Abrir menu principal

Frederick de Houtman

Frederick de Houtman
Frederick de Houtman retratado em 1617 por David de Meyne
Nascimento c. 1571
Gouda, Países Baixos Espanhóis
Morte 21 de outubro de 1627
Alkmaar, República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos
Ocupação Navegador, astrónomo

Frederick de Houtman[nota 1] (por vezes grafado Frederik de Houtman) (Gouda, c. 1571Alkmaar, 21 de outubro de 1627) foi um navegador e astrónomo holandês, oficial superior da Companhia das Índias Orientais. Participou nas primeiras expedições marítimas holandesas às Índias Orientais, que viriam a estabelecer o domínio dos Países Baixos na região. No campo da astronomia, o seu nome ficou associado à definição de doze novos asterismos no hemisfério celeste Sul que deram origem a doze das 88 constelações oficiais modernas.

BiografiaEditar

Nasceu cerca de 1571 na cidade de Gouda, que na altura fazia parte dos Países Baixos Espanhóis, filho de Pieter Cornelisz e de Agnes née Frederiksd.[1]

Em 1592 Frederick de Houtman e o seu irmão mais velho, Cornelis de Houtman (Gouda, c. 1565[nota 2]Achém, Sumatra, 11 de Setembro de 1599[3]), deslocaram-se a Lisboa, na qualidade de representantes de mercadores de Amesterdão, tendo sido presos por tentativa de furto de cartas náuticas da rota para a região da actual Indonésia,[3][4] onde os Portugueses (na altura unidos à coroa espanhola pela Dinastia Filipina) haviam estabelecido o domínio do comércio de especiarias.[5] Acabaram por ser libertados em 1595, em troca de um resgate considerável pago pelos mercadores que os haviam enviado, retornando a Amesterdão.[6]

Primeira expedição holandesa às Índias OrientaisEditar

Em Abril de 1595 embarcou na primeira expedição holandesa às Índias Orientais - historicamente conhecida como Eerste Schipvaart ("Primeira Expedição") -, numa frota da Compagnie van Verre ("Companhia das Terras Longínquas")[nota 3] com quatro navios (Amsterdam, Duifje, Hollandia e Mauritius) liderada por Cornelis de Houtman,[3] ocupando o posto de sub-comissário mercantil no Hollandia,[7] comandado por Jan Dignumsz[8] e pilotado por Pieter Dirkszoon Keyser.[2]

A frota aportou em Madagáscar em Setembro do mesmo ano e Frederick de Houtman aproveitou a estadia para estudar e registar o dialecto local, para o qual viria posteriormente a publicar um dicionário.

 
Localização da ilha de Engano, em Sumatra.

Prosseguindo a viagem em direcção ao arquipélago malaio, após quase quatro meses em mar alto ancoraram em Junho de 1596 ao largo da ilha de Engano, situada cerca de 100 km a sudoeste de Sumatra. Não chegaram a desembarcar mas, após ter sido estabelecido contacto com a população local, foi-lhes facultado um guia que os conduziu em segurança através do estreito de Sunda - que separa as ilhas de Sumatra e Java - até à capital do sultanato de Banten (também grafada Bantam), localizada na ilha de Java, onde iniciaram negociações diplomáticas e comerciais[2] com o governador, Djajanagara.[nota 4] No entanto, instigado por mercadores portugueses, o governador interrompeu a troca comercial com os holandeses, que ameaçaram tomar pela força a carga que os portugueses detinham nos seus barcos. O incidente levou à detenção de Cornelis de Houtman e de sete dos seus companheiros, que se haviam deslocado a terra para exigir o cumprimento do contrato.[9][10]

 
O sultanato de Banten (1527–1813), por volta de 1570.

