Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura a banda californiana de stoner rock, veja Fu Manchu (banda).
Fu Manchu
The Mystery of Dr. Fu-Manchu cover 1913.jpg
Capa de The Mystery of Dr. Fu-Manchu (1913)
Sexo masculino
Origem Chinês
Espécie Humano
Características Líder de quadrilha
Ocupação Gênio do crime
Especialidade(s) Tráfico, sequestros, assassinos, sabotagens, roubos...intercontinental
Inimigo(s) Nayland Smith e Dr Petrie
Criado por Sax Rohmer
Romance(s) The Mystery of Dr. Fu-Manchu
Primeira aparição The Zayat Kiss publicado em outubro de 1912 na revista The Story Teller
Última aparição Emperor Fu Manchu

Doutor Fu Manchu é um personagem ficcional que aparece em uma série de novelas do escritor inglês Sax Rohmer, produzidas durante a primeira metade do século XX. O personagem foi adaptado para o cinema, televisão, rádio e quadrinhos. Ele é o arquétipo do "Gênio do Crime" da ficção, embora em sua composição haja vários estereótipos ocidentais sobre os chineses: misteriosos, traiçoeiros, ardilosos, com um gosto particular por ciências obscuras, torturas e venenos. A face de Fu Manchu descrita pelo autor se tornou muito conhecida, com os longos bigodes que se tornaram sua marca registrada.


A primeira história estrelada por Fu-Manchu foi o conto The Zayat Kiss, que foi lançado em outubro de 1912 na revista britânica The Story Teller, em 1913, os contos de Fu Manchu foram reunidos em um romance chamado The Mystery of Dr. Fu-Manchu.

O doutor Fu Manchu comanda uma vasta organização criminosa internacional, os Si-Fan, que conta com vários assassinos profissionais, de preferência hindus Thugs e Dacoits, dentre outros membros de sociedades secretas dedicadas ao crime. Seus assassinos geralmente usam facas, soltam animais peçonhentos como cobras, aranhas, lacraias e escorpiões. Alguns se valem de armas químicas.

Fu Manchu é de ascendência nobre, membro da Família Imperial. Fu Manchu não seria seu nome real, mas um título guerreiro concedido aos de etnia Manchu, que dominaram a China até 1911. Ele perdeu seus privilégios após a Rebelião dos Boxers. Nos primeiros livros, a história da sua origem era diferente: ele seria um assassino Si-Fan que atacava os europeus da Ásia. Mais tarde a conotação política foi abandonada e Fu Manchu se tornou um criminoso.

O maior segredo de Fu Manchu é um elixir que o torna imortal. Quando a China se tornou comunista, Fu Manchu e os Si-Fan lutaram para restaurar o antigo regime imperial.


Fu Manchu pode ser descrito como um dos primeiros "super-vilões" ficcionais, seguindo a linha do Professor Moriarty, inimigo de Sherlock Holmes.

BackgroundEditar

Sax Rohmer, sem qualquer conhecimento prévio e compreensão da cultura chinesa, decidiu iniciar a série Fu Manchu após seu tabuleiro ouija soletrar CHINAMAN (homem chinês), quando ele perguntou qual era o desafio mais perigoso para o homem branco. Naquela época, a ideia do Perigo Amarelo estava se espalhando na sociedade norte-americana.


O estereótipo negativo do Oriente como sinônimo de um sinistro meados do século XIX, quando a literatura americana começou a lidar com clichês que criaram os assassinatos orientais traiçoeiros orientais viciados em ópio e envoltos de mistérios e conspirações

O primeiro representante fictício do perigo amarelo apareceu no romance Tom Edison Jr.'s Electric Sea Spider. O vilão Kiang Ho - um personagem descrito alternativamente descreve como mongol e chinês e um pirata que controla um porto na China e ataca navios ocidentais ajudados por um super-submarino. Seu criador não é conhecido, já que a história é assinada por Phillip Reade, um pseudônimo usado pela editora Street e Smith.


Outro antecessor na literatura pulp foi Yue Laou em uma série de histórias publicadas por Robert W. Chambers sob o título The Maker of Moons (1896). Mestre da magia negra, Yue construiu um império do mal na China, mantendo o privilégio de ser o primeiro mago do perigo amarelo.


Outros personagensEditar

 
Fah Lo Suee na capa do livro The Mask of Fu Manchu

Kâramanèh: com o nome verdadeiro desconhecido, ela foi vendida para os Si-Fan por comerciantes de escravos egípcios, ainda criança. É descrita como sedutora e amorosa. Nos primeiros três livros da série ela se apaixona pelo Doutor Petrie. Ela o resgatou, juntamente com Nayland Smith, por diversas vezes. Karamena se casou com o Doutor Petrie, quando ela conseguiu sua liberdade. O casal teve uma filha, Fleurette, que figura em dois romances posteriores: Fu Manchu's Bride (1933) e sua sequência, The Trail of Fu Manchu (1934). O escritor Lin Carter mais tarde criou um filho para o Dr. Petrie e Kara, mas isso não é considerado canônico.

