Furacão Wilma

Furacão Wilma
Categoria 5 (EFSS)
O furacão Wilma no seu pico de intensidade próximo à Península de Iucatã em 19 de outubro de 2005
Formação 19 de outubro de 2005
Dissipação 25 de outubro de 2005
Vento mais forte (1 min) 190 nós (352 km/h, 219 mph)
Pressão mais baixa 882 hPa (mbar) ou 662 mmHg
Danos $30,7 bilhões de dólares
Valores corrigidos em 2007
Fatalidades 63
Áreas afetadas Jamaica, Haiti, Ilhas Cayman, Cuba, Honduras, Nicarágua, Belize, México (Península de Iucatã), Estados Unidos (Flórida), Bahamas e Canadá (costa atlântica)
Parte da
Temporada de furacões no Atlântico de 2005

Furacão Wilma atingiu a Península de Yucatan, México, Haiti, Cuba e Flórida (Estados Unidos).[1]

Se formou em 19 de outubro de 2005. Ao se formar Wilma era considerado de categoria 5 na Escala de Furacões de Saffir-Simpson, ao atingir o México estava classificado como categoria 4 e poupou a ilha de Cuba chegando na categoria 3 com ventos de 190 km/h. Foi para categoria 2 depois que grande parte do furacão já havia saído da ilha de Cuba. O que foi destaque de fato para esse furacão é que tal tempestade atingiu a menor pressão já registrada no oceano Atlântico, cerca de 882 milibares, e a evolução deste de depressão tropical até furacão categoria 5 foi incrivelmente rápida. Estima-se que seus ventos máximos superaram os 300 km/h em alto-mar. O Wilma foi o oitavo furacão a atingir a Flórida num período de 14 meses (out/2005). Esta temporada de furacões, que começou em 1º de junho e vai até o final de novembro (2005) está sendo classificada pelos especialistas como um período de "fúria" da natureza. Essa é a temporada de maior movimento já registrada nos últimos 150 anos.

Referências

  Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.