Abrir menu principal
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde março de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Disambig grey.svg Nota: Para o grupo de países latino-americanos, veja Grupo do Rio.

O Grupo dos Sete (G7) é um grupo internacional composto por: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, embora a União Europeia também esteja representada. Esses países são as sete economias mais avançadas do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), os quais representam mais de 64% da riqueza líquida global, equivalente a 263 trilhões de dólares estadunidenses.[2] A grande riqueza líquida nacional e índice de desenvolvimento humano (IDH) extremamente elevado são algumas das principais características dos membros deste grupo. Eles também representam 46% do produto interno bruto (PIB) global avaliado às taxas de câmbio do mercado e 32% da paridade do poder de compra (PPC) global.[3] Em março de 2014, a Rússia foi expulsa do grupo após ter anexado a Crimeia ao seu território, e assim o grupo passou a ter sete integrantes (G7) novamente.[4]

Grupo dos Sete
Map of G8 member nations and the European Union.

 Alemanha
Chanceler, Angela Merkel
 Canadá
Primeiro-ministro, Justin Trudeau
 Estados Unidos
Presidente, Donald Trump
 França
Presidente, Emmanuel Macron
 Itália
Primeiro-ministro, Giuseppe Conte
 Japão
Primeiro-ministro, Shinzō Abe
 Reino Unido
Primeiro-ministro, Boris Johnson

Também representada:

União Europeia[1]
Presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker
Presidente do Conselho, Donald Tusk

O grupo é muito criticado por um grande número de movimentos sociais, normalmente integrados no movimento antiglobalização, que o acusam de decidir uma grande parte das políticas globais, social e ecologicamente destrutivas, sem qualquer legitimidade nem transparência. Em 2001, na cimeira anual, em Génova, um manifestante foi morto a tiro pela polícia. Em Portugal, a associação ecologista GAIA e um conjunto de cidadãos na Rede G8 desenvolveram iniciativas de oposição à do grupo em Rostock, no norte da Alemanha, em 2007.

Índice

HistóriaEditar

Foi o presidente francês Valéry Giscard d’Estaing que, em 1975, tomou a iniciativa de reunir os chefes de Estado ou de governo da Alemanha, dos Estados Unidos, do Japão, da Itália, do Reino Unido, em Rambouillet, na região de Paris. Foi inicialmente um G6. A ideia era que esses dirigentes se reunissem sem o acompanhamento de um exército de conselheiros, para discutir a respeito das questões mundiais (dominadas na época pela crise do petróleo) com toda a franqueza e sem protocolo, num ambiente descontraído.

Depois do sucesso da reunião de cimeira de Rambouillet, essas reuniões passaram a ser anuais e o Canadá foi admitido como sétimo membro do grupo na cimeira de Porto Rico, em 1976.

Os trabalhos do grupo evoluíram muito ao longo dos anos, levando em consideração novas necessidades e eventos políticos. Esse fórum, que, originalmente, girava essencialmente em torno do ajuste das políticas econômicas de curto prazo entre os países participantes, adotou uma perspectiva mais geral e mais estrutural, acrescentando à sua ordem do dia um grande número de questões políticas e sociais, particularmente na área do desenvolvimento sustentável e da saúde em escala mundial. O caráter informal do grupo permitiu-lhe evoluir sem deixar de ser eficiente e adequado às necessidades.

Avanços das diferentes cimeiras desde 1995Editar

Cada uma das reuniões de cúpula teve as suas particularidades e permitiu ao G7 continuar a evoluir. A reunião de Halifax (Canadá) em 1995 resultou em importantes mudanças no modo de funcionamento do Banco Mundial, do FMI e de outras organizações internacionais.

