Abrir menu principal
Furacão Gilbert
Categoria 5 (EFSS)
Furacão Gilbert próximo de sua máxima intensidade em 13 de setembro
Formação 8 de setembro de 1988
Dissipação 19 de setembro de 1988
Vento mais forte (1 min) 160 nós (296 km/h, 184 mph)
Pressão mais baixa 888 hPa (mbar) ou 666 mmHg
Danos 7,1 bilhões de dólares
Fatalidades 318
Áreas afetadas Pequenas Antilhas, Porto Rico, Venezuela, Hispaniola, Jamaica, América Central, México, Texas, Centro-Sul dos Estados Unidos, Meio-Oeste dos Estados Unidos, Oeste do Canadá
Parte da
Temporada de furacões no Atlântico de 1988

O Furacão Gilbert foi o mais poderoso (até o Furacão Hugo no ano seguinte) e o mais intenso furacão no Atlântico (até o Furacão Wilma em 2005) na época. O Furacão Gilbert foi um ciclone tropical extremamente poderoso que se formou durante a Temporada de furacões no Atlântico de 1988 e atingiu o pico como um furacão de força de Categoria 5 que trouxe destruição generalizada para o Caribe e o Golfo do México. O Furacão Gilbert também foi um dos maiores ciclones tropicais já observados na bacia do atlântico. Em um ponto, seus ventos tropicais de tempestade mediram 575 mi (925 km) de diâmetro. Além disso, o Furacão Gilbert foi o ciclone tropical mais intenso da história registrada a atacar o México.[1]

Referências

  1. National Hurricane Center; Hurricane Research Division (11 de abril de 2017). «Atlantic hurricane best track (HURDAT version 2)». United States National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 17 de setembro de 2017. Arquivado do original em 2 de agosto de 2017 
  Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.