Frederick Forsyth

Frederick Forsyth, CBE (Ashford, 25 de agosto de 1938) é um escritor inglês.[1]

Frederick Forsyth
Frederick Forsyth (2003)
Nascimento 25 de agosto de 1938 (81 anos)
Ashford, Reino Unido
Nacionalidade Reino Unido
Ocupação Escritor
Género literário Romance
Magnum opus Ícone

Educado na Tondridge School, e depois na Universidade de Granada, na Espanha, aos 19 anos, começou a servir a RAF (Royal Air Force) como um dos mais jovens pilotos, tendo servido até 1958. Depois começou a trabalhar no Eastern Daily Press como repórter. Em 1961, se tornou correspondente da Reuters em Paris. Trabalhou também na Alemanha Oriental e na Tchecoslováquia, países onde obteve muitas informações que seriam, posteriormente, publicadas em seus livros. Retornando a Londres em 1965, trabalhou como repórter de rádio e televisão na BBC, o que lhe proporcionou a oportunidade de conhecer a fundo os grandes dramas da política internacional. Essa experiência no jornalismo o ensinou a ser minucioso e preocupado com as verdades históricas. Como correspondente diplomático assistente, cobriu o lado biafrense da guerra entre a Nigéria e Biafra de julho a setembro de 1967, e isto forneceu a ele conhecimento de política internacional, especialmente sobre o mundo dos soldados mercenários. Foi este trabalho e a pesquisa relacionada que interessaram a ele como verdade histórica. Em 1968, deixou a BBC para retornar para Biafra e cobriu a guerra, primeiro como freelance e depois para o Daily Express e para a revista Time.

Em 1970, após nove anos de intensa carreira jornalística, Forsyth teve a idéia de escrever um livro onde poria à prova os métodos de investigação de sua atividade como repórter. Escolheu um tema romanesco e de certo modo misterioso: as tentativas da extrema direita francesa de assassinar o General Charles De Gaulle, presenciadas por Forsyth em 1962 em Paris. Nasceria assim o primeiro de sua longa lista de sucessos: O Dia do Chacal.

A lista de thrillers que escreveu após o grande sucesso deste livro o tornou um best-seller internacionalmente reconhecido. Especializou-se em romances envolvendo espionagem e política internacional. Com O Fantasma de Manhattan, flertou com romances de suspense, mas o resultado foi decepcionante para seus antigos leitores. Estão entre seus grandes livros os romances A Alternativa do Diabo, Dossiê Odessa e O Quarto Protocolo,

Frederick Forsyth fala francês, alemão e espanhol fluentes, e tem viajado por toda a Europa, Oriente Médio e África, e estas experiências podem ser vistas na autenticidade dos seus livros.

ObrasEditar

Esta é uma lista de livros publicados por Frederick Forsyth.

nº sequencial Título Original em inglês Lançamento ISBN
01 A História de Biafra (O Nascimento de um Mito Africano) The Biafra Story: The Making of an African Legend 1969 ISBN
02 O Dia do Chacal The Day of the Jackal 1971 ISBN
03 O Dossiê Odessa The Odessa File 1972 ISBN
04 Cães de Guerra The Dogs of War 1974 ISBN
05 O Pastor The Shepherd 1975 ISBN
06 A Alternativa do Diabo The Devil's Alternative 1979 ISBN
07 Sem Perdão [nota 1] No Comebacks 1982 ISBN
08 O Quarto Protocolo The Fourth Protocol 1984 ISBN 8511520333
09 O Negociador The Negotiator 1989 ISBN
10 O Manipulador The Deceiver 1991 ISBN
11 O Punho de Deus The Fist of God 1994 ISBN
12 Ícone Icon 1996 ISBN
13 O Fantasma de Manhattan The Phantom of Manhattan 1999 ISBN
14 O Veterano The Veteran 2001 ISBN
15 O Vingador Avenger 2003 ISBN
16 O Afegão The Afghan 2006 ISBN
17 O Cobra The Cobra 2010 ISBN
18 A Lista The Kill List 2014 ISBN
19 A raposa The fox 2019

Notas

  1. É um livro contendo 10 contos, quais sejam: Sem Perdão, Não Há Cobras Na Irlanda, O Imperador, Há Certos Dias..., Dinheiro Sob Ameaça, Usado Como Prova, Privilégio, Dever, Um Homem Cuidadoso e O Trapaceiro.

Referências

  1. «Frederick Forsyth». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.