A cúpula de Lyon, em 1996, possibilitou o lançamento da primeira iniciativa em favor dos países pobres muito endividados (PPTE). A de Denver, em 1997, trouxe a confirmação mais patente do fim da guerra fria, com o convite histórico feito à Rússia, de se unir ao grupo. Nascia o G8. Em 1998, a cúpula de Birmingham foi a primeira do G8; foi nessa reunião também que se adotou o princípio de uma separação entre a cúpula dos chefes de Estado ou de governo e as reuniões dos seus ministros de Relações Exteriores e de Finanças. A reunião de cúpula de Colônia, em 1999, foi a da Iniciativa PPTE reforçada, com um acordo sobre a redução dos encargos da dívida de alguns países mais pobres, somando mais de 37 bilhões de dólares.

Na cúpula de Okinawa (Japão), em 2000, os chefes de Estado e de governo concordaram em conceder um financiamento maior para a luta contra as doenças infecciosas e adotaram uma carta sobre as novas tecnologias de informação e o desnível entre os países na utilização das tecnologias digitas. A cúpula de Gênova, em 2001, estabeleceu a criação de um Fundo Mundial de Luta contra o VIH, a malária e a tuberculose. Aos membros do grupo vieram juntar-se também os chefes de Estado de vários grandes países da África para o lançamento da Nova Iniciativa para a África, conhecida mais tarde como NEPAD (Nova Parceria para o Desenvolvimento da África). Com o objetivo de destacar o apoio concedido a esse importante texto, cada um dos chefes de Estado ou de governo nomeou um representante pessoal para a África.

Estes últimos, em entendimento com os dirigentes africanos, elaboraram um Plano de Ação do G7, apresentado em 2002 na reunião de cúpula de Kananaskis (Canadá), texto esse que permitiu a cada um dos membros do G7 comprometer-se firmemente em favor da África, e que definiu as áreas prioritárias em matéria de ajuda para o desenvolvimento. Em Kananaskis, os chefes de Estado ou de governo também anunciaram que importantes trabalhos seriam realizados em matéria de luta contra o terrorismo (particularmente com a implementação da Parceria Mundial contra a Proliferação de Armas de Destruição Maciça e de Materiais Conexos e a adoção de medidas a respeito da segurança dos transportes), de desenvolvimento sustentável e do acesso à educação extensivo a todos. Eles examinaram também um certo número de questões regionais (situação no Oriente Médio, Afeganistão, relações entre a Índia e o Paquistão).

Os ministros das Relações Exteriores do G7 endossaram um conjunto revisado de recomendações sobre combate ao terrorismo que previa um compromisso para a total implementação da Resolução UNSCR 1373, da ONU - sobre repressão aos terroristas e suas atividades - e oito recomendações especiais para o Grupo de Ação Financeira - GAFI (Financial Action Task Force - FATF) voltadas para a prevenção e o combate à lavagem de dinheiro. Outras discussões estiveram voltadas para parcerias para o desenvolvimento da África.

Do G7 ao G8Editar

O grupo continuou sendo composto de sete membros até a Rússia, presente como observadora desde o início dos anos 1990, fosse convidada em 1997 a oficializar a sua participação. A primeira cúpula a oito membros ocorreu, portanto, em 1998. Em Kananaskis, os chefes de Estado e de governo tomaram uma decisão histórica ao convidar a Rússia a exercer, em 2006, a presidência do G8 e a sediar pela primeira vez a reunião de cúpula, levando em consideração importantes mudanças econômicas e democráticas ocorridas nesse país nos últimos anos, além do arsenal bélico que possui. A União Europeia também ocupa uma posição de observadora nas reuniões do G7, onde é representada pelo Presidente da Comissão Europeia e ainda pelo chefe de Estado ou de governo do país que estiver exercendo a presidência da União. Em 2014, a Rússia se envolveu em problemas relacionados com a Ucrânia, o que resultou em sua exclusão do quadro do G8, retornando à condição inicial de G7.

Exclusão da RússiaEditar

Em março de 2014, o G8 voltou a ser G7 depois da Rússia ter sido suspensa por consequência das sanções aplicadas por Obama pela anexação russa da Criméia.[5]

CimeirasEditar

Fazem parte da reunião os líderes dos países-membros. Assim, é um evento internacional que é observado e acompanhado pela mídia. O país-membro que tem a presidência do G7 é responsável por organizar e ser o palco da reunião naquele ano, que tem uma duração máxima de três dias e decorre a meio do ano.