Informados da ocorrência os oficiais a bordo da frota, ancorada ao largo do porto, ordenaram o ataque aos barcos portugueses e o bombardeamento da cidade visando forçar a libertação dos seus compatriotas. Conseguiram apenas contra-ataques por parte do governador e a exigência de um resgate pelos prisioneiros. Tendo sido paga a quantia estabelecida, Cornelis e os outros tripulantes retornaram aos navios, mas após o incidente as relações diplomáticas e comerciais terminaram, pelo que os holandeses acabaram por abandonar Banten e seguir viagem ao longo da costa Norte de Java.[9][10]

A campanha foi um fracasso em todos os aspectos: o escasso lucro obtido serviu apenas para pagar o empreendimento, inábeis diplomaticamente, os holandeses depararam-se com a influência que os portugueses detinham na região, entraram em vários confrontos com os líderes locais - desde Banten até às ilhas que visitaram posteriormente - e ocorreram graves disputas entre a própria tripulação;[11] a maioria faleceu durante a viagem, incluindo o comandante e o piloto do Hollandia, Jan Dignumsz e Pieter Dirkszoon Keyser, tendo os sobreviventes regressado aos Países-Baixos em Agosto de 1597, demasiado enfraquecidos para conseguirem sequer aportar pelos próprios meios as três embarcações restantes (o Amsterdam havia sido abandonado e incendiado em Janeiro de 1597, ao largo da ilha de Bawean, no Mar de Java).[2]

Segunda expedição e publicação da obra Spraeck ende woord-boeckEditar

 
O sultanato de Achém, entre 1524 e 1637

Em 1598 partiu numa segunda viagem para as Índias Orientais, desta vez como comandante do navio Leeuwin ("Leoa").[8] A frota que integrava, liderada por Cornelis de Houtman (a bordo do Leeuw ("Leão")) e financiada pela Veersche Compagnie de Balthazar de Moucheron, chegou ao sultanato de Achém na ilha de Sumatra em Junho de 1599 onde, fruto de intrigas tecidas pelos portugueses,[12] Cornelis foi morto e Frederick de Houtman feito prisioneiro pelo sultão local, Alauddin Ri’ayat Shah.[12] Durante a sua detenção em Sumatra realizou observações do céu, anotando cuidadosamente as coordenadas de 303 estrelas em redor do pólo celeste Sul, para além de ter compilado um dicionário e uma gramática do idioma malaio.[2] Após uma iniciativa diplomática por parte do príncipe Maurício de Orange-Nassau, que resultaria numa aliança duradoura com o sultanato, foi libertado em 1601, tendo regressado aos Países-Baixos a bordo de um navio holandês.[1][13]

Em 1603 publicou a obra "Spraeck ende woord-boeck, in de Maleysche ende Madagaskarsche talen, met vele Arabische ende Turcsche woorden" ("Gramática e dicionário das línguas faladas na Malásia e em Madagáscar, com muitas palavras Árabes e Turcas") contendo um anexo - "noch zijn hier byghevoecht de declinatien van vele vaste Sterren, staende ontrent den Zuyd-pool, voor dezen tijdt noyt ghesien" ("em adenda constam as declinações de muitas estrelas fixas, em redor do pólo Sul, nunca antes observadas até hoje")[14] - onde se registam as coordenadas celestes das estrelas que estudara, agrupadas em doze constelações.

Terceira expedição - Governador de AmboinaEditar

 
Derrota dos portugueses em Amboina. Gravura da autoria de Isaac Commelin em 1645.

Em Dezembro de 1603 embarcou como comissário mercantil no Amsterdam,[nota 5] que fazia parte de uma frota de doze navios da Companhia Holandesa das Índias Orientais com destino a Banten, liderada por Steven van der Hagen.[15] A expedição possuía um intuito predominantemente militar e pretendia enfraquecer a presença espanhola e portuguesa em todo o arquipélago malaio. Em 1605 atacaram e derrotaram os portugueses na ilha de Amboina, localizada no arquipélago das Molucas, onde se estabeleceu a primeira sede comercial da Companhia Holandesa das Índias Orientais.[16] No mesmo ano, Frederick de Houtman foi nomeado primeiro governador da ilha.[17] Permaneceu no cargo até 1611, tendo retornado a Alkmaar em 1612, onde exerceu funções no Conselho da cidade entre 1614 e 1618.[1]