Fah Lo Suee: é a filha ardilosa de Fu Manchu, que tenta tomar o controle dos Si-Fan. Ela já se rebelou contra seu pai e ficou do lado de seus inimigos muitas vezes. Ela costuma se disfarçar com outras identidades, como seu pai, entre elas Madame Ingomar, a rainha Mamaloi e a sra. Van Roorden. Ela foi introduzida anonimamente enquanto ainda adolescente no terceiro livro da série e desempenha um papel maior em vários dos títulos das décadas de 1930 e 1940. Ela ficou conhecida por um tempo como coreana depois de ter sofrido lavagem cerebral em seu pai, mas sua memória foi restaurada mais tarde. No cinema, ela foi retratada por inúmeras atrizes ao longo dos anos. Seu personagem é geralmente renomeado em adaptações cinematográficas por causa de dificuldades com a pronúncia de seu nome. Anna May Wong interpretou Ling Moy em Daughter of the Dragon de 1931. Myrna Loy retratou com o nome Fah Lo See em The Mask of Fu Manchu de 1932. Gloria Franklin fez o papel de Fah Lo Suee em 1940, Drums of Fu Manchu. Laurette Luez interpretou Karamaneh em The Adventures of Fu Manchu de 1956, mas a personagem devia mais a Fah Lo Suee do que a representação de Rohmer de Karamaneh. Tsai Chin retratou a filha de Fu Manchu, Lin Tang, nos cinco filmes estrelados por Christopher Lee dos anos 1960.[1]

Comissário "Sir" Denis Nayland Smith e Dr. Petrie: Os opositores Fu Manchu nas histórias são Denis Nayland Smith e, nos três primeiros livros, Dr. Petrie. Parceiros que seguem a tradição Sherlock Holmes e Dr. Watson, com o Dr. Petrie as vezes narrando as histórias de Nayland Smith (após o terceiro livro, eles seriam narrado por outros aliados com Smith até o final da série), enquanto Nayland Smith carrega a luta, o combate à Fu Manchu mais por pura sorte e determinação obstinada de brilho intelectual (exceto em casos extremos). Nayland Smith e Fu Manchu compartilham um respeito relutante um pelo outro, cada um acredita que um homem deve manter sua palavra, mesmo para um inimigo.

Nos três primeiros livros, Nayland Smith é um comissário de polícia colonial na Birmânia, que possui uma comissão itinerante que lhe permite exercer autoridade sobre qualquer grupo que possa ajudá-lo em sua missão. Ele parece com Sherlock Holmes na descrição física e de forma amarga, mas não no gênio dedutivo. Ele tem sido criticado por ser um personagem racista e jingoísta, especialmente nos primeiros livros da série, e dá voz aos sentimentos anti-asiáticos. Quando Rohmer reviveu a série em 1931, Smith (que foi condecorado por este tempo por seus esforços para derrotar Fu Manchu, embora ele sempre admita que a honra não foi conquistada pela inteligência superior) é um ex-comissário assistente da Scotland Yard. Mais tarde, ele aceita uma posição no Serviço Secreto Britânico. Vários livros o colocaram em missão especial no FBI.


InfluênciasEditar

Inspirado no personagem de Fu Manchu, vários outros "gênios do crime" orientais foram criados pela ficção. Eis uma pequena lista:

 
O vilão Chen Chang em The Green Mask #6 , Agosto de 1941, Fox Feature Syndicate, arte de Munson Paddock

Livros em inglêsEditar


Outras mídiasEditar

FilmesEditar

SeriadosEditar

Depois dessa data, com a China se tornando uma aliada dos EUA na guerra contra o Japão, o personagem deixou de figurar no cinema estadunidense por algum tempo.

Longa-MetragensEditar

   
Lobby card do filme The Mysterious Dr. Fu Manchu (1929)
Pôster do filme Daughter of the Dragon (1931)
 
Pôster de The Face of Fu Manchu

Em 1929 foi lançado o primeiro filme estadunidense com Fu Manchu, The Mysterious Dr. Fu Manchu, com a interpretação de Warner Oland, mais conhecido pelo papel de Charlie Chan. Oland repetiu o papel em 1930 em The Return of Dr. Fu Manchu e 1931 (Daughter of the Dragon). Oland apareceu como o personagem em um musical de 1931, Paramount on Parade.

