Abrir menu principal
George Berkeley
George Berkeley
Retrato de Berkeley, por John Smybert (1688–1751)
Data de nascimento: 12 de março de 1685
Local: Condado de Kilkenny,
Royal Standard of Ireland (1542–1801).svg Irlanda
Morte 14 de janeiro de 1753 (67 anos)
Local: Oxford, Inglaterra,
Flag of Great Britain (1707–1800).svg Grã-Bretanha
Principais interesses: Física
Teologia
Metafísica
Filosofia da Linguagem
Teoria das cores
Ciências naturais
Matemática
Ideias notáveis Idealismo, Empirismo
Trabalhos notáveis Tratado sobre os Princípios do Conhecimento Humano
Influências: John Locke, Isaac Newton, Nicolas Malebranche
Influenciados: Albert Einstein, David Hume, Immanuel Kant, Thomas Reid, Arthur Schopenhauer, John Stuart Mill, Ernst Mach
Alma mater Trinity College (Dublin)
Assinatura: George Berkeley signature.jpg

George Berkeley (Condado de Kilkenny, 12 de março de 1685 - Oxford, a 14 de janeiro de 1753) foi um filósofo idealista irlandês cuja principal contribuição foi o avanço de uma teoria que ele chamou de "imaterialismo" (mais tarde conhecido como idealismo subjetivo). Essa teoria nega a existência de substância material e, em vez disso, sustenta que objetos familiares como mesas e cadeiras são apenas ideias na mente daqueles que os percebem e, como resultado, os objetos não podem existir sem serem percebidos. Berkeley também é conhecido por sua crítica à abstração, uma importante premissa em seu argumento para o imaterialismo.

Em 1709, Berkeley publicou sua primeira grande obra, Um Ensaio para uma Nova Teoria da Visão, na qual ele discutiu as limitações da visão humana e postulou a teoria de que os objetos apropriados da visão não são objetos materiais, mas formados por luzes e cores.[1] Essa premissa fundamentou sua Magnum Opus, Tratado sobre os Princípios do Conhecimento Humano, de 1710. Após a má recepção, ele reescreveu a obra em forma de diálogo e a publicou sob o título Três Diálogos entre Hylas e Philonous.

Neste livro, os pontos de vista de Berkeley foram representados por Philonous (grego: "amante da mente"), enquanto Hylas ("matéria" em grego) incorporou os oponentes de Berkeley, em particular John Locke. Berkeley argumentou contra a doutrina de espaço, tempo e movimento de Isaac Newton em De Motu publicada em 1721. Seus argumentos foram precursores de ideias desenvolvidas por Mach e Einstein.[2] Em 1732, ele publicou Alciphron, uma apologética cristã contra os livres-pensadores, e em 1734, lançou The Analyst, uma influente crítica dos fundamentos do cálculo.[3]

Em seu último grande trabalho filosófico, Siris (1744), Berkeley abarca uma ampla gama de tópicos, incluindo ciência, filosofia e teologia. O interesse pelo trabalho de Berkeley aumentou após a Segunda Guerra Mundial, pois ele abordou muitas das questões que passaram a ocupar o centro dos interesses da filosofia no século 20. Entre esses assuntos estão o problema da percepção, a diferença entre qualidades primárias e secundárias e a importância da linguagem.[4]

Índice

Filosofia imaterialistaEditar

A teoria de George Berkeley de que a matéria não existe vem da ideia de que "as coisas sensíveis são aquelas que são imediatamente percebidas pelo sentido”. Todo o conhecimento vem da percepção; o que percebemos são ideias, não coisas em si mesmas; uma coisa em si deve ser uma experiência externa; então o mundo consiste apenas de ideias e mentes que percebem essas ideias; uma coisa só existe na medida em que percebe ou é percebida. Através disso, podemos ver que a consciência é considerada algo que existe, para Berkeley, devido à sua capacidade de perceber. "O 'Ser', do objeto, significa ser percebido ao passo que o 'ser', do sujeito, significa perceber."[5]

A teoria de Berkeley baseia-se fortemente em sua forma de empirismo, que por sua vez depende fortemente dos sentidos. Seu empirismo pode ser definido por cinco proposições: todas as palavras significantes significam ideias; todo nosso conhecimento é sobre nossas ideias; todas as ideias vêm de fora ou de dentro; se vêm de fora devem-se aos sentidos, e estas são chamadas de sensações, se vêm de dentro eles são as operações da mente, e são chamadas de pensamentos.[6] Berkeley esclarece sua distinção entre ideias dizendo que elas "são impressas nos sentidos", "percebidas atendendo às paixões e operações da mente", ou "são formadas pela ajuda da memória e da imaginação".[6]

Uma contestação à sua ideia era: se alguém sai de uma sala e a deixa de perceber, aquela sala deixaria de existir? Berkeley responde isso afirmando que ela ainda está sendo percebida e que a consciência que a está percebendo é a de Deus. Essa afirmação sustenta seu argumento de que é " nosso conhecimento do mundo, e da existência de outras mentes dependem de um Deus que nunca nos enganaria". O argumento de Berkeley postula um ser onisciente e onipresente.[6]

CronologiaEditar

 
Berkeley College, da Universidade de Yale foi nomeado em homenagem a George Berkeley.
 
Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
  • 1685. Nasce George Berkeley, no dia 12 de março, em Kilkenny, na Irlanda, no Castelo de Dysart, próximo a Thomastown.
  • 1696. Berkeley vai para o Kilkenny College.
  • 1700. Ingressa no Trinity College, de Dublin.
  • 1702. É eleito Scholar.
  • 1704. Recebe o título de Bacharel em Artes (B.A.), no Trinity College.
  • 1707. Recebe o título de Mestre em Artes (M.A.); é eleito fellow do Trinity College; desenvolve a filosofia imaterialista, parcialmente registrada em dois cadernos de anotações, conhecidos atualmente como Comentários filosóficos; publica dois breves tratados matemáticos, intitulados Arithmetica e Miscellanea Mathematica.
  • 1708. Profere, em 11 de janeiro, um sermão sobre a imortalidade; redige a primeira versão da Introdução (manuscrita) do Tratado sobre os princípios do conhecimento humano.
  • 1709. Publica Um ensaio para uma nova teoria da visão.
  • 1710. Publica Tratado sobre os princípios do conhecimento humano; ordena-se padre.
  • 1712. Publica Discurso sobre a obediência passiva, previamente apresentado na forma de três sermões.
  • 1713. É apresentado à Corte Inglesa por Jonathan Swift, autor da obra Viagens de Gulliver, e logo se torna um favorito da Corte; publica, em Londres, Três diálogos entre Hylas e Philonous; faz sua primeira viagem pelo continente europeu; visita Paris e Lyon, dentre outras cidades.
  • 1716. Como acompanhante de viagem de George Ashe (1658-1718), bispo de Clogher e amigo de Swift, faz um grande tour pela Europa; visita Paris, Roma, Turim, Nápoles, dentre outras cidades.
  • 1717. Escreve uma carta sobre a erupção do Monte Vesúvio; mantém um diário sobre sua viagem à Itália.
  • 1720. Retorna a Londres.
  • 1721. Recebe o título de Bacharel em Teologia (B.D.) e o de Doutor em Teologia (D.D.); publica De Motu; Essay on the Ruine of Great Britain.
  • 1722. Resolve criar um colégio nas Bermudas; é indicado para Deão de Dromore.
  • 1724. Nomeado Deão de Derry; delega seu cargo e usa sua renda para sustentar o Projeto Bermudas; publica An Proposal for the Better Supplying of Churches in our Foreign Plantations, and for converting the Savage Americans to Christianity, o anúncio público do Projeto Bermudas.
  • 1726. O Parlamento aprova, e o tesouro promete, uma subvenção de £20.000 para o Projeto Bermudas.
  • 1728. Em agosto, casa-se com Anne Forster; em setembro, depois de quatro anos de preparação para o novo colégio, viaja para a América do Norte; desembarca em Virgínia.
  • 1729. Em Newport, Rhode Island (EUA), compra uma propriedade para o colégio.
  • 1730. Espera a subvenção do Tesouro; pronuncia sermões; escreve Alciphron.
  • 1731. Fica sabendo que a subvenção não será paga; retorna a Londres.
  • 1732. Publica Alciphron, or The Minute Philosopher, obra em sete diálogos “contendo uma apologia a favor da religião cristã contra os assim chamados livre-pensadores”.
  • 1733. Publica A teoria da visão confirmada e explicada.
  • 1734. É consagrado bispo de Cloyone, onde serve sua diocese durante quase vinte anos; publica O analista.
  • 1735. Publica A Defence of Free-thinking in Mathematics e a primeira parte de The Querist, uma obra que examina as razões das péssimas condições econômicas na Irlanda.
  • 1736. Publica a segunda parte de The Querist.
  • 1737. Publica a terceira parte de The Querist; em Dublin, toma posse na Casa dos Lordes.
  • 1738. Discourse Addressed to Magistrates.
  • 1744. Publica Siris: a Chain of Philosophical Reflections and Inquiries concerning the Virtues of Tar-water, and divers other subjects, obra que contém uma discussão dos valores medicinais da água de alcatrão e faz uma exposição sobre a natureza metafísica do universo físico e espiritual assim como de Deus.
  • 1749. Publica Word to the Wise.
  • 1751. Morre William, seu filho mais velho.
  • 1752. Deixa Cloyne e vai para Oxford com sua família, onde estuda seu filho George. Publica Miscellany e a última edição de Alciphron.
  • 1753. Morre em Oxford, no dia 14 de janeiro; é enterrado na nave da Christ Church, de Oxford.

Contribuição para a física aplicada ao corpo humanoEditar

A maior contribuição do cientista para a Física e o estudo do corpo humano foi o entendimento da visão associado a elementos sensitivos.