Quarta expedição - Governador das MolucasEditar

Em 1618 partiu como comandante[18][19] de uma expedição de seis navios em direcção à ilha de Java.[16] Na época, os navegadores holandeses que rumavam às Índias Orientais eram aconselhados a aproveitar ventos e correntes favoráveis mais a Sul e a dirigirem-se para Norte a certo ponto. Não existindo ainda um método seguro para determinar a longitude, o local em que deveriam efectuar a mudança de rota era estimado sem grande precisão, levando-os a aproximarem-se da costa australiana.[1] Ao avistarem a Austrália seguiram para Norte, quase colidindo com um extenso grupo de baixios de coral que ficaram conhecidos como "De Houtman Abrolhos",[nota 6] [19][21][22] chegando a Java em Setembro de 1619. Por esta altura já os holandeses haviam implantado a sua presença e uma sólida rede comercial no arquipélago tendo, em Maio do mesmo ano, expulsado os ingleses do local onde viriam a fundar a sua capital comercial, Batávia.[23]

Em 1621 foi nomeado governador das ilhas Molucas, exercendo funções até 1623.[2] Em 1624 regressou a Alkmaar, onde ocupou o cargo de vereador, tendo aí falecido em Outubro de 1627.[1]

Cartografia CelesteEditar

Na primeira expedição realizada em 1595 Pieter Dirkszoon Keyser, o primeiro piloto do Hollandia, efectuou a pedido de Petrus Plancius a cartografia do céu do hemisfério Sul, tendo sido assistido por Frederick de Houtman.[2] Em Setembro de 1596 Keyser faleceu quando a frota se encontrava ancorada ao largo da cidade portuária de Banten,[10] mas sabe-se que os resultados das observações foram entregues a Plancius[24] (tendo a frota regressado, com de Houtman a bordo, em Agosto de 1597), pois o cartógrafo produziu, em finais de 1597 ou princípios de 1598, um globo celeste em que introduziu doze novas figuras (Mosca,[nota 7] Ave do Paraíso, Camaleão, Dourado, Grou, Hidra Macho, Índio, Pavão, Fénix, Tucano, Triângulo Austral e Peixe Voador) compostas por estrelas visíveis a partir do hemisfério Sul e cujas posições são fidedignas.[26] As mesmas figuras seriam reproduzidas por Jodocus Hondius num globo celeste datado de 1600.[27]

 
Ilustração das doze novas constelações do hemisfério celeste Sul, numa edição da obra de Johann Bayer datada de 1661, reproduzindo a que foi publicada na edição original do atlas Uranometria em 1603. Na página da esquerda observam-se Doradus (em baixo, ao centro), Phoenix, Hydrus, Tucana, Grus, Indus e Pavo; na da direita, Apus (aqui identificada como Apis Indica), Triangulum Australe, Chamaeleon, Musca (aqui identificada como Apis) e Volans.

Não restam dúvidas de que Frederick de Houtman efectuou a cartografia celeste do hemisfério Sul de forma independente, pois os dados na sua obra publicada em 1603 apresentam algumas diferenças relativamente aos que foram usados por Plancius e por Jodocus Hondius entre 1597 e 1600.[27][28] No entanto, devido ao facto de não existir um documento esclarecedor sobre a autoria das observações realizadas na primeira viagem ou atestando quem terá idealizado as figuras que seriam associadas a estes doze asterismos, debate-se ainda hoje em dia a quem se deve atribuir o crédito da introdução destas constelações modernas. Johann Bayer, no seu atlas celeste Uranometria de 1603 e Paul Merula, na obra Cosmographie generalis publicada em 1605, creditam-nas a Petrus Theodorus, que a generalidade dos pesquisadores identifica com Pieter Keyser.[7]Willem Blaeu, por exemplo, no seu Hemelglobe ("Globo Celeste") de 1603 atribui-as exclusivamente a Frederick de Houtman;[7] outros autores posteriores contribuíram de igual forma para a controvérsia actual.

Hoje em dia a maioria dos investigadores assume que se devem conjuntamente a Pieter Dirkszoon Keyser e Frederick de Houtman;[27][29][30] no entanto, alguns creditam-nas exclusivamente a Keyser,[24][31] enquanto há ainda quem defenda que os navegadores terão apenas recolhido os dados, cabendo a Petrus Plancius agrupar as estrelas e decidir que figuras ilustrariam[28] estes asterismos.

O globo celeste de Plancius representou-as pela primeira vez, mas a notoriedade destas constelações só foi alcançada após constarem no atlas celeste Uranometria, influente obra que as tornou célebres para a comunidade de astrónomos posteriores.[27]

HomenagensEditar

Descoberto em 1960, o asteróide da cintura principal 10650 Houtman foi baptizado em honra dos irmãos Cornelis e Frederick.[32]

Notas

  1. Na sua obra Spraeck ende woord-boeck, publicada em 1603, o autor surge identificado com esta grafia.
  2. A data de nascimento de Cornelis de Houtman é disputada por vários investigadores, sendo colocada entre 1540 e 1570.[2]
  3. Fundada em 1602, a Companhia Holandesa das Índias Orientais resultou da união de várias empresas menores que até então operavam por conta própria.
  4. Devido ao recente falecimento do monarca local e à tenra idade do seu sucessor, o futuro sultão Abdul Kadir, o sultanato estava sob regência de um governador (localmente denominado o Ki Patih). A ilha de Java encontrava-se dividida em províncias, cada uma sob domínio de um monarca, embora todos prestassem vassalagem a um príncipe dominante (ou Imperador) na ilha, Ária Pangiri. No entanto, na altura da visita dos holandeses o seu sucessor, Mas Juruh, ainda respeitado pelos monarcas, perdia influência e estatuto rapidamente, tendo Java acabado por se dividir em sultanatos totalmente soberanos.[9]
  5. Um navio distinto do Amsterdam incendiado ao largo de Bawean em Janeiro de 1597.
  6. Abrolho, neste contexto, é um recife ou rochedo a pouca profundidade. A palavra originou-se a partir do latim aperī ocŭlos ou do português abre + olho, numa alusão ao perigo que estas formações representam para as embarcações.[20]
  7. Plancius representou-a como um insecto voador, mas não lhe atribuiu qualquer designação; só na obra de Frederick de Houtman, de 1603, é que esta é identificada como sendo uma Mosca. Baseando-se em dados anteriores à obra de de Houtman, Bayer nomeou-a Apis (a Abelha), mas a figura acabaria por ficar conhecida pela designação fornecida por Frederick de Houtman.[25]

