Georg Stiernhielm

Georg Stiernhielm (Svartskär, Dalarna, 1598Estocolmo, 1672) foi um linguista e poeta sueco. É conhecido como o ”pai da arte poética sueca” (den svenska skaldekonstens fader).[1][2]

Georg Stiernhielm
Georg Stiernhielm porträtterad 1663 av David Klöcker Ehrenstrahl.
Nascimento 7 de agosto de 1598
Morte 22 de abril de 1672 (73 anos)
Storkyrkoförsamlingen
Cidadania Suécia
Filho(s) Georg Otto Stiernhielm
Alma mater
Ocupação escritor, poeta, matemático, poeta jurista, arqueólogo, historiador, filósofo
Prêmios

Em 1668, publicou a coletânea de poemas Musæ Suethizantes, na qual está incluído o seu poema mais famoso, o poema épico Hercules, em versos hexamétricos.[1][3]

VidaEditar

Stiernhielm nasceu na propriedade da família Gammelgården, na aldeia Svartskär, na paróquia de Vika, em Dalarna, onde seu pai, Olof Markvardsson, da nobre família mineira Stierna, era mineiro e meirinho. O sobrenome Stiernhielm, literalmente "Star Helmet", foi tirado mais tarde na vida, quando ele foi criado na nobreza sueca. Ele cresceu na região de Bergslagen, onde seu pai trabalhava com a indústria de mineração. Stiernhielm recebeu sua primeira escola em Västerås, mas também foi educado na Alemanha e na Holanda.

Em 1636 ele obteve a mansão Vasula perto de Tartu, na Estônia, e viveu lá até 1656, quando se mudou devido à guerra com a Rússia de volta para Estocolmo. Ele foi eleito membro da Royal Society of London em dezembro de 1669.[4]

TrabalhosEditar

Ele foi um pioneiro da linguística e, mesmo que muitas de suas conclusões mais tarde se provassem erradas, foram aceitas por seus contemporâneos. Stiernhielm tentou provar que o gótico, que ele equiparou ao nórdico antigo, era a origem de todas as línguas, e que os países nórdicos eram a vagina gentium , o local de nascimento dos humanos.

Sua obra mais famosa é "Hércules", um poema épico em hexâmetro, sobre como Hércules em sua juventude é tentado por Fru Lusta ("Sra. Lust") e suas filhas a escolherem um estilo de vida imoral para seu futuro. A alegoria, conhecida como Hércules na encruzilhada, pode ser rastreada até o sofista ateniense Pródico de Ceos, conforme preservado em Xenofonte.

Stiernhielm foi o primeiro poeta sueco a aplicar os medidores de versos de poetas antigos à língua sueca, modificando seu princípio de sílabas longas e curtas para um princípio de sílabas tônicas e átonas, que melhor se adequa à fonologia do sueco, usando ideias desenvolvidas por Martin Opitz e depois teoricamente aplicado ao sueco por Andreas Arvidi. Isso o tornou conhecido como "o pai da poesia sueca". Seu Musæ Suethizantes de 1668 é considerado o primeiro livro sueco importante de poesia.[4]

ObraEditar

  • Hercules (1658)
  • Musæ Suethizantes (1668)

Referências

  1. a b Magnusson, Thomas; Peter A. Sjögren (2004). «Georg Stiernhielm». Vad varje svensk bör veta (O que todos os suecos devem saber) (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag e Publisher Produktion AB. p. 358. 654 páginas. ISBN 91-0-010680-1 
  2. «Georg Stiernhielm». Norstedts uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts. 2007-2008. p. 1228. 1488 páginas. ISBN 9789113017136 
  3. Linnell, Björn (1999). «Stormaktstiden». Litteraturhandboken (em sueco). Estocolmo: Forum. p. 293. 848 páginas. ISBN 91-37-11226-0 
  4. a b "Stjernhjelm, Georg" . Encyclopædia Britannica (11ª ed.). 1911

Ver tambémEditar

FontesEditar

  • Litteraturhandboken. 6.ª edição. Estocolmo: Forum, 1999. p. 742. ISBN 91-37-11226-0
  • NORDBERG, Olof; WITTROCK, Ulf. Dikt och data (Literatura e dados históricos). Lund: Gleerup, 1973. p. 69-71. ISBN 91-40-02860-7

Ligações externasEditar