Em 1932 surgiu o famoso The Mask of Fu Manchu com Boris Karloff e Myrna Loy. Com um tom racista, o filme esteve fora de circulação por muitos anos, mas acabou sendo revalorizado.

Em 1946 foi realizado o filme espanhol El Otro Fu Manchu. Depois de um intervalo de 20 anos a produtora britânica Towers de Londres começou a série com Christopher Lee em 1965. Os filmes foram os seguintes: The Face of Fu Manchu (1965), The Brides of Fu Manchu (1966), The Vengeance of Fu Manchu (1967), The Blood of Fu Manchu (1968) e encerrando a série, The Castle of Fu Manchu (1969).

O último filme "oficial" do personagem foi The Fiendish Plot of Dr. Fu Manchu, de 1980, uma paródia feita por Peter Sellers, que interpreta tanto Fu Manchu como Nayland Smith.

Jess Franco que dirigiu The Blood of Fu Manchu (1968) e The Castle of Fu Manchu (1969), também dirigiu The Girl From Rio (1969), sobre uma outra personagem de Rohmer, a vilão Sumuru e em 1986 o filme espanhol não-oficial sobre a filha de Fu Manchu, Esclavas del Crimen.


Fu Manchu aparece como vilão no filme The League of Extraordinary Gentlemen ("A Liga Extraordinária"), baseado na série de quadrinhos de autoria de Alan Moore, na qual o nome Fu Manchu não é pronunciado. Na história Fu é combatido por Allan Quatermain, Capitão Nemo, Wilhelmina Murray, Mr. Hyde (e Dr. Jekyll) e Hawley Griffin.


Fu Manchu , desta vez estrelado por Nicolas Cage, aparece em um dos trailers falsos de Grindhouse (2007) numa sessão dupla dos cineastas Quentin Tarantino e Robert Rodriguez, intitulado Werewolf Women of the SS, sequencia dirigida por Rob Zombie e inspirado em filmes de exploração nazista dos anos 70.

TelevisãoEditar

Fu Manchu teve o primeiro programa de televisão na NBC, num filme curto de 1952 chamado The Zayat Kiss, com John Carradine. Havia a idéia de se fazer uma série com o ator, que não vingou.

De 3 de setembro de 1956 a 26 de novembro de 1956, a Hollywood Television Service (subsidiária da Republic Pictures) produziu 13 episódios do programa The Adventures of Fu Manchu, com Glen Gordon como o Dr Fu Manchu.

MúsicaEditar

  • O pioneiro do reggae jamaicano Desmond Dekker gravou a canção "Fu Man Chu" em 1968.
  • Frank Black (de the Pixies) gravou "Fu Manchu" em 1993.
  • A banda britânica The Wildhearts incluiu Fu Manchu em sua lista de vilões admiráveis na canção "Rooting For The Bad Guy".
  • O vilão foi o responsável pela nomenclatura da banda homônima, Fu Manchu, hard rock californiano com influências do stoner rock, a figurar com uma de suas músicas (Evil Eye) na trilha sonora do game (vide abaixo as outras referências em jogos) Tony Hawk's Pro Skater
  • A banda The Kinks cita Fu Manchu na letra da música Village Green Preservation Society
  • A banda brasileira Blitz cita Fu Manchu na letra da música "Volta ao mundo".
  • A banda Yellow Magic Orchestra cita Fu Manchu na letra da música La femme chinoise.

RádioEditar

Fu Manchu foi personagem do Collier Hour 1927-31 da Blue Network, que tinha dramatizações das histórias da revista Collier's. A voz de Fu foi de Arthur Hughes. A CBS seguiu com o programa em 1932-33. John C. Daly, e mais tarde Harold Huber, interpretaram Fu Manchu.

A última série de rádio de Fu Manchu foi The Insidious Dr. Fu Manchu, de 1944 pela NBC.

Tiras de quadrinhosEditar

  • Fu Manchu ganhou uma tira de jornal desenhada por Leo O'Mealia entre 1931 e 1933.[7] A tira adapta os dois primeiros romances de Fu Manchu e parte do terceiro.[8] Ao contrário da maioria dos outros ilustradores, O'Mealia desenhou Fu Manchu como um homem barbeado e com um crânio anormalmente grande. A teve os direitos autorais protegidos por "Sax Rohmer and The Bell Syndicate, Inc". Duas das histórias de tiras de Fu Manchu foram reimpressas no encadernado Fu Manchu: Two Complete Adventures (1989).[9]
  • Entre 1962 e 1973, uma tira foi publicada no jornal francês Le Parisien libéré escrita por Juliette Benzoni e ilustrada por Robert Bressy.[10]

