a alma saia do trabalhado corpo, foi Dom francisco atordoado de uma grande pedrada que, dando-lhe no capacete, lh'o levou da cabeça, e caindo-lhe aos pés lhe pisou os dedos, de maneira que não se podia afirmar no pé ; e arrimado a Dom Alvaro d'Abranches, que mais mancebo e rijo que todos era, e deixando o corpo de Afonso da Silva despojado somente de capacete e adarga[2]" recolheu-se. Aí perdeu "quatro ou cinco homens, sem causa, entrando dous fidalgos que polo acompanhar e servir, fórão com ele.

" Pouco tempo mais tarde também esteve na tomada duma fusta : "Neste tempo soube o conde de Borba [Capitão de Arzila] que em Larache entrara uma fusta, que viera de Tetuão ou de Beles; e com fruta nova alvoroçou a todos os senhores e fidalgos, e pedirão ao conde que lhe armasse com duas caravelas que no arrecife estávão (...) E chegando ao cabo [D'Espartel] vírão a fusta (...). E saíndo o conde ao Facho com toda a gente e conhecendo que o navios vínhão esbombardeando a fusta, mandou tomar as Atalaias Altas, com entenção de mandar gente por terra, que sendo caso que os das fustas se lançassem em terra não se salvassem (...). E pedindo-lhe Dom francisco portugal licença pera ir diante com cincoenta de cavalo, o conde lh'a deu (...). A fusta desaparelhada foi dar em terra, e os que se ajuntárnao foram dar no corrego de Benamourel, donde chegando Dom francisco Portugal e o Bizconde os andávão tirando (...), com morte dalguns poucos, e outros que se perderão no mar : escapárnao poucos dessa boa sorte. Rocolhêrão pasante de corenta mouros (...). E tiranda a fusta de terra a pusera por popa das caravelas (...) Foi esta uma das maiores sortes e ditas que em noso tempo aconteceu (...) Deito-o eu áquele tempo não serem os mouros tão praticos na arte do mar, como agora são, ainda que nesta fusta se tom1arão dous ou tres turcos, que cuido ser dos primeiros que ao reino de Fez vierão e os primeiros que eu em Arzila vi.[3]"

DescendênciaEditar

Notas

  1. «A governação de D. João III: a Fazenda Real e os seus vedores», Autor: Maria Leonor García da Cruz, Editora: Centro de História da Universidade de Lisboa, Data: 2001, p. 36
  2. Bernardo Rodrigues : Anais de Arzila, crónica inédita do século XVI, publicada por ordem da acedemia das sciências de Lisboa, e sob a direcção de David Lopes, sócio efectivo da mesma academia. Coimbra — Imprensa da Universidade — 1919 p. 45-46-47
  3. Bernardo Rodrigues : Anais de Arzila, p. 49-50-51


Precedido por
---
1.º Conde de Vimioso
1515-1549
Sucedido por
Afonso I
  Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.