Apesar de ter uma agenda cada vez mais carregada, o G7 conseguiu manter um caráter informal e evitar uma ampla burocratização. Ele não possui secretariado ou regulamento interno aprovado. É o membro do grupo encarregado de exercer a presidência que define a ordem do dia e decide qual a maneira mais apropriada de tratar cada assunto. A presidência sedia e organiza a reunião, age como porta-voz do grupo durante o ano e coordena os trabalhos dos grupos de trabalho; é a ela, por fim, que cabe associar aos trabalhos do G7 a organizações não governamentais (ONGs), instituições financeiras internacionais e outros setores da sociedade civil.

Os preparativos para as cimeiras são realizados através de reuniões que são organizadas apenas no início do ano, nas quais participam os representantes dos chefes de Estado ou de governo. Juntamente com os representantes dos líderes dos outros países do G7, o representante do país roganizador trata durante o ano dos temas que possam fazer parte da ordem do dia, de forma a que os chefes de Estado ou de governo possam concentrar a sua atenção nos pontos essenciais durante a sua reunião. Os chefes de delegação também são encarregados de supervisionar a execução das decisões tomadas na reunião de cúpula.

Cada chefe é assessorado por duas pessoas de seu país, chamados de "sub-chefes": um sub-chefe para as finanças e outro para as questões externas, encarregados de tratar dos novos dossiês e analisar o estado de evolução dos compromissos anteriores. Além disso, o diretor de assuntos políticos do ministério das Relações Exteriores é encarregado de preparar os dossiês políticos e de segurança destinados à cúpula. Outras reuniões técnicas específicas do G7 podem ser realizadas no decorrer do ano sobre os assuntos tratados.

Edição Data País anfitrião Líder anfitrião Local Website
Novembro 15-17, 1975   França Valéry Giscard d'Estaing Rambouillet
Junho 27-28, 1976   Estados Unidos Gerald Ford São João, Porto Rico
Maio 7-8, 1977   Reino Unido James Callaghan Londres
Julho 16-17, 1978   Alemanha Ocidental Helmut Schmidt Bonn
Junho 28-29, 1979   Japão Masayoshi Ohira Tóquio
Junho 22–3, 1980   Itália Francesco Cossiga Veneza
Julho 20-21, 1981   Canadá Pierre Elliott Trudeau Montebello, Quebec
Junho 4-6, 1982   França François Mitterrand Versalhes
Maio 28-30, 1983   Estados Unidos Ronald Reagan Williamsburg, Virgínia
10ª Junho 7-9, 1984   Reino Unido Margaret Thatcher Londres
11ª Maio 2-4, 1985   Alemanha Ocidental Helmut Kohl Bonn
12ª Maio 4-6, 1986   Japão Yasuhiro Nakasone Tóquio
13ª Junho 8-10, 1987   Itália Amintore Fanfani Veneza
14ª Junho 19-21, 1988   Canadá Brian Mulroney Toronto
15ª Julho 14-16, 1989   França François Mitterrand Paris
16ª Julho 9-11, 1990   Estados Unidos George H. W. Bush Houston, Texas
17ª Julho 15-17, 1991   Reino Unido John Major Londres
18ª Julho 6-8, 1992   Alemanha Helmut Kohl Munique
19ª Julho 7-9, 1993   Japão Kiichi Miyazawa Tóquio
20ª July 8-10, 1994   Itália Silvio Berlusconi Nápoles
21ª Junho 15-17, 1995   Canadá Jean Chrétien Halifax, Nova Escócia
Abril 19–20, 1996
(Reunião especial sobre
segurança nuclear)
  Rússia Boris Iéltsin Moscou
22ª Junho 27-29, 1996   França Jacques Chirac Lyon
23ª June 20-22, 1997
(Primeira reunião como G8)
  Estados Unidos Bill Clinton Denver, Colorado [2]
24ª Maio 15-17, 1998   Reino Unido Tony Blair Birmingham [3]
25ª Junho 18-20, 1999   Alemanha Gerhard Schröder Colônia
26ª Julho 21-23, 2000   Japão Yoshiro Mori Nago, Okinawa [4]
27ª Julho 20-22, 2001   Itália Silvio Berlusconi Génova [5]
28ª Junho 26-27, 2002   Canadá Jean Chrétien Kananaskis, Alberta [6]
29ª Junho 2-3, 2003   França Jacques Chirac Évian-les-Bains [7]
30ª Junho 8-10, 2004   Estados Unidos George W. Bush Sea Island, Geórgia [8]
31ª Julho 6-8, 2005   Reino Unido Tony Blair Gleneagles, Escócia [9]
32ª Julho 15-17, 2006   Rússia Vladimir Putin Strelna, São Petersburgo [10]
33ª Junho 6-8, 2007   Alemanha Angela Merkel Heiligendamm,
Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental
[11]
34ª Julho 9-11, 2008   Japão Yasuo Fukuda Tōyako, Hokkaido [12]
35ª Julho 8-10, 2009   Itália Silvio Berlusconi Áquila [13]
36ª Junho 25-26, 2010   Canadá Stephen Harper Huntsville, Ontário [14]
37ª Maio 26-27, 2011   França Nicolas Sarkozy Deauville, Baixa Normandia [15]
38ª Maio 18-19, 2012   Estados Unidos Barack Obama Camp David
39ª Junho 17-18, 2013 (última reunião como G8)   Reino Unido David Cameron Condado de Fermanagh [16]
40ª Junho 4-5, 2014   Bélgica Herman Van Rampuy Bruxelas
41ª Junho 7-8, 2015   Alemanha Angela Merkel Baviera
42ª Maio 26-27, 2016   Japão Shinzō Abe Shima, Mie
43ª Maio 26-27, 2017   Itália Paolo Gentiloni Taormina, Sicília
44ª Junho 8-9, 2018   Canadá Justin Trudeau La Malbaie, Quebec
45ª Agosto 25-27, 2019   França Emmanuel Macron Biarritz, Nova Aquitânia

