Abrir menu principal
Gemini XI
Gemini 11 patch.png
Informações da missão
Operadora NASA
Foguete Titan II GLV 62-12566
Espaçonave Gemini SC11
Astronautas Pete Conrad
Richard Gordon
Base de lançamento Complexo 19,
Estação da Força Aérea
de Cabo Kennedy
Lançamento 12 de setembro de 1966
14h42min26s UTC
Cabo Kennedy, Flórida,
 Estados Unidos
Amerrissagem 15 de setembro de 1966
13h59min25s UTC
Oceano Atlântico
Órbitas 44
Duração 2 dias, 23 horas,
17 minutos, 9 segundos
Altitude orbital 1 368 quilômetros
Inclinação orbital 28,8 graus
Imagem da tripulação
Gordon e Conrad
Gordon e Conrad
Navegação
Gemini X
Gemini XII

Gemini XI foi o nono voo tripulado do Projeto Gemini, o segundo programa espacial tripulado da NASA. A missão ocorreu entre 12 de setembro e 15 de setembro de 1966 e estabeleceu o recorde de altitude de uma nave Gemini em órbita, 1189,3 km. Foi realizado um 'rendez-vous' (encontro orbital) e acoplagem com o estágio do Veículo Alvo Agena, lançado ao espaço pouco antes e uma caminhada espacial pelo astronauta Richard Gordon.

TripulaçãoEditar

PrincipalEditar

Posição Astronauta
Piloto Comandante Charles "Pete" Conrad Jr.
Piloto Richard F. Gordon Jr.

ReservaEditar

Posição Astronauta
Piloto Comandante Neil A. Armstrong
Piloto William A. Anders

MissãoEditar

Com o programa Apollo no horizonte do objetivo do programa espacial norte-americano, os diretores do projeto Gemini queriam uma missão que fizesse um acoplamento no espaço logo após entrar em órbita, o que provavelmente deveria ser feito em órbita lunar. Assim apenas 85 minutos depois do lançamento de Cabo Kennedy, Pete Conrad, no comando da missão, e Richard Gordon, piloto, estabilizaram-se na mesma órbita do estágio do Agena e realizaram diversas manobras de acoplagem e desacoplamento.

O comandante 'Pete' Conrad, que seria o terceiro homem a pisar na Lua três anos depois, tinha esperanças durante o treinamento de que poderia comandar o primeiro voo de uma nave Gemini de ida e volta à Lua – o que nunca ocorreu – mas teve que se contentar com um voo que atingiu a maior altura em relação à superfície terrestre até então alcançada por uma nave espacial, cerca de 1200 km em órbita.

 
A Gemini XI e o Agena em órbita, ligados por um cabo.

Gordon realizou duas caminhadas espaciais, tendo muita dificuldade e apresentando muito cansaço na primeira, que foi interrompida com apenas trinta minutos, mostrando mais uma vez a grande diferença que existia entre o treinamento em terra em condições simuladas de falta de gravidade e a realidade no espaço. Na segunda, com duas horas de duração e que decorreu de maneira mais tranquila, Gordon ligou as duas naves, a Gemini e o Agena, que estavam acopladas, com um cabo, para realizar experiências de rotação conjunta no espaço, quando as duas naves estivessem separadas, que acabou tendo resultados apenas parciais, devido à dificuldade da tripulação em manter tensionado o cabo entre as duas naves no espaço.

Entre as diversas experiências científicas realizadas ainda pela tripulação, foram feitas fotografias sinóticas do tempo e da superfície terrestre, testes da radiação no espaço em leucócitos e medição de emulsões nucleares.

A missão Gemini XI foi a primeira a ter uma reentrada controlada completamente por computadores, fazendo com que a cápsula amarasse apenas 4,5 km fora do ponto de descida designado.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar