Abrir menu principal
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura se procura pelo queijo mineiro, veja Queijo Minas Frescal.

Frescal, produto da região dos campos do planalto catarinense, cidades como Lages, Urupema e São Joaquim, e subida da serra, como Santo Amaro da Imperatriz e Timbó.

Trata-se de carne de gado vacum, especialmente a porção chamada tatu ou lagarto, salgada e curtida ao relento apenas durante a ausência de sol, geralmente à noite.

É uma variante do charque, adaptada à região.

Produção artesanal do frescalEditar

  • Utilizar, preferencialmente, carnes de primeira, tais como: tatu (lagarto), coxão mole, lombo (contra-filé) ou alcatra.
  • Quando a peça for muito grossa, charquear (corte ao meio, no sentido horizontal, sem separar).
  • Acrescentar sal na proporção de 3% do peso da peça de carne, deixar por 24 horas sob refrigeração descansando numa bacia ou gamela seca sobre uma grelha para fique sempre seca, virar a cada 8 horas.
  • Depois, deixar por 48 horas na sombra (pode ser deixado no sereno, desde que não sujeito à chuva), devidamente protegida de moscas.
  • Consumir em até 48 horas em meses de calor, ou 72 horas nos meses de frio.
  • Se for guardada no freezer, a carne perderá características como a suculência e a tenura.
  Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.