CríticasEditar

 
Manifestantes tentam impedir que membros do G8 cheguem ao 27° encontro em Gênova, na Itália queimando veículos no caminho principal da reunião.

As maiores críticas ao G7 consideram que o grupo é culpado por problemas como a pobreza na África e nos países em desenvolvimento pela política de comércio, aquecimento global, devido à não implementação de soluções eficazes para combater a emissão de monóxido de carbono, o problema do SIDA, devido à severa política de patentes de medicações, e outros problemas que estão relacionados com a globalização. Os líderes do G7 são pressionados fazer face aos problemas que eles são acusados de criar.

Outra crítica envolve os membros. Ao não incluir a China, a segunda maior economia do mundo, o G7 não mais representa o poder econômico, como quando ele foi criado. A falta de representantes do hemisfério sul mantém muitas críticas dizendo que o G7 na verdade, só quer manter seu poder e influência sobre o mundo.

Os protestos mais fortes dos movimentos de antiglobalização ocorream no vigésimo sétimo encontro em Gênova, em 2001. As reuniões desde então foram feitas em cidades menores. O dia de abertura da reunião de 2005, na Escócia, foi acompanhada por uma série de atentados sincronizados feitos por terroristas em Londres.

Ver tambémEditar

Referências

  1. The EU has the privileges and obligations of membership but does not host/chair summits. It is represented by the Commission and Council Presidents. 967. «EU and the G8». European Commission. Consultado em 25 de setembro de 2007. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2007 
  2. Credit Suisse Global Wealth Databook 2013 (PDF). [S.l.]: Credit Suisse. Outubro de 2013. Consultado em 9 de novembro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 9 de fevereiro de 2015 
  3. [1]
  4. G7 suspende Rússia do G8 DW, 24 de março de 2014
  5. Jim Acosta (25 de março de 2014). «U.S., other powers kick Russia out of G8». CNN