Fricativa pós-alveolar não sibilante sonora

Fricativa pós-alveolar não sibilante sonora
ɹ̠˔
ɹ̝˗
IPA 151 414 429
Codificação
X-SAMPA r\_-_r

A fricativa pós-alveolar não sibilante sonora é um som consonantal. Como o Alfabeto Fonético Internacional não possui símbolos separados para as consoantes pós-alveolares (o mesmo símbolo é usado para todos os locais de articulação coronais que não são palatalizados), este som geralmente é transcrito ⟨ɹ̠˔⟩ (retraído contraído [ɹ] ) O símbolo X-SAMPA equivalente é r\_-_r.[1]

CaracterísticasEditar

  • Sua forma de articulação é fricativa, ou seja, produzida pela constrição do fluxo de ar por um canal estreito no local da articulação, causando turbulência. No entanto, não tem a língua estriada e fluxo de ar direcionado, ou as altas frequências de uma sibilante.[1]
  • Seu local de articulação é pós-alveolar, o que significa que é articulado com a ponta ou a lâmina da língua atrás da crista alveolar.[1]
  • Sua fonação é sonora, o que significa que é produzida com vibrações das cordas vocais.[1]
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.[1]
  • É uma consoante central, o que significa que é produzida direcionando o fluxo de ar ao longo do centro da língua, em vez de para os lados.[1]
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.[1]

OcorrênciaEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Neerlandês[2] meer [meːɹ̠˔] Lago Um alofone pós-vocálica raro de /r/.[3] Realization of /r/ varies considerably among dialects.
Tailandês Krungthep ยี [ɹ̠˔īː] Destruir Contraste com o sotaque Ayutthaya (sotaque padrão) que usa [j] no lugar.
Mandarin Tainan [ɹ̠˔ôʊ] Carne Contrasta com o mandarim de Taipei (sotaque padrão) que usa [ɹ̠] no lugar.
Manx mooar [muːɹ̠˔] Lago Livre variações com outros alofones da coda /r/.[4]

Referências

  1. a b c d e f g Ladefold; Maddieson, Peter; Ian (1996). The Sounds of World's Languages. [S.l.: s.n.] 
  2. Goeman & van de Velde (2001):94–98 and 101–102
  3. Goeman & van de Velde (2001):95–97 and 102
  4. Broderick (1986):17-8