Referências

  1. a b c d e J. Van Lohuizen (1966 (cópia impressa)). «Houtman, Frederik de (1571–1627)». Australian Dictionary of Biography (em inglês). Universidade Nacional da Austrália. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 23 de Julho de 2014  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  2. a b c d e f g Fred Swart (Dezembro 2007). «Lambert Biesman (1573–1601) of the Company of Trader-Adventurers, the Dutch Route to the East Indies, and Olivier van Noort's Circumnavigation of the Globe» (PDF) (em inglês). Journal of the Hakluyt Society. p. 4-15. 31 páginas. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 27 de julho de 2014 
  3. a b c «Cornelis and Frederik de Houtman». Encyclopædia Britannica (em inglês). Encyclopædia Britannica, Inc. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 10 de Junho de 2014 
  4. Marshall Cavendish Corporation (2005). Explorers and Exploration (em inglês). 5. Nova Iorque: Marshall Cavendish. p. 346. ISBN 0761475370. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  5. Manuel Lobato; et al. (2011). «A globalização, periferias e as ilhas». As Ilhas e a Europa, a Europa das Ilhas. Col: Debates n.º 5. Funchal: Centro de Estudos de História do Atlântico. p. 128-129. ISBN 978-972-8263-73-7. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  6. Miles Harvey (2001). «Introduction: Strange Waters». The Island of Lost Maps. A True Story of Cartographic Crime (em inglês). [S.l.]: Broadway Books. p. xiv. 404 páginas. ISBN 0-7679-0826-0. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  7. a b c Knobel, E. B. (1917). «On Frederick de Houtman's catalogue of southern stars, and the origin of the southern constellations» (PDF) (em inglês). Reprodução do artigo original publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society - vol. LXXVII. pp. 414–417. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  8. a b «Resources: The Dutch East India Company's shipping between the Netherlands and Asia 1595-1795». The Dutch East India Company's shipping between the Netherlands and Asia 1595-1795 (em inglês). Instituto Huygens ING. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 10 de Junho de 2014 
  9. a b c Cristina Maria Ribeiro Leal (2013). «5 - A primeira viagem, 1595-1597». A primeira viagem neerlandesa à Ásia, 1595-1597 (PDF). Objetivos e interações com os Portugueses (Tese de Mestrado). Cópia arquivada em 5 de Setembro de 2014. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. p. 69-117. 144 páginas. Consultado em 11 de Julho de 2014 
  10. a b c René Augustin Constantin de Renneville (1703). «A relation of the first voyage of the dutch into the east-indies». A collection of voyages undertaken by the Dutch East-India Company. for the improvement of trade and navigation. Containing an account of several attempts to find out the North-East Passage, and their Discoveries in the East-Indies, and the South Seas. Together with an Historical Introduction, giving an account of the rise, establishment and progress of that great body. Translated into English, and illustrated with several charts. (em inglês). O livro consiste na tradução para inglês do primeiro volume da obra 'Recueil des voyages qui ont servi a l'établissement et aux progrès de la Compagnie des Indes Orientales' (pub. 1702) de René Augustin Constantin de Renneville que, por sua vez, consiste numa tradução e adaptação de 'Begin ende voortgangh van de Vereenighde Nederlandtsche Geoctroyeerde Oost-Indische Compagnie' (pub. 1646) da autoria de Isaac Commelin. Londres: Printed for W. Freeman near Temple Bar, J. Walthoe in the Temple, Tho. Newborough at the Golden Ball in St. Paul's Church-Yard, John Nicholson at the Kings-Arms in Little Britain, and R. Parker under the Royal Exchange in Cornhil. p. 145-172. 336 páginas. Consultado em 10 de Julho de 2014 
  11. T.D. Mutch (1942). «The first fleet of the Dutch». In: T.D. Mutch. The first discovery of Australia. with an account of the voyage of the "Duyfken" and the career of Captain Willem Jansz (em inglês). Para efeitos de consulta, a obra é apresentada num livro digital produzido por Colin Choat e Bob Forsyth e disponibilizado pelo Projecto Gutemberg, a partir de uma reimpressão do original publicado no Journal of the Royal Australian Historical Society ; vol. XXVIII, pt. V., 1942. Cópia arquivada em 5 de Setembro de 2014. Sydney: [s.n.] p. 11-12. 55 páginas. OCLC 219954127. Consultado em 4 de Julho de 2014 
  12. a b «Malay-speaking parrot on a diplomatic mission» (em inglês). Universidade de Leiden. 17 de Julho de 2011. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  13. Ingrid Saroda Mitrasing (2011). «The genesis of Aceh-European relations (1599 - 1607)». The age of Aceh and the evolution of kingship 1599-1641 (em inglês). Cópia arquivada em 5 de Setembro de 2014. [S.l.]: Universidade de Leiden. p. 69-96. OCLC 708036200. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  14. Klaas van Berkel; Albert Van Helden; Lodewijk C Palm (1999). «The natural sciences in the colonies». A history of science in the Netherlands. survey, themes and reference (em inglês). Leiden: Brill. p. 210. 659 páginas. ISBN 9004100067. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  15. «Resources: The Dutch East India Company's shipping between the Netherlands and Asia 1595-1795 - Details of voyage 0091.1 from Texel to Bantam». The Dutch East India Company's shipping between the Netherlands and Asia 1595-1795 (em inglês). Instituto Huygens ING. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  16. a b M. J. van Dam (1998). Cópia arquivada em 5 de Setembro de 2014. «Cornelis en Frederick de Houtman van Gouda: pioniers van de vaart op Oost-Indië» (PDF). Gouda: Stichting "Vrienden van Archief en Librije". De schatkamer : regionaal-historisch tijdschrift voor Boskoop, Gouda, Moordrecht, Nieuwerkerk aan den IJssel, Reeuwijk en Waddinxveen (em holandês). 12 (3): 83-86. ISSN 0920-9530. OCLC 72738969. Consultado em 4 de Julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 12 de março de 2014 
  17. G J Knaap (1987). Memories van overgave van gouverneurs van Ambon in de 17e en 18e eeuw (em holandês). Nijhoff: 's-Gravenhage. p. XVI. ISBN 9068901605. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  18. «Resources: The Dutch East India Company's shipping between the Netherlands and Asia 1595-1795 - Details of voyage 0223.1 from Texel to Bantam». The Dutch East India Company's shipping between the Netherlands and Asia 1595-1795 (em inglês). Instituto Huygens ING. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  19. a b «Frederik de Houtman». Voyages of Grand Discovery (em inglês). Western Australian Museum - Maritime. 2007. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  20. Carlos Rocha (1 de Abril de 2009). «Abrolhos, farelhões, novamente». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 23 de Julho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  21. Lindsay B. Collins; Zhong Rong Zhu; Karl Heinz-Wyrwoll (1997). «Geology of the Houtman Abrolhos islands». In: H. Leonard Vacher; Terrence M. Quinn. Geology and Hydrogeology of Carbonate Islands (em inglês). [S.l.]: Elsevier. p. 811. 948 páginas. ISBN 0-444-81520-1. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  22. Peter Trickett (18 de Janeiro de 2014). Cópia arquivada em 24 de Agosto de 2014. «Wrong turn over the first maps of Australia's coasts». Ainslie, A.C.T. : C.J. Shakespeare for the Federal Capital Press of Australia Ltd. The Canberra Times (edição on-line) (em inglês). ISSN 0157-6925. OCLC 226106868. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  23. Florence Lamoureux (2003). Indonesia. a global studies handbook (em inglês). Santa Barbara, Calif.: ABC-Clio. p. 25-26. 251 páginas. ISBN 1576079139. Consultado em 4 de Julho de 2014 
  24. a b Helen Sawyer Hogg (1951). «Out of Old Books (Pieter Dircksz Keijser, Delineator of the Southern Constellations)» (PDF) (em inglês). Reprodução do artigo original publicado no Journal of the Royal Astronomical Society of Canada - vol. XLV. 220 páginas. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 24 de Agosto de 2014 
  25. Ian Ridpath. «Star Tales - Musca» (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2015 
  26. Ian Ridpath (1988). «Star Tales - The Constellations of Petrus Plancius» (em inglês). Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 24 de Agosto de 2014 
  27. a b c d Ian Ridpath (1988). «Star Tales - Scouting the southern sky» (em inglês). Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 24 de Agosto de 2014 
  28. a b Elly Dekker (1985). Fundação Barent Langenes, Caert-Thresoor e Peter van der Krogt, ed. «Caert-Thresoor vol. 4 (1985) nr. 4 summaries, pp. 70-76 - An alleged case of plagiarism: Frederick de Houtman and his contribution to celestial cartography» (em inglês). Nota: o artigo original e integral (em holandês, com sumário em inglês) pode ser consultado em PDF, na versão digitalizada do nr. 4 (pp. 61-80) do vol. 4 (1985) do jornal Caert-Thresoor, ou na respectiva cópia arquivada em 25 de Agosto de 2014. Caert-Thresoor - Jornal da história da Cartografia nos Países Baixos. Consultado em 10 de Junho de 2014 
  29. Arnold V. Lesikar (2010). «The Dome of the Sky - The Dutch Navigators» (em inglês). Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 31 de Agosto de 2014 
  30. David Darling. «Plancius, Petrus». The Encyclopedia of Science (em inglês). Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 31 de Agosto de 2014 
  31. Knobel, E. B. (1917). «On Frederick de Houtman's catalogue of southern stars, and the origin of the southern constellations» (PDF) (em inglês). Reprodução do artigo original publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society - vol. LXXVII. 420 páginas. Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2014 
  32. Arquivo do JPL da NASA. «10650 Houtman» (em inglês). Consultado em 10 de Junho de 2014. Cópia arquivada em 31 de Agosto de 2014 

Ligações externasEditar