Assim como a percepção de distância, tamanho e coordenadas dos objetos, o livro Um ensaio para a nova teoria da visão,[7] situa-se em tese central que a compreensão de análise de variados objetos não é controlada apenas pela visão, mas sim com forte participação de outro sentido, como o tato.

A visualização dos objetos se baseia, em adaptações nas sensações nos movimentos oculares, porém as ideias de distância, grandeza e posição dos objetos, são proporcionadas pelo tato. Para Berkeley, o principio básico da visão é realmente apenas a percepção da luz e das cores. Distância, grandeza e posição são provocadas pelos próprios movimentos oculares, que assumiriam papéis de sinais, que seriam compreendidos pela visão.

A contribuição maior de Berkeley para o estudo posterior da física aplicada ao corpo humano, é o entendimento dos músculos oculares, assim aplicado ao estudo da ótica, possibilitando a compreensão e análise de lentes e patologias associadas a visão.

Outro aspecto impactante de Berkeley nos estudos dos fenômenos naturais, era sua intensa crítica aos termos físicos empregados principalmente por Newton, como por exemplo o termo "atração " ,onde as matérias se atraíam, e nada mais era dito sobre o assunto, apenas se assumia o fenômeno de atração, fato que deixava Berkeley profundamente perplexo, já que para ele, para se assumir algo, é necessário provar suas causas, para entender os porquês das reações, julgando raso e improcedente tais termos, gerando acaloradas discussões e principalmente despertando o interesse de seus leitores e físicos da época para que se provasse esses fundamentos tão profundos em significância.

ObrasEditar

  • Arithmetica (1707)
  • Miscellanea Mathematica (1707)
  • Philosophical Commentaries or Common-Place Book (1707–08, notebooks)
  • An Essay towards a New Theory of Vision (1709)
  • A Treatise Concerning the Principles of Human Knowledge, Part I (1710)
  • Passive Obedience, or the Christian doctrine of not resisting the Supreme Power (1712)
  • Three Dialogues between Hylas and Philonous (1713)
  • An Essay Towards Preventing the Ruin of Great Britain (1721)
  • De Motu (1721)
  • A Proposal for Better Supplying Churches in our Foreign Plantations, and for converting the Savage Americans to Christianity by a College to be erected in the Summer Islands (1725)
  • A Sermon preached before the incorporated Society for the Propagation of the Gospel in Foreign Parts (1732)
  • Alciphron, or the Minute Philosopher (1732)
  • The Theory of Vision, or Visual Language, shewing the immediate presence and providence of a Deity, vindicated and explained (1733)
  • The Analyst: a Discourse addressed to an Infidel Mathematician (1734)
  • A Defence of Free-thinking in Mathematics, with Appendix concerning Mr. Walton's vindication of Sir Isaac Newton's Principle of Fluxions (1735)
  • Reasons for not replying to Mr. Walton's Full Answer (1735)
  • The Querist, containing several queries proposed to the consideration of the public (three parts, 1735-7).
  • A Discourse addressed to Magistrates and Men of Authority (1736)
  • Siris, a chain of philosophical reflections and inquiries, concerning the virtues of tar-water (1744).
  • A Letter to the Roman Catholics of the Diocese of Cloyne (1745)
  • A Word to the Wise, or an exhortation to the Roman Catholic clergy of Ireland (1749)
  • Maxims concerning Patriotism (1750)
  • Farther Thoughts on Tar-water (1752)
  • Miscellany (1752)

Em PortuguêsEditar

Ligações ExternasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre George Berkeley:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons

Ver tambémEditar

Referências

  1. See Berkeley, George (1709). An Essay Towards a New Theory of Vision 2 ed. Dublin: Jeremy Pepyat  via Google Books
  2. Popper, K.R. «A note on Berkeley as precursor of Mach». The British Journal for the Philosophy of Science. IV (13). 13 páginas 
  3. Turbayne, C. M. «Berkeley's Two Concepts of Mind». Philosophy and Phenomenological Research. 20 (1): 85–92. JSTOR 2104957. doi:10.2307/2104957 
    Repr. in Engle, Gale; Taylor, Gabriele (1968). Berkeley's Principles of Human Knowledge: Critical Studies. Belmont, CA: Wadsworth. pp. 24–33  In this collection of essays, Turbayne's work comprised two papers that had been published in Philosophy and Phenomenological Research:
  4. Turbayne, Colin, ed. (1982). Berkeley: critical and interpretive essays. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press. ISBN 978-0-8166-1065-5 
  5. The Editors of Encyclopædia Britannica. “George Berkeley.” Encyclopædia Britannica, Encyclopædia Britannica, Inc., 6 Feb. 2012, http://www.britannica.com/biography/George-Berkeley. Accessed 15 Mar. 2017.
  6. a b c Urmson, J. O., et al. “The Attack on Matter.” British Empiricists, Oxford University Press, Oxford, 1992, pp. 106–124.
  7. Marques, José Oscar de Almeida. «Análise sobre Uma nova teoria da visão» (PDF)