Revistas em quadrinhosEditar

 
Capa de Dr. Fu Manchu, 1958, I. W. Publications, arte de Carl Burgos, a revista trazia a republicação de The Mask of Dr. Fu Manchu da Avon Comics, 1951
  • Fu Manchu apareceu na edição 17 da revista Detective Comics (julho de 1938),[11] e continuou a ser publicado até edição 28. Estas histórias em publicações da tira feita por Leo O'Mealia. Em 1943, o seriado Drums of Fu Manchu foi adaptado para a história em quadrinhos pelo espanhol José Grau Hernández.[12] As histórias originais de Fu Manchu nas revistas em quadrinhos tiveram que até 1951, com a publicação de The Mask of Dr. Fu Manchu, produzida por Wally Wood e publicada pela Avon Comics. Um one-shot britânico similar, The Island of Fu Manchu, foi publicado em 1956.[7]
  • Nos anos 70, Fu Manchu apareceu como o pai de Shang-Chi, o protagonista da série da Marvel Comics Master of Kung Fu.[7][13] A Marvel Comics perdeu os direitos do personagem nos anos 80, sendo que o pai de Shang-Chi não era mais chamado pelo nome e aparecia apenas nas sombras. Em uma história do Panteras Negra, publicado em 2005, é chamado de "Mr. Han", aparentemente inspirado no nome do principal vilão em Operação Dragão.[14] Em Secret Avengers #6-10, o escritor Ed Brubaker oficialmente contornou toda a questão através de um enredo onde um grupo desonesto de agentes de S.H.I.E.L.D. ressuscitaram uma versão zumbificada de Fu Manchu apenas para descobrir que "Fu Manchu" era apenas um pseudônimo; que o pai de Shang-Chi era realmente Zheng Zu,[15] um antigo feiticeiro chinês que descobriu o segredo da imortalidade,[16][17] sua filha não se chama Fah Lo Suee, mas sim Zheng Bao Yu.[18] Em 2015, a editora anunciou que obteve a licença para republicar as histórias dos anos 70.[19]
  • Fu Manchu apareceu como vilão em The League of Extraordinary Gentlemen, Volume I de Alan Moore, mas ele é chamado de "the Doctor" ou "the Devil Doctor" pois o personagem não está em domínio público. Na história de Moore, Fu Manchu e o Professor Moriarty tentam controlar o crime organizado londrino. Em The League of Extraordinary Gentlemen: Black Dossier o vilão é referido como um parente distante do Dr. Julius No.

Jogos eletrônicosEditar

Muitas aventuras de jogos da Fantasy Games Unlimited (Daredevils) tem como vilão o Dr. Ling, parecido com Fu Manchu

No game Croc 2, um dos chefes tem o nome original de Goo Man Chu.

No jogo de computador online City of Heroes, uma das faces traz o bigode de Fu Manchu.

Referências

  1. Double Agency: Acts of Impersonation in Asian American Literature and Culture, p. 199, no Google Livros
  2. DC Comics Republish Their First Comic, New Fun Comics #1, in Hardcover For 85th Anniversary
  3. Gene Luen Yang Reclaims DC’s Most Famous Racist Stereotype For New Super Man (Spoilers)
  4. Blogging Marvel’s Master of Kung Fu, Part One
  5. The Insidious Dr. Fu Manchu
  6. Shang-Chi, Fu Manchu, and Marvel's Asian Problem
  7. a b c Fu Manchu in Comics
  8. Goulart, Ron (1995). The Funnies, 100 Years of American Comic Strips. Holbrook, Mass: Adams Publishing. pp. 104, 106. ISBN 978-0944735244 
  9. Sax Rohmer, Leo O'Mealia and Tom Mason, Fu Manchu: Two Complete Adventures. Newbury Park, CA :Malibu Graphics, 1989. ISBN 094473524X
  10. Le retour de Fu-Manchu, et de Pressibus… !
  11. HCA Comics and Comic Art Auction Catalog #7021, Dallas, TX. [S.l.]: Heritage Auctions, Inc. 2010. 43 páginas. 9781599674582 
  12. Porcel Torrens, Pedro (2002). Clásicos en Jauja. La historia del tebeo valenciano. pp. 47-55, 69. Alicante: Edicions de Ponent. ISBN 84-89929-38-6.
  13. Blogging Marvel’s Master of Kung Fu, Part One
  14. Black Panther Vol. 4 #11
  15. Relembrando as HQs do Mestre de Kung Fu
  16. David Richards (4 de abril de 2014). «Benson Unleashes Shang-Chi's "Deadly Hands of Kung». Comic Book Resources 
  17. Capitão América e os Vingadores Secretos #10
  18. Comic Book Review: ‘The Fearless Defenders’ #8
  19. Terry & Rachel Dodson Cover "Master of Kung Fu" Omnibus

Ligações ExternasEditar