Fricativa sibilante retroflexa surda

A fricativa retroflexa sibilante surda é um tipo de som consonantal usado em algumas línguas faladas. O símbolo no Alfabeto Fonético Internacional que representa este som é ⟨ʂ⟩. Como todas as consoantes retroflexas, a letra do AFI é formada pela adição de um gancho apontando para a direita na parte inferior do esse (a letra usada para a consoante alveolar correspondente). Uma distinção pode ser feita entre as articulações laminares apicais e subapicais. Apenas uma língua, toda, parece ter mais de uma sibilante retroflexa surda e distingue sibilantes retroflexas subapicais palatais das apicais pós-alveolares; ou seja, tanto a articulação da língua quanto o local de contato no céu da boca são diferentes.

Fricativa sibilante retroflexa surda
ʂ
IPA 136
Codificação
Entidade (decimal) ʂ
Unicode (hex) U+0282
X-SAMPA s`
Kirshenbaum s.
Som
Voiceless retroflex fricative articulation.svg

CaracterísticasEditar

  • Seu modo de articulação é fricativa sibilante, o que significa que geralmente é produzida direcionando o fluxo de ar passando por uma abertura formada pela língua e por um canal estreito entre os dentes.
  • Seu ponto de articulação é retroflexo, o que significa prototipicamente que ele está articulado subapical (com a ponta da língua enrolada para cima), mas de forma mais geral, significa que é pós-alveolar sem ser palatalizado. Ou seja, além da articulação subapical prototípica, o contato da língua pode ser apical (pontiagudo) ou laminal (plano).
  • Sua fonação é surda, o que significa que é produzida sem vibrações das cordas vocais.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.

OcorrênciaEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Abcaz амш [amʂ] Dia
Adigue пшъашъэ  ? [pʂ̻aːʂ̻a] Garota Laminal.
Chinês Mandarim /shí [ʂ̺ɻ̩˧˥] Pedra Apical.
Emiliano e Romanhol sé [ˈʂĕ] Sim Apical; pode ser [s̺ʲ] ou [ʃ] no lugar.
Feroês rs [fʊʂ] Oitenta
bert [pɛɻ̊ʈ] Apenas Alofone aproximante surdo de /r/.[1]
Hindustâni Hindi कष्ट [ˈkəʂʈ] Encrenca
Khanty Maioria dos dialetos do norte шаш [ʂɑʂ] Joelho Corresponde a uma africada retroflexa surda /ʈ͡ʂ/ nos dialetos do sul e do leste.
Sorábio inferior[2][3] glažk [ˈɡläʂk] Vidro
Malaialam കഷ്ടി [kəʂʈi] Escasso
Mapudungun[4] trukur [ʈ͡ʂʊ̝ˈkʊʂ] Neblina Possível alofone de /ʐ/ na posição pós-nuclear.[4]
Marata ऋषी [ruʂi] Sábio
Nepali षष्ठी [sʌʂʈʰi] Shashthi Alofone de /s/ próximo de consoantes retroflexas.
Norueguês norsk [nɔʂk] Norueguês Alofone da sequência /ɾs/ em muitos dialetos, incluindo norueguês urbano oriental.
Oʼodham Cuk-Ṣon [tʃʊk ʂɔn] Tucson
Pachto Dialeto do sul ښودل [ ʂodəl] Mostrar
Polonês Padrão[5] szum  ? [ʂ̻um] Farfalhar Depois de consoantes surdas, também é representado por ⟨rz⟩. Quando escrito assim, pode ser pronunciado como a vibrante múltipla alveolar não sonorante elevada surda por alguns falantes.[6] Transcrito como /ʃ/ pela maioria dos estudiosos poloneses.
Dialetos Cuiavianos do sudeste[7] schowali [ʂxɔˈväli] Eles esconderam Alguns falantes. É o resultado da hipercorreção da fusão mais popular de /ʂ/ e /s/ em [s].
Dialeto Suwałki[8]
Romeno Dialetos moldavos[9] șură ['ʂurə] Celeiro Apical.[9]
Dialetos da transilvânia[9]
Russo[5] шут [ʂut̪] Bobo da corte
Serbo-Croata[10][11] шал / šal [ʂȃ̠l] Cachecol Tipicamente transcrito como /ʃ/.
Eslovaco[12] šatka [ˈʂätkä] Lenço
Sueco fors [fɔʂ] Corredeiras Alofone da sequência /rs/ em muitos dialetos, incluindo o sueco padrão central.
Tâmil கஷ்டம் [kəʂʈəm] Difícil
Telugu కష్టం [kʌʂʈəm] Difícil
Toda[13] [pɔʂ] (Nome do clã) Subapical
Torwali[14] ݜےݜ [ʂeʂ] Corda fina
Ubykh [ʂ̺a] Cabeça
Sorábio superior Alguns dialetos[15][16] [exemplo necessário] Usado em dialetos falados em aldeias ao norte de Hoyerswerda; corresponde a [ʃ] na forma padrão.[2]
Vietnamita Dialetos do sul[17] sữa [ʂɨə˧ˀ˥] Leite
Yi /shy [ʂ̺ɹ̩˧] Ouro
Yurok[18] segep [ʂɛɣep] Coiote
Zapoteco Tilquiapano[19] [exemplo necessário] Alofone de /ʃ/ antes de [a] e [u].

Referências

  1. Árnason (2011), p. 115.
  2. a b (Šewc-Schuster 1984, pp. 40–41)
  3. Zygis (2003), pp. 180–181, 190–191.
  4. a b Sadowsky et al. (2013), p. 90.
  5. a b (Hamann 2004, p. 65)
  6. Karaś, Halina. «Gwary polskie - Frykatywne rż (ř)». Consultado em 6 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 13 de março de 2013 
  7. Taras, Barbara. «Gwary polskie - Gwara regionu». Cópia arquivada em 13 de novembro de 2013 
  8. Karaś, Halina. «Gwary polskie - Szadzenie». Cópia arquivada em 13 de novembro de 2013 
  9. a b c Pop (1938), p. 31.
  10. Kordić (2006), p. 5.
  11. Landau et al. (1999), p. 67.
  12. Hanulíková & Hamann (2010), p. 374.
  13. Ladefoged (2005), p. 168.
  14. Lunsford (2001), pp. 16–20.
  15. Šewc-Schuster (1984), p. 41.
  16. Zygis (2003), p. 180.
  17. Thompson (1959), pp. 458–461.
  18. «Yurok consonants». Yurok Language Project. UC Berkeley. Consultado em 7 de Janeiro de 2017 
  19. Merrill (2008), p. 109.

BibliografiaEditar