Abrir menu principal

Fratura da costela

Fratura da costela
Um raio-X mostrando múltiplas costelas quebradas do lado esquerdo da pessoa conforme marcado pela oval
Especialidade Medicina de urgência
Sintomas Dor no peito que piora ao respirar[1]
Complicações Contusão pulmonar, pneumotórax, pneumonia[1][2]
Causas Trauma torácico[2]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas, imagiologia médica[3]
Medicação Paracetamol (acetaminofeno), AINEs, opióides[2]
Prognóstico A dor diminui após seis semanas[3]
Frequência Comum[2]
Classificação e recursos externos
MeSH D012253
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A fratura na costela é a quebra de um dos ossos da costela.[1] Isto normalmente resulta em dor no peito que piora com a respiração. Hematomas podem ocorrer no local da quebra.[3] Quando várias costelas estão quebradas em vários lugares resulta em um tórax instável.[4] Complicações potenciais incluem um pneumotórax, contusão pulmonar e pneumonia.

As fraturas de costelas ocorrem, geralmente, a partir de um golpe direto no peito, como durante uma colisão de veículo motorizado ou a partir de um esmagamento. Tosse ou câncer metastático pode também resultar em uma costela quebrada. A parte meio das costelas são mais frequentemente fraturadas.[5] As fraturas da primeira ou segunda costela são mais susceptíveis de serem associadas a complicações.[6] O diagnóstico pode ser feito com base nos sintomas e suportado pela geração de imagens médicas.

O controle da dor é uma parte importante do tratamento.[7] Isto pode incluir o uso de paracetamol (acetaminofeno), AINEs, ou opiáceos. Um bloqueio do nervo pode ser outra opção. Enquanto as costelas fraturadas são coladas, isso pode aumentar as complicações. Aqueles que apresentam tórax instável, a cirurgia pode melhorar os resultados.[8][9] Elas são lesões comuns na sequência do traumatismo.[10]

Referências

  1. a b c Mosby's Medical Dictionary (E-Book) (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. 2013. p. 1567. ISBN 0323112587. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2017 
  2. a b c d May, L; Hillermann, C; Patil, S (janeiro de 2016). «Rib fracture management». BJA Education. 16 (1): 26–32. doi:10.1093/bjaceaccp/mkv011 
  3. a b c Adams, James G. (2012). Emergency Medicine E-Book: Clinical Essentials (Expert Consult – Online) (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 682. ISBN 1455733946. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2017 
  4. Wanek, Sandra; Mayberry, John C (2004). «Blunt thoracic trauma: flail chest, pulmonary contusion, and blast injury». Critical Care Clinics. 20 (1): 71–81. PMID 14979330. doi:10.1016/S0749-0704(03)00098-8 
  5. Nanni, Christina (2012). PET-CT: Rare Findings and Diseases. [S.l.]: Springer. p. 257. ISBN 978-3-642-24698-2 
  6. Murphy CE, 4th; Raja, AS; Baumann, BM; Medak, AJ; Langdorf, MI; Nishijima, DK; Hendey, GW; Mower, WR; Rodriguez, RM (27 de maio de 2017). «Rib Fracture Diagnosis in the Panscan Era.». Annals of emergency medicine. PMID 28559032. doi:10.1016/j.annemergmed.2017.04.011 
  7. Brown, SD; Walters, MR (2012). «Patients with rib fractures: use of incentive spirometry volumes to guide care.». Journal of trauma nursing : the official journal of the Society of Trauma Nurses. 19 (2): 89–91; quiz 92–03. PMID 22673074. doi:10.1097/JTN.0b013e31825629ee 
  8. Schuurmans, J; Goslings, JC; Schepers, T (abril de 2017). «Operative management versus non-operative management of rib fractures in flail chest injuries: a systematic review.». European journal of trauma and emergency surgery : official publication of the European Trauma Society. 43 (2): 163–68. PMID 27572897. doi:10.1007/s00068-016-0721-2 
  9. Coughlin, TA; Ng, JW; Rollins, KE; Forward, DP; Ollivere, BJ (agosto de 2016). «Management of rib fractures in traumatic flail chest: a meta-analysis of randomised controlled trials.». The bone & joint journal. 98–B (8): 1119–25. PMID 27482027. doi:10.1302/0301-620X.98B8.37282 
  10. Senekjian, L; Nirula, R (janeiro de 2017). «Rib Fracture Fixation: Indications and Outcomes.». Critical care clinics. 33 (1): 153–65. PMID 27894495. doi:10.1016/j.ccc.2016.08.009