Abrir menu principal

GW170817

sinal de onda gravitacional
O sinal GW170817 medido pelos detectores de onda gravitacional LIGO e VIRGO.

GW170817 é um sinal de onda gravitacional observado pela colaboração LIGO/Virgo em 17 de agosto de 2017 e é o primeiro evento similar observado simultaneamente em telescópios com uma contraparte eletromagnética.[1] O sinal, que teve uma duração de cerca de 100 segundos, é a primeira detecção da onda gravitacional proveniente da fusão de duas estrelas de nêutrons e foi associado a erupção de raios gama GRB 170817A,[2][3] encontrada em NGC 4993.[4] Nenhum candidato de neutrino consistente com a fonte foi encontrado em pesquisas posteriores.[5][1]

Impacto científicoEditar

Este evento é a evidência mais forte para confirmar a hipótese de que as fusões de estrelas binárias estão ligadas a rajadas de raios gama.[1] O evento também fornece um limite na diferença entre a velocidade da luz e a da gravidade. Supondo que os primeiros fótons foram emitidos entre 0 e 10 segundos após o pico da emissão de ondas gravitacionais restringir a diferença entre as velocidades de ondas gravitacionais e eletromagnéticas, vvGW - vEM, entre -3×10−15 e +7×10−16 vezes a velocidade de luz.[6] Além disso, permite a investigação da invariância de Lorentz.[1] Os limites de possíveis violações da invariância de Lorentz (valores de "coeficientes do setor de gravidade") são reduzidos pelas novas observações, em alguns casos por dez ordens de grandeza.[6]

Os sinais de onda gravitacional, como GW170817, podem ser usados ​​como um sinal padrão para fornecer uma medida independente da constante de Hubble.[7]

As observações eletromagnéticas ajudaram a sustentar a teoria de que as fusões de estrelas de nêutrons contribuem para a nucleossíntese do processo r.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d Abbott, B. P.; et al. (LIGO Scientific Collaboration & Virgo Collaboration) (16 de outubro de 2017). «GW170817: Observation of Gravitational Waves from a Binary Neutron Star Inspiral». Physical Review Letters. 119 (16). doi:10.1103/PhysRevLett.119.161101  Parâmetro desconhecido |colaboração= ignorado (ajuda)
  2. Overbye, Dennis (16 de outubro de 2017). «LIGO Detects Fierce Collision of Neutron Stars for the First Time». The New York Times. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  3. Krieger, Lisa M. (16 de outubro de 2017). «A Bright Light Seen Across The Universe, Proving Einstein Right - Violent collisions source of our gold, silver». The Mercury News. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  4. Cho, Adrian (16 de outubro de 2017). «Merging neutron stars generate gravitational waves and a celestial light show». Science (magazine). Consultado em 16 de outubro de 2017 
  5. Abbott, B. P.; et al. (LIGO, Virgo and others collaboration) (16 de outubro de 2017). «Multi-messenger Observations of a Binary Neutron Star Merger». The Astrophysical Journal. 848 (L12). doi:10.3847/2041-8213/aa91c9  Parâmetro desconhecido |colaboração= ignorado (ajuda)
  6. a b Abbott, B. P.; et al. (2017). «Gravitational Waves and Gamma-Rays from a Binary Neutron Star Merger: GW170817 and GRB 170817A». The Astrophysical Journal Letters. 848 (2): 1–13. doi:10.3847/2041-8213/aa920c 
  7. Abbott, B. P.; et al. (LIGO Scientific Collaboration & Virgo Collaboration) (16 de outubro de 2017). «A gravitational-wave standard siren measurement of the Hubble constant». Nature. doi:10.1038/nature24471  Parâmetro desconhecido |colaboração= ignorado (ajuda)
  8. Drout, M. R.; et al. (2017). «Light curves of the neutron star merger GW170817/SSS17a: Implications for r-process nucleosynthesis». Science. doi:10.1126/science.aaq0049 

Ligações externasEditar