Gametófito

As plantas, no seu ciclo de vida, apresentam alternância de gerações; a geração haploide chama-se gametófito. O gametófito produz gametas que dão origem ao esporófito, uma planta diplóide multicelular que, por meiose, irá produzir esporos haploides, que darão origem a novos gametófitos[1].

Nas plantas vasculares - as espermatófitas e as pteridófitas - o esporófito corresponde à planta "adulta" com um caule e folhas, enquanto que o gametófito se encontra reduzido, nas primeiras ao macroprotálo no óvulo e ao grão de pólen, nas segundas a um protalo, uma planta muito simples e por vezes subterrânea.

Nas espermatófitas, os gametófitos masculino e feminino encontram-se separados e, tal como em relação ao esporângio, assumem também nomes diferentes:

  • microgametófito, o masculino — o grão de pólen; e
  • macrogametófito, o feminino - o macroprotálo multi-arquegoniado no óvulo das Gimnospérmicas e o saco embrionário no óvulo das Angiospérmicas.

O desenvolvimento do microgametófito no interior do grão de pólen chama-se microgametogênese.

Nos musgos, fungos e muitas algas, a planta "adulta" é o gametófito haploide, que produz gâmetas que vão dar origem ao esporófito, que pode estar reduzido a uma estrutura efémera.

Referências

  Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.